Home Patrulha Naval LAAD 2015: patrulheiro venezuelano avariado não deixará o Brasil antes de 2016

LAAD 2015: patrulheiro venezuelano avariado não deixará o Brasil antes de 2016

1376
3
PC 22 Warao da Venezuela - foto Nunão - Poder Naval
Navio-patrulha oceânico Warao da Venezuela atracado ao AMRJ – foto Nunão / Poder Naval

 

Vinheta ExclusivoA reportagem do Poder Naval presente à LAAD 2015, no centro de exposições do Riocentro, no Rio de Janeiro, apurou que o navio-patrulha venezuelano Warao, que vem sendo submetido a reparos desde 2012 no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ), não será liberado para retornar a seu país antes do terceiro trimestre de 2016.

A notícia foi obtida, nesta quarta-feira (15.04), junto a fontes da Armada Bolivariana da Venezuela que visitaram a mostra internacional de armamentos do Riocentro – a mais importante realizada no país.

Projetado para vigiar a Zona Econômica Exclusiva das águas próximas ao litoral venezuelano, o Warao, de 2.400, encalhou ao largo do litoral de Fortaleza (CE), no segundo semestre de 2011, quando participava da operação binacional Venbras, sofrendo danos importantes, especialmente à popa.

O navio adernou para boreste e alguns de seus compartimentos ficaram inundados. Houve danos extensos em quadros de energia, cabos elétricos, sistemas de distribuição de força e até em equipamentos de refrigeração.

Houve a necessidade de transportar o Warao, por via marítima, para o AMRJ, onde o navio ficou aos cuidados da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron).

Mais tarde, a própria Emgepron sugeriu aos venezuelanos a contratação de um serviço de assessoria junto ao estaleiro espanhol Navantia, fabricante da embarcação, que pertence à classe “Avante 2.200”.

PC 22 Warao da Venezuela - destaque foto Nunão - Poder Naval

Demora – De acordo com as mesmas informações, nesse momento a Marinha venezuelana mantém 15 oficiais e subalternos no Rio de Janeiro, acompanhando os reparos no patrulheiro.

A demora na liberação do navio deve-se ao fato de os fabricantes dos diversos sistemas embarcados no Warao precisarem certificar cada um dos consertos que foram – ou estão sendo – efetuados.

O comando da Armada Bolivariana da Venezuela pretende, dentro de alguns anos, converter os seus patrulheiros classe Avante 2.200 em corvetas, complementando  o seu armamento atual – baseado em canhões leves e metralhadoras pesadas – com mísseis antiaéreos e antinavio, possivelmente de fabricação chinesa ou russa.

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Luiz MonteiroRibeiro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ribeiro
Visitante
Ribeiro

Aos amigos com conhecimento da MB…
Este navio teve sinistro na costa do Ceará, e foi rebocado para o Rio… A distância para a Venezuela é quase a mesma…
Tecnicamente falando (me poupem das esplicações ideológicas), alguém sabe me dizer porque veio para o Rio e não para a Base em costa Venezuelana…
E esse tempo todo no Rio, é possível que o pessoal do ARMJ possa ter “agregado” algum conhecimento ao velho estilo chinês (desmonta, olha, monta), ou ele só está ocupando espaço mesmo…
Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Ribeiro, Após o sinistro com o navio Warao, a Navantia, fabricante do navio, avaliou a extensão dos danos e fez uma proposta à marinha venezuelana para trasladar o navio para a Venezuela ou para a Espanha, a fim de se realizar os reparos. Por sua vez, a Marinha do Brasil também apresentou proposta para realização dos reparos no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ). Esta proposta foi aceita pelo Governo Venezuelano. Para realizar os reparos, o AMRJ precisou receber da Navantia alguns documentos (plantas digitais) que permitiram a fabricação de cavernas e o chapeamento de fundo do… Read more »

Ribeiro
Visitante
Ribeiro

Obrigado Luiz Monteiro…
Explicou (desta vez correto com x e não s) inclusive o que eu esqueci de perguntar e queria… se este navio era moderno ao ponto de se “olhar” algo?
Com certeza, o conhecimento e aprendizado das pessoas envolvidas não se apaga….

Abraços