A defesa antiaérea de uma Força-Tarefa

ftbr

Ao contrário do que muitos pensam, os alvos principais quando se ataca uma Força-Tarefa (FT) não são os navios escolta, e sim os escoltados, ou seja, os navios capitais (navios-aeródromo, navios de apoio logístico, navios de transporte, navios-tanque, navios-desembarque, entre outros).

A perda de um navio escolta enfraquece uma Força-Tarefa, contudo, a perda de um navio capital (unidade de alto valor) poderá comprometer toda a missão. Dessa forma, para uma marinha com recursos limitados (a maioria das marinhas do mundo) o uso de seus escassos mísseis antinavio e torpedos pesados deverá ter como alvo os navios capitais inimigos, evitando ao máximo o combate com os navios escoltas destes.

A defesa de área de uma Força Tarefa é realizada em “camadas” que vão desde a mais externa até a mais próxima dos meios navais (clicar na imagem acima).

A primeira camada a realizar a defesa, chamada de Defesa de Área Expandida, é a mais distante da FT, ela atua em distâncias que se estendem até 120 milhas náuticas da FT. Essa defesa somente poderá ser exercida por um Caça de Defesa da Frota (CDF), que utilizará seu armamento para abater aeronaves, ou atacar navios inimigos antes que estes lancem seus mísseis antinavio (os jatos AF-1 Skyhawk da MB podem realizar essa tarefa de forma limitada).

A segunda, chamada de Defesa de Área Estendida ou Defesa de Área Externa, atuando em distâncias de até 60 milhas náuticas da FT, é realizada pelos mísseis antiaéreos de longo alcance (Aster 30, Standard, entre outros), ausentes na MB.
A terceira camada, chamada de Defesa de Área Curta ou Defesa de Área Interna, atua em distâncias de até 25 milhas náuticas da FT, é realizada pelos mísseis antiaéreos de médio alcance (Aster 15, ESSM, Aspide, entre outros).

Por fim, temos a última camada, que é aquela situada mais próxima da FT, chamada de Defesa de Ponto, pode ser realizada por mísseis de curto alcance (Sea Wolf, Mistral-Simbad, entre outros) ou por canhões (designados na MB como metralhadoras) de 20, 30 ou 40 mm (Phalanx, Trinity, Meroka, Goalkeeper, entre outros).
Quanto maior o número de camadas, mais eficiente será a defesa da Força-Tarefa. Hoje a Marinha do Brasil possui apenas capacidade de realizar Defesa de Ponto e Defesa de Área Curta.

Com os futuros navios escolta de 6.000t, a Marinha do Brasil poderá finalmente contar com uma Defesa de Área Estendida. Da mesma forma, com a modernização do NAe São Paulo e de suas aeronaves, assim como a construção de um novo navio-aeródromo e a adoção de um CDF, a Marinha do Brasil poderá contar com uma Defesa de Área Expandida.

AUTOR: Luiz Monteiro (LM)/ ARTE: Poder Naval Online

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – última parte

A atracação na Base Almirante Castro e Silva e a despedida A manobra de atracação do submarino Tapajó na Base […]

Entrevista com o comandante do submarino ‘Tapajó’, capitão-de-fragata Horácio Cartier

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 3 PODER NAVAL: Comandante Cartier, o senhor poderia falar um pouco […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 2

Um submarino de propulsão convencional como o Tapajó tem um funcionamento parecido com um telefone celular: de tempos em tempos […]

28ª Viagem de Instrução de Guardas-Marinha

Hoje o Navio-Escola “Brasil” realizará a Cerimônia de despedida para a XXVIII Viagem de Instrução de Guardas-Marinha. A Viagem terá […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 1

No dia 16 de julho de 2014, na véspera da data comemorativa do Centenário da Força de Submarinos (1914-2014), uma equipe […]

Aprovado plano de trabalho do Brasil para exploração de crostas na Elevação do Rio Grande

O Brasil acaba de alcançar importante êxito na aprovação do Plano de Trabalho para exploração de crostas cobaltíferas na Elevação […]