uss-clamagore-2

Em nossa visita ao Patriots Point em Charleston, South Carolina, também fomos a bordo do submarino museu USS Clamagore, classe “Guppy III”. A Marinha do Brasil também teve dois submarinos desta classe, o Goiás (S15) e o Amazonas (S16).

O estado do submarino está bastante deteriorado e se não conseguirem recursos para repará-lo, ele deverá ser afundado para virar recife artificial. É possível que essa tenha sido a nossa última chance de fotografá-lo como museu.

uss-clamagore-3

O USS Clamagore (SS-343) é um submarino da classe “Balao”, construído em 1945 para a Marinha dos Estados Unidos, mas a Segunda Guerra Mundial terminou antes que ele ficasse pronto para o combate. Foi batizado como Clamagore ou o peixe-papagaio azul, Scarus coeruleus, encontrado nas Índias ocidentais e ao longo da costa atlântica ao norte distante, como Maryland. Um marco histórico nacional, é o único exemplar sobrevivente de um submarino da classe Guppy III.

O Clamagore foi construído pela Electric Boat Co. em Groton, Connecticut. Foi lançado ao mar em 25 de fevereiro de 1945 e batizado pela Srta. Mary Jane Jacobs, filha do Vice-Almirante Randall Jacobs, USN, Chefe de Pessoal Naval e comissionado em 28 de junho de 1945, com o capitão S.C. Loomis, Jr., assumindo o comando.

As formas que o USS Clamagore assumiu ao longo de sua vida operacional
As formas que o USS Clamagore assumiu ao longo de sua vida operacional

História operacional

O Clamagore foi primeiramente designado para Key West, e chegou lá em 5 de setembro de 1945. Operou em Key West com várias unidades da frota e com a Fleet Sonar School, viajando de vez em quando para Cuba e as Ilhas Virgens até 5 de dezembro de 1947, quando entrou para o Philadelphia Naval Shipyard para a modernização GUPPY II e instalação de snorkel. GUPPY é um acrônimo de “Greater Underwater Propulsion Power Program”, que compreendia o redesenho do submarino para torná-lo mais hidrodinâmico, a fim de melhorar a velocidade submersa e manobrabilidade e a instalação de baterias mais poderosas, para aumentar a autonomia submersa. A modernização GUPPY nasceu do conhecimento obtido com os submarinos alemães Type XXI capturados.

1141px-uss_clamagore0834309
O USS Clamagore depois de receber a primeira modernização GUPPY

Retornou a Key West 6 de agosto de 1948 e assumiu as operações locais e do Caribe nos próximos oito anos, com exceção de uma turnê de serviço no Mediterrâneo de 3 de fevereiro a 16 de abril de 1953.

Visitou New London e Newport no início de 1957, retornando a Key West em 13 de março. Entre 23 de setembro e 7 de dezembro, ele participou de exercícios da OTAN no Atlântico Norte, em Portsmouth, Inglaterra, e NS Argentia, em Newfoundland. Em 29 de junho de 1959, ele chegou a Charleston, seu novo porto de origem, e depois de um período de operações costeiras, zarpou em 5 de abril de 1960 para se juntar à 6 ª frota no Mediterrâneo para uma comissão que continuou até julho, quando o submarino voltou a Charleston. No restante de 1960, o Clamagore operou ao largo da costa leste.

Em 1962, o Clamagore transformou-se em um de nove submarinos a submeter-se à conversão GUPPY III. Ele recebeu uma extensão de casco de 15 pés (4,6 m) adicionada à frente do compartimento de manobra, uma vela de plástico e o sonar passivo BQG-4 PUFFS, que incluía os três sensores em barbatanas de tubarão em seu convés.

O Clamagore terminou sua conversão para GUPPY III em fevereiro de 1963, e foi transferido ao Submarine Squadron 2 (SUBRON2) em Groton, Connecticut.

A vela do USS Clamagore na modernização GUPPY III
A vela do USS Clamagore na modernização GUPPY III

Vida após a desativação

O Clamagore foi desativado em 12 de junho de 1975, depois de ter servido na Marinha dos EUA por 30 anos. Foi doado como um navio museu em 6 de agosto de 1979.

Chegou ao Patriots Point in Charleston, South Carolina, em maio 1981, onde foi atracado como um navio do museu junto ao porta-aviões Yorktown e o contratorpedeiro Laffey.

O Clamagore está aberto para visitações, mas sua condição de deterioração contínua, no entanto, pode levar o submarino a ser afundado como recife artificial, a menos que reparos críticos possam ser feitos em tempo hábil. A partir de dezembro de 2016, o Patriots Point busca realizar o naufrágio do submarino como um recife ao largo da costa do sul da Flórida.

O Clamagore foi listado no registro nacional de lugares históricos e designado um marco histórico nacional em 29 junho 1989.

Segundo o Departamento de Arquivos e História de South Carolina, Clamagore “é agora o único submarino GUPPY do tipo III nos Estados Unidos e representa a adaptação contínua e o uso de submarinos diesel construídos pela Marinha nas duas primeiras décadas após a Segunda Guerra. Os submarinos da conversão GUPPY compreenderam a maioria das forças submarinas dos EUA através dos anos 1960”.

Compartimentos de um submarino GUPPY III:

guppy-iii_plan_fwd

guppy-iii_plan_aft

uss-clamagore-5
Compartimento de torpedos de vante
uss-clamagore-6
Beliches de oficiais
uss-clamagore-6a
Lavatórios
uss-clamagore-6b
Sanitário
uss-clamagore-7
Praça D’Armas
uss-clamagore-8
Compartimento sonar
uss-clamagore-9
Corredor olhando para a popa
uss-clamagore-10
Compartimento de manobra
uss-clamagore-11
Cozinha
uss-clamagore-12
Compartimento de rancho e recreação
uss-clamagore-13
Compartimento de rancho e recreação
uss-clamagore-14
Compartimento dos motores diesel
uss-clamagore-15
Controles dos motores elétricos
uss-clamagore-16
Compartimento de torpedos da popa

uss-clamagore-17

  Comentários no Facebook

  Comentários de assinantes

7 COMMENTS

  1. Show de bola….
    Tenho uma dúvida…. vejo que os EUA mantêm diversas unidades antigas como museus,
    o que acho muito bom. Mas como eles obtêm recursos para mantê-los nessa situação
    (de museu)? Vem somente de particulares? Existe alguma verba pública? Acho eu, que
    a cobrança de ingresso e venda de suvenirs não banca a manutenção de unidades desse
    porte, que mesmo paradas precisam de um mínimo de manutenção.

  2. Adorei esta reportagem, das tres vezes que estive em Charlestown, fui quatro vezes ao patriot points, lugar incrivel, 18 pratas pra entrar, mais vale a pena. Espero que publiquem algo sobre a base do Vietnam, ao lado tbm no patriot point. Parabens a equipe.bravo zulu.

  3. Aqui no Espaço da Marinha no Rio de Janeiro ficava o S16 Amazonas ,infelizmente trocado pelo Oberon que hoje se encontra em seu lugar ,embora este tenha melhores condições para visitantes Idosos e Deficientes ,o S16 era o Submarino perfeito para um Museu ,o certo seriam os dois ,pena que tiveram a infeliz ideia de destruírem o Amazonas S16 .

  4. Belíssima matéria. Infelizmente eu não pude ir à South Carolina quando da minha estada nos EUA. Fico com essa reportagem do PN para matar minhas saudades de um velho GUPPY. Obrigado!

LEAVE A REPLY