Home Indústria de Defesa Marinha do Brasil avança no Projeto ‘Classe Tamandaré’

Marinha do Brasil avança no Projeto ‘Classe Tamandaré’

10741
153
Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré

A Marinha do Brasil, por intermédio da Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM), em coordenação com a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), informa que no dia 19 de janeiro de 2018 foi encerrada a fase de entrega da Solicitação de Propostas (“Request For Proposal” – RFP) às empresas que observaram os ditames legais necessários a este estágio do processo. Assim, as seguintes organizações receberam o documento.

1 – Empresas candidatas à “Main Contractor” – BAE Systems do Brasil Ltda; Chalkis Shipyards S.A.; China Shipbuilding & Offshore International Co.; China Shipbuilding Trading Co. Ltd; Damen Schelde Naval Shipbuilding B.V; DCNS do Brasil Serviços Navais Ltda; Easter Shipbuilding Group INC; Ficantieri S.p.A; Goa Shipyard Limited; Navantia S.A.; Posco Daewoo do Brasil Intermediação de Negócios Ltda; Rosoboronexport; SAAB Kockums; Singapore Technologies Marine Ltd; STM – Savunma Teknolojileri Mühendislik Ve Ticaret A.S; TAIS – Turkish Associates International Shipyards; Thyssenkrupp Marine Systems GmbH; Ukrinmash; Wuhu Shipyard CO., Ltd. e; Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda

2 – Estaleiros Privados Nacionais – Estaleiro Ilha S/A; Enseada Indústria Naval S.A; Estaleiro Rio Maguari S.A; Mc Laren Estaleiros e Serviços Marítimos S.A; Oceana Estaleiro S.A e; Rio Nave Serviços Navais Ltda.

3 – Demais empresas estabelecidas no País – ABS – American Bureau of Shipping; Akaer Engenharia S/A; Andrade Gutierrez Engenharia S.A; Atech – Negócios em Tecnologia S.A; .Consub Defesa e Tecnologia S.A; Defensea Consultoria em Defesa e Atividades Marítimas Ltda.; Embraer S.A; EBSE – Empresa Brasileira de Solda Elétrica; Fundação Ezute; L-3 Brasil Importação, Exportação e Comércio Ltda; Mec Pro Marine Ereli; Omnsys Engenharia Ltda; Optronbras Segurança e Defesa Eletrônica Óptica Ltda; PACS – Planejamento, Assessoria, Consultoria e Sistemas S.A; Rafa Latino Representação Comercial e marketing Ltda; Rockwell Collins do Brasil Ltda; Rohde & Schwarz do Brasil Ltda; Safran Eletrônica e Defesa Brasil Ltda e; SIMTECH Representações Ltda.

As próximas etapas do processo estão detalhadas no cronograma de eventos-chave, a seguir apresentado, o qual permanecerá norteando a MB/EMGEPRON na Seleção da Melhor Oferta:

EVENTO
DATA/PERÍODO
Período de Recebimento de Esclarecimentos
22/01/2018 a 13/04/2018
Prazo Final de Respostas
02/05/2018
Limite para Recebimento das Propostas
18/05/2018
Divulgação da “Short list”
27/07/2018
Divulgação da Melhor Oferta
28/09/2018

DIVULGAÇÃO: Marinha do Brasil

Subscribe
Notify of
guest
153 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
2 anos atrás

Prezados,

Como foi muito bem observado pelo jornalista de outro site (Não sei se posso citar aqui), a MB retirou a palavra ‘corveta’ do Programa e passou a denomina-lo “Classe Tamandaré”, pois não define se será corveta ou fragata o projeto escolhido.

Grande abraço

Gabriel Oliveira
Gabriel Oliveira
2 anos atrás

Gostei do comentario acima,vejo um bom sinal daí.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
2 anos atrás

Luiz Monteiro e demais.
As Tamandarés somente poderão ser construídas nos estaleiros do item 2? Ou a vencedora poderá escolher estaleiro diverso ou mesmo o AMRJ?
No mais, o EISA deveria estar proibido de contratar com a MB e com qualquer ente estatal.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
2 anos atrás

Luiz Monteiro 20 de Janeiro de 2018 at 1:15, no “duelo” de prós e contras que se seguiu a uma das reportagens anteriores sobre as Tamandaré, eu já havia observado que o aumento no limite máximo do preço unitário e uma certa flexibilidade na tonelagem sugeririam que a Marinha estava aberta a propostas mais “parrudas”. O que voce observou faz todo sentido, ainda mais a partir de quando a MB passou a admitir outros projetos que não o da Engepron. Continuo apostando alto no programa Tamandaré e me reconfortando que a MB, calejada, está seguindo adiante com flexibilidade e realisticamente.… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Rafael Oliveira 20 de Janeiro de 2018 at 5:37 Assino junto Rafael, 1) EISA: o caso da Classe Maracanã é somente a ponta do iceberg, se a MB não rever o MPF tem que enfiar a mão. 2) O Enseada é da Roubabrecht, MPF neles. 3) http://www.riomaguari.com.br 4) Rio Nave, antigo estaleiro Caneco ? Sermetal ? https://www.jusbrasil.com.br/topicos/32643386/rio-nave-2010-construcao-naval-ltda 5) Este pessoal é sério, creio que o MO os visitou: http://www.grupocbo.com.br/historia/ 6) Este eu conheço e fui fornecedor, se o contratante manter o cronograma de pagamento, entregam no prazo e com qualidade, são do ramo. Salvo problemas de projeto e execução com… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

(3) Essas empresas listadas são para Vendors List ?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Luiz Monteiro 20 de Janeiro de 2018 at 1:15

Ótima decisão da MB Caro C Almirante.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Antigo Ishikawajima, depois ISHIBRAS

depois Inhaúma-Enseada-

https://www.portosenavios.com.br/noticias/ind-naval-e-offshore/34544-desmobilizacao-no-estaleiro-inhauma-ocorrera-em-julho-informa-enseada

Somente quem conheceu sabe do acima citado, do EISA na Ilha, do Mauá e do Caneco.

Eramos para ter uma industria naval de respeito, pesquisem o que foi construído de estaleiros depois dos que mencionei acima, nossa marinha mercante e nossa Marinha de Guerra com cerca de 9 K de costa eram para ser de primeiro mundo.

Da lista (2) enxergo dois sérios, Oceana e o Mc Laren, o amazonense eu não conheço.

Os outros eu risco la lista, nem pensar, vai ser adicional em cima de adicional. Alô MPF !

_RJ_
_RJ_
2 anos atrás

Rafael Oliveira 20 de Janeiro de 2018 at 5:37

Foi a primeira coisa que notei.
Ia fazer a mesma observação e a mesma pergunta, mas você chegou primeiro.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás
Nunes-Neto
Nunes-Neto
2 anos atrás

Muito bom, o Estaleiro RIo Maguari fica em Belém-PA, é o maior construtor de embarcações fluviais do Brasil, também concordo que a EISA nem deveria ser cogitada , não entregou nenhum patrulha vai construir Fragata?Cadê a INACE?

Nunes-Neto
Nunes-Neto
2 anos atrás

Sugiro uma reportagem desses estaleiros privados nacionais, capacidades, estruturas etc , seria legal conhecer o que temos de capacidade construtiva instalada , mas claro quem vencer vai ter que investir muito nessas empresas!

Bavaria Lion
2 anos atrás

Luiz Monteiro 20 de Janeiro de 2018 at 1:15 Caro Luiz Monteiro No caso, Tamandaré passa a ser “apenas” o desígnio da classe vencedora? Caso aquele projeto derivado da barroso não seja mais o obrigatório, acredito que só podemos comemorar. Veio derivado do projeto Marine Technik, que havia perdido uma concorrência em Portugal justamente para uma classe MEKO 140. É uma corveta muito limitada na minha opinião, o que limita também seu desenvolvimento, que parte de uma coisa ruim… Tamandaré é um nome cai muito bem em uma MEKO A-200 e também em um KDX-2. Porém, lamentaria se visse o… Read more »

Ribeiro
Ribeiro
2 anos atrás

Muito Bom… pelo menos temos um cronograma para saber o andamento…
Outro ponto que me chamou atenção é que está bem presente as ofertas asiáticas, que invariavelmente tem se apresentado mais baratas e “rápidas”…

Quanto a presença do EISA, acho (e poderia os mais informados esclarecer), que o contrato será com o fornecedor principal (Main Contractor), e este não tem impedimento de usar qualquer estaleiro… recaindo todas as garantias sobre o primeiro. Dessa forma,creio que a ausência do Inace ou do Atlântico Sul, não são fatores que o excluem de participar como secundário…

Abraços

Nunes-Neto
Nunes-Neto
2 anos atrás

Segue um link do Estaleiro Rio maguari,diz que foi o estaleiro brasileiro que mais entregou embarcações nos ultimos anos no Brasil, mas creio que em relação a tonelagem …eu acho que foram embarcações pequenas http://www.riomaguari.com.br/perfil/

Aldo Ghisolfi
2 anos atrás

Existe um prévio edital estabelecendo ou é na Solicitação de Propostas que é estabelecido o número de Tamandarés a serem construídas?

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

O debate eterno: como distinguir uma corveta de uma fragata? Por deslocamento, por missões, por autonomia, por armamentos…
Uma coisa é certa se começam a desestabilizar a narrativa pra além da classificação e do deslocamento: qualquer hora mudam o valor da etiqueta de preço. É que viram o valor da FFG(X)…

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Nessa altura do campeonato, sou Meko A200 “BR” desde criancinha…

Lemes
Lemes
2 anos atrás

Também gosto muito das Memórias A200, só não sei se os alemães vão conseguir ofertar um preço que seja competitivo. Acho (e é um senhor achismo!) que talvez os coreanos, com sua capacidade construtiva a preços orientais, em conjunto com sua experiência com integração de armamentos ocidentais possa ter uma proposta bem interessante. Mas vamos ver como vai ser a short list, não acredito que o item menor preço vá ser 100% mandatório na escolha das propostas eleitas. Provavelmente será apenas um dos itens a serem observados.

Lemes
Lemes
2 anos atrás

Meko A200. Maledeto corretor!

Jack
Jack
2 anos atrás

Bardini 20 de Janeiro de 2018 at 9:41
Nessa altura do campeonato, sou Meko A200 “BR” desde criancinha…

Robsonmkt
2 anos atrás

Pelo cronograma apresentado, creio que seja presumível afirmar que o início do trabalho de produção do primeiro navio da classe Tamandaré somente comece em 2019, correto?

Tomcat3.7
Tomcat3.7
2 anos atrás

Dei uma olhada aqui e a tão mencionada Meko A200 é uma bela máquina,mas vou esperar pra ver os finalistas pra pesquisar e montar minha opinião sobre preferência,mas que a MB escolha o que melhor lhe servir e agregar valor.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Atlântico Sul ?

Tamandaré é lancha para a Infra deles, lá e coisa de 30-40-50 mil pbt para cima.

_____________________________________________

Recordando:

http://www.naval.com.br/blog/2015/04/21/navantia-fechou-contratos-com-grupo-synergy-e-estaleiro-eisa-para-assistencia-tecnica/

______________________________________________

Coloco minhas fichas por aqui:

Damen Schelde Naval Shipbuilding B.V; Navantia S.A.; Posco Daewoo do Brasil Intermediação de Negócios Ltda; SAAB Kockums e Thyssenkrupp Marine Systems GmbH.

Favaratti
2 anos atrás

Nesse prazo a China teria constuído 6 corvetas e bem baratinho.

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Existe ainda o Estaleiro McLaren ?
.
Será uma Corveta “fragatizada” ? Seria interessante do ponto de vista custo/benefício.

Renan
Renan
2 anos atrás

Se for menor preço Russia, China, Corea é os funalista

Tomcat3.7
Tomcat3.7
2 anos atrás

Sei que a SAAB não tem nenhuma fragata grande e tal mas se fizer como no FX2 de começar a pagar quando receber o último brinquedo,haha ,dá SAAB na cabeça.

Renan
Renan
2 anos atrás

Jack 20 de Janeiro de 2018 at 11:51
Bardini 20 de Janeiro de 2018 at 9:41
Que video magnifico parabens. Mas acho bom de mais para ser verdade. Duvido que a escolha seja pelo melhor conjunto. Acho que será pelo menor valor, maior desconto, maior prazo, e se possivel pagavel só apóz o recebimento.
E ainda aja investimento no pais.

Resumindo Suecia questões financeiras, China Russia e Coréia menor preço.
E certamente é provavel que os estaleiros citados acima com capivara longa, ganhem também. É Brasil.
Abraços

Moraes 123
Moraes 123
2 anos atrás

Dificilmente as pessoas querem conhecer a realidade, muitos se escondem atrás de ideologia e vivem sonhando. Sou ex-funcionário da Enseada Industria Naval com muito orgulho e apresento a vocês o Estaleiro Enseada do Paraguaçu – BA. Acredito que o mais moderno do Brasil, não estou aqui para falar de politica pois sou técnico, corte de chapas grossas com laser, projetado para construção em blocos, um dos maiores pórticos, porto, dique seco, todo processo com base na mais avançada tecnologia japonesa da KawasaKi, um dos maiores acionistas em conjunto com Odebrecht. Vamos jogar no lixo o investimento ou precisamos de gestão… Read more »

Nilson
Nilson
2 anos atrás

Realmente a Meko200 encaixa perfeitamente nas especificações, segundo o vídeo do amigo argentino até o preço dá certo – USS 327 mi, pois, salvo engano, o preço previsto para a Classe Tamandaré é USS 350 mi. Interessante que ela tem muita coisa da SAAB, quem saabe (trocadilho infame) os suecos se unem com os alemães e fazem uma proposta conjunta? (na especificação diz que o projeto estrangeiro já tem que estar com unidades em uso, e parece que a SAAB não tem isso) A SAAB já trabalha conosco no Gripen, os alemães devem estar mordidos devido à escolha do Scorpene… Read more »

Nilson
Nilson
2 anos atrás

Lembrando ainda que na especificação da Classe Tamandaré o deslocamento máximo é de 4.000 tons, e no vídeo do argentino a Meko200 desloca 3.700.

Burgos
Burgos
2 anos atrás

Alo galera do PN !!!
Voltei !!!
Pelo visto rolou muitas boas notícias aí !!!
Levei a mué pra passear (férias).
Mas já To de volta !!!
Valeu !!!

Jr
Jr
2 anos atrás

No começo eu também achava que a MEKO 200 caia como uma luva, um fragata leve, já comprovada, inclusive no mesmo teatro de operação que a MB que é o Atlântico Sul, nas mãos da Marinha Sul Africana, mas ela não sai por menos de 500 milhões de dólares cada, pelo menos esse foi o preço cobrado aos Argelinos, depois o estaleiro que constrói ela entregou uma fragata de 700 milhões de euros para a marinha alemã topa bichada a ponto da mesma ser devolvida para o estaleiro e para finalizar, praticamente todos os pedidos feitos a esse estaleiro (navios… Read more »

Bardini
Bardini
2 anos atrás

A Fragata que a Marinha da Argélia comprou é outra conversa… É muito bem recheada. Tem canhão um Oto Melara 127/64 LW 127mm (bem caro, com munição cara), 16x RBS15MK3 (isso por navio, caríssimo) e 32x Umkhonto-IR (relativo). . Não dá pra imaginar uma Meko A200 “BR” com essa configuração. Teria de ser algo mais semelhante ao que as projeções da Corveta da Emgepron sugerem. . Propulsão seria a mesma. Muito boa por sinal… Acomodações, o projeto atende com sobra os requisitos da MB. Deslocamento 3.400t (não é o deslocamento full). Full deve ser semelhante ao que as Niterói deslocariam.… Read more »

Matheus
Matheus
2 anos atrás

Por que a Embraer tá no meio?

Ádson
Ádson
2 anos atrás

O que ele vai propor ou a que preço não sei, mas vai dar Ficantieri. Esperem e verão.

Bosco
Bosco
2 anos atrás

Nos artigos sobre as fragatas Niterói foi dito que elas representava o estado da arte em sensores. No caso da Tamandaré isso não é exatamente verdade em que pese o avanço por ser nosso segundo navio dotado de um radar 3D (o primeiro deverá ser o Ocean.
Em relação a radares navais de vigilância aérea o “estado da arte” hoje são os radares AESA de antenas fixas.

Carlos Eduardo Oliveira
Carlos Eduardo Oliveira
2 anos atrás

Também achei estranho a Embraer estar envolvida no projeto, Matheus.

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Falando em radar AESA de antenas fixas… A nova Fragata da US Navy vai ter de usar aquele modelo de três painéis, o que apareceu na maquete da LM. Não lembro o nome agora…
.
Pra quem quiser ler a respeito do FFG(X): https://www.documentcloud.org/documents/4257400-Navy-Frigate-FFG-X-Program-Background-and-Issues.html#document/p22
.
Ps: Daqui 30 anos, serão os navios da MB, rsrsrsrs….

Bardini
Bardini
2 anos atrás
Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
2 anos atrás

Particularmente, prefiro a versão da Classe Daegu, sul-coreana, construída para as Filipinas, com um preço divulgado de US$ 327 milhões em 2016:

https://navaltoday.com/2016/10/24/south-korean-hhi-to-build-two-frigates-for-the-philippines/

A própria Classe Daegu, que é um pouco maior que a versão construída para as Filipinas, seria ideal e seu valor, para a própria CS, é de US$ 293 milhões, no final de 2016:

“South Korea intends to build a total of eight second-batch frigates. Six days ago, on December 21, HHI received a $586 million contract from DAPA for FFX-II ships number three and four.”

https://navaltoday.com/2016/12/27/south-korea-signs-contract-for-six-new-frigates-to-be-built-by-2026/

Top Gun Sea
2 anos atrás

É! Por ser ano político, pouco se realiza. Teremos que esperar até Setembro.
Espero que seja obedecido os critérios/ requisitos. Não somente pelo nome e tradição e não somente pelo preço e Now know. Que haja transparência no processo de seleção. O resto é esperar!

Ádson
Ádson
2 anos atrás

Uma pergunta besta: o que pode-se considerar de ruim, não adequado em um casco novo classe Niterói? Só o casco!

Ádson
Ádson
2 anos atrás

Bardini 20 de Janeiro de 2018 at 18:49
Bardine, tem também o Sea Giraffe 4A da SAAB.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
2 anos atrás

Ádson, a questão do “só o casco” é o menor ou um dos menores entre os problemas, na minha opinião. Se for pra pensar só no casco, melhor partir para um projetado no século XXI do que na sétima década do XX. Um navio de guerra é um conjunto completo, um equilíbrio de características em que o casco é só um (embora importante) dos itens. Entre retomar um casco projetado em 1970 ou projetar um novo usando o que se sabe dos pontos positivos do antigo, mas com as características que se deseja mais de 40 anos depois (e pensado… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

A coisa não está boa e parece que vai piorar: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2018/01/20/orcamento-limitado-por-teto-pode-ampliar-obsolescencia-das-forcas-armadas-e-preocupa-oficiais.htm ___________________________________________________ Meu interesse é único: Somos contribuintes e o Tesouro Nacional somos nós. Quero saber “onde nosso dinheiro” será colocado e de que forma. Nada pessoal, apenas exercendo o sagrado direito da cidadania. Moraes 123 20 de Janeiro de 2018 at 15:00 Minha ideologia é azul, o planeta terra visto do céu é azul. Desde que teu patrão nos devolva as centenas de bilhões R$, sim centenas …. tudo bem, afinal de contas o Tesouro somos nós. Espero que o MPF entre no jogo da Roubabrecht Enseada. “18 de… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Fernando “Nunão” De Martini 20 de Janeiro de 2018 at 19:45

Perfeito.

Ganha-se em no todo, literalmente no todo em performance.

Detalhe, fica mais barato.

Retomar o casco antigo afetaria o todo o ficaria mais caro com certeza.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

O poderoso Estaleiro Atlântico Sul SA não está participando?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

“Main Contractor” ao pé das letras, aqui é a vhave do negócio.
_______________________________________

De novo precificando, qual o “recheio” ?

Tem os Turcos:

https://en.wikipedia.org/wiki/MILGEM_project