As corvetas classe ‘Inhaúma’

corveta

As corvetas classe “Inhaúma” foram concebidas para prover escolta a comboios de cabotagem e transoceânicos, com capacidade para guerra anti-submarino, guerra de superfície, guerra antiaérea e apoio de fogo naval em operações anfíbias. A vida útil projetada de cada navio era de pelo menos 25 anos, a um custo de aquisição de US$150 milhões por unidade, com um índice de nacionalização da ordem de 40%. O sistema de armas, que representava 50% do custo da corveta, foi em sua maior parte importado, pois para serem fabricados no Brasil, seria necessário que a Marinha construísse um número bem maior de navios.
Os estudos começaram em 1977, quando a Marinha do Brasil precisava substituir as dez corvetas classe “Imperial Marinheiro”, por uma nova classe de navios-patrulha oceânicos (NaPaOc), com um deslocamento carregado de 700t. Em virtude também da necessidade urgente de substituir os antigos contratorpedeiros de origem americana, as especificações foram alteradas e o “Projeto NaPaOc” foi então rebatizado como “Projeto Corveta”. Em sua versão final, os navios ficaram com um deslocamento de quase 2.000 toneladas, portanto, bem maior do que o previsto originalmente. As corvetas podem ser consideradas, na realidade, fragatas leves, com um armamento ligeiramente inferior ao das fragatas classe “Niterói”. A Marinha planejava inicialmente obter 16 navios da classe, mas devido às restrições orçamentárias, acabou construindo apenas 4 navios e um quinto aperfeiçoado.

projeto-corveta1

O sistema de armas

A concepção e especificação dos sistema de armas das corvetas  recebeu especial atenção, tendo em vista os requisitos operacionais e as características das ameaças de superfície, submarinas e aéreas formuladas pelo Estado-Maior da Armada. Num momento em que a guerra naval moderna (Malvinas, 1982), trazia novas ameaças como os mísseis antinavio, o tempo de reação foi considerado fundamental, juntamente com a precisão e a automação das armas.
No início da década de 1980, ainda não existia o microcomputador pessoal como temos hoje e as soluções embarcadas eram baseadas em mainframes ou minicomputadores. No caso das corvetas, foi adotado o computador inglês Ferranti FM1600E (o mesmo das fragatas Type 22), uma evolução do FM1600B usado no sistema CAAIS das “Niterói”.

A figura baixo mostra o tempo de reação típico do sistema de armas da corveta contra um míssil antinavio “sea-skimmer”, como o Exocet, que pode ser considerado ainda a ameaça mais crítica, pela alta velocidade e difícil detecção.

O gráfico (clicar na imagem para ampliar) mostra o míssil sendo detectado a 12km de distância do navio, dando ao sistema cerca de 20 segundos para rastrear o míssil, computar a previsão de tiro dos canhões antiaéreos, posicionar o armamento e abrir fogo, de modo a destruir o míssil a uma distância segura do navio.

projeto-corveta3

O Centro de Operações de Combate (COC) das corvetas foi organizado em duas grandes áreas funcionais básicas: Comando e Controle (incorporando os sensores de vigilância e os consoles dos operadores) e a de Direção de Tiro (incorporando os sensores rastreadores de alvos e os consoles de controle de armas).

A figura abaixo mostra a arquitetura simplificada do sistema:

projeto-corveta2

O COC das corvetas foi equipado com três consoles: o Console de comando de guerra de superfície, o Console de Armas abaixo D’água e o console de Armas acima D’água, como mostram o desenho e a foto abaixo:

projeto-corveta4

coc-corveta

No subsistema de Direção de Tiro (DT), foi implementada a flexibilidade de controle, na qual qualquer dos sensores de DT (radar, alça eletroótica, alças óticas) pode controlar via computador, qualquer dos canhões.
Adicionalmente, controles locais de emergência foram incluídos para o caso de avaria nos computadores, permitindo que as alças óticas ou a eletroótica possam comandar diretamente a pontaria e o disparo das armas. No modo normal de operação, o controle é efetuado pelos operadores do COC.

projeto-corveta5

Houve grande participação brasileira na área de engenharia de sistemas, na produção local de hardware, gerência técnica, documentação, testes, comissionamento e integração dos equipamentos e sistemas.
Esse esforço estabeleceu o embrião para indústria bélica naval no Brasil, que mais tarde acabou desenvolvendo um sistema de Comando e Controle Nacional, instalado primeiramente a bordo do NAeL Minas Gerais. O SICONTA (Sistema de Controle Tático), que já está na versão 4, foi instalado nas “Niterói” no MODFRAG, na corveta Barroso e será também na modernização das corvetas.

inhauma-ciws-phalanx

NOTA do BLOG: O desenho acima feito por Alexandre Galante, publicado na revista Segurança & Defesa no. 21, de 1988, mostra a corveta equipada com um CIWS americano Phalanx, de 20mm, na popa. O Jane’s tinha acabado de publicar a notícia de que o Brasil havia solicitado a compra de 8 Phalanx aos EUA, mas que acabou barrada depois pelo Congresso americano. Os motivos do impedimento foram os mesmos que impossibilitaram a FAB de ter acesso ao canhão Vulcan de 20mm nos seus AMX. Na época, a Marinha do Brasil também desenvolvia um canhão anti-míssil de tiro rápido de 20mm no IPqM e os americanos provalvelmente temiam que o Phalanx fosse “copiado”.

NOTA do BLOG 2: Outro aspecto fundamental do Projeto Corveta foi o índice de nacionalização perseguido nos equipamentos dos navios. A turbina GE LM-2500 é 15% nacional (base, invólucro, grupo de descarga de gases e outras peças) e os motores diesel MTU foram nacionalizados em 42%.
A engrenagem redutora Renk-Zanini é 71% nacional, enquanto o sistema de estabilização ativa por aletas da Vosper foi nacionalizado em 75% do seu custo. Os sistemas de eixos e hélices KaMeWa foram 92% produzidos no Brasil. A máquina do leme Sperry, os geradores Siemens e os cabos elétricos da Pirelli são 100% nacionais.
Quando o Brasil compra navios de guerra usados no exterior, nada disso acontece e perdemos todo o investimento que já foi feito.

FONTE: O sistema de armas das futuras corvetas da Marinha do Brasil, Fernando Malburg da Silveira, revista Defesa Latina, Ano IV, no. 23, jul/ago 1983

China pretende estreitar laços militares com Irã, diz mídia chinesa

PEQUIM (Reuters) – A China quer ter laços militares mais estreitos com o Irã, disse o ministro da Defesa chinês […]

Submarino alemão é encontrado afundado na costa dos EUA

  Pesquisadores informaram nesta terça-feira (21) a descoberta de um submarino alemão e de um cargueiro nicaraguense que afundaram na […]

Fotos do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ em construção na China

Confira as fotos do lançamento ao mar do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico “Vital de Oliveira” em Xinhui, na China. O […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]