Home Aviação Naval Lockheed e Boeing vão desenvolver drone reabastecedor embarcado MQ-25

Lockheed e Boeing vão desenvolver drone reabastecedor embarcado MQ-25

1835
20
carrier-based-aerial-refueling-drone-2
Concepção do Carrier Based Aerial Refueling System

A Lockheed Martin e a Boeing receberam US$ 43 milhões cada uma em contratos com a Marinha dos EUA para o trabalho no programa de drones reabastecedores embarcados MQ-25 Stingray.

Os contratos do tipo “cost-plus-fixed-fee” vão conduzir atividades de redução de risco e refinamento de conceito, antes da fase de desenvolvimento de engenharia e fabricação do programa.

O MQ-25 Stingray evoluiu a partir do Programa UCLASS (Unmanned Carrier Launched Surveillance and Strike). O Stingray foi mostrado publicamente na apresentação do orçamento fiscal da Marinha para o ano de 2017.

Outra concepção do Carrier Based Aerial Refueling System
Outra concepção do Carrier Based Aerial Refueling System

A aeronave redesignada MQ-25 (M para multiuso), antes era chamada de RAQ-25 – Carrier Based Aerial Refueling System (CBARS).

A principal missão do Stingray será o reabastecimento em voo, mas também será equipado com cabides para disparar mísseis e lançar bombas. A missão de reabastecimento é necessária para aliviar os caças F/A-18F dos porta-aviões que atualmente desempenham esse papel. Além disso, os requisitos furtivos do UCLASS foram removidos no Stingray.

O MQ-25 Stingray vai substituir o F/A-18F Super Hornet na missão de reabastecimento aéreo
O MQ-25 Stingray vai substituir o F/A-18F Super Hornet na missão de reabastecimento aéreo

A Marinha espera fechar um contrato da aeronave com um contratante principal no segundo trimestre de 2018, com a primeira entrega prevista até 2021. A Marinha destinou US$ 2,16 bilhões ao programa do MQ-25 para o ano fiscal de 2021. Além disso, foi aprovada a transferência de US$ 350 milhões pelo Congresso que tinham sido reservados para demonstrações de veículos aéreos ano fiscal de 2016.

20 COMMENTS

  1. Enquanto isto o Principado Naval da Guanabara vai torrar 100 milhões de dólares em reforma de aviões com sessenta anos de idade para operações de REVO.
    Jesus está vendo tudo…..

    g abraço

  2. Kkkkk
    “Principado naval da Guanabara” é o mássimo….
    Chorei de rir…
    E acho que nem Jesus salva….
    Os caras destinam 2,16 Bi para 2021 e pode apostar, o dinheiro vai estar lá!! Como isto é possível!?!?
    Aqui se desvia tudo e nada acontece….
    É o que eu digo….tá faltando uma queda da bastilha aqui viu….

  3. “Jesus R. Ribeiro 26 de setembro de 2016 at 20:04
    Aos poucos vemos a tecnologia tomando o lugar do ser humano. Seria muito melhor se eles pudessem criar armas que não causassem efeitos colaterais na guerra”
    .
    Efeitos colaterais ? O sr acha mesmo que quando um hospital é bombardeado, por exemplo, o mesmo foi “sem querer” ?
    Se civis morrem, é pq alguém não deu o devido valor as vidas que estavam ali.

  4. Pessoal,
    Êta notícia sem sentido. Uma porcariazinha dessas pra reabastecer a frota? Eu tô há muito tempo nessa labuta pra saber que isso é invencionice sem sentido.

  5. Galante,
    Eu sei que não foi você que inventou a notícia. rsrss
    Só digo que uma aeronave com peso máximo de decolagem de 8 t não pode substituir no papel de reabastecedor uma aeronave com peso máximo de 30 t. Alguma coisa não faz sentido.
    O espaço dos porta-aviões já é limitado e vão colocar essas coisinhas pra reabastecer aviões?
    Até entendo que drones possam abastecer drones, mas isso aí não serve para abastecer Super Hornets, E-2D (no futuro) e F-35C.
    Mudando de pato pra ganso, vê se tem um comentário meu retido lá no Aéreo.
    Valeu!!!

  6. Bosco…

    o demonstrador X-47-B dos quais duas unidades foram construídas e realizaram testes a bordo de NAes pesavam cerca de 20 toneladas totalmente carregadas…será que as 8 toneladas que
    você mencionou não se referem a uma futura aeronave vazia ?
    .
    E conforme confirmado pela US Navy as futuras aeronaves terão duas tarefas…a primeira o reabastecimento aéreo e a segunda reconhecimento.
    .
    abs

  7. Juarez:
    .
    Pra mim tb não faz o menor sentido! Acho que a MB acreditou piamente que haveria dinheiro (R$1 Bilhão) para a reforma do Opalão.
    .
    Queria saber o que vamos fazer com esses fósseis voadores quando eles a reforma e remotorização estiver completa.
    .
    Detalhe pelo andar da carruagem nem A-F1 terá para eles reabastecerem e nem convoo terá para pousar. É pra rir ou pra chorar? Tô na dúvida!

  8. bosco123 27 de setembro de 2016 at 10:47

    Eu me deixei levar pela foto ilustrativa que é baseado no General Atomics Avenger. Esse tem 8 t de MTOW.
    Perdão!!
    Vi só Nicodemo, pegaste a barca saindo da rampa e queira um lugar na janela.

    kakakakaka Bosco, me perdoa, as vezes eu tenho que te sarnear…

    G abraço

  9. Juju,
    O nosso chefe Galante me bota uma foto de um teco teco pra ilustrar uma matéria sobre uma aeronave que vai substituir o Super Hornet no papel de reabastecedor aéreo e quer passar em branco. rsrssss
    Eu nem li a matéria e já pulei na jugular. rssss

  10. Pois é até eu que sou faca na bota estranhei, que normalmente tu fica na retranca para depois comentar…..
    Não pude deixar passar em branco…

    Grande abraço meu amigo e boa semana.

  11. Jodreski, este negócio dos marinheiros com São Paulo e A 4 e Tracker, ahh deixa para lá não vou falar, pode me dar dor de barriga e desarranjo.

    G abraço

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here