Classe ‘Super-Vita’ da Grécia

p-67-pgfg-roussen.jpg

Os FAC (Fast Attack Craft) da classe “Roussen” (ou “Super-Vita”) da Marinha Grega provam mais uma vez que, para ser bem armado, um navio não precisa ser grande.

Os “Roussen” deslocam 500t, o mesmo dos navios-patrulha que a Marinha do Brasil está construindo, mas diferentemente dos nossos, proporcionam um aumento real do Poder Naval daquele país.

A classe é projeto da Vosper Thornycroft (mesmo estaleiro que projetou nossas fragatas classe “Niterói”) e é composta de cinco navios: P-67 PGFG Roussen, P-68 PGFG Daniolos, P-69 PGFG Krystallidis, P-70 PGFG Grigoropoulos e P-71 PGFG Ritsos. A Marinha Grega espera encomendar mais duas unidades ainda em 2008.

Seu desenho é baseado na classe “Vita” em serviço na Marinha do Qatar. O casco é de aço e a superestrutura de alumínio.

super-vita-62m-roussen-class-2.jpg Os “Super-Vita” são equipados com o sistema Tacticos de comando e controle produzido pela Thales da Holanda.

O Tacticos é similar ao SICONTA brasileiro, provendo avaliação das ameaças e a alocação de sensores e a indicação de alvos para o sistema de armas.
O centro de informações de combate de cada navio é equipado com três consoles verticais MOC Mk.3 e um console de conferência. O sistema de direção de tiro é o Sting.

O principal sensor dos navios é um radar de vigilância 3D Thales MW08, uma alça optrônica Mirador, um radar LPI (low probability of intercept) Thales Scout mkII e um radar de navegação Northrop Grumman (antiga Litton) Marine Bridgemaster-E.

Na parte de comunicações os navios também são bem servidos: Data-link 11, modelo MDM 2002 da Rockwell Collins, um sistema de comunicação por satélite, e IFF (information friend or foe) Mk.12 Aeromaritime.

A propulsão é composta de quatro motores disesel MTU 16V595 TE90 e 4 eixos, que dão ao navio a velocidade máxima de 35 nós. Os navios contam ainda com sistema de estabilização ativa por aletas da Vosper.

Mas é no armamento que as “Super-Vita” se destacam: são armadas com até 8 mísseis MBDA Exocet ITL 70A MM40 Block II antinavio, com 70km de alcance, em dois lançadores quádruplos.

A defesa antiaérea de ponto é assegurada pelo lançador RAM Mk 31 de 21 céculas, para mísseis RIM-116A Block I “fire-and-forget”, guiados por IR e radar, com alcance de 15km.

O armamento principal é o canhão italiano Oto Melara Super Rapid 76mm, com cadência de 100 tiros por minuto. Cada projétil pesa 6kg e alcança 16km contra alvos de superfície. O navio é equipado ainda com dois canhões de 30mm para as tarefas de polícia naval.

A proteção passiva contra mísseis é assegurada pelo MAGE Argo Systems AR900 e o lançadores de chaff Sippican SRBOC.

p-67-1.jpg

p-67-2.jpg

roussen-p67.jpg roussen-p67b.jpg roussen-p67c.jpg

p67.jpg

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]