Home Asa fixa China adverte Japão contra uso de F-35B em porta-helicópteros

China adverte Japão contra uso de F-35B em porta-helicópteros

11011
86
Navio-aeródromo chinês Liaoning

BEIJING, 26 de dezembro (Xinhua) – A China instou o Japão a aderir ao caminho do desenvolvimento pacífico e a agir com prudência em questões de segurança, disse um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China nesta terça-feira.

A mídia informou que o Japão está considerando modificar o porta-helicópteros Izumo para que caças F-35B possam decolar e pousar nele.

Respondendo a isso, a porta-voz do ministério, Hua Chunying, disse que os movimentos do Japão em segurança militar sempre chamam a atenção de seus vizinhos e da comunidade internacional em geral por motivos históricos.

As ações do Japão podem violar o artigo 9 da sua constituição pacifista, que fornece uma garantia legal para a adesão do Japão ao caminho do desenvolvimento pacífico na era do pós-guerra, disse Hua.

“Exortamos o Japão a fazer mais para ajudar a aumentar a confiança mútua e promover a paz e a estabilidade regional”, disse ela.

86 COMMENTS

  1. Chineses constroem ilhas artificiais em águas internacionais ou disputadas por outros países, estendem sua ADI sobre a de outros países, pescam em águas territoriais de outros Estados soberanos e ainda se acham no direito de “advertir”os japoneses para não equiparem seus navios com o F-35B, em uma clara ingerência nos assuntos internos desse país. De fato o cinismo dos chineses é atroz.

  2. A verdade é que não tem santo nessa história, um dos piores massacres se é que tem como enumerar o pior, na 2º guerra foi dos japoneses contra o chineses. Então vejo como natural a reação do chineses. Mas que não tem santo não tem!

  3. Jefferson Ferreira 27 de dezembro de 2017 at 13:09

    De fato as atrocidades cometidas pelos japoneses contra os chineses na II GM foram absurdas. Contudo hoje o momento é outro e a agressiva expansão chinesa está empurrando o Japão de volta ao militarismo.

  4. Nunca houve santo algum, muito pelo contrário. O que vemos no momento são tambores de guerra batendo em várias partes do mundo.
    Norte coreanos testando mísseis, dizendo que podem alcançar qualquer parte do território norte americano.
    Norte americanos fazendo manobras no Índico, com as marinhas japonesas e sul coreanas. Em um claro recado de que “Estamos prontos para vocês”
    Chineses e russos avisando para pararem de provocar os norte coreanos.
    A dois dias um navio russo invadiu o mar territorial inglês e foi escoltado para fora de lá.
    Americanos vendendo armas para Ucrânia, em clara provocação contra a Rússia.
    Presidente americano declarando apoio a que Israel tenha sua capital transferida para Jerusalém.
    Iranianos declarando que a capital da Palestina seja Jerusalém.
    Na África o coro come e ninguém vê. Em minha ultima viagem ao Congo, em outubro deste ano, vi uma invasão de guerrilheiros de Ruanda na região das mineradoras, mais de vinte soldados das Nações Unidas foram mortos. Em resposta, o presidente Kabila mandou seu exército revidar, é um número grande de guerrilheiros ruandeses foram decápitados. Ninguém me contou, eu estava lá e vi a pilha de cabeças. Voltarei ao leste do Congo no final de janeiro e confesso estar preocupado.
    Em fim, tambores de guerra soam por muitos lugares.

  5. Os japoneses cometeram os maiores crimes de guerra contra os chineses quando invadiram este país. Coisa de deixar nazista com inveja. É claro que são odiados pelos chineses, coreanos e a maioria dos países da Ásia. O pior é que nunca se mostraram arrependidos e dispostos a reparar o mal. Vai precisar de muita conversa e muito esforço diplomático para que haja uma convivência pacífica e civilizada entre eles. Principalmente com o crescimento da economia chinesa e o jeito pragmático de seu governo tocar as coisas.

  6. A China sabe que o Japão sempre foi mais poderoso e quando o Japão começar a reconstruir seu exército de ataque, a China só vai poder chorar.

  7. O Japão aproveitou-se de uma China dividida e atrasada no passado…hoje não é mais assim…trata-se de um país com dez vezes a população do Japão uma forte economia e
    indústria e sofisticado armamento, inclusive atômico.

  8. Aquela região passa por corrida armamentista. Lentamente se constrói uma paz armada ali. Localmente temos China, as duas Coreias, Japão, Rússia, Taiwan, diretamente envolvidos. Expandindo para uma área maior do Pacífico, adicionamos EUA, Austrália, Índia, Vietnã. Com o tempo, esses atores vão buscar apoio entre eles ou externo, formando ou reforçando alianças.

    Não duvido que a alguma altura se deixe de optar pela via econômica / diplomática e escolham a via armada para resolver as questões.

    Mas nesse momento, o Japão sozinho não pode enfrentar a China de igual pra igual. E, pensando no futuro, a china está bem na frente na corrida armamentista. Não é a conversão do izumo e do kaga que vai mudar isso isoladamente.

  9. Fred 27 de dezembro de 2017 at 13:55

    Excelente comentário Fred! Penso que os temores de Beijing estão ligados ao fato que mesmo o F-35B é superior ao atuais caças navais chineses. E seria complicado confrontá-los fora do alcance dos DF-21. E também cabe lembrar que Coréia do Sul e Austrália possuem navios que podem receber o avião.

  10. HMS TIRELESS
    Assino embaixo nos dois post’s e acrescento:

    prosuzem armas igual coelhos e se abam da SHPF tecnoloia nestes.

    Sai prá lá, xô ditadura Han …..

    Mais

    Dalton 27 de dezembro de 2017 at 13:52

    Verdade e os Âmis tem bases no Japão e na Korea.

    Torço para o Trump colocar uma base no lado oriental de Taiwan, ai sim.

  11. E fácil para o Japão responder a altura para a China. ‘Dêem uma jeito na Coréia do Norte que eu pondero minha amplitude militar.’

  12. Não entendo pq as pessoas por aqui são a favor do Japão contra a China. O Japão tem um histórico de fazer corar Jack o Estripador. Não há um pais da Asia que não o odeie por seu passado imperial. Até numa briga de bar Japão x China, que que tanto faz tanto fez pra gente, o pessoal aqui toma lado?

  13. A Coreia do Norte é importante para à China…funciona como uma enorme antepara, portanto
    não é do interesse dela eliminar o regime norte coreano…não está nos planos chineses permitir tampouco uma reunificação das Coreias.
    .
    O Japão está adquirindo 42 F-35A…será com muito sacrifício que uns poucos “Bs” sejam adicionados a essa encomenda, mais todas as modificações necessárias a serem feitas nos navios, então não se pode esperar muita coisa.
    .
    A retórica chinesa não me parece “medo” de uns poucos F-35Bs a bordo de um “Izumo” e
    sim criticar os japoneses por não adotarem um modelo pacífico…coisa que os próprios
    chineses também poderiam dar o exemplo e não dão.

  14. Olá Colegas. Sou um nipófilo assumido, portanto minhas opiniões terão um viés favorável ao Japão. Morei vários anos lá e vi várias vezes a manifestação do ultranacionalistas de direita. Apesar da derrota na II Guerra, há uma minoria forte e organizada que prega uma nova constituição nacionalista e imperialista. O império japonês antes da II Guerra promoveu genocídios, escravidão das populações chinesas, coreanas, filipinas e muita violência contra os civis. É papel dos governos vizinhos ao Japão atuarem diplomaticamente contra uma escalada da direita imperialista. A maioria da população japonesa é pacifista e pró-ocidente, mas a minoria ultranacionalista (antiamericana) de direita deseja reerguer o império.

  15. Algumas questões:

    A China estaria unida hoje, se não fosse o regime de governo “um tanto” totalitário?
    Até que ponto a “união chinesa” é forte o suficiente para um modelo de governo com mais liberdades individuais?
    Sem uso de armamento nuclear, a China hoje conseguiria enfrentar o Japão de igual para igual ?

  16. Não é questão de tomar lado, ou não. O Japão, lá no século passado, massacrou o povo chinês? Sim. Mas lá se vão mais de 70 anos. O mundo hoje é outro. E por que os chineses acham que podem dizer se os japoneses podem, ou não, se armar? Os chineses são so que mais investem em armas na região. Fabricam dezenas de navios, centenas de caças e milhares de blindados. Eles tem um PA, outro em vias de ser comissionado e outro em construção. Os países, mesmo a Coréia do Norte com seu gordinho maluco (particularmente, sou dametralmente oposto aos atos desse lunático), tem direito a se autodeterminar. Cada um sabe de si, age dentro de seus preceitos e interesses e respinde pelos seus atos. Se os japoneses quiserem fabricar uma frota de PA e equipá-los com dezenas e dezenas de caças, não compete à ninguém dizer que eles não podem. A China não faz o mesmo? E ela pode, ou não pode?

  17. Ola Flanker. Este seu argumento poderia ser aplicado aos EUA quando invadiram o Iraque alegando (falsamente) a existência de armas de destruição em massa ou quando decretam que o Pres. Assad da Síria deve ser deposto, etc. Uma potência econômico-militar sempre irá interferir em outros países seja para defender seus interesses ou apenas para exercer seu poder de potência. Particularmente, tenho grande simpatia pelo Japão e pouca pela China e EUA, mas isso não muda nada em relação ao balanço de poder entre estes países e em relação ao Brasil.

  18. Aqueles que pensam que o Japão poderia enfrentar a China sozinho estão muito desinformados.
    O que aconteceu no passado foi resultado do embate de um país industrializado contra uma nação agrícola e enfraquecida devido a divisão existente entre vários senhores feudais. Hoje o Japão resistiria por um breve período a um avanço chines. Sem o apoio dos EUA a guerra seria perdida rapidamente. O japão não se sustenta sozinho, dependente de matérias primas do exterior que trafegam através de linhas de comunicação aéreas e marítimas, que seriam paralisadas por bloqueio marítimo e zona de exclusão área, teria sua economia asfixiada. As suas cidades estão ao alcance dos modernos mísseis de cruzeiro chineses. A comparação entre o Japão e a China quando se observa o princípio de massa (fundamento estratégico básico) e simplesmente ridícula. Também pode se considerar o emprego de armas nucleares táticas pela China em uma das ilhas menos habitadas do arquipélago japones como demonstração de força, objetivo e determinação.
    Quanto a China construir ilhas artificias, pescar onde quer, reivindicar áreas marítimas esta correto. São ações de força de quem tem força para sustenta-las. Quase 1/4 da população do planeta e chinesa. O que eles pretendem e a hegemonia mundial. Olham a Africa e a America do Sul como possíveis quintais. Só não vê quem não quer. O ser humano só entende a linguagem da força e a China com todo o direito que e os mais fortes possuem estão ocupando os espaços que os mais fracos estão deixando a sua merce. O Brasil lamentavelmente ocupa no mundo um espaço ao lado dos mais fracos. Em poucos anos, se o ocidente não reagir seja por acomodação, procrastinação ou senso de sobrevivência frente ao Gigante que despertou o sudeste asiático estará totalmente orbitando como vassalo em torno da China.

  19. camargoer 27 de dezembro de 2017 at 14:34

    Fiquei curioso amigo. Você poderia falar um pouco mais dessa minoria ultranacionalista de direita do Japão?

  20. “camargoer 27 de dezembro de 2017 at 14:50”

    Concordo. Mas o Japão tem direito a buscar se armar, ou não tem? A China, como potência que é, obviamente vai reclamar. Mas isso não tira o direito do Japão se autodeterminar. Se eles decidirem que vão ter PA, o que a China vai fazer? Atacar o Japão por causa disso?
    A China está agindo como os EUA….usando seu poder de influência, como potência econômica e militar que é. Se o governo japonês decidir equipar o Izumo com caças F-35B, só não vai conseguir se os EUA se negarem a vender as aeronaves. Caso contrário, os chineses vão reclamar, espernear e nada além disso.

  21. Olá HMS. Tem um autor (Yukio MIshima) que representa bem este pensamento. Eles tem uns furgões pretos, cheios de bandeiras do império japonês e autofalantes que ficam rodando pela cidade e discursando contra os estrangeiros (todos) e conclamando o poder do império. Eles consideram o imperador um deus (como antes da II Guerra). Acho que eles têm um partido político mas com atuação restrita devido o seu caráter fascista mas possuem alguns deputados. Eles deram apoio à todas as mudanças recentes na constituição mas defendem uma nova constituição (já que a atual foi imposta pelo Gen. McArthur). O que sei foi que meus colegas japoneses pediram para eu ficar longe deles.

  22. Um quer ter e o outro não quer que tenha, normal entre rivais. Vai ficar “interessante”, ver os próximos capítulos. Não me surpreenderia se “de repente” a CN desenvolve-se uma industria aérea moderna fazendo “engenharia reversa” de caças mig29 que eles tem por lá. Afinal “sozinhos” desenvolvera uma tecnologia de produção e lançamento de ICBM.

  23. Flanker 27 de dezembro de 2017 at 14:41

    E vc conhece algum outro pais que decide quem pode se armar com o quê, que os EUA, com sua politica externa tão amada por aqui? O país que tem a maior máquina de guerra da historia do planeta? Pimenta no dos outros é refresco, A China é hj a segunda economia do mundo e pretende ter no minimo a segunda máquina de guerra do mundo, o que faz todo sentido, sem concorrentes diretos naquela área. Se ela peruar sobre a Defesa do Japão, nada faz de diferente da primeira máquina militar do mundo. A minha opinião é que nessa briga de bar entre os dois, pra nós aqui no outro lado do mundo, no Brasil (Brasil! quer dizer, NADA na geopolitica ou no militarismo mundial) é ridiculo ter um lado. É só sentar, apanhar a pipoca e o guaraná e assistir de camarote.

  24. Olá Flanker. Pela atual constituição, eles não podem ter armas ofensivas. Talvez uma pressão da China nesta direção consiga influenciar parte do parlamento japonês que concorda com o teor pacifista da atual constituição (a maioria da população é realmente pacifista, muito devido ao resultado da II Guerra e ao bombardeio nuclear). Além disso, este tipo de pressão chinesa repercute bastante nos jornais e na mídia japonesa, o que faz a população se manifestar contra as ações do governo pelo rearmamento. Os jornais japoneses tratam com muito mais atenção a questão dos vizinhos (Coréias, China, Vietnã, etc) do que nos tratamos dos nossos vizinhos. No Japão eu tinha mas noticia sobre os paises da Ásia do que eu tenho aqui sobre Paraguai, Argentina, e Colômbia, por exemplo.

  25. Vamos lá
    Não, a China não estaria unida caso não fosse totalitário, por sinal, não seria a potencia que é hoje se fosse uma democracia ou coisa parecida. O Japão, assim como os Ingleses utilizaram no início do século passado esta desunião para “dominar” um grande naco da China.
    Sim, em tese a China teria poder para varrer o Japão do mapa mesmo sem o uso de armas nucleares, porque não o fazem?
    Primeiro creio que sabem que um guerra vai arrastar a região para uma grande recessão, temos que lembrar que grande parte dos chineses ainda estão abaixo da linha de pobreza, isto com certeza poderia matar milhares de chineses de fome.
    Segundo, sobre um ponto de vista pragmático, para que atacar um pais se ele é um grande parceiro comercial, o Japão hoje não é uma ameaça a China, existem rugas do passado? SIM, mas dai e entrar em um guerra e possivelmente ter a comunidade internacional contra ela é uma longa distancia.
    Terceiro, a China está se equipando militarmente MAS isto não significa que vá invadir outros países, a China foi invadido por séculos, nada mais natural que esteja armado.
    Quarto, se a China não mexeu de forma mais forte com Taiwan, porque cutucar o Japão?
    Quanto ao Japão, nem todos sabem, mas existe sim como em qualquer lugar, um saudosismo de uma grandiosidade do passado, vemos isto do Egito, Inglaterra, França, Turquia, Irã, Mongolia, Russia e por ai vai. Extrema direita, esquerda.. usar a bandeira do passado para agregar mais gente, sempre foi uma arma eficaz.

  26. Em que momento do texto apócrifo foi ligado a possível operação do F-35B no Izumo com a chamada “instância” chinesa ao governo nipônico para manter uma política de controle “armamentista”? Foi uma alusão a possibilidade desta opção ou uma rotina sistemática diplomática?

  27. camargoer 27 de dezembro de 2017 at 15:34

    O brasileiro, por ser o unico país da America do Sul de cultura não-hispânica (sem contar as micro Guianas que nunca entraram na fila do pão de nada) desde a infância é educado pela nossa imprensa aculturada a menosprezar o resto do sub-continente e a America Latina inteira. Cresce assim e assim se torna adulto. Tirando alguma coisa da Argentina, aqui não se sabe de nada de vizinho nenhum, a não ser fake news. A classe media brasileira tem mais informação da cultura norte-americana ou francesa que da colombiana.

  28. Humberto 27 de dezembro de 2017 at 15:37

    “… temos que lembrar que grande parte dos chineses ainda estão abaixo da linha de pobreza, isto com certeza poderia matar milhares de chineses de fome.”

    O governo chinês nunca teve problema nenhum em matar sua população de fome ou de qualquer outra forma.

  29. Olá Humberto. A questão do “saudosismo” no Japão é mais complexo do que você coloca. A maioria da população japonesa hoje tem claro que a política expansionista do império levou a uma catástrofe humanitária. Isso é muito presente na literatura, cinema e outras expressões culturais. A população na maioria tem uma visão positiva e pró-ocidente bastante pacifista. Como expliquei, existe uma minoria de extrema direita, bastante barulhenta, com viés fascista. Mas é minoria mesmo. O discurso deles é um resgate do projeto expansionista do império japonês. Eles são violentos, mas inexpressivos politicamente. Os moviemntos pacifistas, incluindo aqueles que pedem o fechamento das bases americanas, é mais forte e tem mais apoio da população.

  30. Olá Humbeto. Uma coisa legal no Japão é que a base cultural medieval (pré-Meiji) é muito forte e permeia toda a sociedade, mas isso não significa um movimento saudosista ou alguma tentativa de resgatar a política militarista anterior à segunda guerra. Inclusive, a Família Imperial tem um forte papel na manutenção do viés pacifista atual da sociedade japonesa. É muito legal acompanhar os pronunciamentos do imperador neste sentido.

  31. acho que o japão tem todo direito de converter o porta helicptero em porta aviões.Alias o japão tá até devagar em rearmamento vendo que todos na area estão se armando e depender do EUA do outro lado do planeta,e meio complicado.Acho que o japão teverá ter um sub atomico no mesmo modo que o Brasil sem misseis ,mas como negação de mar. Mais cedo o mais tarde vai acontecer uma guerra na asia e melhor está preparado.

  32. Boa tarde a todos.
    Para mim , o aumento do militarismo no Japão é uma reação direta ao aumento do
    militarismo Chinês. Aliás, com a questão das ilhas e disputas de areas maritimas , a China já passou do militarismo para “expansionismo moderado” .
    Se eles acreditavam que os japoneses ficariam quietos , assistindo sem reagir , foram muito ingenuos.
    Anotem , o japão voltará a ter porta-aviões catobar por unica e exclusiva culpa dos chineses.
    E serão vários.

  33. Camargoer, boa tarde
    Interessante essas colocações sobre o Japão.
    Me surpreendi com os ultranacionalistas.
    Quanto ao fortalecimento do Japão, entendo q é uma reação normal ao fortalecimento chinês e norte coreano.
    E a preocupação chinesa, mesmo ela sendo muito poderosa, me lembra do velho: “gato escaldado tem medo de água fria”. Um Militar mais antigo q eu vejo de um curso na China e passou o quanto são recentidos por um sofrimento inenarrável.
    Quanto às armas no Iraque.
    A utilização delas anteriormente, mesmo após a guerra do golfo, a existência destas nos inimigos iraquianos, a postura iraquiana etc deixam bastante evidente q eles tinham.
    O americano achar q achariam… meses depois de deixar claro q atacariam por isso, chega a ser inocente.
    Resumindo minha opinião:
    90% de chance q o Iraque tinha.
    99% de chance q os americanos não achariam.
    100 a 500 toneladas de armamento químico é igual a 10 a 50 caminhões pipa.
    Muito fácil de sumir.
    Sds

  34. A Constituição japonesa proíbe a existência de forças armadas, mas há uma interpretação de que podem ter forças de defesa. Bom, daí para uma interpretação de que o poder de dissuasão é um meio de defesa é um pulo.

  35. Em breve o Japão terá de engolir a tomada das ilhas em disputa e a negação das rotas marítimas por uma China muito mais forte e agressiva. Não deveria-se estar discutindo no Japão se vão ter ou não um pseudo porta-aviões mas sim quantos porta-aviões deveriam ter para se opor à essa ameaça.

  36. Adverte o Japão?
    Um ditadura comunista querendo dar pitacos no mundo?
    Bem que os EUA poderiam meter umas 100 bombas nucleares nesses lixos! Se o mundo for depender do Brasil (gazela) estamos ferrados.

  37. “Exortamos o Japão a fazer mais para ajudar a aumentar a confiança mútua e promover a paz e a estabilidade regional, enquanto nós continuamos nos armando.”

  38. Olá, Camarogoer. Vc sempre me surpreende positivamente com sua biografia!rsrs Engraçado falar em Mishima. Nunca li nada dele, mas ouço meu irmao mais novo (prf de filosofia) falar do mesmo, misturado com histórias de Musashi e outros. Mishima me parece um cara cheio de história meio radicais e controversas. Se nao me engano ele cometeu suicídio ritual, nao? Abç

  39. O ritmo de construção naval militar chinês é feérico. São uma ditadura… Vcs esperam o que??? Já vi esse filme antes, não obstante o discurso pacifista hipócrita da ONU, cujos associados são em maioria ditaduras ou regimes protoditatoriais, na maioria falidos. Teremos mais uma vez e em algum momento um confronto, salvo se acharmos normal, censura, favorecimento de grupinhos ligados a partidos e restrição de livre opinião… Confronto militar é uma constante na civilização. A parede protetora das ditaduras atualmente é a dissuasão nuclear. Se a Alemanha de Hitler tivesse a bomba em algum momento de 1944/1945, até hoje a Europa estaria sob jugo nazista. Por isso hodiernamente partes da Ásia são ditaduras de esquerda bem como seus associados ao redor do mundo… Guerra nuclear é a opção fora do tabuleiro… Só resta então a opção da revolução interna como ocorreu em 1989 em muitos países do pacto de Varsóvia. Cuba se beneficiou em um primeiro momento do guarda chuva soviético e depois de um bando de idiotas na América Latina que suportam seu sanguinário regime. Não fosse isso teria sucumbido em inanição. A guerra demanda meios, também militares. Mas hoje vivemos uma guerra cultural..

  40. Até pode parecer contraditório meu post sobre uma possível guerra e ao mesmo tempo a impossibilidade dela em razão da ameaça de destruição nuclear mútua. Mas percebam, o que a China quer é um Japão indefeso e subserviente do ponto de vista militar… Assim, a opção convencional de domínio pela superioridade de meios tradicionais faz mais sentido. qualquer movimento de países asiáticos que represente uma ameaça, ainda que convencional, ao gigantismo chinês é objeto de critica. Colam logo o selo de “armamentista”, enquanto que esse maldito regime foca em armas há mais de 20 anos. Esqueceram da praça Tiananmen em 1989/1990? Vcs acham que alguma coisa mudou por lá?

  41. A China pode relinchar a vontade, mas ela ainda não está a altura do poderio americano e uma guerra contra o Japão significa arrastar os yankees para a briga. Os comunistas de Pequim, assim como os da Coréia do Norte, gostam de rosnar mas conhecem bem suas limitações. Esta galera só vai para guerra quando realmente acredita estar em vantagem, caso contrário trabalham na surdina desestabilizando o inimigo ou então esperando um momento de fraqueza.

  42. A reação da China é o de menos…
    .
    Eu queria saber é a reação dos S. Koreanos a essa proposta. Eles também não se embicam com os japoneses.

  43. Trump tem que tomar alguma providência urgente com relação a China, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua.
    Há uns 20 anos os EUA estão muito passivos.
    Enquanto isso, os inimigos vão se organizando.
    Bill Clinton cortou as asas do Japão por volta de 1993.
    À época, o Japão estava para ultrapassar os EUA em PIB z estavam comprando tudo nos EUA, tipo Rockfeller Center, estúdios em Hollywood, etc.

  44. não me canso de repetir isso para quem hostiliza hoje os americanos e cultua os chineses:
    “A China de hoje será os EUA de amanhã”

  45. Pra que tomar lado de uma ditadura – é o que a China é – e desejar que ela torne-se uma forte influência no mundo? Se for pra torcer, que fiquemos contra aquela nação que, através de “investimentos”, quer transformar o Brasil em um estado vassalo. E essa nação, hoje em dia, é a China. Não estamos tão isolados assim. Atrás dos “dólales” chineses, vem exigências para mudar leis, mudar o sistema político, migração desenfreada de pessoas que não se misturam, perda de soberania nacional, corrupção…este país é uma influência perniciosa para o mundo.

  46. Na China, não há previdência social. Os velhos q trabalhem ou sejam sustentados pelos filhos. O trabalho é de segunda a segunda, com folga nos poucos feriados. Salário pífio. Jornadas enormes. Censura de imprensa, internet. Ir e vir sob autorização.
    8 regiões q não se bicam, inclusive com forte movimento separatista por parte dos muçulmanos. Explosão de bomba q matou 30 pessoas na Praça da Paz ninguém ficou sabendo. Só quem está por lá.
    A China pode até ultrapassar os EUA em algumas coisas algum dia, mas estará fundamentada em que? Terá condições de se manter, se adaptar? Os EUA têm lastro, tem fundamento. Nisso, eles não erraram.
    Por enquanto, não vejo guerra entre eles, mas a disputa de áreas de influência para manter seus poderes econômico, político e militar pode gerar muito atrito, principalmente nas áreas em disputa por influência.
    África e América do Sul.
    Opa!!!!
    Quem está nesse furdúncio??
    O Japão já abriu o olho. Está vendo q sua capacidade de autodefesa, q era eficiente pro cenário da Guerra Fria, é pouco. O que evidencia, para aqueles q acham q política pacifista implica em FFAA sem capacidade ofensiva, q meios como caças, NAe, MBT são imprescindíveis para uma defesa eficiente.
    Sds

  47. Os chineses tem um forte ressentimento do resto do mundo.
    Não há, entre as potencias mundiais, um único país que não tenha explorado de forma violenta a China.
    Portanto os Chineses se sentem, de certa forma, de “tomar uma parcela do mundo a força”.
    Não digo que estão certos ou errados, mas “eles” se consideram no direito.
    Assim como os EUA se consideram “a potência hegemônica mundial”, e que por isso tem o direito de mandar e desmandar em todo o planeta e quem vai contra essa ideia se torna é “o inimigo da hora”.

    Como a humanidade, de forma geral, se encontra em processo “involutivo” é esperado que a violência e agressividade aumentem.

  48. Olá Luciano. Sim, o Mishima cometeu suicídio no contexto do que seria uma tentativa de golpe de estado… tem um filme “Mishima uma vida em quatro tempos” que narra a vida dele e descreve o contexto de sua morte. Outro autor japonês legal é Murakami.

  49. Amigos,

    Há um fator que até aqui aparentemente não estão levando em consideração: cultura…

    Existem certos pormenores culturais, que ao final definem as ações dos povos.

    Mesmo com toda a influência do Ocidente, as bases das culturas orientais mantiveram-se mais ou menos intactas. Para resumir como isso influencia, ninguém ali vai querer baixar a cabeça. E diferente do Ocidente ( imerso em uma cultura secularizada e racional desde o iluminismo ), eles estarão muito bem dispostos a ir até consequências maiores para manter o que consideram honra e dignidade, dentro de suas possibilidades. Orgulho, para eles, ainda fala muito alto… Portanto, não podemos analisar e fazer previsões calcadas unicamente do ponto de vista ocidental.

    Logo, sim… A guerra é uma possibilidade que se apresenta forte. Como o ‘Fred’, acredito que poderão de ir as vias de fato em algum momento, mesmo que seja de forma limitada.

    Um outro provável futuro para essa região, que poderia ao final evitar uma refrega, é a nuclearização de determinados atores, como Japão, Austrália e Coréia do Sul… A rigor, os japoneses já possuem os meios para faze-lo, e o único “ferrolho” que os impede são os americanos e a defesa ferrenha da sua constituição de 1947 ( que certamente arrefecerá se o Japão se ver sob ameaça direta; coisa que, grosso modo, já está acontecendo… ).

  50. Ricardo Rademacker ( 27 de dezembro de 2017 at 14:52 );

    Como disse em meu comentário anterior, a nuclearização é provável. E se ocorrer, isso torna o território japonês virtualmente inviolável e impõe fator dissuasório definitivo…

    É evidente que haverão de reconfigurar forças e sacrificar capacidades para manter a estrutura necessária a utilização de artefatos nucleares, mas é certo que o farão se a situação assim exigir.

  51. HMS TIRELESS 27 de dezembro de 2017 at 14:07
    “Penso que os temores de Beijing estão ligados ao fato que mesmo o F-35B é superior ao atuais caças navais chineses. E seria complicado confrontá-los fora do alcance dos DF-21. ”

    Apesar da veracidade, HMS, creio que a preocupação maior é com a mudança e doutrina (defensiva para ofensiva)

  52. camargoer 27 de dezembro de 2017 at 15:26
    Olá, amigo Camargoer! Bem que eu desconfiava de que o amigo também tem afinidade ‘com a Terrinha’, que nem eu! rsrsrs
    Sobre os ultra-direitistas japoneses: é pessoal ligado também à Yakuza, não é?… Realmente, melhor manter distância (muita!) de gente assim!…
    Em um post do PA sobre o projeto do caça stealth japonês, eu comentei que lamentava o Japão estar também se rearmando. O mesmo sentimento brota mais intenso com essa discussão sobre a conversão do Izumo em “port-F35” ! Imagino que o Japão caminhe para até mesmo para uma emenda constitucional que legitime a retomada de FFAA com capacidades mais ostensivas, não mais apenas ‘auto defesa’…
    Abraços!

  53. Danilo José 27 de dezembro de 2017 at 15:03
    “Estrategia da intromissão, assim a China vai seguir o exemplo de outros e se entrometer onde não é chamada.”
    Política de Poder. Todo e qualquer país que se sentir incomodado com a política (em sentido amplo) do vizinho agirá em defesa de seus interesses e em prol de sua segurança, desde que tenha força (soft ou hard/política ou militar) para isso.

  54. Nonato 27 de dezembro de 2017 at 23:41
    “Trump tem que tomar alguma providência urgente com relação a China, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua.”
    Sugestões são bem vindas! 🙂
    É muito mais complexo que se imagina. Vejamos o caso da Nicarágua, o caso mais simples de se resolver. Uma invasão rápida para colocar quem no poder? Um partido que não tem apoio popular? Quanto tempo duraria? Quais os riscos de deflagração de uma guerra civil? O que os EUA ganhariam com isso? Custos?…

  55. Em relacao ao Japao nem vou comentar muito a nao ser q tenho 3 cunhados e suas familias vivendo por la a mais de 30 anos…eu inclusive ja estive a passeio uma vez e a trabalho tbm. Minorias existem em qualquer lugar do mundo, bem como ideias das mais diversas. Portanto eu acredito q dificilmente o Japao de hoje tem ou tenha alguma pretensao expansionista ou beligerante em relacao aos seus vizinho do mar da china isso seria jogar mais de 70 anos de desenvolvimento economico e bem estar de sua populacao na lata do lixo e voltar a tempos que nao querem mais ser vividos por seu povo. Qto a China….bem, basta lembrar q quem esta no poder hoje nesse pais, representa uns cerca de 300 milhoes de chineses de uma dinastia. Lembrem-se q a China nao eh coesa em sua populacao tendo centenas de escritas e populacoes distintas mantidas a forca. Cerca de uns 900 milhoes de sua populacao ainda vivem a margem de uma vida estavel e confortavel e mantidos em regime de semi escravidao e forcadas a viver no campo, caso contrario a coisa toda vai pro brejo. Eh exatamente isso q os chineses estao a procura no mundo, terras agricultaveis boas e baratas, como formigas enviando seus cidadaos para varias partes do mundo e onde dificilmente se misturam (fato) e isso a longo prazo. A historia chinesa nao comecou ontem, la se vao milenios dessa cultura e sua filosofia alem de conflitos internos. Para os mais desatentos, a alguns merses atras uma corporacao chinesa acabou de adquirir integralmente a CPFL e isso so aumentou o seu controle sobre vastas areas de energia aqui no Brasil. Milhares de hectares tbm estao sendo comprados de formas diversas e sem gdes repercussoes. Brasil, pais de tolos e aqui debatendo abobrinhas sobre armas qdo na verdade a guerra se desenvolve em outras areas.

  56. A história não começou ou terminou na 2 Guerra:
    Fato 1) Os chineses invadiram todos os vizinhos antes da 2 guerra mundial.
    Fato 2) Os chineses invadiram todos os vizinhos depois da 2 guerra mundial.
    Fato 3) Os chineses ocupam hoje: parte da India, Tibet e estão invadindo o mar da china com ilhas artificiais.

    Muito pacífico.

  57. Ver essa declaração de um país que sempre resolve seus problemas pela força e hoje ocupa militarmente territórios de outros países é uma piada.

  58. Olá Andre. Banzai. riso. Acho que esse viés pela militarização do Japão ganhou força com o Premier Koizumi, que era muito ligado ao Pres. Bush (o filho). Mas não creio que essa mudança possa ocorrer na constituição japonesa mais por questões práticas. As forças de autodefesa são bem financiadas e a industria de defesa japonesa é bem estruturada. Nas prática, mudar a constituição não afetaria em nada as condições das forças de defesa do Japão, mas criaria um pretexto para aumentar as tensões com a China e Coréia, prejudicando cerca de 1/3 do comércio exterior do Japão. A questão mais complexa é que a constituição japonesa não reconhece o direito dos estados à beligerância, o que é interpretado como um veto à exportação de armas. Se o povo japonês renuncia o uso da guerras, então não pode também fornecer armas a outros estados. Esse é o problema econômico que tem pressionado a mudança na lei. As empresas envolvidas em defesa querem exportar armas fabricadas no Japão (submarinos, navios, tanques, caças, etc). Como sou brasileiro, não cabe fazer um julgamento sobre as aspirações do povo japonês mas também torço para que eles mantenham o atual entendimento constitucional que serve de exemplo para muitas constituições, inclusive a nossa.

  59. A China, que está expandindo seu poderio naval (a qual tem todo o direito e condições se assim quiser), não pode querer dar pito no Japão a esta altura do campeonato. Se não quisesse que o Japão construísse um porta-aviões, não deveria fazer os seus. Falar qualquer coisa agora não passa de hipocrisia. Que ficasse calada!

  60. Nonato 27 de dezembro de 2017 at 23:41
    “Trump tem que tomar alguma providência urgente com relação a China, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua.”

    Qual seria a providencia?

  61. O Japão se defenderia contra a China sozinho hj só seria absurdamente custoso, vale lembrar que se não houvesse os EUA pra dar uma ajudinha o orçamento japonês ja seria muito maior. Se a a Russia que é a 7° ou 8° maior economia bota medo na Europa o 3° pais mais rico do mundo tbm pode botar no 2°. Quanto a militarização japonesa ela é necessário em vista a expansão chinesa.

  62. Amigos, o mundo caminha para conflitos localizados, mas não podemos descartar a famosa e “aniquiladora” Terceira Guerra Mundial….

    Quanto ao Japão, ainda que se passem 50, 70 ou mesmo 100 anos, os povos conquistados não vão esquecer o que passaram. Perto do que foi feito pelo Império, nazistas são meninos malvados. Assim, fácil entender que a China possui sólidos argumentos para “exortar” o Japão ao pacifismo. Contudo, como bem ressaltaram alguns colegas, não há santos nessa história e as razões não são apenas morais.

    A China está em franca expansão, com um militarismo evidente. O Japão, por seu turno, se vê ameaçado por esta expansão, e pode ter encontrado aí a chave moral para a retomada de seu militarismo. O único resultado possível entre estes dois gigantes é a busca por uma acomodação de forças e isso a China, definitivamente, não vai querer que isso aconteça.

    Então, a razão do “apelo” chinês pelo comedimento japonês passa, no mérito, pelo histórico entre os dois países mas, fundamentalmente, pelo simples fato de que a China não deseja e não pode ter um aumento dos seus adversários. Tudo o que a China não precisa é ter um Japão que passe de forças de autodefesa (e que forças!!!!!) para um Japão com forças armadas preparadas para intervir fora do solo japonês.

    Hoje entendo que o Japão, sozinho, não seria páreo para a China num confronto localizado. A tecnologia superior dos meios japoneses seria confrontada pela recente tecnologia chinesa e pela quantidade de meios. Mas vamos imaginar – e este, em se tratando de Japão, é um exercício absolutamente realista – que o Japão tenha, em pouco tempo, o Izumo e o Kaga “convertidos” e mais dois da classe prontos, todos navegando com F-35B no deck e escoltas Aegis e submarinos Soryu com mísseis Harpoon. Trata-se de uma força de respeito, até mesmo para a China……

  63. Augusto 28 de dezembro de 2017 at 11:52, meu caro só não se esqueça das fronteiras!

    Para as divisões blindadas russas invadirem a Europa só precisam de estradas e de quebrar algumas cancelas. Já para que as divisões blindadas das forças de autodefesa do Japão toquem o solo chinês, será preciso um desembarque naval de grandes proporções, algo que o Japão não pode fazer hoje.

    Mais a mais, para os europeus barrarem os russos – nesse seu cenário hipotético – seria bem mais complicado, já que o uso de armas nucleares em solo europeu seria impensável. No caso China x Japão, a bomba detonaria no oceano….

    Como vê, não creio ser por aí a base de comparação.

  64. “Cerca de uns 900 milhões de sua população ainda vivem a margem de uma vida estável e confortável e mantidos em regime de semi escravidão e forcadas a viver no campo”.

    Qual a sua fonte para dizer que 900 milhões de chineses vivem em semi-escravidão? Eu não faço a menor ideia de qtos chineses vivem no campo, e se vivem em alguma semi-escravidão e duvido que vc faça.

    Faz ideia de qtos brasileiros (vamos ser proporcionais à população) estão muito longe “de uma vida estável e confortável “?

  65. Tadeu Mendes 28 de dezembro de 2017 at 3:06
    Alessandro,
    A China nunca será como os EUA.

    ___________________

    se for culturalmente e a liberdade do estilo de vida ocidental eu concordo, mas digo de “policiar” o mundo, espionar outros países, os chineses serão os EUA de amanhã

  66. Alex II

    Grande parte da população chinesa vive no campo. Afinal, eles precisam, e muito, de uma grande produção agrícola para manter o mais de bilhão de habitantes que tem. Nós, como ocidentais, temos nossos parâmetros do que é confortável ou considerado uma vida digna. Trabalhadores chineses, via de regra, trabalham muito e sem direitos trabalhistas (la não existe CLT, com férias remuneradas, licenças, fgts, 13° salário, etc). E se toda a população que vive no campo, na China, resolvesse migrar para os centros urbanos, nem a forte economia deles teria capacidade de absorver toda essa gente, seja gerando empregos, moradia, escola, transporte, etc….

  67. “se for culturalmente e a liberdade do estilo de vida ocidental eu concordo, mas digo de “policiar” o mundo, espionar outros países, os chineses serão os EUA de amanhã” policiar não, ate pq nem os EUA consegue policiar mais, e o mundo n tera uma potencia hegemonia como os EUA/Europa como nos anos 90 e 2000, espionar todos ja o fazem de acordo com sua esfera de influencia e de segurança, como os EUA ta no mundo inteiro entao espiona-se o mundo inteiro.

  68. Flanker 28 de dezembro de 2017 at 19:34

    Que milhões vivem nos campos sabemos todos, e a agricultura é enorme importantissima por lá mas a questão não foi essa.

    Qto a não ter estes direitos citados, caso esteja correto e duvido que alguém por aqui conheça muito a mecanica das relações de trabalho por lá, não apenas lá mas em muitos outros paises não-comunistas tbém não há. Daí a 900 milhões de chineses viverem em “semi-escravidão” vai daqui a Pequim.

    Do lado de cá temos muito pouca informação do cotidiano da vida nestes paises, mas sempre aparece alguém para, de forma puramente ideológica e sem ter ideia real do q diz, desatar a dizer abobrinhas.

    Não acrescenta nada ao debate essa repetição de mantras fora de pauta no assunto do post.

  69. Alex II,

    Então tá! Não vou ficar aqui discutindo a situação trabalhista na China, até porque isso não faz a menor diferença para mim. Certas discussões, e em determinadas situações, levam do nada à lugar algum!
    Fica na boa e vai pela sombra!

  70. Boa tarde amigos, não estou preocupado com a Asia estou sim preocupado é com os atrasos na construção ou aquisições de equipamentos bélicos aqui em terras Brazilis, pois se a situação pegar aquele que ganhar vai sair na frente e para cima do mundo e quem estiver desprovido de segurança e autonomia com certeza vai se danar. A guerra é certa e inevitável, existem muitas discordâncias entre as partes de toda ordem no mundo, no caso do Brasil precisamos é de armas de destruição em massa os Prosubs etc… misseis intercontinentais se possível e leis mais rígidas para governar um país.

  71. Augusto,
    28 de dezembro de 2017 at 11:52
    .
    Você escreveu:
    “O Japão se defenderia contra a China sozinho hj só seria absurdamente custoso,…”
    .
    Infelizmente não.
    O PLA (People’s Liberation Army) possui armas nucleares e meios para lançar estas armas, tanto no nível tático como estratégico. Sua superioridade não seria apenas pela quantidade de soldados em armas, o pela diferença populacional ou mesmo pelo PIB. A ‘diferença’ atômica já estabelece um desnível tremendo.
    .
    Pior que isso.
    A República Popular Democrática da Coreia (a Coreia do Norte) possui armas nucleares e terá em breve meios de lançar seus nukes sobre o Japão, de forma consistente.
    .
    A qualquer momento tanto o Japão como a Coreia do Sul vão se reposicionar e adotar um arsenal nuclear. Seus povos não desejam isso, seus governos sabem que será um problema político tremendo, mas os acontecimentos em Pyongyang e a ambígua atitude de Beijing estão levando a região do Mar do Japão e Mar Amarelo para uma encruzilhada atômica.
    .
    Porta aviões será o mínimo.
    .
    Que ninguém se iluda.
    O exemplo da Ucrânia está presente:
    Crimeia, Donetsk e Lugansk ainda estão no noticiário.
    .
    Sds.,
    Ivan, o antigo.

  72. Anotem aí: Nenhuma naçao do nosso mundo suplantará a dos USA, nenhuma. Em dado momento eles agirão para controlar a gigante China. Idem quanto ao grande urso do norte. A China está como está economicamente porque em dado momento perceberam que se não tivessem uma economia de mercado tal qual o ocidente, pereceriam e estariam fadados a ser eternamente agrícola. Aceitemos ou não os United States of América são e continuarão a ser a grande águia que tudo vê. Muitos ficarão revoltados com isso mas é a mais pura realidade. O Brasil que não seja bobo de deixar essa aliança americana. A América é dos americanos. Ponto.

  73. não vou nem entrar em coreia do norte…. falta comida e luz mas, tem bomba kkkkk pra barganhar…. só isso. se é que funciona mesmo faz tem tempo que não acredito.

  74. Acho que a china irá comprar o São Paulo ou para reformar talvez até por o motor nuclear,ou desmantelalos para evitar que algum pais asiático tenha acesso a portas aviões.Eles os chineses podem tudo até criar ilhas artificiais que são verdadeiros porta aviões fixos ou mais base militar avançadas até com misseis.Enquanto reclamam que outros países melhorem seus meios para se defender.O japão está mais que certo a coreia do sul,e parabéns ao Vietnam pela compra de seis submarinos.Não podem ficar esperando apenas socorro dos EUA.

  75. A China foi explorada por varios paises desde os tempos remotos. Pimeiro os Mongois, depois os ingleses que incentivaram as disputas internas, incentivaram o consumo de ópio para degradar sentimentos de revolta e ocuparam territorios, a ocupação japonesa na segunda guerra mundial, atire a primeira pedra quem estiver livre de culpa. Advertir o Japão que não se deve armar chega a ser ridiculo, primeiro por causa do homem foguete ali do lado, depois pelas disputas de ilhas com a China,que é o pais asiatico que mais esta se armando.

  76. Com a expansão do poderio militar chinês, o Japão tem sim que se armar e preparar para uma possível agressão

  77. Para o Partido Comunista chinês culpar o Japão e explorar o ressentimento do povo é algo super conveniente. Enquanto isso o seu passado de abusos e mortes contra dezenas de milhões dos seus próprios cidadãos fica em 2do plano. A rivalidade da china revisionista contra praticamente todo o mundo desenvolvida vai se agravar. Como a luta ainda é ritualizada os seus oponentes deveriam ser mais claros ao apontar publicamente as contradições desta China pos 1947.

  78. isso e somente um pouco de terror psichologico um piloto japones com o caca mais moderno do mundo fotograficamente apavora os ching lings eles lutaram contra o terror technologico japones que tinham ate jets de combate na epoca eles tem o direito de se apavorar sim mais o problema e que o piloto japones vai ter o f35 b por ser o japao uma potencia democratica sacou?o nazismo no japao e minoria o jovem japones naum querem saber de pavoro e muitos falam ingles e outras linguas internacionais

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here