Esquadra Brasileira
Navio-Aeródromo São Paulo liderando a Esquadra em exercício. Atualmente o único porta-aviões brasileiro encontra-se parado sem previsão de retorno

Por Mauro Malin

Em 8 de setembro de 2013, o jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem de Roberto Godoy sob o título “Exército precisa de R$ 58 bilhões até 2030”. Uma semana antes, o caderno “Ilustríssima”, da Folha de S. Paulo, trouxera artigo de Ricardo Bonalume Neto, “Exercícios de guerra”. Godoy e Bonalume são aves raras. Jornalistas especializados em assuntos militares. Altamente competentes. Fazem um trabalho importante.

Mas é preciso ir além de relatar planos das Forças Armadas. É preciso discutir a lógica das opções estratégicas de seus chefes. Algo que o almirante reformado Mario Cesar Flores, 82 anos, ministro da Marinha do governo Fernando Collor (1990-92), procura há décadas fazer em diálogo com a sociedade, por intermédio da imprensa.

A infrequência de reportagens sobre o aparelhamento das Forças Armadas reforça a constatação de que o assunto escapa inteiramente ao interesse da opinião pública. “Responsabilidade direta sobre o Brasil nós não temos desde a Guerra do Paraguai (1864-70)”, diz Flores. “Fomos às duas guerras mundiais (1914-18 e 1939-45) como caudatários, sem responsabilidade fundamental. Não existe, na cabeça do brasileiro, a ideia de que possamos vir a ser ameaçados. Vejo isso com meus filhos, com meus netos. Não passa pela cabeça deles essa hipótese. Eles não veem as Forças Armadas como uma coisa essencial.”

No entanto, a questão militar propriamente dita – não a questão da interferência política dos militares – é essencial e não deveria ser praticamente ignorada na mídia jornalística, o que a torna invisível para a população. Há quase 25 anos, Flores bateu na mesma tecla em entrevista concedida ao Jornal do Brasil (ver “A guerra é assunto de todos”, no site Poder Naval). Para uma visão mais completa do pensamento do almirante, vale a pena visitar as páginas onde se encontra o programa Roda Viva, da TV Cultura, em que ele, ministro da Marinha, esteve no centro do debate (ver aqui).

CFN - 2
Fuzileiros Navais brasileiros em treinamento

Fuzileiros e submarinos

Almirante Flores
Almirante Mario Cesar Flores

Flores, ativo no processo de transição da ditadura para a democracia – fez parte, por exemplo, de comissão chefiada por Afonso Arinos de Melo Franco (1905-90) que, no governo de José Sarney, preparou um esboço de anteprojeto de nova Constituição –, colabora constantemente na imprensa. Cultiva na escrita (como na fala) uma clareza rara.

Há alguns anos, mantém uma coluna mensal de opinião no O Estado de S.Paulo. Seu texto mais recente é “Causas estruturais da violência e da desordem”, onde há mais de uma passagem de avaliação crítica do papel da mídia, tanto a jornalística como a de entretenimento. Em relação à primeira, escreve: “Delitos escandalosamente graves são superados após indignação cultivada sensacionalisticamente pela mídia, num processo facilitado pela renovação contínua e diversificada”.

Nesta entrevista, feita por telefone, Flores questiona, a título exemplificativo, algumas das opções estratégicas feitas pelo Ministério da Defesa e as três Forças. Entre elas, projetos da Marinha como os de uma segunda força de fuzileiros da Esquadra (“precisa é dar condições muito boas para a primeira, a que existe”) e o de uso de submarinos para proteger plataformas de petróleo, cuja exposição na imprensa atribui aos interesses (leia-se Odebrecht) de construção de um grande complexo de estaleiro e base naval em Itaguaí, Rio de Janeiro. Põe em dúvida, também, a necessidade de certas despesas, como a de ter adidos navais das três Forças em embaixadas do Brasil, e não um só representante do Ministério da Defesa.

A seguir, a entrevista.

Controlar fronteiras 

Que exemplos de pontos controversos da estratégia de defesa, ausentes do debate devido ao desinteresse geral, o senhor apontaria?

Mario Cesar Flores – No caso da Força Aérea, por exemplo, o pensamento é sobre o papel da FAB no acidente da TAM, no acidente da Gol, no controle dos aeroportos. Defesa aérea propriamente dita passa despercebida. Na parte da Marinha, o que se fala hoje em dia – coisa, aliás, muito curiosa – é a defesa dos interesses do Brasil no mar. Concretamente, na retórica do governo, defesa do pré-sal. Mas não se vai defender plataforma de petróleo com submarino. Isso se faz com navio patrulha, pequeno, para evitar terrorismo, coisas parecidas. A Marinha é cobrada quando ocorre acidente até mesmo com embarcação de recreio, mas seu preparo militar não merece a atenção da mídia e da sociedade.

E no Exército, que na verdade é a mais barata das Forças, do ponto de vista tecnológico [o reequipamento] está muito atrasado. O arco de fronteira, mencionado no artigo de Roberto Godoy: existiu nos anos 1980 a tentativa do chamado Projeto Calha Norte, que seria uma fiscalização militar da fronteira norte. Foi a época em que começou a haver uma migração da preocupação da Bacia do Prata para a Amazônia, mas não foi adiante. No governo do presidente Sarney houve algum esforço. Já no governo do Collor, de que eu participei, isso foi sufocado, muito diluído, e praticamente cessou.

Recentemente, nos últimos anos, está sendo aventado um projeto, Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), que visa a melhorar as condições de controle – aí não se trata nem de defesa, porque defesa implicaria alguém atacando – das fronteiras mediante modernização dos equipamentos. Uso de veículo aéreo não tripulado, radares, uma espécie de Sivam para o arco de fronteira oeste. Isso está andando a passos lentíssimos, por questões orçamentárias. É um projeto idealmente defensável. Não só defensável. Ele se impõe. Não visa a atacar ninguém, não tem por pensamento fundamental a hipótese de alguém tentar nos invadir. É um projeto de controle das fronteiras que faz uma espécie de papel policial que a polícia não consegue fazer. Eu diria que é o projeto fundamental do Exército hoje.

Niterói F40
Fragata Niterói, adquirida no inícios dos anos 1970 ainda integra a espinha dorsal da Esquadra Brasileira

Sensação de ausência de ameaça

Que motivos, na sua opinião, desencorajam um debate mais amplo das questões de aprestamento militar do Brasil?

M.C.F. – O que eu vejo é uma total inapetência por essas questões, na sociedade e no mundo político. Por uma razão muito simples, desculpe dizer, é meio chato dizer isso: defesa nacional não dá voto. Então, não interessa ao mundo político. Nós temos um documento político de defesa nacional, a Estratégia Nacional de Defesa, um documento razoável. Eu diria que até positivo. E temos o Livro Branco de Defesa, duzentas e tantas páginas, com um excesso de coisas desnecessárias de serem ditas, mas existe. Por acaso o Congresso avalizou algum desses documentos? Que eu saiba, não os examinou nem avalizou. Não deu o aval político para a ideia do governo de defesa nacional. Que eu saiba, as Comissões de Defesa Nacional, da Câmara e do Senado, não deram a menor bola para isso. Está despercebido.

Essa apatia da sociedade e política tem razões. Uma é a ausência de sensação de ameaça externa. Não existe, de fato, ameaça clássica. Existe ameaça irregular, tipo terrorismo, contrabando, imigração ilegal. Ameaça clássica de Estado, não se visualiza nenhuma coisa grave. A outra razão é que defesa nacional não dá voto. Vai-se esmorecendo na opinião pública e no mundo político essa ideia de defesa nacional.

Nosso sistema militar é lembrado, em geral mal lembrado, na síndrome da insegurança pública. É como eu escrevi num texto que estou preparando (lê): “Essa visão parece ignorar a utilidade das Forças Armadas, instituições nacionais permanentes, resistentes a crises, na manutenção de uma sociedade solidária e protegida, mais ainda em países grandes e heterogêneos como o Brasil”.

Os militares começam a ficar meio na contramão. Aparecem até coisas que, a meu ver, têm que ser contidas, para que não se propaguem.

CFN
Desfile do CFN – Corpo de Fuzileiros Navais

Papel de polícia, não

O senhor pode dar um exemplo?

M.C.F. – Outro dia vi uma declaração de um general, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, do Ministério da Defesa, defendendo o papel de controle militar dos eventos públicos de grande repercussão. No final, o Exército no papel de polícia. Coisa de que eu discordo, é óbvio. Eu entendo que possam existir episódios de segurança interna que exijam uma ação tática que só uma força armada, Exército ou fuzileiro naval, é capaz de fazer. Mas faz aquilo e cai fora. Ou seja, usa o tanque para passar por cima de um obstáculo e vai embora. Segurança pública rotineira não é papel militar. Não pode ser.

Se começarmos a “ah, não tem ameaça externa, vamos cuidar da segurança interna”, perdoem-me, mas isso está errado. É preferível aprimorar, modernizar as polícias, e esquecer as Forças Armadas.

Mapa do Pré-Sal
Mapa da Petrobras que mostra a região do Pré-Sal e suas reservas

O Brasil é um país que tem condições de esquecer as Forças Armadas?

M.C.F. – Na minha opinião, não pode. A dimensão nacional, na equação do mundo e, sobretudo, na equação regional, não permite que o Brasil esqueça as Forças Armadas.

Há cenários possíveis de uso do poder militar. Eu entendo que o cenário que veio da Segunda Guerra Mundial e se prolongou na Guerra Fria, e que estava fundamentado no Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (Tiar, 1947), essa segurança coletiva tutelada por uma grande potência perdeu o sentido, porque não existe esse tipo de ameaça. Não tem mais Alemanha [nazista], nem União Soviética.

Protagonismo regional

Mas outros cenários existem. Cenários de guerra irregular. E não se trata de insurreição interna, cuja probabilidade no Brasil é muito pequena. Mas mesmo as externas têm repercussões sobre o Brasil. Algo que eu disse certa vez e fui contestado imediatamente: a dimensão do Brasil faz com que na nossa região – região meio flexível, América do Sul, talvez um pouquinho América Central – o Brasil não possa se omitir. Porque se o Brasil se omite, dá espaço para a interveniência de potências de fora. Se o Brasil se omite no problema do Equador com o Peru, dá respaldo para os Estados Unidos intervirem no problema. Acho que na nossa região o Brasil tem um papel protagônico – a palavra é meio complicada – que exige a existência de Forças Armadas eficientes. Não se trata de capacidade de invadir ninguém, mas de fazer uma intervenção, por mandado internacional, que seja eficiente. Não dar procuração para outro fazer no nosso lugar.

g25 alte Saboia - foto MB
NDCC Almirante Saboia empregado na Missão de Paz no Haiti

Desse ponto de vista, a participação no Haiti se justifica plenamente?

M.C.F. – Acho que sim. Até porque as razões humanitárias têm que ser levadas em consideração. O Haiti, por sua configuração racial, sua cultura, é um lugar em que o Brasil tem um papel. Não há a menor dúvida de que um brasileiro no Haiti é mais bem-visto do que o inglês, o alemão. Faz sentido.

O Brasil não é grande potência. Tem preocupações ambientais, humanitárias e econômicas que são globais, mas na segurança e defesa ele tem que, pelo menos num horizonte relativamente longo, priorizar a sua região. Onde ele deve ser protagônico, sim. O barão do Rio Branco dizia isso cem anos atrás.

base-de-submarinos-de-itaguai
Concepção da nova Base de Submarinos e Estaleiro de Itaguaí-RJ

Inovações megalômanas

Que tipo de evolução das Forças Armadas seria indicado? Isso está espelhado nos documentos de estratégia nacional?

M.C.F. – Está razoavelmente especificado. Eu não detecto nesses documentos erros graves. O que eu detecto neles – aí, é preciso ser franco – são propósitos inexequíveis. Não temos como cumprir certas metas de preparo ali postas, e que na verdade não são as peremptórias, urgentes.

PÉGASUS-evadindo-após-desembarcar-tropas
Fuzileiros tomam posição após desembarque de helicóptero

Por exemplo?

M.C.F. – Uma segunda força de fuzileiros da Esquadra. Precisa, de fato? Acho que precisa é dar condições muito boas para a primeira, a que existe. Fuzileiro é transportável, meu Deus. Se houver um problema aqui, ou lá, ou acolá, transporte-se. Eu tenho minhas desconfianças sobre essas inovações megalômanas.

Outra coisa que precisa ser reconsiderada. Fala-se, evidentemente, nas deficiências orçamentárias. Mas nós temos despesas discutíveis. Justificam-se, por exemplo, três adidâncias em Lima, em Santiago? Será que um adido de Defesa não resolveria tudo?

Há quarenta, cinquenta anos atrás, nós vivíamos, do ponto de vista militar, numa total dependência dos Estados Unidos. Era o programa de assistência mútua. Criamos três comissões em Washington – a Naval, a da Aeronáutica e a do Exército. Para aquisição de equipamentos, essas coisas. Justifica-se, hoje? Não seria o caso de ter uma, do Ministério da Defesa?

Eu ouvi uma vez uma frase engraçada de um almirante intendente dizendo que ele entendia que a Comissão Naval em Washington existisse, porque dava chance de alguns oficiais servirem lá durante algum tempo, mas que na verdade ele resolvia tudo pelo computador, aqui do Rio de Janeiro…

Exocet
Corveta Barroso lançando míssil Exocet

Arma de dissuasão

Que colaboração o senhor esperaria da mídia jornalística para colocar o assunto no horizonte da opinião pública?

M.C.F. – É complicado. Eu não vejo um caminho prático para isso. Mas seria uma campanha de conscientização de que ainda existe papel para as Forças Armadas. Os problemas de insegurança que vêm ocorrendo internamente em muitos países e em algumas regiões mostram que ainda existe papel para as forças armadas na política contemporânea. A imprecisão desses problemas irregulares, que não são mais os combates clássicos entre exércitos, faz com que as forças armadas de todo o mundo sintam dificuldades em definir seus papéis. O que lhes cabe nesse contexto e que tipo de preparo e dimensão, configuração etc. devem ter.

E já está acontecendo. Se me perguntassem o que eu acho, eu diria que, por exemplo, no caso da Marinha brasileira, há uma lógica para um projeto de submarino, independentemente de ser ou não nuclear. É uma arma de dissuasão, para que não venham se meter conosco, porque haveria um preço caro.

S-BR, Scorpene modificado
Concepção do S-BR, Scorpene modificado atualmente em construção no novo estaleiro em Itaguaí-RJ

Projeção de poder

No mais, tenho dúvidas a respeito de qual deva ser o preparo. Por exemplo, navios de escolta para tráfego marítimo. Por acaso você vê alguma hipótese de conflito que gere ameaça a tráfego marítimo global, como houve na Segunda Guerra Mundial? Ou como poderia ter havido numa guerra com a União Soviética? Depois da Segunda Guerra nós tivemos Guerra da Coreia, Guerra Índia-Paquistão (1965), Guerra do Vietnã e outros conflitos. Em nenhum deles houve ameaça a tráfego marítimo. Então, tenho minhas dúvidas a respeito de navios de escolta. Agora, a capacidade de projeção de poder é importante. Aviões, fuzileiros, navios de apoio – não adianta apenas colocar os fuzileiros lá e não ter apoio logístico para eles.

Perfil da corveta Tamandaré (CV03)
Perfil da nova corveta Tamandaré (CV03)

Como o desinteresse se configura no Congresso Nacional?

M.C.F. – O orçamento militar é cortado por óbvia compulsão da realidade fiscal brasileira, mas quando é cortado no Congresso não se levam em consideração os efeitos sobre a defesa nacional. É indiferente. As Forças Armadas que se virem. Não existe preocupação com as consequências sobre a defesa nacional. É simplesmente uma questão de reais.

Recentemente, a construção de submarinos vem merecendo menções na mídia, talvez porque envolva a construção de grande complexo de estaleiro e base naval em Itaguaí, no Rio de Janeiro. Volto ao texto que estou preparando (lê): “O governo deve conduzir uma campanha sem arroubos de patriotismo vazio e sem ameaças fantasmas, mas que esclareça serem inseguras a estabilidade e a ordem apoiadas apenas na negociação e no jurisdicismo, sem poder militar que os respalde. Esclareça que a imperfeição do mundo se mantém presente no século 21”.

Por isso, não se pode ignorar a dimensão estratégica da política.

FONTE: Observatório da Imprensa

28 COMMENTS

  1. Que clareza de raciocínio ….

    Uma vez com ele ministro, eu estava de serviço em um domingo em Mocanguê no meu navio a contrabordo de outro, ele estava passeando no cais de bermudas, bem informal com o seu netinho, aí fomos nós dois oficiais de serviço ao convés cumprimenta-lo e ele surpreso nos perguntou: “Tem Oficial de Serviço em Submarinos ??”, nós quase largamos o serviço e voltamos para casa na mesma hora rs …., e ele completou comentando que achava que em alguns tipos de navio devia-se passar o cadeado e abandona-lo quando no cais porque o risco seria muito menor.

    Anos depois sou surpreendido em uma noite de natal com o afundamento no cais do S. Tonelero por causa de procedimentos errados feitos pelo quarto de serviço ….

    É isso aí, esta na hora da nossa “Velha” Marinha quebrar os seus Paradigmas e se “Enxugar” para crescer novamente.

    Não posso conceber um treinamento anti terrorismo no século XXI parecer uma foto de um desembarque da II GM.

  2. Esse petróleo do dito “pré sal” brasileiro é cheio de enxofre e apresenta alta acidez. Tem um valor mais baixo em relação ao do golfo do méxico e do oriente médio. Não vale a pena o investimento estatal, apenas privado.

  3. Quando vejo o sucateamento das Forças Armadas eu logo penso a culpa é do próprio brasileiro que pouco se importa pela defesa do seu país exceto nós entusiastas, uma vez conversei com um inglês e me disse uma coisa que me fez refletir ele disse o brasileiro é um povo covarde…

    Quando ele falo isso não entendi… mas depois que caiu a ficha… ele quiz dizer que o brasileiro tem medo de participar de guerras e muito menos meter o bico na onde não é chamado porém quer ocupar um assento permanente na ONU…

  4. A “culpa” nao eh do povo brasileiro, pois nos temos uma cultura de “paz e amor”… Porem… nao mexam conosco! Que voce conhecera o inferno na terra!

    Vejo a culpa do assunto Defesa nao estar constantemente em pauta, tanto na midia como por vontade do brasileiro, por dois motivos:
    -Primeiro pela baixa cultura do povo, q eh estimulado a pao e circo;
    -Segundo, pelos partidarios da esquerda nao quererem que o povo goste e admirem as forças armadas, pois nao eh do interesse deles.

    Leopoldo, sobre o dito pelo Ingles, discordo dele, pois nao ha covardia e sim o sentimento de “nao eh problema nosso, nao nos metemos”, dai nao sermos odiados como os EUA e/ou estarmos sobre ameacas de grupos terroristas como na Franca.

  5. Temos soldados patriotas e bem treinados só precisamos de equipamentos e apoio logísticos!

  6. A entrevista do Almirante é de uma lucidez ímpar, aborda tanto o papel necessário das FFAA como o seu papel na política de segurança pública. Tenho sido criticado, em outro site, por ter escrito que a END e o PND são peças de ficção: o próprio Almirante justifica o por quê do meu “achismo”. Também há tempos defendo, neste e em outros sites, que o papel que cabe às nossas FFAA, principalmente por alinhamento à realidade geopolítica e financeira do país, é exatamente o que o Almirante apregoa: controle e policiamento de fronteiras (Exército), do mar territorial e ZEE (Marinha) e espaço aéreo (FAB). No caso das fronteiras secas até 150 km da divisa com países limítrofes, o Exército deve ter poder de polícia, assim como a Marinha nos rios e lagos da fronteira, como a FAB já tem até para abater aeronaves em voo ilícito no nosso espaço aéreo. No caso específico da Marinha, talvez o melhor fosse ter uma força de submarinos convencionais para negação do uso do mar e uma pequena força de apoio para fuzileiros baseadas no RJ e a força de superfície distribuída pelos distritos navais, composta por navios patrulha oceânicos e aeronaves orgânicas.

  7. Excelente texto!
    .
    A END é uma piada. Colocaram tudo nela, sem estabelecer prioridades. No fim não vale nada. É impossível cumpri-la.

  8. O brasileiro não se importa com a defesa porque não confia nas forças armadas. Enquanto os militares se preocuparem com política e o povo tiver essa sensação de que não passamos de colônia dos USA e que ao nos alinhando com eles estamos salvos, o quadro não muda. Por outro lado, a inteligência norte-americana sempre trabalhou no sentido de convencer aos brasileiros de que as ameaças são a Venezuela, Cuba, Argentina ou outro paiseco da América do Sul. Ora com inimigos deste quilate não precisamos de defesa forte. Quando o povo for convencido de que a verdadeira ameça são as superpotências, principalmente os USA a situação muda.

  9. Particularmente discordo, o Brasileiro não ta nem ai para forças armadas pq é um dos povos mais desmiolados do mundo, mal de futebol entende, talvez até saiba jogar, mas pergunte sobre taticas ….

    Não sabemos de absullutamente nada, pergunte a qqr um sobre qqr coisa e vc vera .. nem vai longe, aqui participam pseudos entusiastas, supostamente ligados a área, vejam as afirmações …, ha excessões, claro que há, mas quantitativamente somos … bom, deixa pra lá …

  10. Prezado leopoldo, você ouviu o inglês falar isso na sua cara e não fez nada, endossando a ofensa do sujeito? Se fosse comigo ele saberia imediatamente que estava equivocado com relação à covardia do povo brasileiro e se arrependeria amargamente de ultraje tão grave. Saberia que os covardes são exceção.

  11. Farias, se as superpotências são a verdadeira ameaça, aí que não há nada a fazer mesmo. Quanto investimento e décadas de preparação seriam necessárias para enfrentá-las em condição de igualdade? Aí entra o soft power, não existe ameaça clássica de Estado.

  12. Nosso problema como nação é o espírito de colônia que ficou enraizado . A idéia de que se o bicho pegar o titio Sam ou outro titio qualquer vai nos ajudar porque somos pacíficos e amiguinhos de todo mundo. Precisamos resgatar o patriotismo desde a infância de nossas crianças de hoje que serão os homens de amanhã, pois , esta atual geração de jovens, patrioticamente falando ,já era só quer saber de beber e baladas (a grande e esmagadora maioria ) basta olhar a idade média de nós aqui, que somos entusiastas pra confirmar o que estou dizendo. As crianças,tao esquecidas e menosprezadas , eram, são e serão a possibilidade de mudança para bem ou para mau de qualquer povo, só depende de quem as conduzirá e como o fará e em que direção.

    Sds.

  13. Tom…

    falando em “titio Sam”, não é isso que ocorre com a Europa ? Existe uma aliança militar por lá
    principalmente por conta da existência da Rússia, a OTAN, mas os países integrantes não estão
    investindo o necessário mesmo os EUA reclamando e o que vemos são países com contingentes
    militares dos EUA em seus territórios…a Espanha mesmo compartilha uma importante base naval
    que além de tudo abriga 4 “Arleigh Burkes” e é só um exemplo!
    .
    No Pacífico há outros acordos militares com os EUA, a Coreia do Sul pediu recentemente para
    que os EUA mantivessem por mais um tempo seus militares lá…a Austrália abriga cerca de
    2000 fuzileiros navais do EUA e há até planos de aumentar e o Japão é uma imensa base dos
    EUA, para citar apenas 3 países.
    .
    Não sou contra alianças militares, mas, tais alianças e seus direitos e deveres, precisam ser justificada assim como um aumento expressivo de gastos militares, coisa que os europeus
    nem mesmo estão fazendo.
    .
    Não há nenhum país no continente americano inteiro que possa militarmente com o Brasil, com
    exceção claro dos EUA, nem mesmo temos questões de fronteira com nossos vizinhos como
    por exemplo Chile e Peru.
    .
    O Paraguai um dia foi uma ameaça, pegou o Brasil despreparado e acabou pagando um preço muito caro, então a ideia de que o Brasil é “amiguinho” de todo o mundo tem e terá seus limites
    se e quando houver necessidade, mas, por enquanto, independente da crise que se abateu sobre o país não há nenhuma justificativa para termos armas nucleares e/ou bilhões de dólares
    investidos em armas quando tanto precisa ser feito…isso não é “espírito de colônia” .
    .
    abs

  14. Dalton , bons exemplos os teus, mas o que vejo/ouço quando entro neste tipo de assunto entre aqueles ao meu redor a coisa sempre caminha pro que citei acima, espero estar erradíssimo e por fim compartilho de suas considerações finais, mas ressalvo que precisamos ter meios mais modernos,mais atualizados(não digo quantidades exorbitantes) para fazer frente ao que há por ae e isto eu digo desde o reequipar as polícias até aos militares com o que há de melhor(ou similar).

    Sds.

  15. Não é a sociedade, são os políticos e as correntes ideológicas que são contra as FFAA. Ameaças temos várias, das de menor intensidade que já atormentam o Brasil até as de maior intensidade porém menos prováveis:
    Baixa intensidade: MST, MTST, indios + ONGs, PCC, CV, FARC, ISIS
    Média intensidade: instabilidade na Venezuela, Bolívia (OEA?), Haiti e Libano (ONU)
    Alta intensidade: como na 2ª WW, ameaças ao tráfego marítimo internacional caso crises com RUSSIA (escudo contra mísseis) e CHINA (Mar do Sul) evoluam para conflitos armados.

  16. gengis…

    com certeza precisamos de meios “mais modernos” e eles eventualmente chegarão…meu ponto é que ao contrário de tantos outros países, nós temos tempo para aguarda-los e enquanto não chegam as “ameaças” atuais podem ser combatidas ou dissuadidas com o que se tem.
    .
    E no caso de uma guerra de proporções mundiais, se é que ainda é possível diante de arsenais nucleares, se outros países fazem parte de alianças que o Brasil venha a fazer também novamente como fez durante a II Guerra.
    .
    De qualquer forma os tempos de marinhas numerosas se foram, não espere algo semelhante ao
    que se viu em 1942 principalmente no Atlântico Sul.
    .
    abraços

  17. Prezados amigos,

    Não somos, nem de longe, um povo “pacífico”. Temos, seguidamente, os maiores índices de violência do mundo, notadamente homicídios com armas de fogo. Ora, que povo pacífico é esse que tem números que superam, em uma década, todos os números do terrorismo internacional? Vejam: homicídios x TODOS os terroristas no mundo.

    Como bem foi falado, não nos metemos nos assuntos dos outros, por n motivos. A bem da verdade, a cultura do “do portão pra dentro” foi enfiada goela abaixo e tudo no Brasil só se resolve se for considerado “privado” (leia-se assunto que nos toca, que inclui circula familiar, de amigos, etc – e não empresarial).

    O que é público, o que é de todos, o que não tem nosso nome inscrito, no Brasil não é de ninguém. Quando pensamos em mundo, o povo brasileiro, em geral, pensa da mesma forma: porque falar em ações no Haiti se temos problemas aqui? Porque falar em portos em Cuba, em dívidas de outros países, se temos problemas financeiros aqui (veja, não estou defendendo uma ou outro posição mas sim o debate crítico e aprofundado, sério, dos temas)?

    O que é internacional, fatalmente, nos foge. E as FFAA são, essencialmente, instrumentos de interação com o mundo exterior. Apenas com a falha de instrumentos/instituições internas é que, por algum desvio, as FFAA acabam sendo usadas como gambiarra.

    Hoje, do meu ponto de vista, a guerra é econômica/financeira e os meios mais aptos de ação são os cibernéticos. E o que fizemos quando noticiaram que a Presidente da República fora “grampeada” pelas agências de inteligência norte-americanas? Nada! Alguns até devem ter dito: bem feito, fez por merecer.

    A pergunta que fica é simples: por acaso o Michel Temer está mais seguro? Ou Aécio, Marina Silva ou qualquer outro candidato? Sinceramente, duvido. E o pior é que ninguém entendeu que o problema não é Dilma, Aécio, Marina: grampearam a maior autoridade do país!!! Grampearam a maior empresa do país, desintegraram nosso sistema de licitações/concorrências… E ninguém achou isso fundamental.

    Que país é esse que quer ter um submarino nuclear porém não tem como garantir que as ordens enviadas ao tal submarino sejam íntegras, emitidas pela autoridade nacional correta?

    Enquanto falarmos de Venezuela, de Bolivarianismo, de Foro de São Paulo ou MST, estaremos mais uma vez deixando o trem bala da História passar e nos prendendo àquilo que, em qualquer análise, não é algo além de cortina de fumaça.

  18. O exemplo mais claro de total menosprezo a estratégia e defesa do país pelos governos de Lula e Dilma , se dá pela nomeação de MD totalmente alheios ao assunto fazendo do ministério um simples cabide político, querem mais ?

  19. Me parece mais claro do que nunca que o problema orçamentário das FA brasileiras não reside apenas no volume de recursos, mas no destino. Nosso oficialato é inchado em relação ao todo, em especial o alto oficialato, pagamos altos soldos a estes altos oficiais em relação ao praticado no mercado e no próprio funcionalismo público; matemos estruturas ociosas nos país todo por causa do antiquado e pouco frutífero (pseudo) Serviço Obrigatório; adidos internacionais pra madame de oficial fazer compras; e por aí vai… (tem até aquele “guardinha” que fica na guarita guardando a casa do alto oficial, levando a madame pra fazer compras, buscando o playboy na festinha da facu, etc)

    Enfim, temos um orçamento global próximo ao do Canadá, quiça Japão e esse orçamento se traduz em hardware dos anos 60; tropa mal treinada; estrutura depauperada.

    A culpa da penúria não é apenas do governo, seja ele qual for, é dos comandantes da forças, que mediante lobby mantem um estrutura financeiramente insustentável a fim da manutenção de seus privilégios.

  20. Meu comentário não foi autorizado? Lamentável que um texto com teor próximo ao do autor acima tenha sido vetado.

  21. Não sei da onde esse FC tirou a crendice que somos colonias dos EUA e a Argentina, Venezuela e Cuba são ameaças? Tá delirando? E o tal inglês chamando-nos de “covardes”? Nós gostamos da paz, e sabemos de fato viver a liberdade, respeitando a soberania de outros povos, mesmo que sejamos contrariados. Não precisamos invadir, lançar bombas em outros povos pelo contraditório. Isso é arrogância, ambição desmedida e muitas vezes, aí sim, covardia! Afinal não vi ingleses se lançarem contra a antiga URSS e nem contra o dragão chinês, somente contra países pequenos e num caso maior contra a Argentina, pela questão das malvinas. Excetuando-se o caso argentino, é não é ato de covardia, atacar quem quase não tem como se defender. E aliás, sempre como apoio, do big brother EUA. Queria ver se fosse SEM esse apoio, o que a terra da rainha teria feito, sozinha, no mano a mano. Querer o assento de segurança é patético para uma nação que não oferece serviços públicos minimamente de qualidade a seus cidadãos e não tem uma FA capaz de intervenções de longo prazo, como se costuma ser na ONU. Façamos o dever de casa primeiro, com bons índices sociais e infra estrutura para depois partirmos para isso. Daí, sim, eu concordaria que o BR poderia vir a ter um desses assentos. Mas jamais pela justificativa do sr. Lorde zé mané!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here