Home História Naval A história do Porta-Helicópteros HMS Ocean, agora PHM Atlântico

A história do Porta-Helicópteros HMS Ocean, agora PHM Atlântico

13381
51
O HMS Ocean operou com vários tipos de helicópteros durante seu serviço na Royal Navy
O HMS Ocean durante operação na Royal Navy

O conceito e a história do navio que serviu a Royal Navy por 20 anos e inicia nova vida na Marinha do Brasil

Por Alexandre Galante

Os Royal Marines britânicos foram pioneiros no uso de helicópteros para operações anfíbias logo após a Segunda Guerra Mundial. O papel do policiamento imperial precisava do pouso relativamente rápido de um pequeno número de tropas, e o desdobramento via helicóptero parecia a solução ideal.

A Marinha Real Britânica teve a sorte de dispor de um grande número de porta-aviões leves após a Segunda Guerra Mundial que poderiam ser convertidos para essa nova missão.

A primeira dessas conversões foi um HMS Ocean anterior, da classe “Colossus”, que teve ação durante a intervenção de Suez em 1956.

Esta operação marcou a primeira vez que as táticas de guerra anfíbia de envolvimento vertical foram usadas durante o combate real.

Durante as décadas de 1960 e 1970, uma sucessão de porta-aviões foi designada para esse papel. O último da linhagem, HMS Hermes, foi retirado do serviço em 1985 e vendido para a Índia.

Westland Whirlwind decolando do navio-aeródromo HMS Ocean (R68) durante a crise de Suez, em 1956
Westland Whirlwind decolando do navio-aeródromo HMS Ocean (R68) durante a crise de Suez, em 1956
HMS Theseus (R64) com helicópteros durante a Crise de Suez, em 1956
HMS Theseus (R64) com helicópteros durante a Crise de Suez, em 1956
HMS Ocean (R68), da classe Colossus
HMS Ocean (R68), da classe Colossus

Lacuna de capacidade

A venda do HMS Hermes deixou uma séria lacuna na capacidade da Royal Navy.

Um novo porta-helicópteros, então designado como Aviation Support Ship, foi proposto, mas imediatamente se tornou assunto de pressões orçamentárias e provocou disputas políticas internas. Oficiais do Tesouro alegaram que o navio de treinamento de helicópteros RFA Argus e os navios mercantes, especialmente de transporte de veículos, retirados da atividade comercial, poderiam preencher a lacuna.

A Força Aérea Real (RAF) alegou que os navios anfíbios eram completamente desnecessários, e que as aeronaves baseadas em terra poderiam realizar as funções de transporte e desdobramento necessárias.

Como resultado, o planejamento para o Aviation Support Ship foi mínimo até 1991.

Enquanto isso, o envio de tropas britânicas para a Arábia Saudita respondeu a muitas questões.

RFA Argus
RFA Argus

O uso de navios civis para transportar blindados pesados mostrou-se impraticável. Foi relatado que o convés de um navio entrou em colapso sob o peso de um tanque Challenger.

Embora o RFA Argus tenha sido desdobrado no Golfo, muitas demandas foram colocadas em suas capacidades exclusivas que não estavam disponíveis para fins de transporte.

O desdobramento também revelou que as aeronaves de transporte baseadas em terra não poderiam substituir os movimentos a partir do mar. Como exemplo, noventa por cento do material para a Operação Desert Shield/Desert Storm foi transportado por via marítima.

Proposta de conversão do MV Contender Ardent em porta-helicópteros
Proposta de conversão do MV Contender Argent em porta-helicópteros, de 1987

Iniciado e cancelado

Como resultado, a Marinha Real Britânica ganhou a batalha por seu navio de apoio à aviação. O nome do projeto foi mudado às pressas para LPH (de Amphibious Transport Personnel Helicopter).

A Marinha Real Britânica concedeu contratos de definição de projetos para o sistema de comando e reestruturou suas forças anfíbias para explorar plenamente as capacidades do novo navio. No entanto, outros cortes de defesa colocaram em risco o programa.

A Força Aérea Real ainda estava determinada a matar qualquer navio da Marinha Real com um convés de voo, e o Exército Britânico sugeria que poderia assumir a função anfíbia sem usar navios especializados.

Em um ambiente sem folga orçamentária esses argumentos prevaleceram, e o programa do LPH foi cancelado em 25 de janeiro de 1993.

Esta decisão forçou a Royal Navy a buscar outras possibilidades para cumprir o papel de LPH. Uma proposta foi a conversão do porta-aviões HMS Illustrious, passando por sua primeira atualização de meia-idade.

No entanto, isso se mostrou impraticável – o envolvimento britânico na Guerra da Bósnia estava aumentando, ressaltando a importância da função LPH.

Nenhum dos dois navios com capacidade aérea desdobrados na área (RFA Argus e HMS Ark Royal) poderia fornecer as funções de suporte necessárias, enquanto os perigos de depender do transporte aéreo baseado em terra eram nitidamente ilustrados pela derrubada de um G222 da Força Aérea Italiana e o disparo de vários tiros nos aviões de transporte Hercules da RAF.

Porta-aviões HMS Illustrious operando como porta-helicópteros
Porta-aviões HMS Illustrious operando como porta-helicópteros

Um novo começo

Em fevereiro de 1993, o cancelamento da exigência do LPH foi formalmente revertido, e o programa recebeu alta prioridade.

A Marinha Real solicitou propostas dos estaleiros VSEL e Swan Hunter para uma encomenda marcada para outubro de 1993. Finalmente, em 11 de maio de 1993, o contrato foi adjudicado ao VSEL, em parceria com Kvaerner Govan, após uma disputa acirrada com o rival Swan. O fator decisivo na concessão do contrato de £154 milhões (equivalentes a £288 milhões de 2016) para o consórcio VSEL plc para o novo LPH da Marinha Real foi que sua oferta era cerca de £71 milhões menor do que a proposta do Swan Hunter. O preço do navio era comparável ao de uma fragata Type 23.

A oferta foi tão atraente, na verdade, que o tempo permitido para avaliar as ofertas foi drasticamente reduzido, e o navio foi encomendado cerca de seis meses antes do inicialmente previsto. A oferta VSEL/Kvaerner Govan também foi mais compatível com as especificações da Royal Navy. Seu design usava a forma básica do casco dos porta-aviões da classe “Invincible”, mas na verdade foi construído de acordo com os padrões dos navios mercantes, com um design que imitava efetivamente um grande navio mercante com o acréscimo de um convés de voo e equipamentos militares.

A proposta do Swan Hunter exigia um navio construído de acordo com os padrões de navios de guerra.

Enquanto isso teria limitado sua capacidade interna, o navio teria sido mais robusto e (pelo menos teoricamente) e com maior capacidade de suportar danos de combate. Imediatamente após a encomenda ter sido feita, a Royal Navy anunciou que o novo LPH seria batizado HMS Ocean em homenagem ao primeiro LPH operacional do mundo.

A doutrina operacional apresentava o novo HMS Ocean como uma base aérea de retaguarda, mantendo um padrão a cerca de 100 milhas da cena de operações.

Os dois novos navios do tipo LPD (Landing Platform Dock), da futura classe “Albion”, seriam desdobrados mais próximos do local de maior engajamento e atuariam como postos de preparo avançados dos helicópteros do LPH. Os convites para licitação para estes pedidos de LPD foram emitidos em 1994, com a expectativa de que as encomendas seriam feitas até o final de 1995.

HMS Ocean em construção
HMS Ocean em construção

HMS Ocean em construção

Construir outro?

Em abril de 1994, o Ministério da Defesa anunciou que um segundo LPH classe “Ocean” poderia ser construído. Esta notícia representou um teste para determinar as implicações políticas e econômicas de tal ordem subseqüente.

Os custos de longo prazo de 1995 para a Marinha Real não mostraram provisão para um segundo LPH no financiamento, no entanto. A sugestão de um segundo LPH provavelmente se deveu ao fato de que os fundos para a construção de um navio irmão estavam disponíveis, já que o custo do HMS Ocean estava muito abaixo do orçamento. A revisão final do projeto foi concluída em janeiro de 1995.

Algumas mudanças foram feitas, sendo a mais significativa um aumento de 1 metro na boca na linha d’água – presumivelmente para melhorar a estabilidade – e alguns detalhes a boreste.

Como o HMS Ocean é construído de maneira modular, a data tradicional de batimento de quilha é de pouca importância. O primeiro módulo de casco foi erguido na rampa de lançamento em 30 de março de 1995. Em maio de 1995, três dos oito módulos do casco e 75% da fabricação de aço haviam sido completados, incluindo a seção de proa completa e 1.400 toneladas da seção de popa.

Além disso, o primeiro dos dois motores diesel principais foi entregue, todos os geradores a diesel foram instalados e as rampas de popa instaladas.

Mas uma série de eventos embaraçosos prejudicou o lançamento em novembro de 1995 do novo LPH.

Lançamento do HMS OCean no Kaverner
Lançamento do HMS Ocean no Kvaerner Govan

Parece que os suportes sob o casco desmoronaram durante o lançamento, fazendo com que o casco ficasse preso na metade da rampa.

Depois que o casco foi desalojado, ele desceu fora de controle. O casco foi perfurado e  teve que ser reparado em dique seco em dezembro de 1995. Os reparos foram concluídos até o final de fevereiro de 1996, sugerindo que o dano não foi tão severo quanto se temia.

Este incidente atrasou a conclusão do navio em cerca de três meses. Reparações de aço foram concluídas em setembro de 1996, e os testes finais dos geradores a diesel foram programados para seguir imediatamente.

O acabamento final começou em Barrow-in-Furness em 27 de novembro de 1996. Dois dias antes, o Kvaerner Govan havia entregue o navio ao contratante principal VSEL.

Antes disso, o navio passou por cinco dias de testes do contratante.

HMS Ocean em acabamento após o lançamento ao mar
HMS Ocean em acabamento após o lançamento ao mar

Posteriormente, o LPH realizou uma série adicional de testes, incluindo corridas de milha, durante a jornada de dois dias até Barrow-in-Furness para a cerimônia. No entanto, o Kvaerner não pôde concluir todo o trabalho contratado, e o navio foi entregue com trabalhos não concluídos.

Por volta de março de 1997, foi relatado que o VSEL havia concordado em realizar o trabalho adicional necessário no HMS Ocean.

Isso incluiu a instalação do CIWS Phalanx Mk.15 e quatro canhões gêmeos BMARC de 30mm, bem como melhorias não especificadas nas instalações das tropas embarcadas. O Kvaerner havia embarcado os elevadores de aeronaves para o VSEL, embora os conveses número quatro e abaixo ainda fossem tecnicamente responsabilidade do Kvaerner em fevereiro, quando 140 compartimentos deviam ser inspecionados.

Durante os testes de estaleiro na Escócia, em abril de 1998, o hélice de bombordo do navio atingiu uma linha da costa, resultando em danos ao hélice, ao eixo e à engrenagem redutora. Consequentemente, o navio teve que retornar ao porto usando apenas seu hélice de boreste. O incidente significou outro atraso no comissionamento deste navio enquanto ele estava atracado para reparos no sul da Inglaterra.

O navio foi finalmente comissionado em 30 de setembro de 1998.

HMS Ocean com helicópteros Lynx e Sea King

Um navio bem-sucedido

A sorte do navio parece ter mudado depois da incorporação. Durante seu cruzeiro de comissionamento, o HMS Ocean estava perto o suficiente para permitir que a tripulação fornecesse alívio de desastre nas Índias Ocidentais após um furacão particularmente devastador, e ganhou muita publicidade valiosa no processo.

Mais tarde, o navio foi fundamental na Operation Palliser para restaurar a ordem em Serra Leoa e apoiou as operações britânicas no país. Desde então, o HMS Ocean foi empregado em várias outras operações e exercícios e provou ser um ativo bem projetado e valioso. Ele foi enviado ao Oceano Índico para fornecer apoio anfíbio às operações dos EUA no Afeganistão contra o Talibã e os terroristas que eles abrigavam.

Operação Silkman Freetown: comandos dos Royal Marines desembarcam de Sea Kings do HMS Ocean em Serra Leoa, em 13 de novembro de 2000

Em seu retorno da missão, o navio foi entregue nas mãos do estaleiro para uma revisão muito necessária.

Isso implicou melhorias substanciais na instalação dos sistemas C4I do navio e algumas melhorias estruturais. Após a conclusão dos seus reparos, a HMS Ocean partiu de Plymouth, transportando 300 Royal Marines do 40 Commando baseado em Taunton e 400 tripulantes.

O grupo-tarefa anfíbio britânico cresceu consideravelmente com a chegada de muitas unidades e tropas de apoio, formando o maior grupo-tarefa anfíbio do Reino Unido desde a campanha das Malvinas.

Durante o conflito no Iraque em 2003, ele se tornou uma plataforma para 22 helicópteros que formaram um dos principais componentes do ataque ao sul do Iraque (e particularmente à península de Al Faw) nos três primeiros dias da Operação Iraq Freedom. Assim que os desembarques iniciais foram concluídos, o HMS Ocean continuou a fornecer apoio vital às forças terrestres aliadas em terra no Iraque.

Inextricavelmente ligado à campanha terrestre por meio dos esquadrões de helicópteros e dos fuzileiros navais, que já haviam embarcado, o navio manteve uma presença permanente no norte do Golfo. Foi demonstrada a capacidade de realizar operações de voo o tempo todo, enquanto suas embarcações de desembarque patrulhavam os rios no sul do Iraque.

Força-Tarefa de Cinco Nações na Operação Enduring Freedom no Mar de Omã, em 2002
HMS Ocean integrando a Força-Tarefa de cinco nações na Operação Enduring Freedom no Mar de Omã, em 2002

O JCTS

As capacidades do HMS Ocean demonstradas durante a Operação Iraqi Freedom continuaram gerando especulações de que a construção de um navio irmão seria desejável.

Em abril de 2004, houve relatos de que a proposta do Afloat Primary Casualty Receiving Capability (termo britânico para um navio hospital) emergiria como um derivativo significativamente modificado do projeto básico do HMS Ocean.

Se esta rota fosse seguida, o navio manteria a capacidade de uso de emergência como um segundo LPH. Em parte como resultado desta possibilidade, o navio proposto foi renomeado para JCTS (Joint Casualty Treatment Ship).

No entanto, em abril de 2005, foi revelado que o financiamento adequado para o JCTS não estaria disponível no futuro previsível. Sem esse compromisso, seria impossível determinar um cronograma do projeto ou estabelecer um “main gate”. Consequentemente, o projeto foi descontinuado. Isto acabou com qualquer possibilidade da Marinha Real adquirir uma segunda unidade do LPH da classe “Ocean”.

HMS Ocean e HMS Albion
HMS Ocean e HMS Albion

Mais operações e modernizações

No verão de 2006, o navio foi desdobrado como parte da força-tarefa envolvida nos exercícios Aurora na costa leste dos Estados Unidos.

Em 2007, Ocean iniciou seu primeiro longo período de reparos e reequipamento. O trabalho foi realizado pela Devonport Management Limited em sua instalação Devonport Royal Dockyard e durou cerca de 12 meses. Após este período importante de trabalho de manutenção e modernização, o HMS Ocean navegou de Plymouth em 24 de setembro de 2008, para iniciar os testes no mar. Como parte dessa atualização, foi instalada uma unidade de reciclagem de resíduos de pirólise PyTEC.

Em 18 de fevereiro de 2009, o HMS Ocean partiu de Devonport como parte da Operação Taurus 09. Ele se juntou neste desdobramento com o HMS Bulwark (LPD), como a nau capitânia do grupo, que incluiu as fragatas Type 23 HMS Argyll e HMS Somerset e quatro navios da Royal Fleet Auxiliary.

O HMS Ocean com helicópteros Lynx, Apache, Merlin e Chinook
O HMS Ocean com helicópteros Lynx, Apache, Merlin e Chinook

Em junho de 2009, o HMS Ocean participou do exercício Bersama Shield com o HMS Somerset e o RFA Wave Ruler na Península Malaia.

Durante a interrupção das viagens aéreas após a erupção do vulcão Eyjafjallajökull em 2010, o primeiro-ministro Gordon Brown designou o HMS Ocean e outras unidades para resgatar viajantes e pessoal do exército presos no Canal da Mancha na Operação Cunningham.

Em 2010, o navio foi enviado em um desdobramento multifuncional, que começou com o exercício Auriga, na costa leste dos EUA. Depois o navio se deslocou para o Brasil para realizar um exercício com os fuzileiros navais brasileiros.

O HMS Ocean visitando o Rio de Janeiro em 2010
O HMS Ocean visitando o Rio de Janeiro em 2010

O HMS Ocean visitando o Rio de Janeiro em 2010

Depois do exercício no Brasil, o HMS Ocean cruzou o Atlântico para a Nigéria a fim de participar do desfile presidencial “Nigeria at 50” e fornecer treinamento para a Marinha Nigeriana como parte do programa de parceria africano. O navio retornou a Devonport em novembro daquele ano.

Em abril de 2011, o navio foi desdobrado como parte do Grupo-Tarefa da Força de Resposta da RN (RFTG) COUGAR 11. Durante essa operação, ele participou do Exercício Cypriot Lion.

Em maio de 2011, o HMS Ocean foi destacado do posto de trabalho da COUGAR 11 e enviado com helicópteros Apache embarcados para ajudar nas operações na Líbia junto com os helicópteros de ataque a bordo do navio de assalto anfíbio francês Tonnerre.

Esta foi a primeira vez que os helicópteros Apache foram enviados diretamente para a ação a partir de um navio da Marinha Real. Seu grupo inicial de três Apaches foi reforçado por um quarto logo depois, e depois um quinto. O desdobramento incluiu uma grande equipe médica, um sinal da flexibilidade do navio.

Apache e Chinook operando com o HMS Ocean
Apache e Chinook operando com o HMS Ocean
HMS Ocean durante a Operação Ellamy em 2011, na intervenção militar na Líbia
HMS Ocean durante a Operação Ellamy em 2011, na intervenção militar na Líbia

Jogos Olímpicos de 2012

Em 4 de maio de 2012, o navio atracou em Greenwich para se preparar para o seu papel de fornecer apoio logístico, alojamento e um local de pouso de helicópteros durante os Jogos Olímpicos de 2012 em Londres.

De 24 a 28 de maio de 2012, ele visitou Sunderland, seu porto afiliado e fez visitas a outros portos, antes de retornar a Londres em 13 de julho. Após o serviço olímpico, o HMS Ocean retornou ao seu porto de origem da HMNB Devonport para um período programado de manutenção. Enquanto isso, o papel de LPH foi fornecido pelo porta-aviões HMS Illustrious até 2014.

Em 22 de julho de 2014, o HMS Ocean assumiu novamente o papel de porta-helicópteros, depois de uma reforma de 15 meses e £65 milhões, substituindo o HMS Illustrious, que então retornou ao porto de Portsmouth. Como parte do Grupo-Tarefa da Força de Resposta COUGAR 14, o HMS Ocean participou em exercícios ao largo da Albânia e da França.

Em abril de 2015, o navio participou do Exercício Joint Warrior 15-1 ao largo da costa da Escócia, com helicópteros Wildcat pousando nele pela primeira vez.

Helicóptero Wildcat operando com o HMS Ocean
Helicóptero Wildcat operando com o HMS Ocean

O HMS Ocean tornou-se o Flagship (navio-capitânia) da Marinha Real Britânica em junho de 2015. Em dezembro de 2015, ele retornou ao porto após o COUGAR 15, um exercício de guerra anfíbia no Mediterrâneo com a Marinha Francesa.

No final de agosto de 2017, o navio deixou Devonport para o seu desdobramento final, programado para assumir a posição de navio-capitânia do Grupo Marítimo 2 da OTAN no Mediterrâneo. Antes que ele pudesse aliviar o HMS Duncan com o SNMG2, o HMS Ocean foi desviado para ajudar nos esforços de alívio de desastre do furacão Irma no Caribe, e depois do furacão Maria subsequente.

O HMS Ocean foi desativado em 27 de março de 2018 na HMNB Devonport, com a Rainha Elizabeth II participando da cerimônia.

Venda ao Brasil

O jornalista Roberto Lopes noticiou em primeira mão, em março de 2017, que a Royal Navy tinha oferecido o HMS Ocean à Marinha do Brasil.

Em 4 de dezembro de 2017, o Poder Naval noticiava com exclusividade a autorização do Ministério da Defesa para a compra do HMS Ocean pela Marinha do Brasil.

A assinatura do contrato entre o Brasil e o Reino Unido para aquisição do HMS Ocean ocorreu em 19 de Fevereiro de 2018, a bordo do navio.

Adquirido por £ 84 milhões e rebatizado como Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) Atlântico, ele foi reparado e adaptado pelas companhias Babcock e a BAE Systems para a transferência à Marinha do Brasil, realizada em 29 de junho.

O PHM Atlântico com sua tripulação brasileira passou pelo Flag Officer Sea Training (FOST), um programa de treinamento operacional da Royal Navy ministrado por uma dedicada equipe de especialistas da Marinha Real Britânica.

Em 1º de agosto de 2018, o PHM Atlântico iniciou sua viagem com destino ao seu porto sede, no Rio de Janeiro, com escala em Lisboa, Portugal.

HMS Ocean
HMS Ocean – L12 (clique na imagem para ampliar)
PHM Atlântico - A140
PHM Atlântico – A140 (clique na imagem para ampliar)

FONTE: Forecast International/Royal Navy

51
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
29 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
30 Comment authors
MichelGUPPYIgor AlmeidaDaltonJoao Carlos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Front
Visitante
Front

Impossível se conter… Uma “BELONAVE” em todos sentidos ! Respeitemos todas as opiniões em contrário, mas esse navio é imponente ! Parabéns ao Poder Naval por esta minuciosa reportagem de encher os olhos. Quem leu atentamente a reportagem acima, pode perceber que toda ficha de serviço do HMS Ocean, o qualifica agora para realizar um brilhante novo trabalho a serviço da Marinha do Brasil. Merece o título de Navio Capitânia (até que algum dia um novo NAe ocupe o posto que ele agora deterá). O único senão neste momento, é não poder ter o privilégio dos cariocas em vê-lo “desfilar… Read more »

Washington Menezes
Visitante

Não precisa dizer mais nada

Borat
Visitante
Borat

A marinha italiana pretende descomissionar até 2022, 3 lpds classe San Giorgio, o nae V/stol Giuseppe Garibaldi, além de 2 destroyers Durand de la Penne em 2024. Em caso de vitória italiana no contrato das Tamandaré, seria razoável cogitar a aquisição de um desses meios?

india-mike
Visitante
india-mike

São belos navios, os San Giorgio em especial acredito que seriam interessantes pra substituir nossos NDCCs e complementar o Atlântico e Bahia, mas teriam que ser novas unidades como as fabricadas pra Argélia e Qatar, pois os usados são todos muito antigos segundo os parâmetros estabelecidos pela MB para compras de oportunidade (navios com cerca de 20 anos no max).

Eu vejo futuro no entanto para essas naves na Armada Peruana, sobretudo os de la Penne, que num exercício de futurologia meu seriam reclassificados como cruzadores e nomeados Almirante Grau e Aguirre 🙂

Borat
Visitante
Borat

Um dos San Giorgio foi comissionado em 1994

Michel
Visitante
Michel

A MB está atualmente negociando a compra de escoltas de classe Abukuma do Japão. Todos esses navios foram comissionados há mais de 20 anos. Abukuma (DE-229) foi comissionado há quase 30 anos.

Gilbert
Visitante
Gilbert

Agora para o ano que vem é a vez de adquirir um dos RFA Wave

Serigy
Visitante
Serigy

Matéria perfeita e super detalhada! Parabéns ao Poder Naval em especial toda equipe! E com essas fotografias espetaculares ficou sensacional a história deste Gigante dos mares!

Obs: Acho que lê aqui no Poder Naval uma matéria de 2010 que acrescentava um possível oferecimento da Marinha Inglesa, para a compra do navio HMS OCEAN pela MB.

Marcos Campos
Visitante
Marcos Campos

Nossos Fuzileiros Navais estarão bem servidos agora.
Um cenário excelente, 4 dessas embarcações seria o ideal, mas é melhor 1 do que nenhuma.
Parabéns a MB pela aquisição e a página pela matéria.

R_Cordeiro
Visitante
R_Cordeiro

4 PHM? Mais o Bahia. Haja helis pra isso tudo.
Precisamos de escoltas, racionalidade no tamanho do nosso pessoal, afinal mais de 200 mil homens em tempo de paz eh disperdicio de dinheiro. Poderíamos ter grandes centros de treinamentos de soldados em caso de necessidade e manter somente grupos de elite em tempos de paz. Mas aqui é uma zona onde paraquedista fica no Rio, forças especiais em Goiás, toda a frota Naval no Rio e nada no norte, MBT só no sul e nada nas planícies do medio Brasil. A visão estratégica das nossas forças está uns 30 anos atrasadas.

Vicente Roberto De Luca
Visitante
Vicente Roberto De Luca

Galante, boa noite! Estou dobrando a amarração das informações a seguir, por tê-las postadas na matéria publicada no dia 21, o que pode ter sido um equívoco de minha parte. Já que a intenção é ajudar os “fiéis” do site a conhecerem o Atlântico, republico o post, com a devida vênia. Caso tenha sido um excesso, queira me desculpar. Pessoal, boa noite. Repasso as informações recebidas acerca da chegada festiva do PHM ATLÂNTICO às águas do Rio de Janeiro, no próximo sábado. 1. Parada Naval a iniciar às 08 horas e a terminar às 11 horas. 2. A rota da… Read more »

Boiler
Visitante
Boiler

Excelente texto, pena que a mídia geral não tenha o mesmo compromisso e entendimento da matéria…

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

Pois então, a proposta do Ocean e sua respectiva folha de serviço somente reforçam minha tese da aplicação de cascos mercantes multifunção nas para a MB. O Ocean é prova viva da viabilidade Interessante também como os britânicos enfatizam isto sendo a razão de sua altissima mobilização sempre que necessário, em que pese as dificuldades de movimentar um MBT de 62 ton num navio comum que não foi sequer projetado ao adaptado para isto Eu realmente acredito que NapaOc de alta tonelagem ou fragatas pesadas auxiliares poderiam ser desenhadas pensando nisto, além dos próprios anfíbios e Nae multi função O… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Nenhum MBT jamais foi transportado pelo HMS Ocean-NPM Atlântico e jamais será.

Vovozao
Visitante
Vovozao

Só posso parabenizar toda equipe pelo trabalho, desde o começo sempre disse que era a melhor aquisição de oportunidades da MB, desde o Minas Gerais, ( também inglês), e, agora ( daqui a 20 anos) iremos incorporar o Queen Elizabeth, é a tradição. Sei que dificilmente verei, porém, o escrito não morre.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Manutenção cara. Vai ser um desafio mantê-lo operando nos próximos cinco a dez anos. Boa aquisição, levando em conta os helis que a MB já tem, como já tinha os skyhawk antes do A-12. Mas cem milhas náuticas põe o navio bem dentro do alcance de recursos A2/AD – que escoltas AAW ou ASW estarão disponíveis pra defesa? Ademais, que cenários de guerra prospectivos justificaram a aquisição?

Luiz Floriano Alves
Visitante

Interessante a história deste navio. Foi utilizado como base de assistência a catástrofes e a eventos como as olimpíadas de Londres. Também como navio hospital, em parte. Será bem aproveitado se tiver uma destinação de cunho assistencial em tempos de paz. Seria um excelente navio hospital, suprindo deficiências na área da saudê para as populações litorâneas. Mas não podemos esquecer de dota-lo de armas de defesas que foram removidas. Na forma que se acha não pode exercer seu papel principal: a defesa.

Sequim
Visitante
Sequim

Alex Cypriano, com o devido respeito ao seu comentário, então qual o sentido de se ter adquirido o NAeL Minas Gerais à época, já que a MB foi, como continua sendo até hoje, uma força eminentemente de defesa costeira e um “porta-aviões” serve para projeção de poder. Tendo agora o PHM Atlântico, e sendo este um equipamento inegavelmente de ponta, certamente haverá criatividade da MB para adaptá-lo às missões que surgirem. Neste caso, cabe a máxima “É melhor ter e não precisar, que precisar e não ter.” Cordiais saudações.

Saldanha da Gama
Visitante
Saldanha da Gama

Se me permite ” O Exército pode passar cem anos sem ser usado, mas não pode passar um minuto sem estar preparado.” (Rui Barbosa)

Saldanha da Gama
Visitante
Saldanha da Gama

Não me canso de aplaudir e comemorar, mãos em carne viva e o sorriso já engessado de orelha a orelha. Seja muito bem vindo ao seu novo e sagrado lar. Que o recheiem com o que de há de melhor. Puxa, não esperava rusgas entre as 3 forças na GB, pensava que era somente aqui. Salve a gloriosa e histórica Marinha Brasileira e que a população valorize. st4

JJ
Visitante
JJ

Parabéns ao pessoal do PN!
Excelente publicação.

MK48
Visitante
MK48

Bem vindo PHM Atlantico. Euforias a parte, Vamos aos fatos : 1) Um navio que foi projetado dentro de um conceito de forte redução de custos para apoio aos Royal Marines. 2) Basicamente é um navio mercante com um convés para pouso de helicópteros e algumas facilidades para operações anfíbias. 3) Não possui motorização nem compartimentação e nem estrutura de um navio de guerra. 4) Em razão das limitações acima expostas, foi idealizado para , num cenário de conflito, operar a 100 milhas do hot spot. 5) Está totalmente desdentado, sem Phalanx, sem o sistema de proteção contra torpedos e… Read more »

Aerokicker
Visitante
Aerokicker

1) Isso é ótimo pois produziu-se assim um Navio Aeródromo que custa tanto para operar quanto uma fragata. 2) O que é muito útil para uma Marinha sem dinheiro para ficar gastando em navio complexo e caro. 3) O fato de ter sido construído com técnicas aplicadas a carros civis não o torna necessariamente inapto à guerra. Pelo contrário, segundo a ficha corrida na matéria acima ele foi usado em uma série de operações em várias e várias guerras, principalmente aquelas que desatinam a acontecer sempre no Oriente Médio. 4) Navio Aeródromo algum, seja de asa fixa ou asa rotativa,… Read more »

Aerokicker
Visitante
Aerokicker

Por “carros civis”, leia-se “navios civis”.

MK48
Visitante
MK48

Concordo com as suas respostas 1 e 2 , mas apenas em parte com suas observações no item 4 quanto ao fato de porta-aviões ou helicópteros operarem na retaguarda, mas os exemplos de navios que você citou, pertencem a marinhas que possuem excelentes condições materiais de defenderem seus navios capitais. Em todas as operações em que o navio participou sob a bandeira da RN, também estava muito bem protegido, e foi empregado como o planejado da Doutrina. Ocorre que não somos a RN nem a USNavy. Agora para deixar bem claro devido a sua observação “Quem desdenha quer comprar”: Também… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Mk, Não quero te deixar triste não, mas o Atlântico não tem defesa antitorpedo assim como todos os outros navios da MB. – Só para deixar claro aos menos afeitos ao tema, a defesa antitorpedo é basicamente feita por despistadores que imitam o som dos navios ou interfere diretamente com o sonar ativo do torpedo, tentando atrair ou desorientar o dito cujo. Esses despistadores podem ser de diversos tipos: rebocados ou lançáveis (foguetes, morteiros, ar comprimido, etc) ; fixos ou móveis (como minitorpedos); só despistadores ou despistadores/destruidores, etc. Em relação a sistemas antitorpedos hard-kill, que interceptam e destroem os torpedos… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Ops! O MU90 é francês e italiano.

MK48
Visitante
MK48

Oi Bosco ! Boa tarde.

No meu comentário inicial eu disse que o Atlântico não tinha defesa anti-torpedo, mas o Ocean tinha sim e foi retirado, junto com o já famoso Phalanx (rsrsrsrs) quando de sua baixa. Não era um sistema tão sofisticado quanto o utilizado pelos Naes da Classe Nimitz, mas tinha sim.

Abs.

MK48
Visitante
MK48

Bosco, só para complementar minha resposta anterior, seguem abaixo as características do navio quando ainda era HMS Ocean. Pode reparar mais ao final que é listado o sistema de defesa anti-torpedo SSTD. Class and type: Landing Platform Helicopter Displacement: 21,500 t (21,200 long tons; 23,700 short tons)[3] Length: 203.4 m (667 ft)[4] Beam: 35 m (115 ft)[4] Draught: 6.5 m (21 ft)[4] Propulsion: 2x Crossley Pielstick 12 cylinder. Speed: 10 knots (12 mph; 19 km/h) cruise 18 knots (21 mph; 33 km/h) max[5] Range: 8,000 miles (13,000 km)[6] Boats & landing craft carried: 1 Seaboat (Pacific 22 Mk2) 4 ×… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Mk, Mas eu tinha entendido direitinho. Mas você tem certeza que tiraram o SSTD do navio? – Quanto à retirada dos Phalanx, como já havia dito há algum tempo, não acho de todo ruim. O Phalanx é muito bom quando dentro de um contexto que há defesa em camadas. O Ocean não tinha nenhum sistema de defesa hard-kill de camadas (deveria ter tido lançadores do Sea Wolf) mas mesmo assim ainda tava inserido num contexto em que haveriam escoltas bem capazes. No nosso caso, ou melhor, no caso do Atlântico, eu acho que o Phalanx não seria o ideal. O… Read more »

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Hummm…gostei deste sistema russo… parece uma versão submarina de um Bofors MK 110 fragmentando tudo…

Humberto
Visitante
Humberto

Hummm.. vamos lá. 1- Perfeito, concordo 100% 2- O Atlantico é basicamente um navio militar e não mercante, o fato de não possuir redundâncias para aguentar maiores danos, não significa que o mesmo não seja militar. 3- Certo para motorização e compartimentação (creio que exista sim alguma redundância) mas a estrutura é militar. Sensores, elevadores, possibilidade de manutenção dos helis, hospital, facilidade de desembarque de equipamentos mesmo no mar, com certeza o sistema de comunicação (tanto interno como externo) seja bem melhor do que a de um mercante. 4- Não sei se é esta a doutrina, o Atlantic Conveyor (que… Read more »

MK48
Visitante
MK48

Pois é Humberto,

Um dos problemas é que não temos “camadas de escoltas”.

Humberto
Visitante
Humberto

Na minha modesta opinião, colocar fé que um CIWS vai aguentar o tranco em detrimento das camadas de escoltas é quase um suicídio. O CIWS é a última chance de se defender, não pode ser a única.
Obviamente existe uma longa distancia entre o ideal e o possível.

MK48
Visitante
MK48

Concordo 100% Humberto.

Dalton
Visitante
Dalton

O “Phalanx”Block 1B tem capacidade contra alvos assimétricos,
como pequenas e velozes embarcações e aeronaves não tripuladas por exemplo…então…há outras utilidades além de lidar apenas contra aeronaves e mísseis de alto desempenho.
.
Algumas fontes relatam que o “Ocean” possuía 3 de tais armas, mas, pelas fotos, não é o que se vê dada a clara distinção entre o Block 1B e versões anteriores.
.
Se alguém puder confirmar, agradeço desde já !

Bosco
Visitante
Bosco

Dalton,
Não há nenhuma foto onde estão presentes os Block IB. Tudo indica que eles não utilizavam essa versão. Provavelmente utilizavam o Block IA.

Dalton
Visitante
Dalton

Pois é Bosco…e olha que não faltam fontes informando que os 3
Phalanx eram da versão 1B !
abraços

João Adaime
Visitante
João Adaime

Excelente matéria. Agora temos toda a folha corrida do “elemento”.
Parabéns Galante.

Souto.
Visitante
Souto.

Amigos alguém sabe algo sobre a volta do ndcc Mattoso Maia?

Humberto
Visitante
Humberto

Por enquanto não li nada sobre datas, por sinal, estamos na fase do se vai voltar. É uma pena, gosto muito dele.

Humberto
Visitante
Humberto

Por enquanto não li nada sobre datas, por sinal, estamos na fase do se vai voltar. É uma pena, gosto muito dele.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Está próximo a Arraial do Cabo, 1:14 hs

Igor Almeida
Visitante
Igor Almeida

Já tirei até foto. Rs. Estou no IEAPM, Instituto da Marinha aqui na Praia dos Anjos.

Joao Carlos
Visitante
Joao Carlos

Boa história, gostei muito. Parabéns à MB pela bela aquisição.

GUPPY
Visitante
GUPPY

A Fortaleza de Santa Cruz, em Niterói-RJ, deve ser um excelente local para assistir à entrada dos navios na Baía de Guanabara, mas não sei se a Fortaleza estaria aberta ao público principalmente antes de 10h.
O Poder Naval continua dando Show com todas essas matérias sobre o Ocean/Atlântico. Bravo Zulu, PN!