Projeto do submarino nuclear do Brasil enfrenta adiamento

Projeto do submarino nuclear do Brasil enfrenta adiamento

4588
69

Sob a pressão de uma combinação de fatores financeiros e políticos, o governo brasileiro está considerando uma suspensão prolongada do financiamento para o seu programa submarino de propulsão nuclear SN-BR, fontes em Brasília disseram ao Jane’s.

O programa SN-BR foi lançado em 1978 e, desde então, US$ 4,3 bilhões foram gastos no projeto, com o investimento total atualmente planejado para US$ 9,5 bilhões no momento em que o primeiro submarino entrar no serviço em 2029.

A medida drástica de suspender o investimento no projeto está sendo considerada como parte de novos cortes na despesa pública que foram planejados já que, apesar de alguns sinais positivos recentes, a economia nacional ainda está longe de se recuperar dos efeitos da crise financeira global de 2008 .

FONTE: Jane’s

69 COMMENTS

  1. “crise financeira global de 2008″…. KKKKKK!!!! Isso é uma versão moderna daqueles ditadores que procuravam uma “guerra externa” para justificar o seu péssimo governo.

  2. Bom dia Sr(a)s. Leitores(a)s.

    Extremamente lamentável; tal decisão.
    Conhecimento é poder.
    Um povo só é e somente é livres; quando
    domina o conhecimento.
    Nossos políticos; não têm o mínimo aceitável
    de Patriotismo.

    Manoel, o Patriota.

  3. 9,5 bilhão ? compraríamos quantos ? aff…para com isso de querer produzir e vai comprar …quantos IKL 209 0km com AIP compraríamos com essa grana ?

  4. Já se gastou 4,3 bi e NENHUM submarino entrou em operação, o primeiro somente em 2029! Com essa dinheirama, já teriam comprado 3 ou 4 subs construídos em algum estaleiro francês ou alemão e a marinha já estaria recebendo-os.

  5. Mas mais importante que equipar a Marinha era equipar a Odebrecht, segundo a inteligência de Lula e Dilma.

  6. Parar agora significaria perder US$ 4,3 bilhões, se continuar o prejuízo vai a US$ 9,5 bi.

    Estou desenvolvendo um motor de Ferrari, “sozinho”, lindo. Só não tenho rodas, carroceria e dinheiro para gasolina.

    E , caso, por milagre, consiga finalizar todo o carro, Só desfilarei para senhoras de 70 anos , já que as de 20 namoram os que possuem uma frota. Triste 🙁

  7. BRASIL

    Bravos Rapazes norte americanos Silenciosamente Iram Levando.

    Mais USA não pode ser culpabilizado tampouco de o Brasil ser uma terra de lacaios.

  8. Vamos lá, Temer para se manter no poder abriu a caixa de bondades! Adotou a mesma politica que o PT e cia fizeram ‘”grana para todos”, Estados tirão suas contas renegociadas, aprovou um super refiz com desconto de multas e parcelamento de tudo a perder de vista. ELE ESTA MONTANDO UM VOO DE GALINHA…

    Em paralelo a isto, vamos term em 2018 uma hecatombe financeira GLOBAL, já há alertas de gente séria…

    Resumindo o dinheiro do que for possivel, vai ser contingenciado para bancar o OBA OBA e a culpa vai ser da crise de 2018…

    quem sabe disso já deve esta se protegendo…

  9. Uns acham que o dinheiro dava pra comprar vários sub, outros acham um absurdo gastar mais neste projeto…. Na verdade o que a maioria não entende é que isto não é a simples construção de uma arma, é pesquisa e desenvolvimento de conhecimento, conhecimento este importantíssimo para nossa soberania. A construção do sub em si não é tão diferente de um Scorpene ou um IKL. O desenvolvimento do reator esse sim é o caro e importante para o país, isso seja para fármacos, energia, militar é ou novas pesquisas. Ou seja, para nossa soberania, independência tecnológica, militar é científica, mesmo que se fosse gastar mais 20 no, ainda assim, este projeto não poderia nem diminuir o ritimo, quanto menos parar.

  10. “a economia nacional ainda está longe de se recuperar dos efeitos da crise financeira global de 2008.”
    Ué, mas Luís Inácio não disse que foi uma marolinha ?
    .
    Quantos IKL 216 com AIP se compraria com o gasto no subnuc + os Scorpene ?

  11. Não afetando os subs Scorpene com propulsão diesel/elétrica já será menos danoso,mas que travar o projeto é ruim há como é. Que estes cortes não afetem tbm o KC,Guarani, corvetas e Gripen.

  12. Então, vamos ter um enorme casco vazio sem um reator? Queira saber do reator, já esta pronto e funcional!? Antes de pensar em construir um SUBNUC deveria existir um protótipo de reator e turbina funcionado em testes.

    Esse empreitada via custar muito mais do que foi anunciado, quem viver verá! Ainda dá tempo de sair dessa armadilha. A MB tem outras necessidades mais urgentes que um prototipo de SUBNUC, que ninguém sabe quando vai ficar pronto e quanto vai custar.

    Saudações!

  13. Edcarlos, a Marinha pode ter outras necessidades, mas esta é uma necessidade da Nação, o subnuc é muuuuito mais do que uma arma, do que um submarino, é uma necessidade cientifico/tecnológica de estado. Essa visão que nossos políticos não tem. A reboque disto teríamos um subnuc.

  14. Precisamos negar o mar à frotas que se aproximam das 300 milhas! Se virem, mas mantenham e ACELEREM o compromisso dos submarinos, Grippen, artefatos antiáereos….antes de 2022.

  15. Srs

    A titulo de informação dos que não acompanham o tema Submarino Nuclear Brasileiro:

    O contrato com os franceses corresponde a 4 submarinos diesel elétricos (sem AIP, baseados no Scorpene), a construção de um estaleiro e um casco para um submarino nuclear.
    O contrato não contempla o fornecimento do reator e nem do sistema de energia e propulsão (turbinas, trocadores de calor, etc.). Estes devem ser de desenvolvimento e produção local.
    Assim, a tecnologia realmente importante (reator e sistema de propulsão e energia) não depende de tal contrato e deve ser custeada a parte.
    Portanto, se o corte for referente ao contrato com os franceses e os aportes referentes ao desenvolvimento dos itens locais (reator e sistemas de propulsão e energia) forem mantidos, em princípio, a MB pode continuar a trabalhar e sonhar quanto ao Subnuc.
    Se o corte afetar, também, os trabalhos com o reator, aí a coisa se complica.
    Cabe observar que o PROSUB está sob investigações aqui no Brasil e na França devido a denúncias de corrupção.

    Sds

  16. Edcarlos “Queira saber do reator, já esta pronto e funcional!? Antes de pensar em construir um SUBNUC deveria existir um protótipo de reator e turbina funcionado em testes” – exatamente por isso, a MB está trabalhando no LABGENE, que, basicamente, é um mini reator em terra…

  17. Cinquenta e um anos entre o início do programa e o suposto término da construção do SN-BR. Felizmente, agora este programa será adiado e espero que cancelado, pois nada justifica bilhões de dólares públicos investidos (ou seriam desviados?) neste elefante branco enquanto o restante da esquadra definha.

    Tal qual a “aposentadoria” do NAe São Paulo, o fim do programa do SN-BR (ainda que não seja isso que a matéria tenha anunciado) seria uma maravilhosa notícia para o restante da marinha, que precisa de recursos.

    O “conhecimento adquirido” no desenvolvimento do reator não justifica tamanho desperdício de dinheiro e tempo. Aonde mais esse reator seria usado? Em futuros porta-aviões nucleares? Em outros submarinos nucleares? Como, se levaremos pelo menos cinquenta e um anos para fabricar UM SN-BR?

    Já foi tarde.

  18. Enquanto nosso Almirantes não pararem de viajar na maionese, dá nisso.
    O país não tem dinheiro pra comprar escoltas, e os caras sonhando com 2 Porta Aviões.
    Falta grana pra reformar as Fragatas, e os caras sonhando com submarino nuclear.
    Quando esses caras acordarem, estarão comandando a maior Guarda Costeira do mundo…

  19. Como um site estrangeiro de notícias tem acesso a informações estratégicas brasileiras vindo diretamente de “fontes” em Brasília?

  20. Crise de 2008??? Onde a Jane’s está buscando informações? Na assessoria de imprensa do PT?

    Lula e Dilma quebraram o país para elegê-la em 2010 e reelegê-la em 2014. Explodiram os cofres do estado com benesses populistas, circo (copa e olimpíadas) e projetos lastreados em muita corrupção e pouco retorno. E levaram estados como o do RJ a entrar na mesma onda eleitoreira. Tudo como se não houvesse amanhã. Mas o amanhã chegou em 2014. Ainda deu tempo de reeleger a maluca da bicicleta. Mas a recessão já estava contratada. Agora, a conta não fecha! Basta ver o exemplo do RJ! Não tem nem como cumprir a folha! O governo federal tem que cortar onde der para não ficar em igual situação.

    E como as commodities voltaram aos patamares normais, as famílias estão endividadas e a indústria brasileira quebrou na tal “nova matriz econômica” da Dilma, a coisa não vai se resolver em 3 ou 4 anos. É coisa de uma década para por a casa em ordem. E a partir de 2018, pois Temer já perdeu o fôlego quando caiu na gravação do açougueiro amigo de Lula.

    Eu já tinha dito aqui que o subnuc não iria prosperar. Era um projeto de assalto ao erário, com quase nenhum compromisso com sua efetividade. Depois que o caixa federal foi para o espaço, então… Nada disso, infelizmente, é surpresa. Poderia ter sido anunciado logo após ao impeachment. Demorou, até…

  21. O que esperar de um governo e de uma Marinha que levou 14 anos para fazer uma corveta!
    Tem mais é que acabar com isso mesmo.
    No Brasil a tal da transferência de tecnologia virou artificio pra mamatas e outras coisas mais.
    Nunca me esqueço do projeto do sistema nacional de guerra eletrônica que levou tanto tempo pra ficar pronto que quando terminaram tinham um sistema da década de 70.

    VERGONHA!!!!!

  22. Medida acertada, a MB tem várias prioridades e o SN-BR pode esperar. Já o desenvolvimento do reator não deveria sofrer interrupção. Além da propulsão do SN, o já denominado RMB (Reator Multipropósito Brasileiro) deveria ser concluído o mais rapidamente possível, financiando-se o LABGENE com recursos do Ministério da Ciência e Tecnologia, pois sua utilização, tanto para geração de energia em Pequenas Centrais Nucleoelétricas como sua aplicação em Medicina Nuclear (produção de partícula Beta, pósitrons e radiação Gama, utilizados em exames de imagem e terapias por
    radiofármacos) trará grandes benefícios e retorno financeiro ao país.

  23. Olá Fabio Mayer e Delfim Sobreira!
    .
    Na época das negociações do ProSub, quando discutiamos aqui os valores e tals, o valor total do ProSub era suficiente para comprar 13 IKL de prateleira, tendo como base o preço pago pela Grecia nos seus subs à época. Eu até postei aqui no site isto lá na época.

  24. Gastos atualizados com as Olimpíadas: 43 BILHÕES!!!!!!!!!!!!!! Sou contra o Subnuc por que acho que não estamos preparados para acidentes nucleares, mas sou totalmente a favor de Angra III, IV, V… Seria muito melhor comprar submarinos prontos da Alemanha, fazer uma parceria do mesmo jeito que fizemos com os suecos ao adquirir o Gripen, depois da usinas prontas podíamos tentar submarinos leves tipo U212 e 214, isso sim seria inteligente.

  25. Vou colocar mais lenha nessa discussao……alguem aqui duvida q o maior atraso nesssa banheira atomica esta justamente na costrucao e ou desenvolvimento do REATOR….parece-me q o custo e desenvolvimento dessa coisa ainda nao esta ao alcance dos genios la de Aramar…alias nao esta a mais de 25 anos. Projeto e papel aceita tudo, ate os mais tolos. Construir a casca nao eh tao dificil assim como muitos acreditam, o segredo eh dentro e mais ainda faze-lo funcionar. A India c todo o seu arsenal atomico e foguetes, ainda nao conseguiu desenvolver o seu reator e depende muito dos Russos. A MB deu passo excepcional sem nem sequer er um prototipo desse reator, tudo estava no papel, agora vem a conta disso tudo para se fazer o parto e ver se o bebe vai sobreviver……..arghhhhhh….se vcs acreditam nisso, tudo bem, senao nao faz menor diferenca, poisd o nene nao vai nascer nos proximos 20 anos. Brasil, pais de todos (L)

  26. Em tempo, o proprio XO faz uma perguta sobre o tal reator…….cade a resposta…….onde esta o tal prototipo…que segredo de merla eh esse……afinal, o cidadao tem sim o direito de saber onde anda tal reator se eh q ele existe mesmo. A MB esta brincando de faz de conta e que nao deve satisfacoes crieis aos maiores interessados nessa conta, justamente por fazer pouco caso de todos. Esquece-se de essa massa aqui do lado de fora eh q vai fazer a diferenca sobre o congresso e dos interesses da MB e do Brasil. Somos e sempre seremos tratados como criancas inuteis e mal criadas por essas liderqancas em todos os niveis da administraccao publica e tbm pelos militares. Isso tem q acabar para o bem do Brasil, nao precisamos de pai e mae, ja tivemos ou ainda os temos, nao podemos ser tratados como fantasmas e ao sabor dessas instituicoes.

  27. Dentre as despesas previstas no ProSub realizaram-se até o momento as necessárias à construção e operação dos sub convencionais (parcialmente). O chamado complexo radiológico, necessário à operação do SubNuc, não foi sequer iniciado. Trata-se da parte mais complexa e dispendiosa de todo o projeto pois visa à manipulação do combustível nuclear em si. Portanto, é algo tão complexo quanto uma usina nuclear, sem o qual é impossível operar um SubNuc.
    A falta de caixa do GF, derivada do assalto lulopetista, é grave. É compreensível que solução parecida esteja em estudo. O grande problema é que, além de não termos o SN-BR, a base em Itaguaí ficará paraplégica e deformada, pois parte considerável das obras só pode ser concluída após a construção do complexo radiológico.

  28. Segundo a END:
    .
    “A prioridade é assegurar os meios para negar o uso do mar a qualquer concentração de forças inimigas que se aproxime do Brasil por via marítima. A negação do uso do mar ao inimigo é a que organiza, antes de atendidos quaisquer outros objetivos estratégicos, a estratégia de defesa marítima do Brasil. Essa prioridade tem implicações para a reconfiguração das forças navais.”
    .
    “Para assegurar a tarefa de negação do uso do mar, o Brasil contará com força naval
    submarina de envergadura, composta de submarinos convencionais e de submarinos de propulsão nuclear. O Brasil manterá e desenvolverá sua capacidade de projetar e de fabricar tanto submarinos de propulsão convencional, como de propulsão nuclear. Acelerará os investimentos e as parcerias necessários para executar o projeto do submarino de propulsão nuclear. Armará os submarinos com mísseis e desenvolverá capacitações para projetá-los e fabricá-los. Cuidará de ganhar autonomia nas tecnologias cibernéticas que
    guiem os submarinos e seus sistemas de armas, e que lhes possibilitem atuar em rede com as outras forças navais, terrestres e aéreas. ”
    .
    “…a projeção de poder se subordina, hierarquicamente, à negação do uso do mar.”
    .
    Vamos lá:
    A) – “A prioridade é assegurar os meios para negar o uso do mar. Essa prioridade tem implicações para a reconfiguração das forças navais.” – Pois é. Vemos aí meios dando baixa, submarinos tendo seu cronograma original postergado (não estou falando desta noticia e sim do cronograma original que já foi esticado) e nada de corte de pessoal, muito pelo contrário. Isto faz parte da reconfiguração das forças navais para atender a prioridade 1. Se lerem o resto da END, fica claro que esta reconfiguração deve ter como base o orçamento.
    B) – “O Brasil manterá e desenvolverá sua capacidade de projetar e de fabricar tanto submarinos de propulsão convencional, como de propulsão nuclear. Acelerará os investimentos e as parcerias necessários para executar o projeto do submarino de propulsão nuclear” – Ou seja, temos de construir o submarino nuclear. Não há opção de cancelamento.
    C) – “A negação do uso do mar ao inimigo é a que organiza, antes de atendidos quaisquer outros objetivos estratégicos, a estratégia de defesa marítima do Brasil. …a projeção de poder se subordina, hierarquicamente, à negação do uso do mar.” – Está muito claro que antes de tudo, devemos ser capazes de negar o uso do mar. Esta prioridade deve ser atendida antes de qualquer outra. Portanto, antes de postergar ou cancelar o projeto nuclear há de se cancelar as Tamandaré. Como a negação do uso do mar se sobrepõe a qualquer outra prioridade, inclusive a projeção de poder, ao faltar verbas, já que o orçamento serve como base, devemos questionar o porquê de tantos fuzileiros, o porquê da compra do Bahia e/ou de se cogitar a compra do Ocean, o porquê de um efetivo tão grande e o porquê de se planejar construir as Tamandaré. A prioridade é a força de submarinos, e o resto fica pra depois.
    .
    Não estou aqui defendendo a END. Mas oque está claro é que ela vem sendo desrespeitada. É mais um documento que parece não ter valor algum.

  29. Meu caro zorannGCC, não se trata de desrespeito à END. Esta é só uma peça de ficção escrita por “gênios” de determinado governo (cuja “reserva” foi cassada) megalomaníaco que, deliberadamente e por conta de arroubos como esse, levou o país a uma crise sem precedentes. Não discuto as missões elencadas nela para o Poder Naval, mas os recursos necessários que ela define estão muito além da nossa realidade, mesmo se não houvesse essa crise.

  30. Zor,

    END ?? porraehessa, será que alguém que toma decisão na historia deste pais (e Governo) la faz ideia ou da trela para o que seja isto ??

    PS: pergunta de forma jocosa, mas de fundo extremamente sério !!!!

  31. E no final foi só Fakenews?
    .
    Não parou até hoje com a Lava-jato, não vai ser agora que vão parar o projeto por falta de cascalho…
    .
    Aos trancos e barracos é capaz desse submarino sair um dia.
    E na boa… se tem dinheiro pra dar pro estádio de curintia e do framengo, tem pra submarino nuclear. Dane-se que o programa custe U$ 10bi… Existem investimentos feitos pelo governo que são trocentas vezes piores e que deveriam ser cortados antes deste programa da MB…

  32. Celso, eu apenas respondi a pergunta de outro forista… o LABGENE está em andamento e seu produto será o protótipo do reator… fruto do trabalho não de gênios, mas de pessoas extremamente dedicadas e capacitadas… se quiser mais detalhes, sugiro contactar o CCSM…

  33. Zorann, a redução de efetivo começa neste ano, estendendo-se até 2030, de acordo com memorando recente do CM… abraço…

  34. Ola Adriano Luchiari!
    .
    É lógico que a END é uma viagem na maionese. Tudo que vc imaginar está lá. Já cansei de dizer isto aqui. E logicamente que este documento tem esta redação porque os militares participaram ativamente de sua criação. Concordando nós ou não, existe um documento que deveria nortear os projetos estrategicos de defesa. Parece que agora estão estudando mudanças na END. Mas depois de empenhar 8 bilhões de Euros neste projeto maluco, que pelo menos terminem. Jamais fui a favor do ProSub. Se não for pra fazer o submarino nuclear, não seria necessária a escolha do projeto francês. poderíamos ter comprado lá á época 4 novos IKL por um terço do valor deste contrato.
    .
    Olá MO!
    .
    A END corrobora o ProSub.
    .
    A todos!
    .
    Já que começaram, que já empenharam um monte de grana no ProSub, que terminem. É um pouco tarde pra desistir agora. Deviam ter pensado nisto a 10 anos atras, antes de iniciar esta loucura. Fazem base de submarinos de filmes de 007 e agora vão desistir de submarinos? Querem rediscutir a END? Que se faça, mas que se termine o desenvolvimento do submarino nuclear que tanto insistiram em começar.

  35. Zor, compartilho a maior parte dos seus conceitos, pelos quais tenho maior respeito assim como a você, que sempre acompanha meus posts. O que a MB tem a fazer agora, no meu conceito, é terminar os quatro SSK em parceria com a DCNS/Odebrecht (?) e finalizar a nova base. SN-BR não sairá do papel por muito tempo. O valor pago à DCNS para transferência de tecnologia do casco para ele deveria ser abatido no valor global do contrato. E, sim, eu sempre preferi os IKL, inclusive porque tínhamos a tecnologia pra construção local. Preferiria ter mais uns 4 com AIP na MB aos Scorpène. No mais, comungamos do mesmo patriotismo e valores para um Brasil melhor. Abraço!

  36. XO, te citei exatamente por entender seu ponto de vista e ou conhecimento por dentro da instituicao. Nao me interessa essa letrinha da sigla q vc menciona, pra mim essas sigla nao tem utilidade alguma e nada explica ou exclarece aa maioria dos interessados. A Labgene esta nesse projeto a mais de 10 anos se nao me engano, nem se sabe ao certo qual foi exatamente o total gasto nessa empreitada. O q se sabe eh q tudo tem um comeco, mas nunca termina, ano apos ano la esta a verba q geralmente garante salarios e outros gastos , mas nunca cobra a entrega do produto (reator) e os caras ainda estao falando q vao terminar o prototipo (sempre postergado c desculpas)…..rsrsrsrsr (so em maquete). Resumindo, o trabalho ou dedicacao dessas pessoas (genios) ainda nao foi entregue e esta seguramente muito longe disso…..afinal, quem sao esas pessoas regiamente pagas por nos…..ninguem cobra resultados ou so ficamos aqui no campo da especulacao e pitacos. A essas alturas, todos aqui ficam brandindo e ciitando a tal END q nunca passou de calhamaco de papeis e boas intencoes. Eu e muitos aqui ja sabiamos a anos atras q tudo isso nao passava de um sonho , os resultados ai estao a comprovar tal fato e leio ainda q alguns apoiam irrestritamente a continuidade dessa aberracao custe o q custar c comparacoes exdruxulas ante a outros desperdicios…..Brasil, pais de tolos e nao tem nada a ver c nacionalismo ou patriotismo, sofisma criado para separar pseudos alhos de bugalhos e onde tudo vale sem ver a quem ou em prejuizo da maioria…. XO, reducao de efetivos q comeca agora e so vai terminar em 2030…argh que brincadeira de mau gosto eh essa…..conversa pra boi dormir . Admiro sua defesa da MB pois sei de sua condicao e entendo isso por razoes obvias. Quem quer e precisa toma a decisao, a mais dura ou branda, mas a toma. O que nao pode ser eh levar isso pra mais de 13 anos a frente, vejo isso mais como um passa moleque e uma bofetada no conjunto da populacao…..arghhhhhhhh. A MB e o Brasil nao podem esperar resultados a longo prazo, isso ja deeria ser feito a mais de 5 anos atras, os comandantes ja sabiam disso e empurraram c a barriga. Aqui mesmo durante anos tivemos otimas discussoes sobre esse asuto entre outros e ainda aqui estamos esperando q certas medidas se cumpram………A persisitr essa cegueira, o Brasil nao tera nenhuma esquadra, tao somente uma GC e com muita sorte 4 sub convencionais. Tambem compartilho da sugestao do Adriano Luchiari, bem mais realista e q c certeza cabem no orcamento da gloriosa sem gdes atropelos. Sds

  37. Amigos, eu entre tantos outros questionei a forma como este programa foi e está sendo tocado. É óbvio que acabou o “oxigênio” da MB para bancar o projeto dentro do fluxo de dinheiro exigido cronograma.
    Eu fiz varias vezes a pergunta aqui:

    Como farão para manter e operar um Subnuc, se até hoje al e porcamente se conseguiu operar três IKl simultaneamente em função de restrição orçamentária de custeio???
    Até hoje ninguém me respondeu.P
    Parece que que pela fumaça que sai do prédio do CN, o projeto pode ficar na geladeira por um tempo e, ainda pode acabar como o SP, simplesmente ele desistir da marinha.

    G abraço

  38. Juarez,
    Tem que ter dinheiro e competência pra manter um nuclear. Sou a favor de um submarino deste porte porem tenho meus receios acerca da capacidade nacional de realizar a operação e manutenção de algo tão complexo e crítico.
    .
    Pelo que lembro dos meus tempos numa OMPS, nossos padrões técnicos não são os melhores… Me lembro que até as fragatas já davam alguma aporrinhaçao na manutenção. Imagine um subnuclear…..
    .
    Verba então… Vão cortar até no rancho e vai ser pata de elefante até 2050…. Se duvidar, nem papel higiênico (que tá caro..rs) Vai ter mais na MB.

  39. Agora, pra mim, se começou termina. Não dá pra ficar gastando grana do cidadão que acorda cedo pra comprar muamba e deixar encostada num canto. Isso não é polishop…
    .
    Se precisar de mais 10 bilhões, que se invista. Agora, não custa pagar mais 100 mil pra uma auditoria externa e botar os incompetentes na rua e os ladrões na cadeia.

  40. Não era para ser o subnuc entregue em 2025, agora em 2029 e depois, talvez em 2040? Poderíamos ter mantido no período anterior a construção( localmente) de submarinos IKL classe Tikuna e teríamos atualmente uma pequena frota de 15 ou mais submarinos, sem contar com algumas fragatas. O que temos então? Falta de gestão associada a megalomania e ganância. Infelicidade nossa MB em frangalhos e virando piada, vergonha!

  41. acredito que cada corveta da classe Tamandaré levará 10 anos para ser construída, visto a “má vontade de nossos futuros governos” e falta de empenho de nosso almirantado.

  42. E nesse meio tempo a MB ficará com umas três ou quatro da frota de superfície capazes de operar plenamente. Este programa deveria ser cancelado pois a Marinha estará muito bem servida de submarinos convencionais. Esses recursos deveriam ser revertidos para a frota de superfície.

  43. Voces estão esquecendo de fazer conta: 4,3 Bilhões em 38 anos??? isso dá 114 milhões por ano para desenvolver uma tecnologia que ninguém vende, pelo menos oficialmente. Isso sem contar os anos de contingenciamento em que o projeto ficou vegetativo.

    O retorno não será um submarino nuclear e sim dominar uma tecnologia que se estende à várias áreas da vida nacional.

    Não é culpa da MB o tempo que levou, pelo contrário, graças à ela alguns poucos mantiveram a chama acesa.

    Enquanto isso, quanto se gastou na Ferrovia Norte-Sul que lina nada a coisa alguma? Quanto se gastou na Transposição do Rio São Francisco? E o Congresso Nacional? Custa quanto aos Cofres Públicos anualmente??

    Pessoal vamos estudar e ler mais sobre o assunto!!!

  44. Corretíssimo Marcelo. A intenção da MB é construir um SN-BR, para isso ela começou pelo reator e a desenvolver uma tecnologia que, como você falou, é estratégica para o país. O SN-BR virá (não sei quando) como consequência desta tecnologia mais o domínio da construção do casco. São fatores excludentes. Abraço.

  45. Faço algumas observações: O subnuc terá armas de dissuasão de poder considerável ou virá como um tigre desdentado, pois há salvo ledo engano um tratado de não proliferação de armas nucleares que o Brasil assinou e de certa forma o subnuc não deixa de ser uma arma nuclear, mesmo como propulsão. Como um comentarista já disse uma vez”: a situação não é ter e sim manter, dar continuidade para manutenção. Outra questão é o tempo para entrega: 2025, agora 2029… E para terminar e quanto ao material radioativo, o líquido de resfriamento, os compartimentos do reator? Custa e muito a manutenção. Estamos preparados atualmente? Não sou contra ter, mas a que preço?

  46. Submarinos convencionais também podem carregar artefatos nucleares. Lógico que o avanço tecnológico será magnífico, porém atualmente e não em 2029, compensa o gasto?

  47. O SNBR sempre foi um e será um protótipo… desde a concepção do projeto … Só posteriormente a avaliação do Álvaro Alberto se contratariam novas unidades
    .
    Em questão de armamento, não há motivos para ser muito diferente do dos Scorpènes: Exocet, Torpedos F21 e minas nacionais. A diferença para os Scorpenès e para todos os outros submarinos convencionais já criados é a persistência e demais fatores de desempenho que tornam um Submarino Nuclear de Ataque o que é… E é o que muita gente acredita que colocando um AIP em um convencional se teria o mesmo, o que é uma tremenda bullshit.
    .
    O que poderia ser feito é colocar AIP nos nossos Scorpènes, para não depender apenas do Snorkel até se ter um SNBR… Mas ai se tu pergunta pros sapiências da MB pq não optaram pelo AIP nos convencionais, é capaz de tu ouvir que é para baixar os custos ao longo da vida do submarino… Coisa que casa muito bem com o que todo mundo fala: Conseguir manter, operar, etc…

  48. Sergio…
    .
    submarinos nucleares de ataque, exemplificando os “Akulas” russos, “Virginias” americanos, “Astutes” britânicos, “Rubis” franceses e T-93 chineses, não são equipados com “armas nucleares”, apenas os relativamente poucos submarinos “estratégicos” dessas nações é que são e o futuro submarino nuclear brasileiro será de ataque e não estratégico, portanto será armado com torpedos e mísseis anti navios convencionais como os submarinos de ataque de outras nações ensinam.
    .
    Submarinos nucleares de ataque são caros sem dúvida, mas, não são um “bicho de sete cabeças”…submarinos estratégicos e seus mísseis, estes sim , além do mais é preciso pensar que mesmo que o submarino nuclear seja lançado em 2027 alguns anos se passarão até que
    o mesmo esteja completamente operacional e muito será aprendido com o primeiro
    possibilitando uma gestação mais fácil para o segundo em plena década de 2030.
    .
    Pensar em submarino nuclear com os olhos de hoje parece um absurdo, mas, a marinha,
    trabalha com a expectativa de que as coisas irão mudar para melhor e não para pior.
    .
    E de fato um submarino convencional pode “carregar artefatos nucleares”…é o que se
    suspeita dos submarinos israelenses que poderiam lança-los dos tubos de torpedos, mas,
    não é o caso do Brasil que não está desenvolvendo armas nucleares e ao menos por um bom tempo ainda não precisará se preocupar em desenvolve-las.
    .
    É um tema polêmico e há os que defendem, os que são contra e àqueles como eu que mesmo
    não defendendo com “unhas e dentes” também não acho que seja uma quimera.
    .
    abraços

  49. Srs
    Se o Subnuc é a Prioridade 1 e o dinheiro está escasso, o lógico é a MB manter os investimentos referentes ao desenvolvimento do reator e dos sistemas de propulsão e energia e empurrar com a barriga o contrato dos franceses.
    O contrário é que não tem sentido, pois não adianta ter um casco oco sem o reator.
    Aliás, desde o início do PROSUB, o estranho é o investimento muito pesado (perto de 10 bilhões de dólares) para a simples obtenção de um casco.
    Há, mas tem os 4 subs diesel elétricos e o estaleiro, dirão os partidários do acordo com os franceses. Mas, eles são prioridades para a MB?
    Não teria sido mais lógico e produtivo o investimento de parte deste dinheiro no desenvolvimento mais acelerado do reator e só depois contratar o casco?
    Dizem alguns que a MB quis aproveitar a onda “compradora” do grupo que estava no poder, mas isto não acabou comprometendo o seu orçamento e levando a situação de míngua e a perda de outro de seus sonhos, o NAe?
    Não parece ter sido uma estratégia sensata e muito menos uma política promissora para a organização.
    Pelo contrário, levou a instituição para uma situação precária pela perda de navios por falta de manutenção / reposição e ao comprometimento dela em escândalos de corrupção.
    Sds

  50. Gente!! O reator já esta desenhado, usinado, testado e só falta adaptá-lo ao sub. Reator de quase 10 MW. Se cabe no sub cabe num futuro porta aviões. O grosso do investimento já foi feito até o ano 2000. O maior risco é tudo ficar obsoleto com a demora excessiva e se perder todo o expertise acumulado,como foi o caso do “Tanque” Osório. O pessoal não consegue entender nadinha de tecnologia. Pensam que esta esta em aparelhos já prontos e brilhantes/lustrado. Tecnologia MESMO amigos está na siderurgia do aço empregado, na tempera, nos aditivos ao minério bruto de ferro, na forja (não adianta ter Nióbio se não sabe usar a dosagem correta). Não adianta nada fazer um casulo de capsula espacial se não desenvolver a química do revestimento para evitar a radiação gama (cósmica). Não adianta nada ter tudo isso se não tem uma tecnologia de solda capas de unir tudo isso. A verdadeira tecnologia esta ai gente. Pensem direito antes de escreverem maledicências ou caírem na conversinha fiada de “espiões fraquinhos” jogando verde pra colher maduro. Até parece que alguém vai soltar segredos por aqui.

  51. Outra coisa, todo mundo fala em AIP mas não tem nenhuma Marinha Oceânica que utiliza esse recurso, somente as que operam no mar Báltico e Mediterrâneo. O custo de manutenção é caro, além de ter que armazenar Hidrogênio no casco, altamente inflamável, além de que, a única empresa no Brasil que fornece hidrogênio puro é a White Martins , no RJ. Teríamos que ter outras bases pelo litoral para abastecimento.

    Existe uma reportagem na Revista Segurança e Defesa sobre os prós e contras da tecnologia AIP. Eu sou contra, pelo menos para a nossa doutrina.

  52. Olá Marcelo Andrade!
    .
    “Voces estão esquecendo de fazer conta: 4,3 Bilhões em 38 anos??? isso dá 114 milhões por ano para desenvolver uma tecnologia que ninguém vende, pelo menos oficialmente. Isso sem contar os anos de contingenciamento em que o projeto ficou vegetativo.”
    .
    Se olhar os gastos nos orçamentos de 2015 e 2016 (oque foi efetivamente gasto), mesmo olhando por cima, você nã terá dificuldades de encontrar R$ 2bilhões de gastos relacionados ao ProSub em cada um destes orçamentos. O de 2017 não dá ainda pra saber. Possivelmente somente lá pra março/abril do ano que vem, teremos como saber oque foi de fato gasto este ano relacionado ao ProSub.

  53. “Juarez 19 de junho de 2017 at 15:16
    O Tempo, sempre ele, senhor de todas as verdades…..
    G abraço”
    Gaúcho,
    ambos acreditamos em reencarnação, numa das próximas talvez nós vamos assistir….
    “A futilidade é a alma gêmea da ignorância. A arrogância é a alma gêmea da incompetência. A vaidade é a mãe delas.”
    Maria Angélica Carnevali Miquelin

LEAVE A REPLY