Home Indústria Naval Marinha do Brasil nega contrato com estaleiro sul-coreano

Marinha do Brasil nega contrato com estaleiro sul-coreano

8808
77
kri-banda-aceh
LPD KRI Banda Aceh, classe Makassar construído na Indonésia com assistência sul-coreana

Senhor jornalista,

Em relação às recentes matérias veiculadas na imprensa especializada em assuntos de defesa, sobre a suposta aquisição, no exterior, de um Navio de Desembarque, um Navio-Patrulha, bem como a contratação da revitalização do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, a Marinha do Brasil esclarece que um grupo de Oficiais do setor do material encontra-se realizando uma visita ao parque industrial naval da Coreia do Sul, a fim de conhecer as capacidades e as potencialidades daquele país, na área da construção e fornecimento de navios e sistemas de interesse da Força.

Não houve, nem há a previsão, no presente momento, da assinatura de qualquer contrato comercial dessa natureza.

Atenciosamente,

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

NOTA DO EDITOR: a nota se refere à notícia veiculada no site Naval Today informando que a Marinha teria fechado um negócio de US$ 1 bilhão com o estaleiro sul-coreano Posco Daewoo Corp. para a construção de um LPD, um OPV e a modernização do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ). A notícia pode ser lida aqui.

77
Deixe um comentário

avatar
72 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
Ayala BottoFelipe SilvaMauricio R.JotaJodreski Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Tomcat3.7
Visitante

A estória do Nam Bahia começou da mesmíssima forma e hoje ele está ae !!!!!

Rod.
Visitante
Rod.

A unica noticia boa em anos e a MB nega?? Se forem construídos na Coreia do Sul por 1Bi da pra velar 2 Makassar e 4 KDXII, más se construir no Brazil…

Seal
Visitante

” Aonde há fumaça há um princípio de incêndio”.Os peruanos estão fabricando dois LPDs tipo Makassar nas instalações do estaleiro SIMA-Peru. O primeiro, batizado de Paita, fica pronto no ano que vem, igual ao da foto acima. Que bom que viessem os Makassar para os Fuzileiros. Na foto para pose com os Dirigentes da Posco Daewoo e Oficiais da MB, colocaram uma faixa com os seguintes dizeres: Mom Signing Ceremony On – BRAZILIAN NAVY MODERNIZATION PROGRAM – Between Brazilian Navy And Posco Daewoo Corporation. – September, 29- 2016 – KOREA. Será que é tudo isso prá nada?

Rod.
Visitante
Rod.

obs: onde se lê velar = Levar…

kfir
Visitante
kfir

hahahaha quem viu meu post sobre o custo de fazer um Nae?

wwolf22
Visitante
wwolf22

sera que vem KDX III por ai ??

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Sempre defendi está “virada ao oriente” pra MB….. Mas se a notícia de compra for verdadeira, pra quê estamos desenvolvendo um projeto de NaPaBR se vamos comprar um pronto ? E os projetos das Amazonas, vão pro “Beleléu”??? E por que construir um LPD se precisamos de fragatas ?

A reforma e atualização de maquinário do AMRJ parece coincidir com o desejo de construção das Tamandarés…..

MO
Membro

Uma ergunta = que diabo de “AS” Amazonas queo pessoal ta falando ??? Navia ?

Gerson Carvalho
Visitante
Gerson Carvalho

Só pra lembrar a empresa Sul Coreana Posco é sócia da Vale na (CSP) companhia Siderrugica do Pecem – CE já em operação faz chapas grossas de aço para exportação. Mais de 2 mil (funcionarios e familias) coreanos moram no Pecem por conta da CSP.

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Bem lembrado Gerson!! Começaram suas atividades no início deste ano, se não me falha a cuca.
.
Quanto aos meios, acho loucura encomendar LPD e NaPaOc quando já temos o Bahia e os projetos da classe Amazonas. Daqui a pouco estaremos com um monte de Navios Patrulha diferentes…. tipo uns 2 ou 3 de cada. 🙁
.
Precisamos mesmo é de fragatas!! 😉

Mazzeo
Visitante
Mazzeo

E porque não usar o projeto das amazonas para produzir lá ? Ele não foi comprado junto com os navios ?

Bardini
Visitante

Essa coisa do projeto dos Amazonas ter sido comprado… Creio que, se não estou enganado, o que se tem é LICENÇA para fabricar mais 5 unidades. O que é diferente de ter o projeto.

DK
Visitante
DK

Os napa devem estar no osso, foi até pro libano! usa as amazonas até acabar e padroniza com barcas sul corea. Sem medo de ser feliz!

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Doa o EISA para os Koreas e arrenda o AMRJ para eles.
Melhor !

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Editores:
Forte fora do ar

Iväny Junior
Visitante
Member

Seria esperar muito que alguém tivesse consciência sã, cancelassem o prosuper, comprassem Makassar e fragatas Incheon.

Maionese Bad-trip continues…

camargoer"
Visitante

Considerando a recente aquisição do G40 (que vai fazer 20 anos) qual a necessidade imediata de novos LPD´s, já que a prioridade da MB são os submarinos e as escoltas? Não faz sentido.

Nonato
Visitante
Nonato

Isso aí, camargoer.
Vejo muita preocupação com o menos essencial.
Transportar fuzileiros navais? Para onde?
O essencial são as fragatas.
Depois alguns navios patrulhas…
Sem dúvida submarinos e navios antisubmarinos…
Nada de porta aviões ou navios de desembarque…

camargoer"
Visitante

Caro Nonato, acho que o NAe ainda é um recurso válido para a MB. Ainda é mais barato sua modernização do que a construção de um novo. Abandona-lo não representaria nenhum ganho para a frota, mas talvez uma perda irreparável na doutrina. Não defendo a troca da modenização do NAe pela aquisição de uma ou duas fragatas novas ou pelas aquisição de 4 ou 5 escoltas usadas. Pelo investido até aqui, o certo é concluir os Scorpenes, modernizar o NAe e adquiir 4 ou 5 fragatas novas. Isso já será uma bela reconfiguração da frota. Fica faltando apenas o apoio… Read more »

Airacobra
Visitante
Airacobra

Se for, o que acho que não é mas espero que seja, é que englobe 1 NAPoLog/NT (acho que entenderam errado e citaram LPD), mais alguns NaPaOc (de preferência River class) e de quebra a modernização do AMRJ, ganhando com isso expertise para a construção das Tamandaré e também para a modernização do São Paulo.
Modo maionese travel on

marujo
Visitante
marujo

Parece que o que está em consideração é o patrulheiro oceânico derivado da Barroso, que pode ser a queima de uma etapa no desenvolvimento das Tamandarés.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

E eu que pensava que havia uma luz no final do túnel. Mas não tem jeito, se a MB quiser diminuir os custos de aquisição de alguns dos seus meios navais, vão ter que se aproximar de alguns projetos e estaleiros asiáticos, em especial sul’coreano e chinês. Outra coisa, parar de tentar reinventar a roda, se já existe o direito de produção de mais NPO Amazonas, não há porque procurar outro tipo no mercado (ô mânia dos diabos de querer dificultar e o que já tem alternativa). É o que penso.

Até mais!!! 😉

kfir
Visitante
kfir

Com certeza vao encomendar projetos na correia do sul, com aço chines… . é como estar encurralado e não ter de fazer outra coisa, a naõ ser este movimento para ficar vivo, podem até aparecerem com corvetas chinesas no osso… so o casco e motores mais radares para navegação… . . isso também é uma declaração e consequência das políticas estatais do governo federal, onde torna o aço muito caro, a mão de obra cara e a baixa produtividade da indústria… se elimina tudo, sem muito discurso comprando na China e ou correia.. . . Devem fazem um contrato de… Read more »

kfir
Visitante
kfir

errei na digitação 9 corvetas

Airacobra
Visitante
Airacobra

Imaginei mesmo Kfir, 90 já deixaria de ser muito otimismo e passaria a ser insanidade à la um ex-CM que gostava de viajar na maionese junto com os planos do governo PTista, mas mesmo assim 9 já é um número muito otimista.

Dalton
Visitante

Mesmo que fosse verdade, faria sentido a marinha brasileira adquirir novos navios anfíbios que não servem apenas para invadir praias inimigas. . Se o “Mattoso Maia” for de fato retirado de serviço como especula-se, a marinha ficará com apenas o “Bahia”, Almirante Sabóia e o Garcia D’Avila, sendo que o “Saboia” completará 50 anos ano que vem e prevendo o tempo que 2 novos anfíbios levariam para serem construídos e efetivamente incorporados poderia significar 2 novos navios ainda mais se fosse “Makassar” customizados para a marinha, sendo maiores e melhor equipados para substituir o “Saboia” e o “Maia”, mantendo 4… Read more »

Lemes
Visitante
Lemes

Senhores, a Posco não é uma empresa de fundo de quintal que daí por aí fazendo anúncios de negócios sem que haja algum documento para embasar. Acredito que o que houve, foi um bate cabeça entre a MB e a Posco. Duvido que um grupo de altos oficiais da MB, junto com altos executivos da Posco tirariam uma foto em frente à uma faixa comemorativa assinatura do documento, se não tivessem assinado nada, apesar que Não é mencionado contato e sim um memorando de encontro. Também não devemos esquecer o momento político/econômico delicado pelo qual o país está passando, com… Read more »

camargoer"
Visitante

Olá Lemes, apenas uma correção. O que foi assinado é apenas um memorando do encontro, o documento que resume o que foi feito, similar a uma ata. Este documento não precisa conter nada sobre o futuro ou qualquer coisa parecida a uma carta de intenção. Esse documento não precisa de autorização para ser assinado, é apenas o relatório da visita. Se houver desdobramentos, então deverão ser assinados outros documentos, como uma memorando de intenção, instalação de um grupo de trabalho, assinatura do contrato, depois assinatura do financiamento e só então o contrato final. Coloque nisso uns dois anos.

Rogerio Rufini
Visitante

bem vamos por parte Temos 1´´UM´´ Excelente NPM, o Bahia, segundo, se ele parar para manutenção, não TEMOS NENHUM, precisamos de pelo menos 4 navios LPD, deixando o Bahia com maior deslocamento e capacidade para missões a serviço da ONU ou onde for chamado, como Haiti, Líbano etc…, pois pode ate mesmo ser usado como navio hospital, e tem grande capacidade de purificar água, deixando os 3 Nakassar para uso dos fuzileiros, tendo 3 navios desses, teremos pelo menos um em operação. Patrulhas não vejo problema de ter 3 ou 4 classe diferentes, podemos usar os Amazonas, construindo pelo menos… Read more »

Rogerio Rufini
Visitante

Concordo com o Dalton
Sem mencionar que esses navios, poderiam ser usados sim como navios patrulhas dando suporte a helicopteros, imagina dois desses navios operando cada um 4 helicopteros, cobriria uma area muito grande no caso de um acidente aereo, como foi o caso do Air France

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Para quebrar o galho, 5 fragatas Incheon batch III. Pra ficar “perfeito”, 8 unidades. 😉
.
Não custa nada sonhar (ainda)….

Juarez
Visitante
Juarez

Pois é, daqui a pouco a “senhora realidade” bate na porta, e todo mundo acorda, que vai ser votada a PEC do limite do gasto público, teremos um rombo de 170 bi este ano, de 130 bi em 201, e os caras sonhando, tá bom, quando o Papai Noel me avisem.

G abraço

João Bosco
Visitante
João Bosco

Onde há fumaça, há fogo, como dizia um velho ditado…..

Dalton
Visitante

Oi Rufini ! Se você pesquisar verá que os alemães tem retirado de serviço seus navios com 30 anos ou pouco mais, portanto ,quando você escreve que eles poderão começar a retirar de serviço as “123” a partir de 2024 seu palpite está correto…o problema é que a marinha brasileira já declarou que não quer navios de 30 anos ! . Voltando um pouco no tempo, temos as fragatas classe “Garcia” adquiridas dos EUA no fim dos anos 80 com em média 21 anos, as T-22s adquiridas dos britânicos nos anos 90 com em média 15 anos e há outros… Read more »

camargoer"
Visitante

Olá Dalton, quando pensamos que um navio com 30 anos teria algum custo para ser adequado para a MB para operar por mais 10 ou 15 anos, não parece ser uma boa decisão. Por outro lado, a aquisição de um pequeno número de escoltas novas nos próximos dez anos resolveria o problema pelos próximo 30 ou 40 anos. Talvez a melhor solução nestes tempos de orçamentos apertados seja por algumas escoltas mais simples agora mas que permitam a instalação de módulos mais sofisticados logo em seus primeiros períodos de manutenção programada. Por exemplo, uma FREMM custa cerca de 700 milhões… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

kfir 1 de outubro de 2016 at 10:05
Errado, Korea do Sul utiliza aço da Korea do Sul, Posco !

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Juarez 1 de outubro de 2016 at 20:23
Errado !
Nesta semana foi divulgado relatório: 2017 déficit de R$ 230/250 Bi
Quebramos Amigo, estamos avisando isso aqui há anos !
Nossa geração, minha e a sua, a dos meus Filhos também …. Já eram !
Shaná Tová
5777

kfir
Visitante
kfir

Carlos Alberto Soares-Israel

shaná tová obrigado por me responder…

carvalho2008
Visitante

O quanto um Makassar representa a mais de custo sobre uma Amazonas Class por exemplo? Alguem sabe ou tem ideia de uma proporção percentual??

camargoer"
Visitante

Olá Carvalho, encontrei alguns valores na internet… cada Makassar custa entre 40 e 45 milhoes de dólares; as 3 Amazonas foram adquiridas por 133 milhoes de libras, ou 55 milhões de dólares. Mas são embarcaçoes de classes muito diferentes. Não sei se dá para comparar diretamente um com o outro. O que acha?

Juarez
Visitante
Juarez

O dia que um navio do porte do Makassar custar 50 milhões de dólares eu troco de nome, qualquer um sabe esta conta não fecha. Se for o casco oco só motorização pode ser e olhe lá, agora com sistema combate, radarização, sistema de defesa, sistemas de EW nem a pau Juvenau, nem com trabalho escravo Chinês na base do chicote.

G abraço

carvalho2008
Visitante

Opa….me expressei mal….
.
Minha pergunta é sobre CUSTO OPERACIONAL….
.
Quanto ele deve custar a mais OPERACIONALMENTE frente a uma Amazonas….

MO
Membro

Carvalho meu Mestre, me diga, pq O amazonas seria UMA amazonas ??

camargoer"
Visitante

Olá Carvalho… riso.. agora ficou complicado. Ficar cavando a internet para encontrar noticias antigas, blogs, até notas oficiais é uma coisa. Demanda tempo e talvez alguma memória. Agora custo operacional teria que conversar com alguém da MB. Por outro lado, um amazonas tem uma tripulação de cerca de 80 pessoas, enquanto que o makassar é da ordem de 120. O amazonas desloca 1700 ton e o outro umas 9000 ton, Usando os dados da brochura dos motores, o amazonas tem 11 MW de propulsão instalado e o makassar tem 4 MW. Como o amazonas tem uma tripulação menor e menor… Read more »

carvalho2008
Visitante

Ops desculpa aí metstre MO …O AMAZONAS….rzrzrz

MO
Membro

🙂

carvalho2008
Visitante

Eis a questão, trabalhando vazio de cargas tem umas 7500 ton padrão de deslocamento, ao tempo que seu grupo motor é bem econômico, menor que o de um Amazonas class.
.
Lógico é bem mais lento mas para interceptações de maiores velocidades e abordagens ele poderia sem problemas utilizar algo como uma LPR 40 oceânica e com aquele convoo, UAV ou little bird.
.
Poderia executar NapaOc de boa qualidade sem exceder custos

carvalho2008
Visitante

Um mini CAM

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

O que o Juarez escreve, não se deve levar a sério, ok?! É só brincadeira dele, este fanfarrão, rsrsrs Jura, a muito tu vem dizendo que mudaria de nome por este, ou aquele motivo, até me lembro o nome (Maria José), rsrsrs Então é bom se encaminhar para o Cartório ainda hoje. (é brincadeira, não pegue corda, 😉 ) – Falando sério……… em 2004 a Indonésia contratou a construção de 04 (dois produzidos na Coréia do Sul e os outros na Indonésia) navios por US$ 150 milhões de dólares. Já os peruanos compraram dois, ambos em produção pelo SIMA (em… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes
Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Comentário retido na moderação (links da Classe Makassar na Wikipedia e Naval Technology).

carvalho2008
Visitante

Um Makassar com AH-6 Little Bird seria bem economico….
http://www.americanspecialops.com/images/photos/night-stalkers/ah-6-carrier.jpg
Ou ainda os Fennec AS555

carvalho2008
Visitante

Foto do Fennec AS 555N com radar….opção barata com cara de GC…
comment image