domingo, setembro 19, 2021

Saab Naval

Segundo navio-tanque da Royal Navy começa viagem da Coreia do Sul para o Reino Unido

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

RFA Tiderace

O navio-tanque RFA Tiderace, o segundo dos quatro navios da classe “Tide” da Royal Fleet Auxiliary (RFA), zarpou de Okpo, Coreia do Sul, iniciando sua longa viagem ao Reino Unido.

O Tiderace partiu do estaleiro Daewoo Shipbuilding and Marine Engineering (DSME) e navegou no Estreito do Kanmon de Japão, de acordo com os últimos dados do AIS.

O navio de reabastecimento foi batizado em 1 de dezembro de 2016, quatro meses antes do navio principal da classe, RFA Tidespring, chegar às águas do Reino Unido em abril de 2017.

Os quatro navios-tanque classe “Tide” — RFA Tidespring, RFA Tiderace, RFA Tidesurge e RFA Tideforce — têm 201 metros de comprimento, boca de 29 metros e deslocam mais de 37 mil toneladas.

Projetados pela BMT Defence Services, manterão a capacidade da Royal Navy de reabastecer no mar e fornecerão combustível para navios de guerra e grupos-tarefas. Eles apoiarão forças anfíbias, terrestres e aéreas desdobradas perto da costa e terão a capacidade de operar helicópteros.

Apesar de receber o navio principal um ano atrasado, a Royal Navy ainda espera ter todos os quatro entregues até 2018.

Concepção artística de um NT classe Tide reabastecendo um destróier Type 45

FONTE: navaltoday.com

- Advertisement -

17 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ivan BC

Belo navio!

MO

Humm 200 x 28,60 m e 22.078 dwt … um pequeno N/T

Marujo

Quem sabe, assim sobra um NT seminovo na Royal Navy para a a MB comprar?

Marcelo Andrade

Interessante que estes navios foram encomendados à um estaleiro estrangeiro, liberando os estaleiros nacionais para o navios de escolta e PA.

Ninguém chiou. Se fosse aqui…. viria aquela conversa fiada de mão de obra estrangeira, gerando empregos na Coréia, etc.

Jr

Marcelo Andrade, ninguém chiou?????????? Você tem certeza disso??????? Na época causou a maior polêmica no Reino Unido e a chiadeira foi geral pelo fato de a Royal Navy estar contratando a produção de navios no exterior e não em estaleiros locais, me lembro bem que isso foi bem na época quando se cogitava fazer um referendo de independência da Escócia e que os independentistas usaram esse caso como um dos diversos argumentos contra Londres. Eles acusavam Londres de estar dando empregos para Sul Coreanos e não para os estaleiros locais. Na época o David Camerom teve que vir a público… Read more »

J.Silva

Quanto custou, mais de 300 milhões de dólares?

Antônio

Realmente estranho.
Não lembro dos EUA ou países europeus encomendarem navios na Ásia.

Camillo Abinader

Os quatro países que lideram a construção naval são todos na Ásia
1 China
2 Coreia do Sul
3 Japão
4 Turquia

Bardini

Falando em navio novo e Koreano…

Satyricon

RN comprou na Korea pq era mais barato (e de qualidade), simples.
MB poderia tomar umas (boas) aulas com a RN.
Que inveja…

EduardoSP

Alguém com mais conhecimentos poderia esclarecer a função daquela cobertura sobre o convés da proa? Seria apenas para reduzir a entrada de água no convés em mares agitados?

Ádson

Bardini 7 de agosto de 2017 at 21:07
Bardine, conceito muito diferente, mas muito interessante.

Mauricio R.

Furtividade. Uma proa aberta tradicional tem muitos pontos reflexos de radar.

jose luiz esposito

Bem eu não entendi a pergunta do Eduardo SP , mas se é o que pensoo são duas Barcaças de Desembarque .

Otto Lima

J.Silva, cada NT da Classe “Tide” custou £ 113 milhões (US$ 147 milhões) à RFA.

MO

Proteção contra mares bravos, tipico nos navios modernos

Bavaria Lion

Uma marinha de guerra e de verdade compra navios coreanos. Mas certa ex-marinha quer comprar BAe, Marine Technik, TKMS, Navantia e Fincantieri.
E ainda compra umas coisas…

- Publicidade -

Últimas Notícias

Como foi feito o acordo entre a Austrália, Reino Unido e EUA para o compartilhamento da tecnologia de submarinos nucleares

The Times: ‘Como uma cena de Le Carré’: como o pacto do submarino nuclear foi o maior segredo do...
- Advertisement -