Alemanha vai atualizar radares de suas fragatas de defesa aérea

Alemanha vai atualizar radares de suas fragatas de defesa aérea

4167
3
fragata-classe-sachsen
Fragata Sachsen

A Alemanha decidiu modernizar as suas fragatas de defesa aérea classe “Sachsen” com o objetivo de melhorar a sua contribuição para o sistema de defesa antimíssil da OTAN.

Os radares de longo alcance dos navios estão sendo substituídos por novos que terão um alcance significativamente maior de engajamento.

Além da defesa contra alvos no espaço aéreo “convencional”, espera-se que os novos radares sejam capazes de detectar ameaças balísticas vindas do espaço exterior, fora da atmosfera terrestre.

A Marinha Alemã está agora ansiosa para estabelecer um processo de planejamento e aquisição. A Força espera ter o sistema de radar instalado em suas fragatas a partir de 2021.

Com esta nova capacidade, as fragatas Sachsen, Hamburgo e Hessen poderão detectar todos os mísseis destinados à região da OTAN e informar a ameaça à sede do sistema de defesa antimíssil da OTAN em Ramstein, na Alemanha.

Os navios não serão capazes de disparar os mísseis por conta própria. Em vez disso, a sede da OTAN será encarregada de decidir qual unidade ou unidades serão encarregadas da destruição dos mísseis atacantes.

Esse papel (de interceptação e destruição de mísseis) tem sido até agora responsabilidade dos quatro destróieres da classe “Arleigh Burke” equipados com o sistema de combate Aegis. Os destróieres estão estacionados na Base Naval de Rota, na Espanha.

As fragatas belgas devem ser capazes de realizar a mesma tarefa a partir de 2025. Em 2015, a Bélgica aderiu a um grupo de defesa de mísseis da OTAN que anteriormente era constituído pela Alemanha, Dinamarca e Holanda. O país prometeu introduzir uma capacidade de defesa ativa para o grupo com o objetivo de aumentar as capacidades de detecção do grupo encontradas em navios holandeses, dinamarqueses e logo os alemães.

A Bélgica e os Países Baixos já estão trabalhando juntos em novas fragatas que serão equipadas com interceptores de mísseis balísticos exo-atmosféricos.

FONTE: navaltoday.com

  Comentários no Facebook

  Comentários de assinantes

3 COMMENTS

  1. O radar giratório 3D PESA SMART-L opera na banda L.
    Como os mísseis SM-3 têm sistema de orientação autônomo (IIR) a atualização via radar pode ser intermitente a partir de um radar giratório.

  2. Por outro lado as velocidades implicadas na interceptação de mísseis balísticos são altíssimas e muito provavelmente o novo radar, se for giratório, deva operar sem estar girando quando da interceptação de mísseis balísticos.

LEAVE A REPLY