Maersk Luz - 01 set 2011 - 3

Sergio Barreto Motta

A China acaba de anunciar veto ao P3, sistema em que três dos maiores armadores do mundo iriam atuar em consórcio para transportar contêineres de e para o país asiático. Compõem o P3 a líder mundial Maersk, a suíça MSC e a francesa CMA CGM. União Européia e os Estados Unidos decidiram autorizar essa atuação, mas vão monitorar as ações, para evitar danos a seu comércio externo. Ao atuarem em bloco, o P3 teria condições de impor níveis de fretes aos importadores e exportadores dessas regiões. Para a Ásia, por exemplo, vão usar nada menos de 255 navios.

Informa a revista inglesa PFI que a Maersk se disse surpresa com a decisão chinesa. O presidente da Maersk, Nils Andersen, afirmou que, com o acordo, haveria redução de custos e de emissão de gases na atmosfera. A MSC também se disse desapontada e afirmou que a atuação conjunta significaria redução no consumo de combustíveis e no custo geral. A China não deu explicações, mas, certamente, levou em conta que ter parte de suas cargas sob controle de três gigantes estrangeiros poderia comprometer objetivos nacionais.

No Brasil, a situação é bem mais grave, pois se a China tem empresas de grande porte, como a Cosco, para se contrapor aos gigantes internacionais, o Brasil sequer dispõe de um navio porta-contêineres nas rotas externas. Na verdade, o governo brasileiro sequer sabe detalhes da operação dos estrangeiros.

No momento, um grupo pressiona a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para que ao menos exija o registro dos armadores estrangeiros e obrigue que eles informem os níveis de fretes aplicados para exportadores e importadores brasileiros. Há pressões também para que o governo estimule a criação de frota nacional que, embora pequena, permita comparações com a ação dos armadores estrangeiros no comércio exterior brasileiro. (clique no gráfico para ampliar)

TRANSPORT: Maersk Triple-E

FONTE: Portos e Navios

Tags: , , , ,

Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

Um comentário para “Brasil e China na guerra dos contêineres”

  1. Lyw 24 de junho de 2014 at 18:58 #

    “… Há pressões também para que o governo estimule a criação de frota nacional que, embora pequena, permita comparações com a ação dos armadores estrangeiros no comércio exterior brasileiro…”

    Isto poderia ser muito benéfico, tanto para uma postura firme do Brasil na “geopolítica dos contêineres” quanto para a indústria naval nacional que atualmente tem na transpetro uma reserva de mercado.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Marinha peruana estuda três opções para renovar sua força de superfície

DE_LA_PENNE__5____a

  Não é só a Esquadra brasileira que necessita equacionar a renovação de sua força de superfície em um cenário […]

Cerimônia de incorporação do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ à Marinha do Brasil

Vital de Oliveira - 1

  Em uma cerimônia de batismo, mostra de armamento e transferência para o setor operativo, o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico […]

Ministério da Defesa menos otimista com as chances do Prosuper em 2015

FREMM 523b

Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Passam os […]

Grã-Bretanha vai investir mais de R$ 1 bilhão na defesa das Ilhas Malvinas

Falkland_islands_250m

A Grã-Bretanha vai gastar £ 280 milhões (R$ 1,3 bilhão) nos próximos dez anos para reforçar a defesa das Ilhas […]

Parceria BAE Systems/Ares fornecerá canhões Mk.4, de 40 mm, à Marinha

Bofors MK4

Dentro de mais três semanas o grupo BAE Systems Bofors AB assina com a Marinha do Brasil, no Rio de […]