Home Indústria Petrolífera Sopro de esperança: provas de mar da corveta ‘Júlio de Noronha’ começam...

Sopro de esperança: provas de mar da corveta ‘Júlio de Noronha’ começam no meio do ano

1257
7

V32

Roberto Lopes

Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa

Há muitos ditos populares que, usados com jocosa maledicência, podem retratar o atual estágio operacional em que se encontra a Marinha do Brasil: “desgraça pouca é bobagem”, ou “nada é tão ruim que não possa piorar” e por aí afora…

Os fatos justificam o desânimo.

Nos últimos sete ou oito meses, as restrições orçamentárias e a insegurança dos chefes navais diante da falta de perspectivas para a renovação da força de superfície produziram um extenso rol de más notícias:

  1. a desativação prematura da corveta Frontin;
  2. a revisão dos planos da CV03 (classe Tamandaré), que forçou o adiamento do início de sua construção;
  3. o atraso no desenvolvimento do submarino Riachuelo SBR;
  4. as notícias de problemas de motor em dois submarinos da classe IKL-209 e de desgaste generalizado das fragatas Bosísio e Niterói;
  5. o incêndio no compartimento de máquinas da fragata Liberal;
  6. a incapacidade da Marinha de reunir recursos para ficar com o navio de desembarque francês Siroco, em bom estado;
  7. o silêncio oficial sobre os navios da classe “Inhaúma”;
  8. a declaração do Ministro da Defesa Jaques Wagner de que “não é razoável” se esperar uma definição da Presidência da República acerca do PROSUPER (Programa de Obtenção de Meios de Superfície) antes que a Junta Orçamentária defina o tamanho dos cortes de verba para os ministérios (60 bilhões de Reais? 70? 80?);
  9. a notícia da quebra de dois hélices (!) da fragata União no Mar Mediterrâneo;
  10. a falta de dinheiro para que a Marinha importe mais três helicópteros de médio porte MH-16, cuja transferência para o Brasil já foi autorizada pelas autoridades americanas;
  11. a polêmica em torno do gasto de aproximadamente 1 bilhão de dólares para a reforma do navio-aeródromo São Paulo;
  12. agora a pane do navio-doca Ceará perto do Caribe…

Mas não dá para sentar no meio-fio e chorar.

EISA 006a
Apoio da Marinha foi fundamental, para que o estaleiro EISA, fabricante dos navios-patrulha classe Macaé, recebesse a ajuda da empresa espanhola Navantia

Fim do túnel – Aqui e ali surgem pequenas luzes de boas notícias: a determinação do Comando da Marinha em proceder à modernização do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro; o apoio da Força à parceria operacional do estaleiro espanhol Navantia (favorito para vencer o PROSUPER) com o estaleiro fluminense EISA; a renegociação de uma dívida da Marinha nos Estados Unidos que viabiliza o recebimento, pela Força Aeronaval, dos dois últimos MH-16 do lote de seis, adquirido em 2008; e, agora, a notícia, apurada com exclusividade pelo Poder Naval, de que a Diretoria-Geral do Material prepara a volta da corveta Júlio de Noronha (V32) ao setor operativo da Esquadra.

Dois anos e meio atrás, esse navio foi escolhido para receber um serviço de modernização no seu grupo propulsor – contrato atribuído às empresas Navantia, da Espanha, e MTU, da Alemanha.

Seu retorno ao mar, em um momento em que a força de superfície está fortemente desfalcada, é aguardado com ansiedade.

Antes, claro, precisaremos torcer (não poderia mesmo ser diferente…).

O início das provas de mar da Júlio de Noronha está programado mais para o meio do ano, entre junho e agosto. Caso tudo corra bem, a V 32 se junta ao pequeno grupo de embarcações de águas azuis que tem aguentado a rotina dos patrulhamentos, dos exercícios e das missões de cooperação internacional.

Cronograma – A Marinha é reconhecida como Força tradicionalmente apegada aos cronogramas derivados de seu Plano Diretor, mas os gravíssimos problemas na Petrobras – com repercussão devastadora sobre o funcionamento dos estaleiros e das empresas fornecedoras da indústria naval –, transformaram certas estimativas em documentos de valor meramente histórico.

Esse é o caso, por exemplo, do planejamento de incorporações e desincorporações elaborado, no ano de 2010, pela Coordenadoria do Programa de Reaparelhamento da Marinha da Diretoria-Geral de Material (DGPM/C-PRM).

Perfil da corveta Tamandaré
Concepção artística do novo projeto da corveta classe Tamandaré

O cronograma previa que a primeira corveta classe “Tamandaré” ficasse pronta em 2019, o que agora só acontecerá em 2021; e que a primeira corveta classe “Inhaúma” aguentasse até 2030 antes de ser desativada – medida que precisou ser providenciada em setembro de 2014…

As antecipações de desincorporação dos navios da força de superfície continuam, infelizmente.

A mostra de desarmamento da fragata Bosísio, da classe “Greenhalgh”, estava prevista para acontecer só em 2020, mas deve ser efetivada ainda este ano. A aposentadoria da veneranda Niterói também não deve tardar. Ela devia seguir para o merecido descanso em 2021, mas o mais provável é que isso aconteça já no ano que vem.

Sondagem – De qualquer forma, nesses tempos bicudos, de cinto apertado, é preciso sempre ter muito cuidado na hora de assinar um gasto.

Em dezembro do ano passado, a Marinha do Brasil contratou a Fundação Getúlio Vargas para realizar uma pesquisa de opinião junto à população. O objetivo é saber a imagem que a sociedade tem de sua Força Naval.

O contrato, no valor de 495.000 Reais, acabou de ser renovado.

É de se perguntar por quais parcelas da população essa sondagem irá trafegar.

As pessoas a serem ouvidas estarão minimamente informadas das dificuldades enfrentadas, hoje, pela Marinha do Brasil? Ou as que serão abordadas são aquelas que receberam, nos grotões do país, o conforto e a assistências dos navios-hospitais da corporação?

Pesquisas de opinião (como estatísticas) são, sempre, muito perigosas. Em tese, elas podem ser usadas para mascarar a realidade, e dar prova de que a missão foi cumprida a contento.

Quando o que aconteceu não merece mais do que uma caprichada autocrítica.

Siroco, da classe "Foudre"
O “Siroco”, navio-doca da Marinha francesa que os chefes navais brasileiros perderam por não conseguirem reunir recursos suficientes

7 COMMENTS

  1. A mostra de desarmamento da F-48 está marcada para Julho, a F-40 deve aguentar até 2016, já a V-30 está com os dias contados!

  2. Perfeito, Ricardo.
    Suas informações coincidem com as nossas.
    Me intriga o destino que será dado à CV Jaceguai. Se ainda tentarão recuperá-la…
    Tentarei apurar.

    Abraço.

  3. Infelizmente, o problema da MB é muito mais embaixo…Basta ver as minucias do seu orçamento anual. Vai muito alem desses gastos mal gastos, investimentos mal investidos. O problema é cronico e foi apenas mascarado em tempos de “fartura”; empurrado com a barriga por tempo demasiado.

  4. Sopro da esperança?
    Sei não, mas do jeito que andam as coisas a única solução e mandar o comandante da marinha para um programa ao estilo do antigo Porta Da Esperança. A paciência por aqui ja terminou faz muito tempo.

  5. Torcer para a MB é como torcer pelo Palmeiras, entendem ???

    Vc sofre, sofre, sofre, mas persiste no sofrimento…

    Não tem luz no fim do túnel, mas vc insiste…

    KKKKKKKKKKKKKKKK !!!!

    😉

  6. O sr. Se refere ao siroco no pretérito perfeito… Mas em outros sites não li isso… Algumas informação privilegiada????

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here