Esses submarinos italianos e suas históricas travessias do Atlântico

salvatore-todaro-usn-jeff-myers.jpg

A recente visita do submarino Salvatore Todaro (S 526) da Marinha Italiana à Estação Naval de Mayport (EUA) marcou um feito histórico, conforme noticiado neste Blog: pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, um submarino italiano atravessou o Oceano Atlântico. As travessias de mais de 60 anos atrás tinham como objetivo atacar rotas mercantes. Desta vez, a visita foi para exercícios conjuntos.

Mas houve outra travessia histórica do Atlântico por parte de um submarino de origem italiana e o destino, naquela oportunidade, era o Brasil. Construído na Itália com recursos provenientes da venda do encouraçado guarda-costas Deodoro para o México, o submarino Humaytá, da classe Balilla, deixou La Spezia em 25 de junho de 1929, guarnecido por tripulação brasileira. Chegou ao Rio de Janeiro em 18 de julho tendo percorrido, sem escalas, cerca de 5.100 milhas náuticas. Mais do que uma façanha, foi um recorde para a época.

humayta-baia-guanabara-sdn-ngb.jpg

As manobras de hoje do S 526 com a US Navy também têm um precedente histórico de grande importância, no que se refere a exercícios entre submarinos de origem italiana e navios norte-americanos deste lado do Atlântico. Uma história em que a Marinha do Brasil também teve seu papel. Tanto o Humaytá quanto as três unidades que a ele se juntaram na Flotilha de Submarinos da MB ao final dos anos 30, o Tupy, o Tymbira e o Tamoyo (Classe Perla, construídos na Itália), cumpriram uma função de grande importância na II GM: por sua similaridade com os submarinos do Eixo, contribuíram de maneira fundamental para treinamento ASW das forças navais e aeronavais aliadas, em exercícios freqüentes a partir das bases de Salvador, Recife e Rio de Janeiro. Essa participação foi elogiada em carta do Comandante das Forças Navais do Atlântico Sul, Vice-Almirante Jonas Howard Ingram, ao Ministro da Marinha. Tragicamente, numa dessas missões faleceu o comandante do Tymbira, capitão-de-corveta Aristides Francisco Garnier, atingido por uma bomba de exercício que se desprendeu por acidente de um Vultee Vengeance da FAB.

mostra-armamento-tupy-tamoyo-tymbira-la-spezia-e-lucas-ngb.jpg

Fotos: Salvatore Todaro (S 526) em Mayport – USN/Jeff Myers; Humaytá no RJ – SDM via NGB; Tupy, Tamoyo e Tymbira em La Spezia – coleção E. Lucas via NGB

Segundo Mistral russo pronto para as provas de mar

Os dois navios da classe Mistral destinados à Rússia

  O porta-helicópteros Sebastopol, segundo navio de assalto anfíbio classe Mistral construído pelo estaleiro DCNS para a Marinha da Rússia, […]

Navantia oferece renovar esquadra peruana com fragata de porte médio

Navantia_F-538_Frigate_Peru_Avante_NAVDEX_2015_2

No momento de seu maior investimento na renovação das forças navais sul-americanas, o grupo espanhol Navantia – que acaba de […]

Ante a resistência dos peruanos, Bolívia acerta com Uruguai saída para o mar

MINOLTA DIGITAL CAMERA

As chancelarias da Bolívia e do Uruguai começaram a discutir os termos de um convênio que dê sentido prático ao […]

Nascido para dominar

USS Vincennes

A história da primeira expedição científica de circum-navegação dos Estados Unidos mostra que a jovem nação buscava um lugar no […]

O site histórico NGB – Navios de Guerra Brasileiros está de volta à ativa

ngbcapa2

O site NGB – Navios de Guerra Brasileiros, o maior registro histórico online de navios brasileiros, está de volta. O […]