Home Estratégia China acelera movimentação para os Açores

China acelera movimentação para os Açores

8414
47
Base aérea da Lajes, ilha Terceira, Açores, Portugal
Base aérea da Lajes, ilha Terceira, Açores, Portugal

Em artigo publicado no site do “think tank” American Enterprise Institute, o articulista Michael Rubin alerta para o fato de que a China está se movimentando para montar uma base no arquipélago dos Açores, depois que os EUA se retiraram por medida de economia e deixaram sua infraestrutura e apenas uma pequena equipe para trás. O arquipélago fica a aproximadamente 1.000 milhas da costa de Portugal e 2.500 milhas da costa leste dos Estados Unidos.

Os Açores são um arquipélago transcontinental e um território autônomo da República Portuguesa, situado no Atlântico nordeste, dotado de autonomia política e administrativa

Arquipélago dos Açores
Arquipélago dos Açores. Clique no mapa para ampliar

Ao invés de localizar um novo centro de inteligência no campo de Lajes, que tem infraestrutura e precisa de muito poucos upgrades, o Pentágono decidiu construir um novo centro a partir do zero próximo de Londres, a um custo de mais de um bilhão de dólares.

De acordo com uma carta enviada em 20 de setembro de 2016, pelo deputado Devin Nunes, presidente da Câmara Permanente do Comitê Restrito sobre Inteligência, ao secretário de Defesa Ashton Carter, “vários altos funcionários chineses visitaram os Açores nos últimos anos, e mais recentemente a China enviou uma delegação de cerca de vinte funcionários, todos fluentes em Português, em uma expedição de averiguação com várias semanas de duração, para culminar em uma visita do premiê chinês Li Keqiang.

A delegação chinesa está declaradamente em negociações para expandir os investimentos da China e sua presença global sobre as ilhas, incluindo o porto de embarque na Terceira, e eles também têm manifestado interesse em utilizar a pista no campo de Lajes.

Os grupos central e oriental dos Açores, vistos do espaço
Os grupos central e oriental dos Açores, vistos do espaço

A China espalhou sua influência por meio de investimentos de infraestrutura semelhantes em Djibouti, Sri Lanka, e em outros lugares ao redor do globo. Ela agora está usando as mesmas táticas para estabelecer um ponto de apoio nos Açores que, se bem sucedida, será utilizada para um centro de logística e inteligência que poderia finalmente ser expandido para outros fins militares, adjacentes às instalações militares críticas dos EUA.

Efetivamente, os EUA estão desinvestindo bilhões de dólares em infraestrutura no campo de Lajes, que é provável que acabe na posse do governo chinês.”

Os chineses podem dizer que seu investimento em Lajes e no porto nas proximidades da Praia da Vitória é apenas de caráter civil, mas, como têm feito em Gwadar, Paquistão, os chineses atualizam as instalações para especificações militares, tornando-as bases em tudo, menos no nome.

LEIA TAMBÉM:

47 COMMENTS

  1. Isso é irrisório perante a máquina militar americana, sem contar a diversidade de operações que o -EUA possuem em seu histórico de existência. Para que a China possa almejar algo de comparação com os EUA, precisaria de pelo menos umas duas Guerras Mundiais para ter o Know-how americano.

  2. Caro Galante,
    olhe ai parte do que eu estava falando… e nesse momento temos 60% do melhor da US Forces indo pro Pacífico e o fronte oriental do ocidente nas mãos de um Europa cariada e sendo abduzida culturalmente. Pontos cegos.
    Mas posso ter caído na grade de novo. 🙁
    Grande Abraço.

  3. Açores ?
    É um território autónomo da República Portuguesa.
    Combinaram com a OTAN (NATO) ?
    Combinaram com Portugal membro da OTAN e da UE ?
    Ingleses, Franceses, Españois …..
    Todo mundo vai ficar assistindo ?
    Kkkk, só rindo mesmo !

  4. A comunidade portuguesa nos EUA (da qual grande parte é de origem açoreana) tem alguma capacidade de lobby, principalmente através dos seus membros que estão colocados nos organismos de poder federal e estaduais.
    Esta notícia é apenas uma das muitas que surgiram nos últimos anos (após o anúncio da saída da USAF), e o papão chinês tem sido um dos temas mais usados para projectar o assunto para os media norte americanos.
    Quanto à opção por Londres para a instalação do novo centro de inteligência, digamos que a metrópole cosmopolita com mais de oito milhões de habitantes, foi preferida a um pedaço de paraíso com uma pequena comunidade essencialmente rural e piscatória de poucos milhares de habitantes.
    Saudações lusas, e boa sorte para a vossa luta pelo Brasil.

  5. Deixe eu entender.
    Portugal que é membro da OTAN e utiliza todo equipamento militar dos EUA além de ajuda militar estaria cedendo uma base para a China que hoje junto com a Rússia seriam as duas maiores ameaças aos EUA e à própria OTAN?

  6. Os EUA são um império em franca decadência, quem leu Sir John Bagot Glubb sabe do que estou falando e sabe que a máquina militar americana igualmente irá se enfraquecer e não importa quantas batalhas tenham vencido ou perdido, não fará diferença, pois na hora certa alguém tomará seu posto de império dominante. Bom, os chinas estão mexendo seus pauzinho para serem este império dominante e nós podemos rir e considerar irrisório suas ações, mas eles não ficam nada chateados com isso, muito pelo contrário, afinal de contas dizem que “o maior trunfo do demônio é fazer ninguém acreditar nele”.

  7. Carlos Alberto Soares-Israel 28 de setembro de 2016 at 3:56

    Concordo com você, não só entrando e pronto. Tem que pedir primeiro.
    Algumas pessoas pensam que Russo e Chines podem tudo. Calma, não é bem assim.
    Se o comunismo fosse bom, esses países não estariam agora engatinhando no Capitalismo.
    Estas, ainda precisão aprender muito, mas muito mesmo.

    Abraços

  8. A questão não é o que os americanos perdem ao deixar os Açores. Os caras têm diversas opções na região.

    A questão é o quanto a China ganha em colocar uma base ali. Seriam olhos e ouvidos na ante-sala entre Américas e Europa mediterrânea e Norte da África. Há um baita tráfego aéreo e marítimo na região. Dá para ‘escutar’ e ‘ver’ tudo que passa por ali. é o paraíso da inteligência.

    Os problemas são: tio Sam e OTAN vão deixar Portugal ou Açores aceitarem isso?

    Por outro lado, em tempos de crise, dá para recusar dinheiro?

    Lembrando que os chinas nem precisam montar uma base militar. Só em ter porto e aeroporto civil na região já dá na mesma em questões estratégicas.

  9. Bom dia!

    Matheus 27 de setembro de 2016 at 22:06
    se continuar assim mesmo creio eu que o império americano estará com os dias contados.

    Renato Carvalho 27 de setembro de 2016 at 23:20
    outra bola nas costas dos americanos..

    1 – Minha observação: Acho curioso esse tipo de comentário, como se os brasileiros estivessem torcendo contra os EUA e Europa. Esses comentários lembram os torcedores de futebol, pois não são protagonistas, não influenciam em nada, no entanto, mesmo assim ficam observando as coisas mudando diante dos olhos. Caso essa base venha a se concretizar, não serão os EUA que perderão com isso (talvez seja até bom, uma espécie de despertai na Europa), mas são justamente os países europeus.
    2 – Diante desse contexto, inclusive nós brasileiros perdemos com esse expansionismo. A China para nós é algo totalmente desconhecido, não temos afinidade alguma, não temos laços históricos com chineses. eles nunca ajudaram o Brasil, nunca trabalhamos juntos. Tirando os interesses econômicos no Brasil por parte da China (commodities) e interesse comercial, inundar o mercado brasileiro com “made in China” (gerando desemprego no Brasil – polos industriais como Franca em SP e Vale dos Sinos no RS desapareceram), nós somos totalmente irrelevantes para a China.
    3 – Nós somos um país ocidental, formado em grande maioria por descendentes de italianos, alemães, portugueses e espanhóis…compartilhamos das mesmas crenças, mesma mentalidade, somos europeus na América (assim como os EUA), mas com bandeira diferente. Nós que construímos o Brasil do zero!
    Olha que curioso, em vez do Brasil ser um país protagonista, país relevante, país que muda o “status quo” conforme os seus próprios interesses, sendo dessa forma, relevante globalmente, não, pelo contrário, observamos os velhos torcedores de futebol. Tem uma frase que eu gosto muito: A única forma de saber o futuro é construir o futuro! O Brasileiro adora ser passivo: ora portugueses, ora ingleses, ora americanos, agora, por incrível que pareça, chineses (quem são esses caras?) kkkkkkk
    4 – A questão central para o Brasil nesses assuntos: por que não somos nós brasileiros os protagonistas, por que não será a nossa bandeira nas Ilhas Açores? Teoricamente temos muito mais vinculos com as Ilhas Açores que os chineses. Gostamos de ver a China crescer 12% ano ano, enquanto a gente recua -4 e -3???? Como nós somos inteligentes, viramos as contas para quem sempre nos ajudou e ficamos felizes pela China gerar desemprego no Brasil! Nós realmente somos os caras!!!!!
    5 – EUA um império em franca decadência? Decadência por que outro país está crescendo, no caso a China? Os EUA são o que são dentro daquilo que podem. Tem um PIB maior que a União Européia (28 países), maior mercado consumidor do mundo, excelente qualidade de vida, educação de ponta, tecnologia de ponta, fronteiras seguras, moeda forte, globalizado, influente do ponto de vista cultural, língua global, democracia sólida, boas relações com grande parte do mundo, estabilidade interna, cosmopolita, diversificado etc. Isso é decadência? gostaria muito de ver o nosso Brasil nesse padrão de decadência.
    Sabe qual o sonho de todo Chinês rico? Morar nos EUA! Fazem de tudo para seus filhos nascerem nos EUA. Do ponto de vista econômico, grande parte do crescimento chinês decorre de multinacionais americanas instaladas na China (após 79). O próprio Alibaba muito famoso no Brasil pertence a um grupo japonês: softbank (28% das ações) e o americano Yahoo (15% das ações),já o fundador Jack Ma (9% das ações).

    Abraço e vamos acordar para a realidade!

  10. “E mais recentemente a China enviou uma delegação de cerca de vinte funcionários, todos fluentes em Português”
    Bingo !
    Tal fato foi posto no filme “O Reino” (ótimo filme), onde um americano reclamava que enquanto emissários americanos esperavam que seus anfitriões falassem inglês, emissários chineses chegavam preparados em idiomas e costumes locais. Isto sempre causa boa impressão.
    Mas lembrando que navegadores portugueses chegaram à China, Macau foi possessão portuguesa até 19/12/1999, então nada extraordinário.
    .
    Lembrando que enquanto jogamos xadrex, chineses jogam go.
    Leiam Sun Tzu.

  11. Acho muito pouco provável dos chineses lograrem êxito no seu intento senão vejamos:

    – Em que pese ser um território com autonomia política e administrativa os Açores pertencem a Portugal, país membro fundador da OTAN, de modo que permitir a presença chinesa seria atentar contra a própria segurança nacional portuguesa.

    – A base de Lajes é absolutamente vital para o OTAN pois todo o tráfego de aeronaves militares dos EUA, países da OTAN e aliados da América do Norte em direção à Europa e Oriente Médio e vice versa passa por lá. Os EUA vão jogar pesado para os chinas não se estabelecerem por lá.

  12. Gostava de esclarecer algumas coisas em relação ao que foi dito sobre os Açores.
    Em primeiro lugar os Açores são tão portugueses como o Minho e Trás os Montes que são o berço da nacionalidade. Nos Açores, onde eu estive ao serviço da Marinha Portuguesa e de férias este verão, as pessoas carregam com orgulho as nossas tradições, a nossa língua e são um contributo importante para a nação portuguesa em todas as áreas.
    Segundo as ilhas foram um descoberta portuguesa do século XV, são um arquipélago de nove ilhas no meio do oceano Atlântico e, como eram desabitadas, foram povoadas por gente que veio do norte de Portugal mas também de França e da Flandres, onde o Infante D. Henrique, o primeiro senhor das ilhas, as conseguiu arranjar.
    Terceiro os Açores têm uma autonomia administrativa limitada a assuntos internos em tudo o resto fazem parte de Portugal, estão sujeitas à constituição portuguesa e ao Presidente da República Portuguesa e dependem do orçamento Português como um todo. Como fazem parte do todo nacional têm os mesmos compromissos que todos os outros portugueses para com a NATO e a UE. Por exemplo um professor, um policia, um médico ou um estudante universitário pode concorrer para qualquer lugar numa instituição nas ilhas ou o contrário, das ilhas para qualquer instituição no continente…
    Apenas estou a fazer este esclarecimento atendendo ao facto de vocês estarem aí desse lado do Atlântico, “no quintos do infernos” e saberem (não estou a generalizar) muito pouco da História de Portugal e consequentemente do Brasil.
    Os Açores, nomeadamente a ilha de S. Miguel, serviu de base para hidroaviões já durante a Grande Guerra, na Segunda Guerra Mundial foram um ponto estratégico importante na luta dos Aliados contra os submarinos alemães pela sua posição estratégica no meio do Oceano Atlântico. Portugal manteve-se neutro mas Salazar de forma inteligente cedeu a base das Lages aos Aliados.
    É verdade que têm passado algumas autoridades chinesas pelo arquipélago, em jeito de escala… é verdade que os americanos de forma leviana estão a abandonar as Lages o que provoca um rombo na economia da ilha Terceira. Mas também é verdade que estamos em campanha das eleições regionais e tudo isto faz parte do folclore da politica e televisão local. Isto até pode dar jeito a Portugal para chamar a atenção a nível internacional, A NATO e, nos últimos anos a UE só se lembram de Portugal (continental e ilhas) quando lhes convém. Nos últimos tempos tem sido apenas para pressionar em relação aos juros da dívida e da austeridade económica com todos o efeitos que isso provoca no dia a dia de todos os portugueses. No dia em que os chineses passam por lá para fazerem um escala técnica qualquer deviam também convidar a chanceler alemã…

    Um abraço

  13. O comentário que refere, porque não o Brasil ter uma base de apoio numa ilha do arquipélago dos Açores? Isso sim…!!
    Penso que a NATO não se iria importar, era uma boa bofetada de luva branca nos americanos que usaram as ilhas durante tantos anos e agora se esqueceram do seu valor estratégico e não era preciso levar tantos especialistas em português chig-ling (talvez o tenham aprendido em Macau…)
    Agora o Brasil tem de pensar em grande… tão grande como o seu território, as suas riquezas naturais e a sua gente!

    Um abraço

  14. Quem vai ao ar, perde o assento; os EEUU estão perdendo espaço ao redor do mundo, exatamente por quem precisa do espaço vital expandido. A China manda o dinheiro na frente e seus batalhoes apenas seguem o caminho aberto. Já já estão por aqui, desta feita, via Argentina; quando se instalarem no Atlântico Sul, vale dizer Antártica, vai ser um fudunço daqueles…

  15. Como já disse antes! Mentalidade bélica e de inteligência padrão do século passado. Táticas e estratégias velhas que não tem tanta utilidade hoje…a não ser que voltemos 100 anos no passado em tecnologia. Há um novo padrão de tecnologia que vai enxugar em muito os exércitos do mundo. O padrão tecnológico mudou e poucos países e “doutores estrategistas” acompanharam. Pensam e exigem “brinquedos” de guerras de 100 anos atrás, apesar de novinhos e com silhuetas esguias. PENSEM NOVO!

  16. Não tem moça na ‘zona’.

    O plano de longo prazo deles é simples: “preciso ter recursos abundantes para bancar meu crescimento.”

    para ela, é tudo business. Eles estão se lixando para o que consumimos, se somos capitalistas ou comunistas, ateus ou religiosos. O que ela quer é business: comprar e vender.

    Como todo mundo que tem algum juízo.

    Se eles estão se armando é simplesmente porque não são trouxas. Primeiro têm uma vizinhança complicada. Segundo, eles sabem que quem não tem armas perde um importante argumento comercial.

    ————-

    Se existe um bloco europeu bonitinho com EUA e tudo o mais é porque existe uma série de interesses comuns e que juntos conseguem gerir. Na hora que parceiros se sentem deixados de lado, podem trocar de amigos.

    O que aconteceu na Inglaterra foi muito importante. Deram adeus ao mercado comum europeu. Tem pelo menos mais uns 4 países pensando em pular fora também. E quem está desagradado com um, procura outro…

    Se em 20, 30 ou 40 anos Brasil, Portugal ou Espanha, acharem que podem ganhar mais com China ou Rússia que com Inglaterra ou EUA, pulam fora sim.

  17. Gostaria ainda de acrescentar que a União Europeia obrigou Portugal, na sequência da crise financeira de 2008 e do pedido de assistência financeira que fizemos ao Banco Central Europeu, a privatizar algumas das maiores empresas públicas portuguesas onde o estado português ainda mantinha a maioria do capital, nomeadamente a rede elétrica nacional, a principal empresa de eletricidade do país, e algumas empresas do setor financeiro e dos seguros. Estas empresas davam lucros enormes e foram compradas pelos chineses…!!! ou seja, a maior elétrica portuguesa que se chama Eletricidade de Portugal (EDP) uma empresa moderna com investimentos enormes em energias renováveis (80% da energia consumida no país é de origem renovável) pertence a uma empresa estatal chinesa…!!! interessante não é? Agora a base das Lages é outra coisa mas eu acho que para assustar devíamos mesmo colocar em leilão para os chineses e para os russos…! Depois acrescentámos à lindíssima bandeira do arquipélago umas estrelas vermelhas ao lado do escudo nacional e do açor.
    Já agora gostaria de acrescentar que apesar destas vendas todas a dívida soberana aumentou…
    Um abraço

  18. Ivan da Silveiraa, o que escrevestes a respeito da decadência dos EUA só corrobora com a tese de Sir John Bagot Glubb descrita em “O destino dos Impérios e a Busca da Sobrevivência”. Não vou explicar as razões pela qual os states estão descendo a ladeira, é muita coisa, então leia o livro antes de rebater o que escrevi. Tu acha o livro em pdf na net, coisa rápida tem 30 páginas, uma delicia de leitura.

  19. Preparrm o Foch vamos invadir os Açores.
    Chegando lá agente joga a âncora e grita independência ou morte e solta os dragões da independência na praia.

  20. Fidalgo, muito bons os argumentos!

    Rafa Bastos, com certeza o PDF de 30 páginas deve fazer uma leitura muito inteligente do mundo (irônico).
    Deve ser uma leitura tão inteligente quanto a leitura do grupo econômico da Dilma sobre a saúde econômica do país; diante de uma leitura equivocada da realidade ela baixou/forçou o juros, aumentou os gastos, deu subsídios, aumentou a dívida pública, retraiu a arrecadação para fazer o PIB crescer, não cresceu porque o brasileiro, já endividado, não teve dimdim para gastar (o Estado gasta por ele), logo a economia deu um nó no governo…depois disso a tragédia é essa que conhecemos (tudo indicada que teremos quase uma década de rombo no orçamento público)!
    Existem leituras analíticas sobre tudo, sendo que 99,9% sempre estão erradas! 99,9% dos pseudo analistas diziam que a OGX e tudo do EIKE seria um sucesso, na outra ponta 0,01% dizia que tudo isso ia dar errado. Hoje Eike tem dívidas e as empresas sumiram!
    Muita decisão decorre de uma leitura errada sobre as coisas/realidade.

    Abraço!

  21. A Decadência dos EUA é importante para o nosso futuro , só assim teríamos que avançar para o mundo a Força e não como estamos ,sendo espectadores vendo a vida passar e nossos políticos apenas pensando o Brasil, para seus próprios interesses;aqui mesmo, reparem bem , têm opiniões que parecem ser postadas por cidadãos americanos .

  22. Tava demorando para aparecer alguém e falar um pérola de que a decadência americana é bom para nós, meu Deus, realmente o Gal Newton Cruz e o Gal Botelho tinha razão, esta raça é que nem juá, só morre com Randup.O seu Jose´, com a decadência americana a Embraer iria vendar aviões para quem??? As nossas comodities agrícolas e nossa carne iria consumida por quem???
    Pelos comedores de cachorro, de formiga e de barata???

    Gabraço

  23. A “Inglaterra” nunca teve a capacidade para destruir o mundo quando ainda era uma super potência e mesmo ainda dona da maior marinha do mundo no fim do século XIX já havia
    sido superada pelos EUA na capacidade industrial.
    .
    Isso foi antes de ontem na verdade, pois ontem, foi a vez da União Soviética cair, mas, a Rússia
    continua sendo um jogador importante hoje, mesmo com todos os problemas e provavelmente
    os EUA continuarão sendo grandes jogadores também…por isso não acho válida a comparação com a “Inglaterra”.

  24. Ivan, me desculpe o palavreado, mas pelo que percebi tu és um completo ignorante. Sequer se deu ao trabalho de pesquisar quem foi Glubb, e quais os trabalhos que ele realizou durante a carreira. As 30 páginas são um resumo de suas experiencias no exército da rainha e décadas de estudos da historia do oriente médio, além de dezenas de outros livros “bem maiores” publicados. Desqualificou a obra sem ao menos ler. Te respeitaria caso refutasses com inteligência os argumentos do autor. Mas enfim, tu tens o direito de acreditar naquilo que quiser, mesmo que seja em contos de fada e ignorar outros pontos de vista só por não se encaixarem no seu modelo de realidade.

  25. Somos um país independente (penso eu) e temos o direito de ter as relações (e ralações) com os países que quisermos e que seja do nosso económico, social, cultural, etc… Aos chineses seguramente não lhes interessa somente nas relações com Portugal vendermos-lhes “vistos gold”. Aliás eles já têm bastantes interesses económicos em investimentos no nosso país. Além disso são um dos principais parceiros económicos nas nossas exportações. Porque não o leite, queijo, vinho, etc.. dos Açores ?? Porque não a utilização do aeroporto e portos se aos nossos ditos “aliados” e parceiros europeus não lhes interessa ?? etc..etc..etc…

  26. Boa Noite, Srs.
    Em primeiro lugar, concordo em gênero, número e grau com o Ivan da Silveira, pois sou professor de geografia e entendo que, nem a UE e nem os EUA vão deixar a China esticar suas garras de dragão em pontos tão perto ou na sua área de influência. Do lado europeu, a OTAN está ali para isso e os EUA não são nem um pouco tolos para deixar isso acontecer por muito tempo.Uma coisa é a China querer ser uma potência global, a outra é ter cacife e konw-how para tal.
    Vejo com uma certa tristeza o fato de o Brasil não ampliar sua área de influência – leia-se o Atlântico – e deixar , cada vez mais a China tomar áreas de influência que seriam vitais para um país que quer ser potência mundial.
    Quanto ao fato de os EUA estarem em decadência, me desculpe deixar os mais afoitos tristes, mas isso vai demorar muito para acontecer, mesmo que os chineses comam o queijo pelas beiradas, como se diz no interior das Minas Gerais…….
    Abraço a todos.

  27. Boa noite

    Rafa Bastos, sem problema. Sou ignorante em relação a esse autor, sim. Vou reservar um tempo para ler o autor citado. Generalizei sobre o tema porque você também generalizou. Tirando esse referido autor, que realmente não conheço, não vejo argumentos para afirmar tais previsões. Na outra ponta vejo a China crescer bastante, em várias áreas, mas o fato da China crescer não é sinônimo de EUA decadente. Não é uma relação de ganha-perde, sinceramente parece mais uma relação de ganha-ganha.

    Abraço!

  28. Estamos submisso apenas porque devemos os vender aviões , aí sim , uma piada ,entreguemos então o país ,logo que eles nos compre aviões da Embraer, seria uma boa e seta é boa !

  29. Não tem erro! No Brasil, bem como na América latina em geral a culpa é sempre dos outros. Uma dica de mantra ao novo marujo de patuscada: A CULPA É DO RAFALE! [repita com convicção!]
    .
    Repita isso SEMPRE como “argumento” a tudo o que você não puder ter ou ter, mas não puder operar.
    .
    P.S: tenho para mim que ele sabe disso já, mas está guardado para não esgotar todos os mantras de saída… rsrsrs

  30. Os EUA, super potência hegemônica. Primeira democracia moderna que, entre outras milhares de coisas, enfrentou quase todos os tiranos que afrontavam a liberdade. Nacional-socialistas (nazistas e facistas), internacional-socialistas (comunistas), teocracias hostis ao diferente, democracias e ditaduras que segregavam o povo pela religião ou pela cor da pele, terroristas….
    Um país que coleciona, entre os seus, milhões que tombaram para fortalecer e defender todos aqueles que, assim como ele, não concordam com a rendição do bem pelo mal.
    Esse país, que com todos os erros e acertos, tem muita moral e história nos últimos 200 anos. Ainda assim, quando por exemplo, reativam a IV Frota de sua marinha, mesmo que seja para fins puramente burocráticos, recebem de boa parte do mundo, através de editoriais da mídia que são ideologicamente enviesados, críticas de todos os tipos. Convencendo a ignorância de boa parte dos seres humanos, que eles querem ser a polícia do mundo e blá blá blá.

    Ora. Nós, menos incautos, sabemos as razões que fizeram a China ser o que é hoje. Se não fosse o Ocidente e, especialmente os EUA, hoje ela seria uma enorme Coreia do Norte.
    Pois eis que o dragão, com apenas alguns aninhos de vida e sem nenhuma moral, resolve colocar sua mandíbula na mesa.

    Tenham certeza que o povo norte-americano, sobretudo o não imigrante, quer que o mundo se f…. na mandíbula do dragão.
    Porém, como o tio Sam sabe o seu papel no mundo, certamente não nos deixará sentir saudades da guarra da águia.

    Como cidadão de um país do Atlântico. Um país forjado na cultura lusitana, com ligações sanguíneas com o país da ilíada histórica, real e, quase mitológica. Não posso dizer que seja possível fazer a digestão de uma eventual base chinesa nos Açores.

    Base chinesa nos Açores, na minha opinião, significa:
    – US NAVY no Mar da China
    – USAF no Vietnã
    Além de um rompimento com o maior número de acordos político diplomáticos que impedem a CIA de colocar a mão naquela corda que anda solta desde a década de 70.

    Save Ferris!

  31. Reinaldo,
    Aumentar as relações comerciais com a China é uma coisa, uma base chinesa nos Açores é outra totalmente diferente. Portugal tem compromissos com a NATO e a UE e a larga maioria do país não queria esse tipo de aventura. Como eu referi anteriormente, por causa da crise financeira de 2009, já fomos longe demais com a venda de setores estratégicos económicos à China como a eletricidade. Volto a repetir, é tudo folclore eleitoral das eleições regionais e de alguns políticos locais que dizem coisas para consumo interno. Agora, até pode dar jeito como forma de pressão. Se quiserem comprar lacticínios e outros produtos dos Açores… são de excelente qualidade.

    Já agora uma opinião sobre a decadência dos USA… é natural que os Estados Unidos deixem de ser a potência hegemónica económica e militar mundial como foram depois da queda da URSS, (cometeram muitos erros enquanto o foram) terão de dividir esse poder com outras potências emergentes como a China, a Índia, a Rússia ou o Brasil (se tivessem políticos à altura) o problema não é esse. Que regimes políticos essas potências têm ou vão ter?! A decadência das democracias liberais ocidentais a começar pelos Estados Unidos é a decadência da Europa mas também do Brasil e outros, é o nosso modo de vida e os nossos valores fundamentais que estarão em causa.

    Um abraço

  32. Ivan..
    Não sou torcedor de país A ou B, reconheço a supremacia americana em vários aspectos, mas estudei um pouco de história e cheguei a uma conclusão:impérios caem, não importam o quão poderosos e duradouros sejam, a sociedade americana não é tão coesa assim, basta ver o que acontece por lá ultimamente, e uma tese que defendo e desde já aviso que ninguém é obrigado
    a seguir é que o ocidente está sendo minado por dentro, seus valores estão distorcidos, a família é atacada, o niilismo é difundido e defendido nas escolas e universidades, enquanto isso os orientais frios e disciplinados vão galgando seus espaços, é por aí que vejo a ascensão da China.

  33. Renato, a diferença no caso Chines, e que estas características por lá estão sendo impostas a ferro e fogo e não por educação, princípios culturais e democráticos.

    G abraco

  34. Prezado Fidalgo, gostei do seu ponto de vista e compartilho de várias opiniões…
    .
    Inclusive a respeito da UE, tenho minhas dúvidas em relação ao nível de comprometimento de alguns líderes como a Alemanha quanto a países menores do bloco, inclusive na esfera militar.
    .
    Digo isso sob o ponto de vista grego, que é o que acompanho mais de perto…
    .
    Forte abraço

  35. Estrategicamente falando, a China não precisa de uma base militar nos açores.

    basta uma boa concessão portuária, com vários terminais e algum tipo de preferência para movimentação de cargas e manutenção de navios.

    Ninguém pode impedir isso e dá quase na mesma que ter uma base militar.

  36. Lendo alguns colegas aqui falando em histórico das nações leva a entender q a China e um paizinho q nasceu ontem q não tem uma pekena cultura milenar .sobre oq o outro colega disse sobre os chineses não entenderem de estratégia nem ter prática acho q nunca ouviu falar de um tal sun tzu pois acho q deveriam fazer uma pekena pesquisa sobre esse nome

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here