terça-feira, dezembro 7, 2021

Saab Naval

Romênia lança aquisição de corvetas, de olho em ‘offset’ ​​para modernizar fragatas

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Fragata romena Regele Ferdinand, ex-HMS Coventry

Por Jaroslaw Adamowski

Varsóvia, Polônia – O Ministério da Defesa da Romênia iniciou o tão aguardado procedimento para comprar quatro novas corvetas para a sua Marinha para aumentar a sua presença no Mar Negro.

De acordo com o plano, o primeiro navio será construído no prazo máximo de três anos. Toda a aquisição deve ser concluída dentro de sete anos, de acordo com a documentação divulgada.

A aquisição é dividida em três etapas: qualificação, diálogo e avaliação das ofertas apresentadas.

“A fase de qualificação ocorrerá durante um período de 56 dias corridos após a data de publicação do convite à participação”, de acordo com a documentação, datada de 26 de fevereiro de 2018.

O navio deve ser habilitado com um deslocamento de pelo menos 1.600 toneladas. A aquisição é estimada em 1,6 bilhão de euros (US$ 2 bilhões).

O ministro da Defesa da Romênia, Mihai Fifor, disse que o acordo de compensação (offset) planejado deve ser usado para modernizar duas fragatas classe “Broadsword” (Type 22 Batch 2) operadas pela Marinha do país.

“Queremos retornar para a indústria de defesa doméstica tanto quanto possível”, disse Fifor à agência de notícias local Agerpres, próximo dos 2 por cento (do produto interno bruto gasto anualmente nos militares)”.

Um projeto de lei para adquirir as corvetas foi aprovado em fevereiro pelo parlamento do país. A legislação estabelece que o contratado selecionado deve possuir um estaleiro na Romênia, que está localizado no mar Mar Negro e/ou no rio Danúbio, e deve ser operado por uma entidade baseada em um Estado membro da União Europeia ou da OTAN. Isto significa que o único participante admissível do contrato é o construtor holandês Damen Shipyards Group, que possui uma instalação em Galati, no leste da Romênia.

FONTE: Defense News

- Advertisement -

9 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bardini
PauloR

Acho que ate uma fragata de brinquedo é mais armada do que esse navio romeno

Otto Lima

A título de informação, a Forţele Navale Române já havia feito uma concorrência em 2016 e decidido justamente pela construção de quatro unidades da Classe Sigma no Șantierul Naval Galați, filial romena do Damen Shipyard. O que mudou nessa nova concorrência foi a basicamente a inclusão de cláusulas de offset para a modernização das fragatas Type 22 Batch 3 “Regele Ferdinand” e “Regina Maria”.

Otto Lima

ERRATA: onde está escrito “Batch 3”, lê-se “Batch 2”. Grato pela compreensão.

ifgs

Essas fragatas romenas são de um lote posterior às T22 brasileiras, mas assim como estas, não foram construídas com canhões de calibre superior a 20mm. Parece que esse canhão de 76mm que a Regele Ferdinand exibe hoje foi instalado pouco antes da entrega a Romênia. Eu me pergunto se em algum momento foi cogitado instalar esse tipo de armamento nas T22 brasileiras.

Nunão

Sim, foi cogitado, mas o custo dessa e outras modificações cotadas para modernização foi considerado caro pela MB, face o tempo previsto de utilização dos navios.

Walfrido Strobel

Quando li que a Romênia iria comprar navio imaginei logo a Damen, esta unidade deve estar subutilizada, pois a Damen da Holanda repassou a ela as seções que caberiam a ela produzir dos dois primeiros navios fragatas da Marinha da Indonésia, que pelo contrato teria seções feitas pela Damen e outras feitas pela estatal PT-PAL da Indonésia. Me parece que a partir do terceiro agora em construção todas as seções serão feitas na Indonésia, o contrato preve a licença para 10 fragatas, mas a Indonésia não sabe se construirá todas ou vai parar na sexta. . Foram divulgadas esta semana… Read more »

Otto Lima

Fragatas e corvetas Classe Sigma, NDDs Classe Makassar, submarinos U-209… Interessante notar a evolução da construção de navios de guerra na Indonésia, com aquisição de tecnologia estrangeira. Espero que o Brasil saia logo desse hiato e saiba fazer o mesmo com os submarinos Classe Riachuelo e as escoltas Classe Tamandaré.

Wagner

Se a Vishny Voloschek meter um Kalibr nessas fragatas romenas, elas tem como se defender ?

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

FILME: The Final Countdown – Nimitz volta ao inferno

Muito antes de 'Top Gun', o F-14 Tomcat já fazia sucesso no cinema The Final Countdown (no Brasil, Nimitz volta ao...
- Advertisement -