Acabou o rodízio das Niterói no Líbano: ‘Barroso’ será incluída na FTM-UNIFIL

Acabou o rodízio das Niterói no Líbano: ‘Barroso’ será incluída na FTM-UNIFIL

1197
10
barroso-V34-PWSC-aspirantex-mortona-02-02-15-5 copy
Corveta “Barroso” atracada, no início deste ano, em Santos (SP)

 

Roberto Lopes

Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa

Vinheta ExclusivoAcabou o rodízio das fragatas classe “Niterói” (Vosper Mk. 10) para o atendimento da representação brasileira na Força Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL).

Devido aos diversos problemas apresentados por esse agrupamento de navios – que nos últimos 35 anos tem “carregado o piano” da Esquadra – o Comando da Marinha decidiu que, em dezembro deste ano, a corveta Barroso (V34) partirá para a costa libanesa, a fim de render a fragata União (F45), que se encontra, nesse momento, em preparativos para ser submetida ao conserto dos seus hélices na cidade italiana de Taranto.

O imprevisto com a União, que se encontrava em rota para o Líbano, obrigou a fragata Constituição (F42) a prolongar sua permanência na Força Tarefa Marítima, mas esse problema foi resolvido com a chegada a Beirute, esta semana, do navio-patrulha oceânico Apa (P121).

O patrulheiro, de 1.700 toneladas (menos da metade do deslocamento de uma “Niterói” a plena carga), permanecerá como navio representante da Marinha do Brasil na UNIFIL até que a União, já com hélices novos, possa assumir o lugar que lhe fora designado originalmente – o que deve acontecer entre a última semana de junho e a primeira quinzena de julho.

Fragata União
A fragata “União” apresentou problemas nos hélices quando se encontrava em rota para o Líbano

 

Em janeiro de 2016 a União será rendida pela corveta Barroso (V34)

A corveta é um navio de 103,5 m de comprimento e 2.400 toneladas (a plena carga), com autonomia para permanecer por 30 dias em missão. Sua velocidade nominal máxima, com turbina a gás, é de 30 nós, e, com motores diesel, de 22 nós. Mantendo a velocidade de 12 nós, seu raio de ação é de 4.000 milhas (ou 7.200 km).

No início deste ano a embarcação participou da Operação Aspirantex transportando um helicóptero UH-12 Esquilo; no Líbano precisará operar um modelo AH-11 Super Lynx Mk 21A, de esclarecimento e ataque, dotado de metralhadora pesada.

Prazo – Cinco anos atrás, quando aceitou a missão de integrar a FTM-UNIFIL, o comando da Marinha do Brasil imaginava que cada uma das suas embarcações não permaneceria em patrulhamento no litoral libanês e águas adjacentes por mais de dois ou três meses. Mas a realidade revelou-se bem diferente.

Como apenas cinco navios classe “Niterói” estão disponíveis, cada um deles precisa se desincumbir de um período de seis meses em missão.

A tarefa básica é vigiar o tráfego nas rotas de acesso às águas jurisdicionais libanesas. Isso por meio de um procedimento padrão.

Ao captar um barco em aproximação para o mar territorial do Líbano, o navio da FTM-UNIFIL deve se identificar como unidade a serviço das Nações Unidas, e perguntar, via rádio, se esse navio se dirige ao litoral libanês. Em caso de resposta afirmativa, são feitas perguntas sobre o último porto visitado, tipo de carga, rumo e velocidade que a embarcação pretende adotar.

Cabe ao navio da FTM-UNIFIL, então, fornecer a rota que o barco desconhecido deve cumprir para alcançar seu porto.

Quando há suspeita de que a embarcação possa transportar armas ou outra carga ilícita qualquer, é realizada uma abordagem e a inspeção.

Incêndio – Nesse momento, apenas duas das seis fragatas classe Niterói – a Liberal (F43) e a Independência (F44) – estão disponíveis no país.

Conforme informamos, a União está imobilizada em Taranto. A Constituição empreende o regresso do Líbano para o Brasil, a Niterói (F40) está docada no porto de Aratu (BA), e a Defensora (F41) está parada (incapacitada de navegar) no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro – situação em que se encontra há vários anos, devido à cessão de componentes para outros navios de sua classe.

O cansaço dessas embarcações é evidente.

Às 23h35 da noite de 28 de janeiro deste ano, uma quarta-feira, um incêndio de pequenas proporções irrompeu no compartimento de máquinas da fragata Liberal. Havia três tripulantes de serviço naquele momento, mas ninguém se feriu.

Após Missão de pPaz no Líbano Fragata Liberal atracou em Natal
Fragata “Liberal” em manobra de atracação no porto de Natal (RN)

 

Remotorização – A força de superfície da Esquadra está, aliás, bastante reduzida nestes dias.

Além dos desfalques no agrupamento das fragatas “Niterói” , e da indisponibilidade das três corvetas classe “Inhaúma”, resta no litoral brasileiro apenas um dos três NaPaOcs (navios-patrulha oceânicos) classe “Amazonas”: o Araguari (P122). O Apa está no Mar Mediterrâneo, e o Amazonas (P120) participa das manobras Obangame Express, operação anti-pirataria que se desenvolve no Golfo da Guiné.

NPaOc Apa
Navio-patrulha oceânico “Apa”

 

Conforme o Poder Naval informou com exclusividade no último dia 10 de abril (em Marinha decide tentar estender a vida útil das fragatas classe “Niterói” até 2027/2030), o comandante da Força, almirante-de-esquadra Eduardo Leal Ferreira, resolveu reativar o plano de remotorização das fragatas Vosper Mk.10, que foi elaborado em 2013 e, ano passado, teve sua execução suspensa .

O planejamento objetiva manter ao menos quatro unidades da classe “Niterói” em serviço até o final da próxima década – entre 2027 e 2030.

A ideia dos almirantes brasileiros é resgatar um oferecimento que o estaleiro espanhol Navantia e a companhia alemã de motores MTU fizeram à Força Naval brasileira, há pouco mais de 20 meses, no sentido de modernizar, por meio de motores diesel, o sistema de propulsão das embarcações.

10 COMMENTS

  1. “Em janeiro de 2015 a União será rendida pela corveta Barroso (V34)”

    Roberto será que você não quis dizer janeiro de 2016?

    Assim sendo, espero que a União aguente o tranco por 6 meses até a chegada da Barroso.

    Ah, eu sabia que no final das contas sobraria para a Barroso… Ela dá conta do recado, é o suficiente para a missão a ser cumprida, o problema é que só temos uma, então surge a pergunta, que navio irá render a Barroso?

    A melhor coisa que o Brasil pode fazer é abandonar o comando da FTM-UNIFIL no final do I semestre de 2016.

  2. ” que navio irá render a Barroso? ”

    Lyw…

    o fim do rodízio não significa que as Niteróis não serão mais enviadas e sim que o rodízio contará com um navio “diferente” das 3 Niteróis envolvidas no rodízio até agora.

    Estranhei que apenas 3 e não 4 Niteróis estavam sendo usadas para o rodízio pois à longo prazo 3 navios seriam insuficientes para manter a cobertura, mas, a marinha teve suas razões para empregar apenas 3.

    A “Lili” deveria ser a próxima a substituir a União, então,meu palpite é que ela seja aprontada para substituir a Barroso em meados do ano que vem.

    Ainda bem que o Apa estava disponível…coisas assim ocorrem até na US Navy e lá como aqui alguma gambiarra precisa ser feita.

    abraços

  3. Daltonl, isto eu já tinha entendido, o problema é, a “Lili” terá realmente condições de ir? As Niteróis estão dando todos os sinais de que já estão no limite, precisam urgente passar pelo programa de remotorização e extensão de suas vidas úteis.

    Na minha opinião, depois da Barroso a MB deveria passar a bola pra outra marinha em melhores condições, sob pena de pagar um mico internacional ainda maior.

  4. Depois eu sou o chato reclamão. Todo mundo que já pesquisou alguma coisa sobre navios de guerra e sabe como estas fragatas estão sendo usadas nos últimos 23 anos sabe que estes barcos valorosos estão no fim da vida útil.

    Quem irá substituí-las em uma baixa eminente?

    Saudações a todos.

  5. Queria saber em que consiste esse programa de remotorização das Niterói.
    Elas deixariam de ser CODOG para ser CODAD? Ou se escolheriam outras turbinas para trocar? Ou se mexeria nos motores Diesel e deixariam as turbinas atuais? Só achei informações vagas e esparsas sobre o assunto.

  6. _RJ_ (e, aproveitando, Ivany, que perguntou a respeito em outro tópico):

    Há vários anos, o que ouvíamos de fontes ligadas ao assunto eram duas opções: CODAD ou então manter CODOG mas sem a troca das turbinas, apenas dos motores diesel. Sinceramente, não sei qual opção estaria hoje como a mais cotada para extensão da vida útil.

  7. Off Topic… pero no mucho !

    NDD Ceará…. em pane… no mar… com pessoal ferido a bordo…

    EVAM solicitado e atendido pelas forças da Guiana Francesa.

    É a MB no fundo do poço !

    Sds.

LEAVE A REPLY