Sebastopol

Sebastopol

 

RICARDO BONALUME NETO, DE SÃO PAULO

ClippingNEWS-PAHá um fator que torna mais complexa a crise entre Rússia e Ucrânia em torno da Crimeia: as importantes instalações militares na região, notadamente a base de Sebastopol, sede da Frota do Mar Negro russa. Os líderes da finada União das Repúblicas Socialistas Soviéticas achavam que o comunismo não acabaria jamais, muito menos suspeitavam que as tais repúblicas fossem um dia se tornar países independentes.

O resultado foi espalhar russos étnicos por todo o vasto país e estabelecer instalações militares importantes em territórios fora da Rússia. Com a desintegração da URSS, isso significou que bases importantes passaram a ficar em território estrangeiro –como o centro espacial de Baikonur, no Cazaquistão.

O expansionismo russo a partir da Idade Média levou pouco a pouco as fronteiras do país na direção do mar, mas com restrito acesso oceânico mesmo no auge do poderio do país. Ao norte estão o gelado mar de Barents e o Ártico, região de difícil navegação. O mar Báltico e o mar Negro estão “fechados” por estreitos dominados por outros países.

O acesso oceânico só é mais livre no distante oceano Pacífico –longe da principal área econômica russa. Ter acesso a portos em “águas quentes” sempre foi um objetivo político da Rússia dos czares, encampado pela URSS.

Soviet_and_Russian_Black_Sea_Fleet

Durante o período soviético, Sebastopol era sede de uma poderosa esquadra que vigiava as frotas americanas no Mediterrâneo, por exemplo em momentos de crise, como a Guerra do Yom Kippur entre árabes e israelenses, em 1973. Nacionalistas russos como Putin têm saudades desse período em que o país era uma potência com influência planetária.

A Marinha da União Soviética entrou em grave decadência depois do colapso do comunismo. Não só muitos navios foram desativados, como alguns foram “repartidos” entre os novos países. A Ucrânia ficou com parte da Frota do Mar Negro, por exemplo.

Ironicamente, os principais estaleiros militares na região estão situados em Mikolaiv/Nilolaiev, no
território ucraniano. A melhora da economia russa trouxe um aumento de gastos militares e a Marinha voltou a operar mais continuamente, além de receber novos navios.

Perder o acesso aos estaleiros já foi um grande baque para o poderio da Marinha russa. Perder as bases navais na Crimeia é algo simplesmente impensável para os líderes russos. Mesmo que hoje a Marinha russa não tenha mais um rival tradicional, como era a americana durante a Guerra Fria, navios de guerra ainda são um forte símbolo de prestígio internacional.

Ïîäàðêè ïðåçèäåíòàì

FONTE: Folha de São Paulo

Tags: , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

One Response to “Perder suas bases na região é algo impensável para os líderes russos” Subscribe

  1. Ivan 17 de março de 2014 at 18:53 #

    “Há um fator que torna mais complexa a crise entre Rússia e Ucrânia em torno da Crimeia: as importantes instalações militares na região, notadamente a base de Sebastopol, sede da Frota do Mar Negro russa.”

    Uma reparação é necessária.

    A Crimeia não é importante por causa das bases, pelo contrário.
    As bases navais, as fortificações e demais instalações mitares foram construídos na Crimeia ao longo dos SÉCULOS por que a Crimeia era importante.

    Há uma inversão de valores.

    Este pedaço de terra pouco menor que as Alagoas (26.081km² contra 27.767km²) divide o Mar Negro, lançado como uma ponta de lança entre as metades, tendo sua costa sudeste com montanhas que protegem este flanco e a costa sudoeste recortada, que permite portos seguros para navios de todas as épocas. Sua ligação com a terra é pelo istmo de Perokop com uma largura em torno de 9 (nove) quilômetros, uma frente que pode ser defendida por uma divisão reforçada.

    Como se não bastasse é possível cultivar a terra e criar animais (cavalos no passado) para manter a população.

    É praticamente uma fortaleza auto sustentável.

    Não é a tôa que ao longo dos séculos diversos povos imperialistas procuraram conquistar a penísula e fixar os seus na mesma. Atenienses, romanos, bizantinos, godos, hunos e mongóis, que aparentemente deram origem aos Tártaros, que se fixaram por lá.

    Depois foi a vez dos Turcos Otomanos, que, como Império, cobravam tributos dos tártaros e usavam a península para incursionar contra os russos mais acima.

    Até que em 1.777 a Rússia invadiu a penísula (General Sovorav) para proteger seu flanco sudoeste. Percebendo a importância estratégica para defesa, mas também para ataque e comércio, a Czarina Catarina II (acho que foi esta) anexou ao território russo em 1783, iniciando a construção de Sebastopol.

    A Guerra da Crimeia de1853 a 1856 foi uma tentativa de afastar os russos do Mar Negro, contendo suas ambições expansionistas, mas assegurando as ambições de britânicos, francos, sardos e otomanos. Envolveu também regiões dos Balcãs, mas aí é outra história.

    A Turquia sempre controlou a entrada do Mar Negro através do Bósforo-Mármara-Dardanelos.

    Mas a chave para dominar o fluxo dentro do Mar Negro é a Crimeia, principalmente ao norte do mesmo.

    Sds.
    Ivan, o Antigo.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Marinha de Guerra do Peru confirma a aquisição de cinco helicópteros SH-2G Super Seasprite

A Marinha do Peru materializou através do Canadian Commercial Corporation, a aquisição de cinco helicópteros Kaman SH-2G Super Seasprite. O […]

Obras do Núcleo do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul-Sudeste são iniciadas

Estrutura pertencente ao desativado Serviço de Sinalização Náutica em Santos-SP – Em nota divulgada em 5 de outubro, a Marinha […]

Do canhão à imagem

Acima, foto do navio hidrográfico Garnier Sampaio (H 37) levando a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré no tradicional Círio […]