Home Conflitos em andamento Apesar de falar em ataque, a ‘armada’ de Trump navegou para longe...

Apesar de falar em ataque, a ‘armada’ de Trump navegou para longe da Coreia

5560
7
USS Carl Vinson (CVN 70) transitando pelo Oceano Índico no dia 15 de abril de 2017 – Foto: USN

BEIJING (Reuters) – À medida que as tensões aumentavam na Península Coreana, o almirante Harry Harris fez um anúncio dramático: um porta-aviões tinha sido ordenado a navegar para o norte de Cingapura em 8 de abril em direção ao Pacífico Ocidental.

Um porta-voz do Comando do Pacífico dos EUA, que Harris dirige, ligou diretamente o desdobramento à “ameaça número um na região”, à Coreia do Norte, e seu “programa imprudente, irresponsável e desestabilizador de testes de mísseis e busca de capacidade de armas nucleares.”

O secretário de Defesa, Jim Mattis, disse aos repórteres em 11 de abril que o Carl Vinson estava “a caminho”. Perguntado sobre o desdobramento em uma entrevista à Fox Business Network, que foi ao ar no dia 12 de abril, o presidente Trump disse: “Estamos enviando uma armada, poderosa.”

A mídia dos EUA entrou em “overdrive”, e a Fox relatou em 14 de abril que a armada estava “navegando” em direção à Coreia do Norte.

Mas as imagens postadas pela Marinha dos EUA sugerem que não é exatamente o caso — ou pelo menos ainda não.

O porta-aviões USS Carl Vinson (CVN 70) transitando pelo Estreito de Sunda no dia 15 de abril, sábado

Uma fotografia divulgada pela Marinha mostrou o porta-aviões navegando pelas águas calmas do Estreito de Sunda entre as ilhas indonésias de Sumatra e Java no sábado, 15 de abril. Mais tarde no dia, foi no Oceano Índico, de acordo com fotografias da Marinha.

Em outras palavras, no mesmo dia em que o mundo observava nervosamente a Coreia do Norte fazer um desfile militar para comemorar o aniversário do fundador da nação, Kim Il Sung, e a imprensa especulava sobre um ataque preemptivo dos EUA, a Marinha dos EUA colocou o Carl Vinson, juntamente com sua escolta de dois destróieres de mísseis guiados e um cruzador, mais de 3.000 milhas a sudoeste da Península Coreana — e mais de 500 milhas a sudeste de Cingapura.

Em vez de navegar em direção à Península da Coreia, o grupo de ataque porta-aviões estava realmente indo na direção oposta para participar de “exercícios agendados com forças australianas no Oceano Índico”, de acordo com o Defense News, que relatou pela primeira vez a história.

Nem o Comando do Pacífico nem a Frota do Pacífico responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Na segunda-feira, o Comandante Clayton Doss, porta-voz da Frota do Pacífico, disse apenas que o USS Carl Vinson e seus acompanhantes estavam “transitando pelo Pacífico Ocidental”. Ele recusou-se a dar uma localização mais precisa, exceto para descartar as águas ao redor da Coreia do Sul ou do Japão.

Infográfico divulgado pela mídia internacional mostrando o Grupo de Ataque do Carl Vinson navegando em direção à Coreia do Norte. Era mentira, ou em termos atuais, um “fato alternativo” ou “pós verdade”

A presença do grupo de ataque dos porta-aviões dos EUA e a ameaça de um ataque militar norte-americano contra a Coreia do Norte pesaram muito sobre as mentes chinesas e os meios de comunicação aqui. O ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, alertou que as “nuvens de tempestade” estavam se acumulando e que o risco de conflito aumentava.

A notícia de que os navios não estavam onde todo mundo supunha que eles estivessem foi recebida com um pouco de alegria na mídia chinesa na terça-feira.

“Totalmente enganados!”, O Global Times exultou em sua conta de mídia social. “Nenhum dos porta-aviões dos EUA que a Coreia do Sul está esperando desesperadamente chegou!”

O destróier da classe Arleigh Burke USS Michael Murphy (DDG 112), o cruzador classe Ticonderoga USS Lake Champlain (CG 57) e o porta-aviões USS Carl Vinson (CVN 70) navegando no Oceano Índico no dia 14 de abril de 2017

Foi tudo um mal-entendido, ou dissimulação deliberada?

Cai Jian, especialista do Centro de Estudos Coreanos da Universidade Fudan, em Xangai, disse que todo o episódio faz parte de um elaborado jogo de “guerra psicológica ou blefe” dos Estados Unidos. Ele argumentou que Washington nunca pretendia realmente lançar um ataque militar contra a Coreia do Norte neste momento.

“No auge do impasse, a guerra psicológica é muito importante”, disse ele.

Ross Babbage, um colega sênior não residente no Centro de Avaliações Estratégicas Orçamentárias, um grupo de reflexão com sede em Washington que se concentra nos militares, disse que o movimento pode ser “sinalização militar” pelos Estados Unidos.

“É mais do que um blefe”, disse ele. “Um blefe sugere que você não está falando sério. Minha compreensão é que esta administração dos EUA é absolutamente séria. Foram 40 anos tentando fazer com que os norte-coreanos se afastassem das armas nucleares “.

Babbage disse que também era possível que o governo Trump tivesse decidido dar à China um pouco de tempo para colocar sua própria pressão sobre a Coreia do Norte antes de enviar o grupo de ataque de porta-aviões para o norte. Trump se encontrou com seu homólogo chinês, o presidente Xi Jinping, nos dias 6 e 7 de abril e falou por telefone com ele no dia 11 de abril, e pode ter querido dar um pouco de espaço aos chineses antes de “chacoalhar as barras”, disse Babbage.

A presença do porta-aviões, por si só, não deve ser demasiado pesada, acrescentou, uma vez que qualquer ataque inicial à Coreia do Norte provavelmente teria sido realizado por aviões de longo alcance.

Mattis disse que a administração dos EUA estava trabalhando em estreita colaboração com a China para abordar a questão do programa nuclear da Coreia do Norte.

“Vocês estão ciented de que o líder da Coreia do Norte novamente tentou imprudentemente provocar algo lançando um míssil”, disse Mattis aos repórteres na terça-feira em seu caminho para Riyadh, na Arábia Saudita. “Isso mostra por que estamos trabalhando tão de perto agora com os chineses saindo da reunião de Mar-a-Lago. . . Para tentar controlar isso e apontar para uma Península Coreana desnuclearizada que a China e os Estados Unidos, a Coreia do Sul e o Japão compartilham esse mesmo interesse “.

Embora a crença de que o Carl Vinson estava se dirigindo à Coreia tenha sido relatada como fato por meios de comunicação em todo o mundo, havia dicas de que talvez não estavesse navegando por lá tão rápido como muitos supostamente pensavam. Em 11 de abril, o US Naval Institute News informou que, embora o porta-aviões tivesse cancelado as visitas aos portos na Austrália, não havia cancelado os eventos de treinamento para avançar mais rapidamente em direção à península coreana e ainda levaria mais de uma semana para entrar em águas perto da Coreia — um ponto que se perdeu em meio à conversa aquecida de “guerra”.

Outras fotografias divulgadas pela Marinha mostraram o Carl Vinson no Mar da China Meridional de 12 a 14 de abril.

Em qualquer caso, a força de ataque de porta-aviões pode realmente estar finalmente indo para o norte agora.

O Korea Herald informou segunda-feira que o Carl Vinson deve chegar às águas do leste da Coreia do Sul em 25 de abril, a tempo de outra data importante no calendário norte-coreano: o aniversário da fundação do Exército.

Citando funcionários da Coreia do Sul anônimos, o Herald disse que “o grupo de ataque se unirá à Marinha da Coreia do Sul em um grande exercício marítimo planejado para combater a provocação do Norte”.

A CNN também citou funcionários de defesa dos EUA dizendo que o porta-aviões chegaria ao largo da Península Coreana no final de abril.

O destróier da classe Arleigh Burke USS Michael Murphy (DDG 112), o cruzador classe Ticonderoga USS Lake Champlain (CG 57) e o porta-aviões USS Carl Vinson (CVN 70) navegando no Oceano Índico no dia 14 de abril de 2017

FONTE: Washington Post

7 COMMENTS

  1. Esse incidente diz muito sobre a retórica americana mas mais ainda sobre os sistemas de rastreio naval russos e chineses capazes de descobrir um caiaque em qualquer lugar dos oceanos em tempo real e direcionar seus mísseis supersônicos de longo alcance como o Kh-32 sem que haja necessidade de utilizar meios convencionais de reconhecimento que possam ficar ao alcance dos caças dos porta-aviões: http://www.aereo.jor.br/2016/08/25/missil-de-cruzeiro-kh-32-esta-quase-pronto-para-uso/
    Foi preciso uma mancada da própria USN para que todos ficassem sabendo da posição do Carrier Strike Group, o que pegou de surpresa todo mundo, russos e chineses, inclusive.

  2. Tem gente que jura de pé junto que achar um porta-aviões gigante que quer se manter oculto no meio dos oceanos é moleza, afinal, dizem eles, como esconder um navio de 100.000 toneladas?
    Vale salientar que o hipotético míssil chinês DF-21D, o primeiro míssil antinavio balístico, de médio alcance, que alguns juram que já está em plena operação, depende de sistemas de vigilância marítima baseados no espaço, capazes inclusive de solução de tiro e de prover dados de meio curso via data-link em tempo real para os veículos de reentrada manobráveis. Será que existem???

  3. Kkkkkkkk, Bosco, vc me mata de rir, ahuahuahuahua…
    .
    Com que então russos e chineses, que com seus radares de dobra e sonares pluto-espaciais são capazes de localizar um peido de plâncton na zona hadopelágica da Fossa das Marianas não “viram” que um Super Porta-Aviões Classe Nimitz de 101.000 toneladas e todo seu strike group não estavam ao largo da Coréia-Lixo, mas sim no estreito de Málaca??? Ahuahuahuahuahua…
    .
    Só uma pergunta: o termo “armada” normalmente não exclui Porta-Aviões?
    .
    Pois é, a tal “armada” do Trump pode bem já estar por lá. Embaixo dágua, como o próprio Trump já alertou…
    .
    No mais, os EUA não precisam colocar seus Super PAs ao alcance dos buscapés da Coréia-Lixo para devolver o país à idade histórica que merece, o Paleolítico Inferior… 😉

  4. Ok.
    Ninguém, nem mesmo o Salão Oval em Washington, consegue localizar um ‘Carrier Strike Group’, quanto mais os malucos paupérrimos de Pyongyang.
    .
    Ok.
    Chineses e Russo perderam uma ótima oportunidade de demonstrar seus incríveis sistemas de rastreamento ‘tão-tão’ secretos que ninguém sabe se funciona – parece que não – ou se ‘estão ligados’.
    .
    Porém, tem sempre um porém:
    A comunicação entre a Casa Branca e a US Navy precisa melhorar ‘um pouquinho’.
    Afinal, com tanto poder de fogo nos mares, é prudente saber quem está com o ‘dedo no gatilho’.
    .
    Mais uma ‘TRUMPalhada’.
    .
    Os republicanos vão cozinhar o galo até chegar a hora.
    .
    Sds.,
    Ivan, o Antigo.

  5. Não achei nas fotos o Phalanx de bombordo.
    Deveria haver 2 Mk-29 (ESSM), 2 Mk-49 (RAM) e 2 Phalanx. Só vi um Phalanx.
    Eu até que acho equilibrado só dois Mk-29 e dois Mk-49, mas definitivamente tinha que ter 4 Phalanx.
    Também dá pra ver 4 radares de iluminação Mk-95 para os ESSM, dois voltados para bombordo e dois para boreste, que dão conta de ameaças em 360º.
    A popa e a proa são cobertos por ambos os sistemas, RAM e ESSM, e deve haver pequenas zonas sem cobertura por um ou por outro, mas não por ambos sistemas de mísseis ao mesmo tempo. Todos os lados do navio são defendidos por sistemas de mísseis, mas há uma falha grave na defesa de última camada com o Phalanx.
    A instalação de lançadores de mísseis cruzados e diametralmente opostos foi uma sacada inteligente que poupa recursos sem deteriorar muito a defesa.

  6. Dalton,
    Notou que está faltando um Phalanx no Carl Vinson?
    Mudando de pato pra ganso, interessante notar o radar AN/SPQ-9B (banda X) no topo do mastro da ilha do Carl Vinson. Ele é o melhor sistema de alerta de mísseis sea-skimming (subsônicos e supersônicos) e de baixa altitude (até 100 m) disponível no navio, claro, juntamente com o radar de busca dos Phalanx, que têm alcance bem menor.
    Ameaças em nível mais alto são cobertas pelos radares de busca aérea de longo alcance SPS-48 (3D, banda S) e pelo SPS-49 (2D, banda L). Além disso é visível 4 radares de controle de mísseis Mk-95 (banda X). Também existem 3 radares de busca de superfície/navegação, provavelmente o SPS-73 (banda X) e SPS-67 (banda C).
    Há pelo menos mais 4 radares próprios de um porta-aviões, para controle de tráfego e auxílio de aproximação,como o SPN-41 e o SPN-46.
    Tirando os radares dos dois Phalanx há cerca de 14 radares individuais.
    Não sei se ele tem um sistema optrônico isolado, mas combinando os sistemas optrônicos dos dois Phalanx Block IB e dos 4 canhões Mk-38 Mod 2 e o porta-aviões tem pelo menos 6 sistemas optrônicos dotados de TV, câmera térmica e laser telemétrico.

  7. Boscão…
    .
    a foto não ajuda muito, mas, acho que está lá , obscurecido por aquele Mk-95 abaixo do
    lançador de “Sea Sparrow e a posição do “phalanx” é um nível mais abaixo do Mk-95 o
    que dificulta ainda mais a visualização.
    .
    abs

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here