Home Indústria de Defesa Paquistão: Míssil de cruzeiro ‘Babur’ lançado de submarino

Paquistão: Míssil de cruzeiro ‘Babur’ lançado de submarino

4142
33

RAWALPINDI — O Paquistão conduziu mais um teste de lancamento bem-sucedido de um míssil de cruzeiro Babur, com um alcance de 450 km. A arma foi disparada de uma plataforma dinâmica submarina, que atingiu com sucesso seu alvo com precisão, atendendo a todos os parâmetros de voo.

O SLCM (Submarine-Launched Cruise Missile) Babur é capaz de levar vários tipos de cargas úteis e incorpora tecnologias de ponta, incluindo propulsão controlada subaquática, orientação avançada e recursos de navegação. O SLCM Babur dá ao Paquistão uma capacidade de segunda ataque crível, aumentando o regime de dissuasão existente.

O desenvolvimento dessa capacidade também reflete a resposta do Paquistão às estratégias nucleares provocadoras e à postura perseguida na vizinhança por meio da indução de submarinos nucleares e mísseis nucleares embarcados, levando à nuclearização da região do Oceano Índico. O Paquistão vê esse desenvolvimento histórico como um passo no sentido de reforçar a política de Deterrência Mínima Crível por meio da produção autóctone e autoconfiança.

O teste foi testemunhado pela Divisão de Planos Estratégicos da DG (SPD), Presidente do NESCOM, Comando da Força Estratégica Naval (NSFC), altos funcionários, cientistas e engenheiros de Organizações Científicas Estratégicas.

O Presidente do JCSC e os Chefes das Forças Armadas parabenizaram os cientistas, engenheiros e pessoal do NSFC pela conquista bem-sucedida desse marco altamente significativo.

O Presidente e o Primeiro Ministro do Paquistão também transmitiram suas facilitações aos cientistas, engenheiros e pessoal do NSFC envolvidos no esforço.

FONTE: Relações Públicas Inter-Serviços do Paquistão

33
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
18 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
PatrickRonaldo de souza gonçalvesRafael_PPLuiz Floriano AlvesWellington Góes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mk48
Visitante
Mk48

Pelo visto o Paquistão se adiantou ao que a USN ainda está implantando nos seus subs da Classe Virginia : Capacidade de ataque nuclear.

Para uma marinha que só opera SSK´s , como a paquistanesa, é uma imensa adição no seu poder de combate.

filipe
Visitante
filipe

Vamos desenvolver o MANSUP (120Km de alcance) e o MATADOR NAVAL(600Km de alcance) para serem disparados pelo SBR e SNBR, sem esquecer o TPN (Torpedo Pesado Nacional).

romario
Visitante
romario

Boa piada.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Mas não é. É só questão de tempo, basta as FFAA expurgarem militares de alta patente que pensam iguais a você.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Faltou o radar Saber e o Astros 2020

Gustavo
Visitante
Gustavo

Eles compraram nosso MAR-1 e desenvolveram essa beleza aí… Poderíamos propor uma parceria…

Bosco
Visitante
Bosco

Se o país tem armamento nuclear e tem mísseis com capacidade de carga que condiz com uma ogiva nuclear será dito pela mídia que o míssil tem opção de ser nuclear.
Isso não quer dizer que exista mesmo essa versão, mas tão somente que é possível de existir.
Se formos levar essas informações ao pé da letra os russos têm Iskanders com ogivas nucleares, mísseis Moskit, o Granit, o Kh-15, Kh-22, Kh-32, Keshtal, Kalibr, etc.
Se formos nos deixar levar por isso há na Rússia umas 500 mil ogivas nucleares.

Mk48
Visitante
Mk48

Bosco,

Se o país tem a opção ele pode decidir exerce-la .

Então não vejo nada demais em considerar que eles já tenham esta opção na manga, até porque com aqueles vizinhos não da para improvisar.

Abs.

Bosco
Visitante
Bosco

Mk,
Há de se saber se o Paquistão atingiu um nível de miniaturização de seus artefatos nucleares que permita acomodá-los num míssil cruise lançado por tubo de torpedo.

Mk48
Visitante
Mk48

Sim Bosco, de fato.

Abs.

Karl Bonfim
Visitante
Karl Bonfim

e o nosso MTC-300, poderia não poderia ter um versão lançada de submarino?

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

No futuro, possivelmente.

Bill Duarte
Visitante
Bill Duarte

A Asia e o Oriente Médio é um deposito escuro lotado de gasolina e pólvora, com um monte de fumantes compulsivos presos, uma hora ou outra um risca o fosforo para acender o cigarro, pois a necessidade de manter o vício as vezes faz com que as pessoas percam a noção do perigo.

RL
Visitante
RL

Gustavo 2 de Abril de 2018 at 18:13
“Eles compraram nosso MAR-1 e desenvolveram essa beleza aí… Poderíamos propor uma parceria…”

Putz, foi o que me veio na cabeça automaticamente.

Eles compraram 100 unidades não foi isso? Seriam integrados no JF-17.

Gustavo
Visitante
Gustavo

exatamente, 100 unidades. A Mectron disse que na época ia entregar ou fabricar (não lembro agora) 5 unidades por mês.

Leonardo M.
Visitante
Leonardo M.

A melhor coisa que aconteceu para o Paquistão e Índia foi terem feito bombas nucleares.
Desde então não existiu e nem existirá nenhuma guerra entre os dois países.
E ainda dizem que bombas nucleares não são seguras hehehehe

Dalton
Visitante
Dalton

Só complementando o que o Bosco escreveu…como cita o texto, o míssil foi lançado de uma
“plataforma submarina” e não de um submarino, então, ainda há um longo caminho a ser percorrido até que tais mísseis sejam devidamente integrados à submarinos, ainda mais uma versão “nuclear”.

Bosco
Visitante
Bosco

Só pra comparação, a ogiva W80 que equipava o Tomahawk nuclear (SLCM) e equipa o AGM-86B (ALCM) pesa cerca de 130 kg.
O Gryphon (GLCM) utilizava a ogiva W84 com 175 kg.

Bosco
Visitante
Bosco

Não é exigido que os paquistaneses tenham o nível de miniaturização alcançado pelos americanos mas como o Babur é um míssil de tamanho limitado (semelhante ao Tomahawk) obriga que tenha uma ogiva leve e compacta, principalmente se quiser ganhar algum alcance.

Alfredo CS
Visitante
Alfredo CS

Quando o pesquisador do IME, Girão Barroso, publicou sua tese de doutoramento “A fisica dos explosivos nucleares” onde demonstra o funcionamento das ogivas atomicas W87 dos arsenais norte-americanos, o Brasil passava momentos dificeis com relaçao a integridade territorial do país. A resposta foi o livro. Agora imaginemos o poder dissuasorio de um missil de cruzeiro MTC-300 sobre a possibilidade de uma ameaça naval em nosso mar territorial. Uma pequena arma atomica iria dizimar QUALQUER esquadra invasora que se aventurasse em tentar um novo colonialusmo em nosso territorio. Uma versao estendida do nosso missil de cruzeiro nos garantiria a segurança nacional… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Dependendo do invasor ele pode usar a Força Aérea e mísseis de cruzeiro lançados por submarinos antes da esquadra propriamente dita chegar. Então nada como um bom
“ICBM” ou “SLBM”.

Mk48
Visitante
Mk48

“o Brasil passava momentos dificeis com relaçao a integridade territorial do país”

Hã? Em que século foi isso ?

Alfredo CS
Visitante
Alfredo CS

Entao Mk48, houve o pronunciamente de um politico de alto escalao de uma potencia estrangeira dizendo que o povo brasileiro nao teria prioridade a existencia…que apenas os paises civilizados e poderosos teriam direito a existir caso o mundo viesse a sofrer algum desastre…foi nesse contexto que surgiu, miraculosamente, a tese do prof do IME, dizendo que o Brasil nao deixaria de existir para que outros povos continuassem suas vidas,, pelo menos nao sem reagir com armas atomicas que poderiamos construir. Sim, foi nesse seculo mesmk…o recado das nossass FFAA foi alto e claro.

Mk48
Visitante
Mk48

Alfredo, eu não tinha conhecimento desse fato.

Chocante.

Obrigado pela informação.

Abs.

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Eram os Illuminati?

Jefferson Ferreira
Visitante
Jefferson Ferreira

Se for esperto basta pagar nossos estimados deputados e senadores que nem precisa de força invasora nenhuma eles entregam tudo de mão beijada, assim como já o fazem para as montadoras, os usineiros e como já fizeram para as construtoras…

Mauricio R.
Visitante

Esse MTC-300 como apresentado é pura perda de tempo e dinheiro.
No seu lugar um clone do Brahmos seria mais negócio, mesmo alcance, muito mais rápido, menor tempo de reação.
Claro, complementado por um outro clone, desta vez o do DF-21, o que tornaria o Atlântico Sul e não somente nosso mar territorial, hostil.
E pro EB, algo similar ao ATACMS, empregado a partir do Astros 2020.

Bosco
Visitante
Bosco

Mauricio, O que deu em você, hem? rsrss Onde que o Brahmos ou o DF-21 se encaixa em nosso TO e nos cenários possíveis? O Brahmos sequer “cabe” em nossos navios, aviões e submarinos. O DF-21 é um míssil balístico que deve ter uma versão antinavio que para funcionar é preciso todo um sistema complexo de ISR e uma mais complexa ainda “kill chain”. O potencial de evolução do MTC-300 é grande. Por exemplo, pode ser desenvolvido no futuro versão lançada do ar e de submarinos. Pode ter versão contra alvos móveis (antinavio e alvos táticos em terra). Pode ter… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Claro, se fosse desenvolvida uma versão supersônica do MTC-300 no fim ele deixaria de ser um MTC-300 e guardaria muito pouco do original. Mas muito poderia ser aproveitado: booster, célula, sistema de orientação, sistema inercial, bateria, ogiva, etc.
O que não poderia ser aproveitado são o motor (muito provavelmente seria substituído por um ramjet ou por um turbofan de alta pressão), as superfícies aerodinâmicas, o nariz e as tomadas de ar, que deveriam ser compatíveis com a velocidade supersônica em baixa altitude.

Mauricio R.
Visitante

Bosco, Se você leu corretamente, não somente aqui mas no Aéreo e no Naval também, eu escrevo “clone de Brahmos” mas não “cópia” e o ponto de partida citado diversas vezes seria a tecnologia do 14X. Não pretendo assim replicar o artefato, mas sim a capacidade que esse artefato contém. Assim pra que ser supersônico, se é possível ser hipersônico???? É como eu escrevi: “…mesmo alcance, muito mais rápido, menor tempo de reação.” O clone do DF-21 seria somente o lado estratégico, o contraponto da arma tática. É uma estratégia de negação de acesso, bastante enxuta sem excessiva segmentação. Qnto… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante
Luiz Floriano Alves

Impressionante como o papel aceita nossas projeções e desejos. Colocamos isso e aquilo e, voilá, feito o missil dos sonhos das nossas forças armadas. Dai partir para a execução, em ambiente industrial e com os componentes necessários é outra coisa. Será necessário criarmos toda a tecnologia de apoio e a infraestrutura técnico industrial. E acima de tudo, vontade politica dos dirigentes ao alocarem as verbas necessárias. Esse dia chegará. Quem viver verá.

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

Que desenvolvamos os nossos misseis,mas ter uns dez brahmos em nossos arsenais seria uma coisa interessante principalmente os de alcance maiores, é claro daria um certo respeito só pelo motivo de tê-lo falo 10 mas poderia ser até mais.Lembre-se que nas guerras da Malvinas o sucesso parcial da argentina veio do exocert e dos a-4,lembre-se que os torpedos dos sub argentinos falharam.Ter um missel de cruzeiro de 600 ou 1000 km é importante pro Brasil que pelo tratado idiota que foi obrigado a assinar não pode passar de 300 km.AS nossas plataformas marítimas estão nesta distancia.com misseis de 600 e… Read more »

Patrick
Visitante
Patrick

http://mtcr.info/frequently-asked-questions-faqs/ O MTCR visa desestimular apenas a EXPORTAÇÃO do nosso míssil de cruzeiro em versão que ultrapasse os 300 Km de alcance. Já para a produção para o uso do próprio exército brasileiro não há limite de alcance. Pode ler no link que coloquei acima. De fato tal acordo informal não prevê sequer punição para quem não o cumpra, mas quem o assinou se comprometeu a produzir apenas para uso próprio artefatos com capacidades superiores. 7. Quais são os principais objetivos do MTCR? O MTCR procura limitar os riscos de proliferação de armas de destruição em massa (WMD) controlando as… Read more »