Home Marinha do Brasil NPaOc ‘Amazonas’ (P 120) – Vídeo suspendendo de Santos

NPaOc ‘Amazonas’ (P 120) – Vídeo suspendendo de Santos

473
25

Vídeo produzido pelo Blog Canal do Porto de Santos do NPaOc ‘Amazonas‘ (P 120) supendendo hoje, 24/10/2015 de Santos.

Vídeo: Blog Canal do porto de santos – www.canaldoportodesantos.com

25 COMMENTS

  1. OFF topic: Se for do interesse dos editores abrir novo tópico para discussão.

    Estava lendo alguma coisa sobre navios quando esbarrei com a Freedom class littoral combat ship da marinha americana, e gostei bastante do navio, me pareceu um bom projeto, gostaria da opinião de vocês sobre essa classe??

    Me parece que poderia ser uma opção para MB pelas informações que li, não me pareceu ser muito barata, porem o que mais me chamou a atenção é o deslocamento dessa classe, praticamento o mesmo das nossa fragatas da classe Niterói.

    • oi Eparro, nao acho um UQTR, acho ele bem bacana e a impressão visual deles muda muito a opinião com relação a tamanho aparente. Exemplificando nunca gostei da CV Barreto (V 34), quando a vi pela primeira vez navegando mudei completamente de idéia. incluindo falei aqui sobre isto

      Te respondendo especificamente = sim bunitinhos

  2. Sou da opinião de que deveríamos aproveitar e dar sequência na aquisição de mais unidades do tipo, de preferência construídas por aqui (dando trabalho aos estaleiros que hoje estão a beira do colapso total). Esta seleção não deveria mais fazer parte do PROSUPER já a muito tempo. Só serviu de empecilho na seleção que realmente importava (Escoltas, NDAf, NTanques).

    É o que penso.

    Até mais!!! 😉

    • Construir aqui ? aonde ?? irmão não é bem assim e manter alguem vivo estaleiristicamente falando dependendo de encomendas estatais apenas é aceitar a incopetencia tecnica e falta de capacidade para construir projetos eficientes,competitivos e exportar … lamento Wellington, mas não é assim que funciona …

  3. MO, por favor não deixa postarem o quadratico retangulatico Francês aquele o La Andretta, La sei eu direito daquela coisa horrível…….

    G abraço

  4. Mas MO o objetivo não é exportá-lo (pelo menos a princípio) e sim fornecer a MB que está precisando de meios. A MB já não possui as plantas e comprou o direito de produzi-los aqui?! Pois então, que selecionem um estaleiro que preste (este NPOc não é dos mais complexos) e is construa com apoio técnico da BAe System.

    A única alteração que acho pertinente é a colocação de um hangar, o que não deve ser nada de outro mundo. Usar a demanda militar não é nada de estranho, muito pelo contrário, é costumeiramente usado para manutenção de empregos qualificados da construção naval em diversos países (EUA, RU, FR, etc…). Todos, eu disse TODOS, os países no mundo fazem isto, por que não podemos?!?!

    É preciso fazer algo, ficar parado de braços cruzados e ver o “navio afundar” é que não podemos. Não há dinheiro para comprarmos Escoltas novas top de linha?! Então que optemos pelas mais em conta (projetos coreanos, ou chineses). Não há dinheiro nem para isto?! Então optemos por algo, mesmo que usado, tenhamos um melhor aproveitamento (como as Maestrales). Ou então deixemos a arrogância de lado e aceitemos de vez as OHPs quase “de grátis” dos EUA.

    Agora não vejo motivo insistirmos com a ideia de comprarmos outro projeto de NPOc, muito menos continuar com a intenção de mantê-lo no PROSUPER. Mas ainda acho profícuo a construção naval militar, via iniciativa privada…….os erros acontecidos até aqui, servem de aprendizado para corrigi-los, até mesmo para que possamos enfrentar novos e maiores desafios. Erro seria anbandonar, de novo, a indústria naval à própria sorte.

    É o que penso.

    Até mais!!! 😉

    • ah Blz, eu pensei em estaleiro, vc em MB, agora entendi o seu ponto de vista

      Mas um navio militar é mais complicado qe um Mercante em termos de construção … não estamos tão apto assim e do mesmo jeito seria movimentar uase tudo para meia duzia isto ou daquilo … do mesmo jeito acho qwue nao da, vide o parto que foi para fazer CV no Verolme, Gururu no Ceará e Mururu no Eisa, imagine navos mais especializados…

      Abs

  5. Wellington, tu entendu absolutamente nada que o MO explicou.

    Tchê põe na tua cabeça __________________ que não tem estaleiro qualificado, não tem pessoal qualificado, o AMRJ tá na capa da gaita, com uma deficiência de mais 60% de pessoal, com equipamentos completamente defasados e para se começar a pensar neste negócio levaria fazendo tudo certo uns cinco anos para iniciar a construção de um Napaoc, e ainda com a atual legislação trabalhista e a carga tributária em cascata sobre insumos, cada um iria custar o preço de um Detroyer classe Darling.

    Esquece, muitas coisas precisam mudar para se fazer construção naval militar no Brasil, qualquer dúvida volta as páginas aqui no PN e dá uma lida de novo no post sobre o Eisa e os Mururus.

    G abraço

    COMENTÁRIO EDITADO. RESPEITE OS DEMAIS COMENTARISTAS

  6. Wellington,

    “Todos, eu disse TODOS, os países no mundo fazem isto, por que não podemos?!?!

    Resposta: Pq não temos a inteligência e muito menos a verve moral para termos essa capacidade como prioridade.

    Me desculpa mesmo, mas vc tem que estudar muito mais para poder tecer certos comentários sobre o que é possível e o que não é possível de se fazer no Brasil para só ai vc vai poder se aventurar em dizer o que “deve ser feito”.

    O que está faltando para o seu entendimento é o básico sobre “Métodos e Processos” e depois vc aplica esse conhecimento a P&D e só ai vc entenderá o que é necessário para uma nação um barquinho descente.

    Ps.: e não são esses 3D meia boca que a Emgepron “lança” não.

    A china levou 25 anos para poder fazer os seus e começar a preucupar o ocidente… a Koreia levou 30 anos importando projetos dos Italianos, Alemães e Americanos sem falar em uma estraordinária política industrial para o setor de construção Naval para fazerem o que eles podem fazer hj…

    …e o Brasil quer ser o “rei da cocada preta” em 16 anos?

    Sem mexer no ambiente Legal e Tributário?

    Sem mexer no ensino superior?

    Sem mexer no ensino técnico? Ps.: isso não existe no Brasil.

    Sem criar uma política para o setor?

    Só um país fez isso na história, sabe quem? A Ex-URSS, e o que aconteceu com eles? NADA… faliram e entraram para os anais da irrelevancia histórica como modelo produtivo.

    Já falei isso aki e eu espero que vc seja capaz de entender:

    “– O Brasil não tem a capacidade de prouzir as tecnologias que produzem tecnologias!”

    Ps.: O mais triste é que não temos as mentes, não em número suficiente. É por isso que eu e tatos outros pescamos o que podemos pescar.

    Pps.: e todos são fisgados de muito bom grado, afinal, são inteligentes.

    Espero que tenha dado.

  7. Juarez, __________________________________. Não puxei assunto contigo, muito menos usei de desrespeito (a não ser agora) para dar minha opinião, vai procurar o que fazer.

    Oganza, me esquece, já te disse e até aonde sei, como aqui é espaço para trocar idéias, tu não tens nenhuma moral para dizer o que eu posso ou não comentar.

    São por estas e outras que gente mais equilibrada deixa de nos brinda com opiniões realmente pertinentes e relevantes.

    Aff!!!

    COMENTÁRIO EDITADO. RESPEITE OS DEMAIS COMENTARISTAS

  8. _____________________________

    COMENTÁRIO APAGADO. RESPEITE OS DEMAIS COMENTARISTAS.

    JUAREZ E WELLINGTON, PAREM COM ESSA BRIGA ESTÚPIDA, SEJA NESTA OU EM FUTURAS MATÉRIAS.

    ESTAMOS AVISANDO PRIMEIRO ANTES DE TOMAR MEDIDAS DE SUSPENSÃO QUE NEM UM NEM OUTRO VÃO GOSTAR.

    PRÓXIMOS COMENTÁRIOS QUE SIGAM NESSA LINHA, DE QUALQUER UM DOS DOIS, SERÃO INTEGRALMENTE APAGADOS, COMO FOI O CASO DESTE.

    • Oi Eparro

      Barreto pq enho algo contra o nome da embarcação, assim como as Tamanduas (o mesmo se aplica com o nome …)

      Mas ela ao vivo é bem invocada !!!!

  9. Wellington,

    não custa repetir e lembrar:

    – O Brasil não tem a capacidade de prouzir as tecnologias que produzem tecnologias.

    Enquanto vc não for capaz de entender a acachapante verdade sobre a afirmação acima, o pq de estarmos nessa situação e principalmente quais são os Meios, Métodos e Processos necessários para sairmos de tal situação, vc continuará a regujitar “opiniões” que sempre continuarão caindo na caixa da ridícula irrelevância…

    …e isso é um problema seu… mas quando o seu “tom” vier com viés de “verdade”, ou melhor, de inverdade com um aparente objetivo de desinformar, pois vc os sustenta repetidas vezes quando refutados, eu sempre, repito, SEMPRE vou me manifestar, queira vc goste ou não.

    Simples Assim.

    “A melhor solução para recém alfabetizados é ler mais” Nelson Mandela.

    Dessa vez eu espero que tenha dado. 🙂

  10. MO 29 de outubro de 2015 at 20:06 #

    Meu, percebi isto desde que comecei a ler as postagens por aqui.

    A Amazonas eu visitei aí em Santos, quando você anunciou no meio do ano passado (se não me engano) mas a “Barreto” ainda não tive a satisfação. Aliás tinha um cargueiro azul claro “enorme” atracado por aí na época que visitei a Amazonas.

    Aliás, a MB bem que poderia melhorar esse lance de nomes de batismo de suas embarcações.

    Rio à toa com mururu, gururu, tamanduá e por aí afora.

    Saudações

    • Oi Eparro, não faltara oportunidade … tamos ai assim que souber aviso aqui

      ahhh “O” Amazonas ‘o’ navio nao ‘a navia’ …. kkkkkk

      os uuus da vida sao pelos nomes ….rssssss

  11. Prezados,

    Sem uma grande assessoria de um estaleiro internacional, seria muito difícil construir navios de escolta em nossos estaleiros.

    Abraços

  12. Eparro, é uma questão de gosto sobre as “lL Andretta”, tem gosta de mulher, tem quem não goste….

    G abraço

    PS Eu gosto de mulher….

  13. Oganza, vou te chamar de “Oganza – O Oráculo, aquele que sabe tudo, ouve tudo, o deus da trilogia” rsrsrs

    Deixa de ser narcisista, prepotente e arrogante (nem digo pedante, porque tu estás longe disso, rsrsrs), que sempre se põe como conhecedor nato dos assuntos.

    Diferentemente de ti, sempre ponho minhas opiniões na base do “é o que penso”, “é o que acho”, quando não, pergunto e peço correção dos colegas. E ai tu vens com esse papo de que estou querendo desinformar?!?! Quando afirmo algo, eu justifico minha afirmação com exemplos e informativos, mas tu (como outros aqui) banca o sabichão na base apenas do que diz, como se “la garantia soy yo”, faça-me o favor……. Se limita ao que ler, sem se preocupar com o entendimento do que escrevi, aliás, pinça parte do texto pra querer justificar seu entendimento truncado, patético, típico de Troll, como diria um conhecido nosso.

    Além de ______________é ________________se esconde atrás de um Nickname sem justificativa, detalhe, só expressa opinião aqui, na Trilogia, um grupo privado, se apoiando atrás de um grupinho mequetrefe (os três patetas), como se precisasse de alguém para apoiá-lo no que afirma, típica atitude de gente com dificuldade de se inserir, por isto prefere estar em qualquer grupo, aliás, mania de dizer que participa de algum, pois vem arrotar que “eu participo de um grupo na ONU”, rsrsrsrs. Grandes _________, eu fiz parte do time de basquete na minha escola e era uma bosta de um armador, mas eu “estava no grupo”. O que mais vejo nestas instituições (OEA, World Bank, BID, CAF, etc…) é gente colocada em posições na base do QI (Quem Indica), ao que parece tu se porta como uma destas.

    Não consegue se expressar com argumentação própria sem antes menospreza a de outro, típica atitude de moleque pimbudo que mede o pinto, pra dizer que o dele é maior do que os de outros, rsrsrsrs……… Ou então igual àqueles playboyzinhos da Doca (na década de 1990), que saia no tapa com outro, só porque o GSI dele não dava conta com o GTI do outro. Kkkkkkkkkk

    No mais, continuarei a comentar se achar que posso e devo, não será você ‘óóó Oráculo’, quem me fará impedir. Paro por aqui neste assunto contigo, Oráculo! rsrsrs

    COMENTARIO EDITADO. RESPEITE OS DEMAIS PARA SER RESPEITADO, SEM OFENSAS GRATUITAS.

  14. Cdt Luiz Monteiro, boa tarde!

    Em primeiro lugar, quero explicar melhor, pois em nenhum momento eu escrevi que deveríamos construir Escoltas sem apoio de um estaleiro internacional experiente, aliás, em nenhum momento eu me referi sobre Escoltas, mas tão somente NPOc.

    Agora uma questão me veio à cabeça, os Classe Amazonas têm características que se assemelham às Escoltas modernas? Se sim, então realmente temos um problema a mais, mas se não, qual seria o limitador técnico para que novas dessas embarcações sejam construídas no país?

    Até mais!!! 😉

  15. Welligton,

    Tem uma técnica que se chama dinheiro que o GF ta sem pro que realmente interessa a naçao, mas sobra pros amigos deles.

    A titulo de exemplo, tem uns NPa de 500 tons de um projeto dos anos 70/80 que MB tem os planos/plantas de construçao, inclusive ja ha dois construidos no pais e em serviço, pois bem cade eles patrulhando?

    Sera que esse NPa 500 sao tao dificeis de fazer? Imagine um NPa 1800? A Barroso passou quantos anos para ficar pronta?

  16. Alguém sabe informar quantos dias de mar em média estão fazendo os NPAOC’s Amazonas e APA, e quais comissões previstas para o mesmo?
    Agradeço desde já, abraço

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here