Home Indústria Naval Brasil planeja construir novo navio-patrulha NPa 500T-BR

Brasil planeja construir novo navio-patrulha NPa 500T-BR

13940
188

npa-500t-br

O Jane’s noticiou que o Centro de Projetos de Navios (CPN) da Marinha do Brasil concluiu o desenvolvimento preliminar da classe de navio de patrulha costeira de 500 toneladas NPa 500T-BR, segundo informação da empresa estatal Emgepron (Empresa Gerencial de Projetos Navais).

O CPN agora vai refinar o conceito até meados de 2017, e em seguida um contrato para desenvolver ainda mais o projeto será discutido. O contrato de projeto do NPA 500T-BR foi fechado pela Emgepron com o CPN em 10 de Abril de 2015, segundo a empresa.

A Emgepron está à procura de financiamento público ou privado para fazer uma licitação para a construção de um navio que será operado pela Marinha do Brasil. Um design comprovado, assim, permitirá que a empresa eventualmente busque contratos de exportação para o navio.

188
Deixe um comentário

avatar
181 Comment threads
7 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
54 Comment authors
oganzaIvanOganzaRC-FN 3158MO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Osvaldo Marcilio Junior
Visitante
Osvaldo Marcilio Junior

Do jeito que andam as coisas em “2070” ela esta pronta!!

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Sempre inventando a roda. Já finalizaram as classe Macaé, desde 2009 em construção? E a licença da BAE Systems para construir mais unidades da classe Amazonas? Vão ficar nas 3 mesmo?

Fabio Aguiar
Visitante
Fabio Aguiar

Planejam, pensam, falam, mas não fazem!

Jorge Costi Knoll
Visitante
Jorge Costi Knoll

Osvaldo Junior!
És otimistas.
Sonhar não é proibido, mas realizá-lo é quase impossível, na situação de penúria que a MB vive,

Leo Barreiro
Visitante

Senhores

Por favor, sabem com vai ficar os navios inacabados daquele estaleiro que faliu?

DK
Visitante
DK

Mais um projéto… enfim, no papel e no sonho dos estrelados da MB pode tudo…

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

Planejam, planejam, planejam… não entregaram todas as Inhaúma que planejaram. Não entregaram todas as Barroso que planejaram. Não entregaram todos os NaPA de 500 toneladas da classe Macaé que prometeram, e agora vem com mais um. Já “planejaram” outra classe de navios patrulha diferente dos da Amazonas, “planejam” um porta-aviões, um submarino nuclear e vamos levando…

Jodreski
Visitante
Jodreski

Só acredito vendo! Simples assim! Se construído, e se for em solo brasileiro, quantos anos os senhores chutam de construção? 15 anos? 20 anos? Nunca terminado? E ai quem dá mais?

Adam
Visitante
Adam

Ainda estou esperando o Marinha terminar o planejamento do primeiro Helicarrier brasileiro. Finalmente poderemos competir com a SHIELD.

Carlos Menk
Visitante

De projeto em projeto nossa marinha vai ficando no porto…..

Felipe Silva
Visitante

Ai, ai. Essa MB dá até preguiça….

IDN
Visitante
IDN

Pra que gastar dinheiro com isso? Nunca vamos ser uma Marinha de guerra mesmo…

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Com este são 4 ou 5 tipos de patrulhas diferentes , e nada de navio de linha , a Marinha do Brasil se transforma em Guarda Costeira e todos sabem que Dirigíveis seriam melhores e mais baratos na Patrulha de Grandes Áreas , porém aí a FAB se intrometeria dizendo , então isto é comigo!

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Em 1967 o Presidente Costa e Silva começou um Programa de Reaparelhamento das Marinhas Mercante e Militar , em uma viagem declarou que o Programa seria continuo , durante alguns anos realmente tudo acontecia dentro do planejado, depois de 1985 as coisas continuaram já um tanto arrastadas e deixamos de ser o Segundo Construtor Naval , já com o PT as coisas passaram ser apenas Propaganda , tudo foi feito sem nenhum planejamento sério , tirando o Prosub , que também começa a se arrastar , tudo era feito no Chute ou no Bom ou Mal Humor de cada dia… Read more »

ANTONIO ASSUMPÇAO
Visitante

ESTAO NERVOSOS
SEMPRE VI “PAULINHOS” BEM TRANQUILOS

Norberto
Visitante
Norberto

é incrível o péssimo humor de alguns comentaristas. sempre assim: daqui 100 anos, 200 anos fica pronto. Vamos impulsionar nosso país ao menos apoiando, já que arregaçar as mangas e fazer, é ouuuuutra coisa.
Parabéns à inciativa de se fazer um novo navio moderno. eu apoio e não tô a fim de brigas online.
Valeu pela reportagem Galante.

Glasquis 7
Visitante

Dá até raiva. Todo ano a MB anuncia que vai construir algo novo e não terminam nada. Além do mais, não consegue manter o pouco que tem e quer inventar de construir novo, de novo.
Acho que alguém na MB precisa dar uma olhada pela janela e ver a situação atual da frota.

Celso
Visitante
Celso

Sem gdes expectativas……..estas cabecas pensantes do governo e da MB, parece q la estao sempre pra colocar em dia informacoes para deleite do publico e tbm dos aficionados. O q ai esta comentado pelos colegas eh o perfeito retrato do credito q se deve dar a mais esta info………..lixo.

Seal
Visitante

Enquanto a MB pensa em construir um NPa de 500ton, a Marinha do Peru já pensa lançar agora em Novembro seu novíssimo LPD. http://www.janes.com/article/64603/peruvian-navy-awaits-launch-of-first-new-lpd-in-november-2016

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Leo Barreiro 14 de outubro de 2016 at 8:25
___________________

EISA ! Vão continuar jogados lá ! No tenemos plata.
___________________

Sinônimos de FANTASIA:
Ilusão:
utopia, veleidade, faz-de-conta, ideia, sonho, delírio, quimera, ilusão, ficção, devaneio, desvario, capricho.
Excentricidade:
excentricidade, extravagância, esquisitice, capricho.
Aparição sobrenatural:
fantasma, assombração, aparição, visão.
____________________

Fazoseguinte MB:
Primeiro consiga manter o que vocês tem !

Glasquis 7
Visitante

Seal,

a Marinha do Peru já pensa lançar agora em Novembro seu novíssimo LPD.

O peru não tem lá muito do que se orgulhar frente à MB. Esses Makassar estão pelados. Acho que nem os radares vieram.

Matheus
Visitante
Matheus

Porque não seguem o exemplo do Exército e sejam “pés no chão”.

Exercito é decente por isso, os caras querem ser Usain Bolt antes de aprender a andar.

Não quer dizer que eu não apoie, espero que saia.

Gustavo Krepke
Visitante

Realmente…sem dinheiro a MB só pode é falar e sonhar

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

São tão pelados quantos os nosso Patrulheiros , em caso de conflito devem correr para os Portos , os três oceânicos testaram um DRONE/VANT que seriam ideais pra suas operações , mas ficaram só nos testes !!

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

O que ninguém comentou é que a MB gasta um bom dinheiro (milhões de reais) com a Emgepron e seus projetos inúteis. E ainda terceiriza uma parte do projeto, pois nem disso a Emgepron dá conta.
.
Com o dinheiro que ela gasta com novos projetos, daria, no mínimo, para terminar as Macaés que estão no EISA.
.
Alimentar boquinhas é preciso. Navegar não é preciso.

Mauricio R.
Visitante

Já li que os sul coreanos subdividem o pacote, são contratos em separado pra o casco, propulsão, sistemas de armas, etc…

wwolf22
Visitante
wwolf22

por que nao utilizar uma plataforma de petróleo (adaptada ao uso militar) que esteja sem uso/abandonada por ai numas dessas empresas falidas?!?! presença fixa… poderia servir para reabastecer os navios, helis, … por que nao ??

Diogo de Araujo Carvalho
Visitante

O Brasil planeja! Sem mais!

Celso Reis
Visitante
Celso Reis

A marinha mais poderosa do mundo em projetos. Cada reunião para acertar detalhes e assinar papéis que não tem valor algum já pagariam minhas férias.

Glasquis 7
Visitante

E assim, de devaneio em devaneio e de delírio em delírio, a MB vai se acabando.
Será que é tão difícil manter o foco naquilo que já existe e pô-lo pra funcionar? Existem marinhas que trabalham muito bem com orçamentos muito menores.
Acho que falta compromisso com as obrigações que a própria MB tem com o Brasil.

SG-AM Aurelio
Visitante
SG-AM Aurelio

Acho o “O” nossa marinha, minuscula mesmo, pois tanto planeja, observa, projeta discutir, visita, só não compra e nada produz, é o “O” repito, mas torso por essa minaha mãe gentil

Bardini
Visitante
carvalho2008
Visitante

Quais seriam as diferenças deste novo projeto sobre os macaes?

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Não sei por que desse espanto. Esse projeto não é tão novo, ele partiu da Macaé corrigindo algumas deficiências delas que foram identificadas durante sua operação, tanto que ele era chamado de Macaé-Mod. Isto é muito normal e até correto já que previsão é de 30 NaPa 500ton. Ou seja, temos três operativas e cinco iniciadas, construção parada. Ou seja, das 30 sobram 22 a iniciar construção. Se foram identificadas deficiências nas três operativas vamos continuar construindo com essas deficiências. Parabéns para a Emgepron, parabéns para a Marinha.

Bardini
Visitante

carvalho2008 14 de outubro de 2016 at 17:42
.
Acho que o questionamento que cabe é: pq estão projetando outra classe, os Macaés já não são um projeto novo, cujo qual pretendia-se encomendar as dezenas?

Juarez
Visitante
Juarez

Eu iria comentar, mas no fim, achei desnecessário.

G abraço

_RR_
Visitante
_RR_

Bardini ( 14 de outubro de 2016 at 16:43 );
.
Interessantíssimo…
.
Hoje, se constrói no Brasil navios AHTS. E entendo que estes podem muito bem resultar em NaPaOc, com algumas modificações. Aliás, dadas as características desse tipo de navio, pode-se ter daí derivados para SAR, reboque oceânico, suporte logístico…
.
Usar o que o meio privado no Brasil oferece, mesmo que seja pouco, é o caminho mais lógico…
.
Só um exemplo, a “série” de “Skandi” ( desenho VARD AH-11 ):
.
http://www.dofbrasil.com/Files/Images/Vessels/Images/Skandi_Angra_web02.jpg
.
http://www.revistafatorbrasil.com.br/imagens/fotos2/skandi_urca

_RR_
Visitante
_RR_

Bardini,
.
Interessantíssimo.
.
Hoje, se constrói no Brasil navios AHTS que podem muito bem resultar em NaPaOc, com algumas modificações. Aliás, dada a performance desse tipo de navio, pode-se ter aí derivados para SAR, reboque oceânico, suporte logístico…
.
Só um exemplo do que se faz hoje por aqui:
.
Desenho VARD AH-11.
.
ttp://i2.wp.com/gcaptain.com/wp-content/uploads/2015/05/Skandi_Urca_web02.jpg
ttp://www.revistafatorbrasil.com.br/imagens/fotos2/skandi_urca

Matheus de Oliveira
Visitante
Matheus de Oliveira

O meu maior medo é um dia precisarmos de um poder bélico decente e não termos, são com projetos assim de pequeno porte que nos possibilitaria a independência tecnológica, hoje começa com navios patrulha e corvetas, amanhã fragatas, submarinos e depois os destroyers, PAs e submarinos nucleares, mas não aqui no Brasil queremos tudo na hora, na maciota tudo mastigado, dizemos que o pré-sal vai possibilitar uma maior carga de investimentos na saúde e educação, tá mas e os meios necessários para proteger esse pré-sal da cobiça estrangeira? Não temos, eu temo para o dia em que meus futuros netos… Read more »

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados,

Quando a MB, a FAB ou o EB encomendam a construção de um meio sob licença de um fabricante internacional, tem que pagar uma cota para esse projetista internacional. Isso ocorre no mundo todo.

Dessa forma, para cada Macae construída, a MB precisa pagar para a CMN uma quantia pela fabricação sob licença.

Quando o projeto é do CPN (E não dá EMGEPRON que não projeta nada) não há necessidade desse pagamento.

Abraços

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Àdson, o problema é a MB selecionar um navio ultrapassado, pagar por isso, construir alguns e descobrir que precisa de modificações. Bela seleção essa, não?
.
Enquanto isso, Chile, Colômbia e Peru seguem construindo seus navios, associados a estaleiros internacionais conceituados.

Glasquis 7
Visitante

Rafael Oliveira

“Enquanto isso, Chile, Colômbia e Peru seguem construindo seus navios, associados a estaleiros internacionais conceituados.”

Apenas o peru com seus Makassar, a Colômbia através de COTEMAR e o Chile através de ASMAR constroem seus patrulheiros OPV 80 com projetos que compraram da FASSMER mas a construção é independente.

Pelo menos é isso que tenho entendido

Bardini
Visitante

Luiz Monteiro,
.
Isso explica o caso do novo projeto.

Alexandre Neves
Visitante
Alexandre Neves

Manter a capacidade de projetar meios navais requer que a empresa mantenha seus engenheiros constantemente desenvolvidos com novos projetos e atualizações. Acho valido a insistência da marinha em desenvolver a capacidade técnica para termos independência tecnológica nos projetos básicos. Escolhemos ter uma empresa de gerenciamento de projetos navais, nada mais normal que empresa cumpra sua função, mesmo que os projetos não sejam viáveis neste momento. Eles precisam se qualificar para temos a capacidade no futuro. Concordo que é difícil entender as prioridades da marinha, porem o investimento em projetos pode nos capacitar para que no futuro possamos ter independência tecnológica… Read more »

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Quanto aos 3 navios patrulha que estavam em construção no EISA, não existe dívida da MB para com o estaleiro, os pagamentos foram realizados enquanto a construção era feita.

A MB aguarda decisão judicial para dar continuidade à construção das 3 unidades

Abraços

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Rafael Oliveira,
Além do fato sitado por Luiz Monteiro que é verdade, uma nova classe sempre tem algo que só o pessoal que esta na faina constata. O projeto não é ultrapassado até porque é um NaPa e não um vaso de guerra.

Madmax
Visitante
Madmax

Enquanto isso o palmeiras segue sem mundial.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Glasquis 7, Na verdade, não se compra o projeto. Se paga para construir sob licença um determinado meio. Por exemplo, um país compra o direito para construir 3 navios de uma determinada classe por 30 milhões de dólares. Ou seja, 10 milhões por navio. Conforme constrói cada unidade, paga 10 milhões. O momento do pagamento pode variar. Caso queira construir mais unidades além dos 3 inicialmente previstos, renegociara o direito de construção e pagará por cada novo navio construído. O acordo feito entre o estaleiro alemão e o Chile e Colômbia, foi oferecido a MB. É nesses moldes. Abraços

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Glaquis7 e Ádson, . Eu usei associado para dizer que os projetos eram de estaleiros renomados (Fassmer e Daewoo) e que estes estaleiros treinaram ao menos parte do pessoal dos estaleiros SIMA, COTECMAR e ASMAR, além de prestarem consultoria. . Se o projeto é apenas uma evolução da Macaé, duvido que não continue pagando royalties para a CMN. E, mais ainda, duvido que projetar um navio do zero não saia mais caro do que pagar os royalties. . Precisa levar o pessoal da faina para avaliar o navio antes de comprar, então. É um navio de patrulha, não é de… Read more »

Bardini
Visitante

_RR_ 14 de outubro de 2016 at 18:07
.
O CPN tem um projeto muito parecido com o francês, a questão é que a MB não tem o “faz me rir” sobrando para tirar a coisa da prancheta.
.
A respeito da VARD, os caras tem coisa boa no portfólio, inclusive OPVs. O USCG garante a qualidade: https://www.uscg.mil/acquisition/opc/pdf/OPC%20Placemat%2036×24.pdf