A tualmente, nacionalização é um dos principais objetivos da Marinha. A Corveta Barroso foi o primeiro navio a incluir, já no seu projeto, sistemas desenvolvidos no país. Destacam-se o sistema de controle tático, desenvolvido pela empresa CONSUB, e os sistemas de controle da propulsão, de lançadores de “chaff” e de MAGE, desenvolvidos pelo IPqM. Seguindo essa linha de nacionalização, também foram contratados sistemas nacionais para os Navios-Patrulha de 500 toneladas (Classe “Macaé”). Dentre esses, estão dois produtos do IPqM: o Terminal Tático Inteligente (TTI) e o Sistema de Controle da Propulsão (SCM).

TERMINAL TÁTICO INTELIGENTE

Terminal Tático Inteligente - TTI

O TTI pode ser empregado em qualquer tipo de plataforma (superfície, aérea e submarina) e permite a solução tática a partir da visualização e avaliação do cenário em torno da plataforma.

Essa composição do cenário é obtida pela aquisição de informações dos sensores integrados ao sistema (radares, GPS, giro e hodômetro).
O sistema disponibiliza ao operador a apresentação do movimento relativo e verdadeiro da plataforma, permitindo tracking manual e automático de contatos. O TTI pode se comunicar com outras plataformas por meio de um link de trans-missão de dados de até 2400 bps. Nos navios da Classe “Macaé”, o TTI opera com um console único, mas pode também operar de modo distribuído, em rede local. Trata-se do primeiro sistema tático brasileiro a incorporar cartas náuticas eletrônicas homologadas pela DHN. É prevista a inclusão de interfaces com outros sensores e sistemas como: SCM, MAGE, anemômetro, canhões etc.

SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAÇÃO

SCM

O SCM dos NPa de 500 ton é uma versão simplificada do SCM da Corveta Barroso. O hardware utilizado é de uso comercial (COTS – commercial-of-the-shelf) e o software foi totalmente desenvolvido pelo IPqM. O SCM é composto de 03 subsistemas: o Subsistema de Controle e Monitoração de Propulsão e Auxiliares (SCMPA); o Subsistema de Controle de Avarias (SCAV); e o Subsistema Manual Remoto (SMR).O SCMPA fornece set-points para os reguladores dos motores, assim como monitora e atua em equipamentos auxiliares do navio. Enquanto os reguladores cuidam do funcionamento desses equipamentos stand-alone, o SCMPA garante a perfeita interação entre os motores e a  engrenagem reversora.

O SCAV auxilia na segurança física do navio. Para isso, ele indica a leitura de sensores que monitoram compartimentos quanto à presença de fumaça, de temperatura alta e a ocorrência de alagamento, permitindo, o acionamento remoto de alguns equipamentos. O SMR é um recurso que permite o comando direto de motores, quando os computadores do SCMPA estiverem em baixa. Ele só pode ser operado do Centro de Controle de Máquinas (CCM) e tem prioridade sobre o Modo Automático. Nesse modo, o operador atua diretamente sobre cada motor.

Navio-Patrulha Macaé

FONTE: Informativo Pesquisa Naval, do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira

Tags: , , , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

8 Responses to “Nacionalização nos navios-patrulha classe ‘Macaé’” Subscribe

  1. eduardo.pereira1 12 de abril de 2014 at 20:11 #

    Parabens aos desenvolvedores destes sistemas e ao emprego destes pela MB em nossos navios !!

  2. José da Silva 14 de abril de 2014 at 15:32 #

    Bom mesmo estão os Avisos Patrulha que começaram a ficar confusos.

    Um colega nosso, o Henrique Ferrinho, fotografou um com o nome Barracuda (também tem noticia do CCSM com ele) e indicativo GptPNSE-03 (Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste).

    O problema é que tem um outro Barracuda – GptPNNE-01 do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste (Natal). A pergunta: É a mesma embarcação com subordinação transferida ou é outra.

    Ta parecendo que o Ensign Osso entrou em ação novamente.

  3. Adam Foerster 14 de abril de 2014 at 16:27 #

    O Siconta não realiza as mesmas tarefas?

  4. Alexandre Galante 14 de abril de 2014 at 22:28 #

    O Siconta é mais complexo e mais caro, para navios maiores.

  5. Joker 15 de abril de 2014 at 10:55 #

    14 de abril de 2014 at 15:32 # Edit

    Bom mesmo estão os Avisos Patrulha que começaram a ficar confusos.

    Um colega nosso, o Henrique Ferrinho, fotografou um com o nome Barracuda (também tem noticia do CCSM com ele) e indicativo GptPNSE-03 (Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste).

    O problema é que tem um outro Barracuda – GptPNNE-01 do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste (Natal). A pergunta: É a mesma embarcação com subordinação transferida ou é outra.

    Ta parecendo que o Ensign Osso entrou em ação novamente.

    ___

    É a mesma embarcação com subordinação transferida

  6. José da Silva 16 de abril de 2014 at 11:56 #

    Valeu Joker :-)

  7. Mauricio R. 20 de abril de 2014 at 1:47 #

    Será que os estaleiros envolvidos na construção desses cascos, seriam capazes de dota-lo de um passadiço 360º???
    Semelhante ao “L’Adroit”.
    Sem a interferência da DCNS ou da CMN???

Trackbacks/Pingbacks

  1. Nacionalização nos navios-patrulha classe ‘Macaé’ - 17 de abril de 2014

    […] Fonte: Informativo Pesquisa Naval, do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira via Poder… […]

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Visita da Saab e da Embraer ao NAe ‘São Paulo’

No dia 04 de setembro de 2014, um grupo de técnico das empresas SAAB e EMBRAER visitou o Navio-Aeródromo São […]

Terceiro dia de incêndio nas proximidades de Aramar mobiliza helicópteros da Marinha

Focos de incêndio mobilizaram três helicópteros da Marinha neste domingo (14), em área de vegetação pertencente ao Centro Experimental de […]

Programa de submarinos (Prosub) avança com seção de qualificação

ICN recebe a primeira Seção totalmente produzida no Brasil Mais um passo importante no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) […]

Amazul e FDTE assinam acordo para participar do programa do submarino nuclear brasileiro

A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. e a FDTE – Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia […]

Revista Forças de Defesa número 11 em versão digital: para iPad, iPhone e Android

A revista Forças de Defesa também está disponível para download pelo aplicativo O Jornaleiro, disponível para iPad, iPhone e smartphones/tablets […]

Museu Aeroespacial incorpora helicóptero da Marinha ao acervo

Em solenidade, no mês de agosto, o Museu Aeroespacial incorporou ao acervo histórico a aeronave Sikorsky SH-3 Sea King, doado […]