Maersk Luz - 01 set 2011 - 3

Sergio Barreto Motta

A China acaba de anunciar veto ao P3, sistema em que três dos maiores armadores do mundo iriam atuar em consórcio para transportar contêineres de e para o país asiático. Compõem o P3 a líder mundial Maersk, a suíça MSC e a francesa CMA CGM. União Européia e os Estados Unidos decidiram autorizar essa atuação, mas vão monitorar as ações, para evitar danos a seu comércio externo. Ao atuarem em bloco, o P3 teria condições de impor níveis de fretes aos importadores e exportadores dessas regiões. Para a Ásia, por exemplo, vão usar nada menos de 255 navios.

Informa a revista inglesa PFI que a Maersk se disse surpresa com a decisão chinesa. O presidente da Maersk, Nils Andersen, afirmou que, com o acordo, haveria redução de custos e de emissão de gases na atmosfera. A MSC também se disse desapontada e afirmou que a atuação conjunta significaria redução no consumo de combustíveis e no custo geral. A China não deu explicações, mas, certamente, levou em conta que ter parte de suas cargas sob controle de três gigantes estrangeiros poderia comprometer objetivos nacionais.

No Brasil, a situação é bem mais grave, pois se a China tem empresas de grande porte, como a Cosco, para se contrapor aos gigantes internacionais, o Brasil sequer dispõe de um navio porta-contêineres nas rotas externas. Na verdade, o governo brasileiro sequer sabe detalhes da operação dos estrangeiros.

No momento, um grupo pressiona a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para que ao menos exija o registro dos armadores estrangeiros e obrigue que eles informem os níveis de fretes aplicados para exportadores e importadores brasileiros. Há pressões também para que o governo estimule a criação de frota nacional que, embora pequena, permita comparações com a ação dos armadores estrangeiros no comércio exterior brasileiro. (clique no gráfico para ampliar)

TRANSPORT: Maersk Triple-E

FONTE: Portos e Navios

Tags: , , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

One Response to “Brasil e China na guerra dos contêineres” Subscribe

  1. Lyw 24 de junho de 2014 at 18:58 #

    “… Há pressões também para que o governo estimule a criação de frota nacional que, embora pequena, permita comparações com a ação dos armadores estrangeiros no comércio exterior brasileiro…”

    Isto poderia ser muito benéfico, tanto para uma postura firme do Brasil na “geopolítica dos contêineres” quanto para a indústria naval nacional que atualmente tem na transpetro uma reserva de mercado.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]