Home Indústria de Defesa China oferece ao mercado míssil balístico antinavio supersônico

China oferece ao mercado míssil balístico antinavio supersônico

11947
120
Míssil balístico antinavio supersônico CM-401 e seu lançador
Míssil balístico antinavio supersônico CM-401 e seu lançador

A China está promovendo um míssil balístico ultra-rápido, considerado o primeiro de seu tipo no mercado internacional, para compradores que buscam uma dissuasão confiável e acessível contra as ameaças do mar.

A China Aerospace Science and Industry Corp (CASIC), a maior fabricante de mísseis do país, lançou o míssil balístico antinavio supersônico CM-401, dizendo que é capaz de fazer ataques rápidos e precisos contra embarcações de médio ou grande porte, ou contra alvos em terra.

Ela disse que a arma usa uma “trajetória quase espacial”, o que significa que voa entre 20 e 100 quilômetros acima da Terra, e que manobra em velocidades hipersônicas durante o voo.

O míssil ascenderá a uma certa altitude até que seu alvo seja adquirido. Em seguida, ele entrará em um mergulho terminal ultra-rápido em direção ao alvo, de acordo com a CASIC.

A empresa disse que o CM-401 possui forte poder destrutivo, boa capacidade de penetração e um mix de trajetórias. Acrescentou que o míssil pode ser montado em várias plataformas, como navios ou veículos de lançamento terrestres.

De acordo com a CASIC, o míssil voa a uma velocidade média de 1.360 metros por segundo – 4.900 quilômetros por hora – ou quatro vezes a velocidade do som, durante a maior parte do voo, e atinge uma velocidade máxima de mais de 2.000 m/s, seis vezes a velocidade do som quando se aproxima do alvo. Ele pode carregar uma ogiva de 290 quilos e tem um alcance máximo de ataque de 290 km e uma taxa de acerto de 90%, o que significa que haverá nove ataques efetivos no alvo em 10 tiros.

Trajetória do CM-401
Trajetória do CM-401

O conglomerado de defesa estatal tornou público o sistema de mísseis na 12ª Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China, realizada recentemente em Zhuhai, província de Guangdong.

Enquanto isso, a China Academy of Launch Vehicle Technology, maior fabricante de foguetes do país, recentemente ofereceu seu míssil balístico antinavio M20B ao mercado internacional.

O M20B também apresenta velocidade supersônica e uma trajetória manobrável. Carregando uma ogiva de 480 kg, o míssil pode atingir um navio de 120 km a 280 km de distância. É adequado para ataques rápidos e precisos contra fragatas e destróieres, disse a academia.

Antes dos CM-401 e M20B, todos os mísseis antinavios disponíveis no mercado internacional eram modelos “sea skimmer” (roça ondas), como os C-802 e CM-302 da China e o Harpoon dos Estados Unidos.

A China é o único país que atualmente atua em mísseis balísticos antinavio. Seus DF-21D e DF-26 são chamados de “trunfos” na guerra naval pelos militares chineses, mas não são permitidos para exportação por causa do alcance de mais de 1.000 km – excedendo as restrições à exportação de mísseis definidas pelo governo chinês.

Wu Peixin, um observador da indústria de defesa em Pequim, disse que os mísseis balísticos antinavio ultra rápidos como o CM-401 podem potencialmente ser revolucionário nas operações navais modernas porque é um alvo muito difícil de interceptar pelos radares de defesa aérea e armas dos navios, devido às suas trajetórias únicas e velocidades hipersônicas. Portanto, os usuários serão capazes de impedir efetivamente que as embarcações de um inimigo, especialmente os porta-aviões, se aproximem da costa, disse Wu.

Radar de busca no nariz do CM-401
Radar de busca no nariz do CM-401
CM-401 no seu veículo de lançamento terrestre
CM-401 e seu veículo de lançamento terrestre

FONTE: China Daily

120
Deixe um comentário

avatar
36 Comment threads
84 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
56 Comment authors
Boscoandrepoa2002TiagoLuiz Floriano AlvesPedro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Eita que os EUA vão pirar vendo seus “inimigos” comprando armamentos como este! Olha a quantidade de explosivo? Afunda qualquer navio!

Pursuit
Visitante
Pursuit

“Afunda qualquer navio” De onde vem a certeza?

jose
Visitante
jose

não precisa de “certeza”. basta a dúvida! pense: o almirantado decide construir 02 porta-aviões, com isso e aquilo, cheio de repimbocas-da-parafuseta em tecnologia e armamento. aí a venezuela compra uns 20 desses mísseis. vc arriscaria suas belonaves sabendo que “pode acontecer” o afundamento em menos de 10 minutos? entendeu? vc n precisa de “certeza”. a dúvida é suficiente para mentê-los lá no rio grande do sul…

andrepoa2002
Visitante
andrepoa2002

Tava indo bem quando: “aí a venezuela compra uns 20 desses mísseis.

Almeida
Visitante
Almeida

Ficou ainda mais complicado defender um grupo baseado em NAes agora. Ainda bem que não operamos mais nenhum.

Bardini
Visitante
Bardini

Se ficou mais difícil defender uma Força nucleada em um NAe, imagina pra uma força que não tem um NAe e toda sua ala aérea, que poderia ser utilizada para detectar e afundar vetores equipados com tais mísseis…

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

A Marinha do Brasil esta caminhando em busca de um novo Nae e tenho certeza que na aproxima desada veremos isso se tornar realidade.

sds

Paulo
Visitante

Tomara que a Venezuela compre alguns. Vida longa a revolução! Os EUA piram vendo os russos e chineses no seu seu quintal. Bye bye Mr Trump. Será bom para interditar a costa da Guiana Essequibo.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

É sério isso ????

Ozzy
Visitante
Ozzy

Vida longa as crianças que estão morrendo de fome sob o governo do ditador venezuelano.

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

e as Sírias também…Vida longa a democracia…!!!….

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Cabeça Fraca (miolo-mole, rsrs) que o digam também os cristãos (crianças, mulheres, velhos, religiosos) degolados incansavelmente pelos barbudinhos de sandália que nunca se entendem entre eles mesmos.

E algo que muita espanta é porque Cuba não está abarrotada de seus simpatizantes detratores dessa tal de democracia abestada.
Cuba deveria ter uma super população maior que a China até. rsrsrs!

Viva a democracia!

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

“Farroupilha 29 de dezembro de 2018 at 18:32 Cabeça Fraca (miolo-mole, rsrs) que o digam também os cristãos (crianças, mulheres, velhos, religiosos) degolados incansavelmente pelos barbudinhos de sandália que nunca se entendem entre eles mesmos. – E algo que muita espanta é porque Cuba não está abarrotada de seus simpatizantes detratores dessa tal de democracia abestada. Dexter 28 de dezembro de 2018 at 21:25 O termo “estadunidense”, é ainda pior que o “presidenta”, para determinar o tamanho da orelha do “Equus asinus…” Olá senhores editores…eu não tenho nenhum problema com comentários assim…na verdade eu os acho divertidos…dou muita risada e… Read more »

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

“Farroupilha 29 de dezembro de 2018 at 18:32 E algo que muita espanta é porque Cuba não está abarrotada de seus simpatizantes detratores dessa tal de democracia abestada. Cuba deveria ter uma super população maior que a China até. rsrsrs!” Sabe qual é a diferença do braziu pra Cuba?…aqui no braziu quando vc honesto compra um imóvel tem que dar satisfação a receita federal cada centavo que vc pagou e como conseguiu comprar uma casa pra morar…tem que dar a parte da receita, trabalhar que nem um jumento para pagar o imposto, deixar de comer de de pagar escola dos… Read more »

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Cabeça Fraca (MM rsrsrs), Chora chora, mas não adianta, democracia-mérito-capitalismo ≠ mordaça-apadrinhamento (mamadores)-vampirismo social, são antípodas. Não gosta de democracia-capitalismo compra uma passagem para Cuba, vai ser feliz lá, com um vácuo permanente no estomago e uma mordaça na boca. Acho difícil ser feliz assim, em todo caso…!? – Esses impostos asfixiantes por vc citados foram justamente criados e proliferados pelos socialistas que impregnaram nossa frágil democracia nos últimos 30 anos. Desde o fim do regime militar foram determinados em criar um arcabouço legal amparado numa nova Constituição, feita por eles mesmos, com o fim último de lhes abrir os… Read more »

CESAR ANTONIO FERREIRA
Visitante
CESAR ANTONIO FERREIRA

Como é que é? Farroupilha disse: “Esses impostos asfixiantes por vc citados foram justamente criados e proliferados pelos socialistas que impregnaram nossa frágil democracia nos últimos 30 anos”(…) Eu sei que a coluna de comentários nos blogs costumam ter comentários que se desvirtuam do contexto original… Isso, todavia, não impõe que absurdos devam ser proferidos. Nunca houve governo socialista no Brasil. Todos os governos brasileiros permitiram a posse individual de bens privados e a iniciativa empresarial. Vou além: a Venezuela que por agora é o exemplo que todos citam, mesmo com o discurso verborrágico de Maduro, sobre “bolivarianismo”, “socialismo do… Read more »

Pedro
Visitante
Pedro

A Síria é bem mais complexa amigo, sou mediterrâneo e sei e senti e observei certos factos que no Brasil são sinceramente desconhecidos, as origens da Primavera árabe e o ataque ocidental a regimes que mesmo ditatoriais eram a única opção de paz e sustentabilidade social na região são um crime aos olhos de qualquer cidadão europeu, tal como eu. A Síria era um dos países muçulmanos mais liberais tal como a Líbia e Iraque, a Arábia Saudita é mesmo mais repressiva do que o maldito do irão (sou eu que estou a dizer maldito, não estou a ser irónico)… Read more »

Pedro
Visitante
Pedro

PS. Tenho de arranjar um nome mais distintivo do que que simplesmente Pedro, já que muitos teem esse nome e comentam usando esse mesmo nome.
Qualquer erro ortográfico é da responsabilidade do Android.

William
Visitante
William

Comprar como?… vc quis dizer doado né… ah… entendi… era só uma piada…

Pedro
Visitante
Pedro

Seu doente, tem que tomar uma surra.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

É por isso que eu estou pensando em deixar o Brasil, é um tezão por comunismo e malandragem que eu não suporto! (Sem generalizações!)

Bosco
Visitante
Bosco

Deixar o Brasil agora que há tendência desse antro de esquerdopatas ‘cederem” lugar aos patriotas? Aguentou até agora … fica.

Maynard
Visitante

Paulo: Caia fora do Brasil, vira-latas!

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante

Mesmo que a porcaria da Venezuela do idiota ladrão e assassino Maduro compre alguns, ainda assim, não passa de um ALVO numa guerra. Para colocar a Venezuela na idade da pedra, basta bombardear com mísseis meia dúzia de instalações petrolíferas e seus portos… um país em que a economia gira em torno apenas de um produto, é apenas um ALVO, nada mais que um ALVO!

ALEX ROCHA DA SILVA
Visitante

Tu é brasileiro? Ou é um espião infiltrado? Que comentário é este.

Tiago
Visitante

vontade todo mundo tem , só falta a grana .
mas em uma situação dessa eu acredito q os eua não ficaria por baixo , provavelmente atacaria a Venezuela antes dos misseis ser entregue , os eua só estão procurando um motivo e talvez esta seja a oportunidade que eles tanto querem.

andrepoa2002
Visitante
andrepoa2002

Amigo, a Venezuela precisa comprar papel higiênico urgente!

Jeff
Visitante
Jeff

Deixando as bobagens ideológicas de lado, se os sistemas acima realmente tem estas especificações e estão a venda no mercado, vai ser muito interessante países sem muitos recursos poderem proteger suas áreas marítimas. Impõe respeito.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Quem não pode ir com o novíssimo Zircon, míssil hipersônico russo (isso se for colocado à venda um dia), vai então com um mais lento (rsrs), o supersônico chinês, a não ser que a doutrina treinada, numa Marinha x, esteja pregada no século passado. – Porém, Nosso Mansup, com seus (setentinha) 70km de alcance e 1000km/h (muito bom para quem está recém começando nesta área de armamento naval sofisticado) já estará, entretanto, chegando atrasado? Não podemos ficar só nele, temos que partir para um bem mais letal-indefensável agora, e não daqui 50 anos. Por compra de prateleira JÁ. Olha a… Read more »

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

O Mansup vale muito pela independência tecnológica. Todos os envolvidos estão de parabéns. No entanto, seria um míssil factível no cenário atual? Por tê-lo desenvolvido a MB tem que utilizá-lo em seus navios, em especial os de primeira linha?

JT8D
Visitante
JT8D

O mais importante é sua utilização nos Scorpenes, o que não é fifícil, já que tem as mesmas dimensões dos Exocet

Diego K
Visitante
Diego K

Usado do jeito certo, na hora certa, na boa estratégia ate uma bomba com estilingue faz estrago.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Nosso Mansup representa o inicio de um independência nessa área e com certeza próximas versões viram muito melhores e com maior alcance e precisão, so basta continuidade.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Artigo interessante, do ano passado, sobre NAEs americanos e os novos misseis navais de grande velocidade.
Armamento não nuclear, mas de alta performance-tecnologia, também pode ser estratégico.
http://www.unz.com/tsaker/war-with-russia-two-great-american-myths/

Leitura para fim de semana.

JPC3
Visitante
JPC3

Bom texto. E também tem vários links interessantes.

Achei um pouco alarmista, mas tem fundamento sim.

Bosco
Visitante
Bosco

O problema do texto é que papel aceita tudo. Fato é que o Zircon não existe. Temos que acreditar na palavra dos russos quanto a isso e eu não acredito.
Em segundo lugar, em existindo, o autor do texto deve explicar como o míssil irá cumprir a sua missão atingindo um navio a 1000 km de distância. Ou se descreve a cadeia de eventos que leva ao cumprimento do objetivo ou é só mais um pastel de vento.

JPC3
Visitante
JPC3

Achei que ele também não leva em conta a capacidade de guerra eletrônica da USNavy. Existe a chance de nenhum míssil acertar nada, afinal os russos não tem como simular um alvo de testes que cheque perto de ser semelhante a um grupo de batalha americano.

Bosco
Visitante
Bosco

JPC3, Se falam mal do Amraam que não consegue atingir um Su-35 com pod DRFM imagina a capacidade de contramedidas embarcado num navio de 9000 t que além do mais pode se defender de forma ativa e que não deixa nada se aproximar a menos de 400 km. Um míssil a 2 km/s tem que ligar seu radar muito longe, o que dá muito tempo para a defesa soft kill agir, mas não tanto para a cabeça do míssil “saber” qual o alvo certo, onde está o alvo, etc. Um míssil classe Exocet ativa o radar a uns 15 a… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Um abraço!

Marcelo
Visitante
Marcelo

respeitosamente, houveram avanços em miniaturização da eletrônica o que incluiu os sensores (radar). A China é reconhecidamente capaz em eletrônica (muito por culpa do ocidente, que buscando lucrar mais, passou a produção para lá, capacitando os chineses). Então, nâo vejo problema algum para computadores pequenos e velozes em localizar e travar um alvo em 25s ou 30s, visto que o Exocet fazia isso em 70s como você disse , no final da década de 70, início dos 80. Aliás, pelo que me lembro do perfil da missão do Exocet, creio que tinha menos tempo que isso para localizar um alvo,… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Marcelo,
Te enderecei um comentário logo abaixo, mas complemento com esse.
A respeito do perfil de voo do Exocet ou equivalente, mesmo estando em perfil sea-skimming a 2 m do nível do mar (estado de mar calmo) ele pode detectar e ser detectado a cerca de 24 km (imaginando um navio com uma antena de radar a 20 metros de altura).
Para retardar a detecção passiva do radar o míssil retarda a ativação do radar para uns 20 a 15 km da provável posição do navio alvo, na dependência da solução de tiro que foi implementada.

Ghutoz
Visitante
Ghutoz

Mas se é pouco tempo para achar o alvo, tb é pouco tempo para achar o missil, os mesmos 20s valem para defesa e para o ataque, e quem tem a iniciativa tem sempre a vantagem no quesito tempo, quanto a questão de processamento um iphone atual processa milhares de vezes mais rápido que qualquer coisa q se colocava em um missil 18 anos em algo menor que um isqueiro. Não querendo defender ninguém…

Bosco
Visitante
Bosco

Ghutoz, “Mas se é pouco tempo para achar o alvo, tb é pouco tempo para achar o missil” Isso é válido para mísseis sea-skimming que atacam um navio isolado. Não é válido para mísseis que voam alto que são detectados pelos grandes radares do navio primeiro do que os mísseis detectam com seu pequeno radar o navio.Também não é válido sequer para os sea-skimming quando estes atacam navios dentro de uma cobertura aérea que tenha aviões AEW. Quanto ao tempo de processamento em relação à eletrônica moderna, concordaria com você que 20 segundos seria suficiente não fossem as contramedidas eletrônicas… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Legal essa nova versão do Scud…

Kemen
Visitante
Kemen

Os Estados Unidos dispõe de misseis hipersônicos, os projetos desde 2014 se mantem em absoluto sigilo, ao mesmo tempo os testes com raios laser continuam, não são apenas a Russia e a China dispõe de misseis hipersônicos, acredito que a propaganda desses paises é motivado pelo fato que sabem que os Estados Unidos vem desenvolvendo novas armas, inclusive a raio laser para ataque e interceptação de vetores.
https://thediplomat.com/2014/02/us-navy-explores-sub-launched-hypersonic-missiles/

Rene Dos Reis
Visitante

Inviável para países pequenos , para ter exito contra um grupo tarefa teria que lançar uma saraivada boa dese bichos , e para manter isso em um conflito sem uma defesa aérea do território bem competente e jogar dinheiro fora.

Igor Sasha
Visitante
Igor Sasha

Enquanto isso o Brasil não consegue construir uma corvetinha…

JT8D
Visitante
JT8D

Porque o país está cheio de pessoas como você

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

Impressionante onde os chineses chegaram… Só espero que sejam sensatos o suficiente para não venderem isso aos iranianos.

Bosco
Visitante
Bosco

Depois de 50 anos até uma tartaruga raquítica passa pela linha de chegada.
E só chegaram agora às custas de 1,2 bilhão de miseráveis.

Thiago
Visitante
Thiago

50 anos são suficientes para tartarugas raquíticas. O mesmo não pode-se dizer para gigantes adormecidos, complexados e xenofilos. Miseráveis ? Sei não, os poucos chineses que conheço e tenho conversas falam sempre bem do próprio país . Pelo contrário me apontam a violência e a dificuldade de abrir negócios no Brasil. Minha prima é casada com um chinês bem sucedido, possui uma pequena atividade com mais de 20 funcionários, meu pai teve e tem relações com namoradas chinesas que defendem a própria nação e elogiam com frequência o próprio presidente ( Xin jimping) . Será que a China é esse… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

O que é certo é que o equilíbrio interno da sociedade americana depende de seu poder externo, sua capacidade de expansão no mundo; e seu poder no mundo depende vice-versa de uma coesão social interna dada pelo bem-estar. Mas desse bem-estar, grandes setores da população americana são excluídos (grande parte da população negra e hispânica, além dos brancos pobres e da antiga classe média). Na Europa, uma área teoricamente democrática, desenvolvida e com direitos individuais afirmados, o pacto social-democrata que trocou a paz social com o bem-estar foi destruído miseravelmente com a crises do petróleo da década 70 e com… Read more »

Paulo
Visitante
Paulo

¨Meu pai casou com uma prima do primo do tio do chinês da pastelaria que adora e fala muito bem da China mas veio morar no Brasil!¨
Esses caras agora inventam ¨estórias¨ para ilustrar a conversa fiada deles.

Thiago
Visitante
Thiago

Paulo, “esses caras”? Quem e porque? Me chamo Thiago e não preciso inventar nada, não sou mav nem troll. Sim veio pro Brasil 15 anos atras, casou com minha prima , fizeram três lindos filhos, abriu uma atividade e agora já quer fugir e voltar para China, depois de ter sofrido vários assaltos e essedios de policiais corruptos em busca de propina. Bela imagem do Brasil não? Justamente minha prima tem receio de deixar o país dela sua casa e sua família. Meu pai é italiano e sua companheira chinesa é proprietária de um salão de beleza em Roma. Se… Read more »

Paulo
Visitante
Paulo

Sei, sei. Então pode ¨fornecer os endereços sem problemas¨ porque senão vai parecer mais uma lorota de internet.

Celso
Visitante
Celso

E pensar e acreditar que ninguem sabe jamear o radar de foguete….ora bolas…….acredito que nem uma saraivada deles chegaria no alvo pretendido trrsrsrsrsrsr ou sera que o alvo vai ficar la paradao esperando um acerto………esses chinas sao bons vendedores mesmo, agora tambem estao vendendo super trunfo a foguete…..kkkkkkkkkkkk

jagderband#44
Visitante
jagderband#44

F18 Glower…

Dalton
Visitante
Dalton

EA-18G “Growler” na verdade…e da forma com o que está equipado hoje são poucas as
chances de ser realmente efetivo, razão pela qual receberá novos equipamentos sendo desenvolvidos para estreia no início da próxima década.
.
Também seria ideal aumentar o alcance e/ou persistência da aeronave com uma maior capacidade de combustível já que apenas 2 tanques alijáveis, um debaixo de cada asa podem ser instalados…há possibilidade que da mesma forma que acontecerá com o “Super Hornet” receba tanques conformais de combustível.

FERNANDO MARTINS
Visitante
FERNANDO MARTINS

Adriano RA, os iranianos já têm como fechar o estreito de Ormuz. Eles não têm é peito pra fazer isso, mas um dia acontecerá. Então todos os que em qualquer coisa movida a gasolina, um cortador de grama que seja, melhor vender.

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

Fernando, tem razão. Apenas imagino que um sistema desses causaria uma tensão ainda mais grave na região.

Bosco
Visitante
Bosco

Tensão não diferente do que mísseis subsônicos já em uso na AL causam. Por que o fato do míssil ser supersônico/hipersônico pode fazer diferença no grau de tensão? Tanto faz o cara ser morto por um tiro na testa de uma 22 quanto de uma 44. Morre do mesmo jeito. Em tese, individualmente, um míssil de alta velocidade é mais difícil de interceptar por sistemas defensivos usuais na AL, então, no máximo, o que a presença de mísseis supersônicos em nosso TO faria era fazer os países se adequarem a esse nível de ameaça. Míssil não é pijama que se… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

O RAM em 350 testes atingiu um desempenho de 95% contra todos os tipos de ameaças : https://www.mbda-deutschland.de/wp-content/uploads/2018/03/RAM-e-18.pdf

Bosco
Visitante
Bosco

Pessoal, Parem de acreditar nessas baboseiras chinesas e russas. Nunca se viu um DF-21D, um DF-26, um Kinhzal , um Zircon, um Kh-32, etc. atingir uma jangada parada no meio do oceano, ainda mais um porta-aviões no meio de uma força tarefa americana. Na verdade nem um impacto no solo tem prova de haver ocorrido, ainda mais num navio, ainda mais num de guerra em movimento, ainda mais num protegido por um porta-aviões e ainda mais num a 1000, 2000, 3000 km de distância como querem nos fazer crer. Ingenuidade tem limite, quando muito é doença. Essa mentirada chinesa é… Read more »

luiz henrique
Visitante
luiz henrique

Eu concordo, enquanto os chineses não testarem e documentarem os resultados exitosos dos testes de mísseis balísticos anti-navio, para mim eles não passarão de mockups.
Em relação a capacidade nuclear chinesa, mesmo mais limitada em relação a outros players a dissuasão nuclear chinesa está totalmente garantida´, com seus primeiros SSBMs confiáveis realizando suas primeiras patrulhas no pacifico há alguns anos.

Felipe
Visitante
Felipe

Menos ideologismo Bosco…

Bosco
Visitante
Bosco

Quanto mais rápido o míssil mais precisa tem que ser a solução de tiro e mais vulnerável é a cabeça de busca às contra-medidas. Um pequeno míssil de 2 ou 3 toneladas tem muito menos capacidade eletrônica que um navio de 9000 toneladas (ou um porta-aviões de 100000 t). A USN acredita que a melhor defesa contra ameaças super e hipersônicas é a defesa “soft kill”. Um míssil hipersônico e hipersônico tem “milissegundos” pra tomar decisões e nesse meio tempo de torna passível de engodo ou interferência a partir de uma “massa” eletrônica muito mais capaz. Um navio sob ataque… Read more »

Diego K
Visitante
Diego K

Isso aí. Os mísseis avançam tecnologicamente na velocidade e a defesa dos navios na deteção e guerra eletrônica. O radar tem de ser bom e pegar esses mísseis longe hein, pra dar tempo d defender.

_RR_
Visitante
_RR_

Bosco, Como certamente sabe, não é de hoje que se estudam mísseis que disponham de mais de uma forma de guiamento. Vamos considerar aí uma capacidade ‘home-on-jam’ para futuros mísseis navais ( o LRSAM mesmo terá um sistema passivo RF ). Essa capacidade pode simplesmente fazer as pesadas contra-medidas funcionarem a favor do atacante, independente do potencial da cabeça de busca. Na verdade, quanto mais pesada a contra-medida, a tendência é ser mais fácil para o míssil localizar seu alvo. Há ainda a adoção de IIR para orientação terminal, o que virtualmente elimina contra-medidas eletromagnéticas e chaff/flare convencionais, obrigando a… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

RR, Os mísseis hiper e supersônicos privilegiam a orientação por radar ativo. Muito provavelmente devido à janela do seeker IR em relação a um míssil em alta velocidade e baixa altitude, e também em relação à necessidade do míssil adquirir o alvo de longe. Fato é que não há míssil antinavio super e hipersônico com seeker por IR. Os que existem usam radar ativo e HOJ. O HOJ realmente teria um potencial de degradar a defesa baseada na interferência ativa, mas essa não é a defesa primária contra um míssil guiado por radar, sendo o lançamento de “decoys” a defesa… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

RR, Eu foco num cenário de um ataque por míssil contra navios de uma força tarefa nucleada por um porta-aviões. Contra navios isolados, mísseis supersônicos e hipersônicos são “tudo de bom”. rsrsss Um avião pode chegar até a uns 40 km de um navio de forma segura e lançar um míssil supersônico a queima roupa com uma solução de tiro altamente precisa dada pelo próprio vetor. O problema é que ele não faz isso contra uma força tarefa nucleada por um porta-aviões. Nesse caso a distância segura é de 500 km. Ou seja, um navio isolado, não debaixo das asas… Read more »

Mauricio R.
Visitante

Os chineses tinham ou ainda tem, um imenso alvo pregado em um deserto. É basicamente uma baita área concretada, com o convoo de um CVN desenhado em cima. Mas é estático e de localização conhecida, deles. Assim como um almirante americano disse anos atrás, em um exercício da OTAN: “Atravessamos o Atlântico pra lá e pra cá durante 9 dias e ninguém sabia aonde estávamos.” No mais ao invés de gastarmos nosso pouco dinheirinho, reciclando sucata francesa, deveríamos isso sim privilegiarmos o 14-X, um míssil balístico anti-navio e um clone do ATACMS/Deep Fire, além de todo o kill chain necessário… Read more »

_RR_
Visitante
_RR_

Perfeito, Bosco. Em uma situação com a presença de um NAe, estaremos automaticamente falando de atacar prioritariamente o “arqueiro” ( o que é o melhor, sem dúvida ). No mais, imagino que o míssil, em se tratando de um sistema ‘home-on-jam’ alinhado a vigorosa inteligência artificial, poderá fazer uma comparação das emissões a sua volta com as presentes em sua biblioteca, podendo isolar as emissões que mais lhe “pareçam” as reais. Se se tem RF passivo alinhado a um sistema AESA, essa é uma capacidade plausível. Mesmo que os navios tenham RCS mais baixo, ainda são fontes de apetitosas emissões;… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

Um míssil imponente, se estão oferecendo estas características no mercado externo é porque internamente estão num estágio muito mais avançado.
Não gosto de ficar falando que o Brasil deveria comprar isto ou aquilo, mas adquirir algumas unidades pra estudos não seria uma má ideia, até porque um país como a Venezuela, dotada deste tipo de armamento pode colocar boa parte da nossa marinha de joelhos num instante…

Diego K
Visitante
Diego K

Submarinos meu caro, submarinos, bem empregados nenhuma marinha fica de joelhos, eles tem de estar passos a frente da estratégia, atacar antes de começar o ataque no fronte de superfície. A qlqr iminência de ataque a MB ja colocará um submarino d baixo do agressor.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Sim, dependeríamos deles, os submarinos.
É notável, uma arma muito superior a qualquer coisa que vemos ser vendida por ai
“dizendo que é capaz de fazer ataques rápidos e precisos… …ou contra alvos em terra.”
E ainda pode atacar uma grande gama de alvos, não custa muito disparar alguns para avaliar a trajetória, velocidade, precisão, sistema de controle e guiamento.
Muito interessante de ser estudada se os chineses estiverem de fato dispostos a vender.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Acho que não notaram que para atingir um CVN precisam que ele dê um rolê próximo do litoral, mesmo de 300km é “próximo” para um porta-aviões. Isso só serve para intimidar FT anfíbias sem capacidade de ataque aéreo e sem o combo inteligência & mísseis de cruzeiro (ou qualquer outro míssil que possar ser entregue sem ariscar o navio). Há o combo LHD/LHA + uma salva de míssil de cruzeiro + inteligência (localizar defesas AA, AN que encontrar) + mísseis anti radar (ARM)/Jammer/aeronaves furtivas + Mísseis anti-carro/bombas de precisão, acaba legal com a brincadeira… No final isso só aumenta ainda… Read more »

Paulotd
Visitante
Paulotd

Pessoal confunde as coisas aqui. Ninguém tá puxando saco de ninguém, o que tem aqui é muito baba ovo de americanos. Eu sou entusiasta e não estou nem aí quem é o dono da tecnologia, gosto é de discutir sobre ela. O fato é que a Rússia e China tem mísseis hipersônicos sim, e um ataque de saturação desses tem uma grande probabilidade de dizimar uma força tarefa. A arma foi projetada para isso, e essa capacidade de manobra final somada a velocidade parece ser imbatível. Nem as próprias balas de 20mm do Ciws phalanx chegam a essa velocidade de… Read more »

Paulotd
Visitante
Paulotd

Lembrando que nem precisamos ir no Zircon, os velhos Kh-22 já atingem mach 4 de velocidade terminal suficiente para penetrar a defesa da força tarefa. Esse míssil os Tu-22 tem as centenas e é uma arma velha e testada.

Donlado do tio Sam as versões mais novas do hapon parecem ser em difíceis de serem detectadas, devido ao baixo rcs e a manobra terminal.

Bosco
Visitante
Bosco

Um míssil (seja subsônico, supersônico ou hipersônico) não é um veículo de reentrada sólido, maciço e blindado que precisa de um impacto direto para ser destruído. Um míssil tem pele fina e pode ser destruído com uma detonação nas proximidades de uma ogiva de fragmentação. Uma mínima perfuração combinada com a grande velocidade são suficientes para causar um colapso estrutural e “fragmentar o míssil”. O que sobra é a ogiva, que se o míssil for interceptado muito próximo tem potencial de atingir o navio, daí, contra mísseis hipersônicos e supersônicos o ideal é a utilização de meios de maior alcance… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Agora que reparei… por onde “andastes” Bosco ?
.
“Welcome home soldier boy”…que também é o título original de um filme que particularmente marcou minha infância !

Bosco
Visitante
Bosco

Rssss
Tava dando um desintoxicada de internet. Mas voltei!
Um abraço.

AL
Visitante
AL

Bom demais ter vc de volta Boscão!!! Tinha gente aqui, eu inclusive, que teve receio de que vc tivesse ido embora da trilogia. Grande abraço.

Bosco
Visitante
Bosco

Valeu AL!
Um abraço.

Felipe Silva
Visitante
Felipe Silva

Um míssil balístico ser uma arma “fantástica” contra um GT americano é forçar a barra. Ironicamente para a postagem, um GT americano é uma força especializada na ameaça ABM, ou seja, estão em sua praia com essa bobagem chinesa.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Será que seria muita ironia o Brasil comprar alguns desses mísseis e fazer engenharia reversa?

Mauricio R.
Visitante

Não precisa, basta financiarem adequadamente as pesquisas da DCTA e o veículo 14-X.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Mais importante do que ter um míssil de 300 km de alcance, é ter como localizar o alvo para este míssil a 300 km de distância….. Não é só disparar o míssil e “ele que se vire pra achar o alvo”; mas o contrário, a defesa contra este tipo de míssil, já está de prontidão esperando algo do tipo, portanto quando ele surgir na tela do radar o “alvo” já vai estar preparado. Isso sem falar nos aew, growler, etc.

Bosco
Visitante
Bosco

A cadeia de eventos que precede ao lançamento de um míssil antinavio OTH “obrigatoriamente” expõe as intenções do inimigo. Isso deixa as defesa em alerta num tempo confortável. Combinado com mísseis supersônicos e hipersônicos que obrigatoriamente são menos furtivos (voam mais alto, têm RCS maior, tem assinatura térmica imensa, são mais engessados, precisam ativar seus radares a partir de distâncias maiores) e obrigam uma solução de tiro mais precisa (que obriga o atacante a entrar na zona de defesa de um PA), e tem-se um quadro que não condiz com a propaganda em favor da tese que esses mísseis são… Read more »

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

É muito bom tê-lo de volta Bosco.

Augusto L
Visitante
Augusto L

De qualquer forma, são mísseis burros, facilmente enganados pq não tem muito tempo para processar informação.
Um decoy tipo nulka, faz a festa.

Bosco
Visitante
Bosco

Marcelo, Concordo que mísseis supersônicos e hipersônicos vieram para somar e complicar as defesas. Não há dúvida disso. O ponto que defendo é que eles sozinhos não são essa “brastemp” toda que querem nos fazer crer. Tem gente aí, alguns ignorantes, outros com clara deficiência cognitiva e outros por pura sensação de dever cumprido, que querem acreditar e nos fazer crer que um avião ou navio a hora que quiser vai lançar um míssil hipersônico balístico manobrável stealht e “BUMMMM”, lá se foi um Nimitz pro fundo do mar. Tá longe de ser assim! Agora, pra deixar claro para os… Read more »

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

De acordo Bosco. Mas convenhamos que a coisa ficou um pouco sem controle. Na antiga guerra fria dos EUA x URSS a coisa era mais controlada do que os “aliados” poderiam ter. Agora virou bagunça. Mas tou de pleno acordo que essa facilidade apregoada em afundar uma NAe aqui é ficção. Ainda mais uma NAe norte-americana.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Eu admiro a Russia pela sua capacidade inventiva e sua vontade de desenvolver novas tecnologias apesar de tantos restrições e problemas econômicos que vivem.
Mas desprezo totalmente essas copias baratas de péssima qualidade dessas porcarias chineses

Augusto L
Visitante
Augusto L

Rsrsrs, míssil ultra rápido e burro.
Um simples decoy faz essa palhaçada virar inútil.
E ainda tem gente que acha que esses mísseis burros chineses e russos são o supra-sumo.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Bosco e _RR_, muito elucidativas as vossas considerações, aprendi bastante. Gostaria de arriscar uma pergunta. As capacidades dos sistemas defensivos da US Navy e da maioria das demais marinhas pode ser estimada com razoável margem. Claro que ninguém divulga e, provavelmente, oculta e até mente, sobre a real capacidade de engajamento múltiplo de seus sistemas. Por isso, e voltando um pouco à Guerra Fria, existe o conceito da saturação. Eu imagino que a China leva isso em consideração para um eventual confronto com a US Navy. A maior vantagem dos EUA até hoje foi que as guerras ocorreram longe de… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Hélio, Sem dúvida o ataque de saturação com mísseis de diferentes conceitos (subsônicos, supersônicos, hipersônicos, de cruzeiro, de cruzeiro sea-skimming, semi-balístico, balístico, orientação por radar, orientação por IR, etc) é algo inimaginável de se enfrentar. Pensando nisso a USN implementa 3 táticas básicas: 1- impedir ou dificultar a solução de tiro; 2- atirar no “arqueiro” e não na “flecha”; 3- uma defesa em camadas. Seria inocência nossa subestimarmos os chineses mas também o é de subestimarmos os americanos que já jogam esse jogo há 70 anos. Também não creio ser verdade que a China tenha tantos “milhares” de mísseis assim… Read more »

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Bosco, muito obrigado. Entendi perfeitamente o conceito.
De fato, quando discutimos este ou aquele vetor, míssil, radar ou meio aéreo ou naval, temos a tendência de enxergá-lo num contexto contra seu par opositor, como Arleigh Burke x Type 055, F-22 x J20, etc… Tudo deve ser inserido em um contexto maior, de combinação de meios, estratégias e interesses. Um embate entre as duas maiores marinha do planeta seria um evento de altíssima complexidade, com variáveis que só podemos estimar.
Torço, de fato, que nenhuma das hipóteses aqui dispostas venham à prova real no futuro, pois seria catastrófico.

Bosco
Visitante
Bosco
Bosco
Visitante
Bosco

Hélio, te respondi mas tá preso. rsrss

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Aguardo… Muito obrigado!

_RR_
Visitante
_RR_

Olá, Helio. A tática de saturação não visa necessariamente esgotar os recursos dos navios em si, mas principalmente superar a capacidade de processamento dos sistemas de defesa frente as ameaças. A idéia é saturar o espaço aéreo com tanta traquitana e interferência, que seria impossível interceptar tudo. Fazendo um exercício: Se imaginarmos um Carrier Strike Group, então estaremos falando de pelo menos 1 cruzador e dois destróieres AEGIS, que estarão atuando de forma coordenada por compartilhamento de dados via datalink. Cada destróier pode certamente engajar no mínimo três alvos ao mesmo tempo fazendo uso do seu conjunto de radares AN/SPG-62.… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

RR, Só lembrando que o sistema Aegis é capaz de rastrear centenas de ameças simultaneamente e capaz de lidar com 48 mísseis Standard em voo ao mesmo tempo (levando-se em conta as 4 faces do sistema, ou seja, 12 mísseis para cada lado). Ou seja, apesar de ter apenas 3 ou 4 radares iluminadores, 48 mísseis podem ser lançados contra 48 ameças. As 3 ou 4 (depende se é um destróier ou um cruzador) ameaças mais próximas são interceptadas e aí as próximas na sequência passam a ser iluminadas pelos radares iluminadores (SPG-62). Com um sequenciamento de 3 segundos entre… Read more »

_RR_
Visitante
_RR_

Perfeito Bosco.

Saudações.

Feliz Ano Novo!

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Muito obrigado _RR_ e, ainda que atrasado, feliz ano novo!!!!!

_RR_
Visitante
_RR_

Disponha, Hélio.

Obrigado. 🙂

Ghutoz
Visitante
Ghutoz

bosco volto disparando mais que um phalanx!

carcara_br
Visitante
carcara_br

Toda essa conversa me lembrou que a china testou os S-400 contra um alvo balístico,
segue a matéria:
https://www.scmp.com/news/china/military/article/2179564/chinese-missile-force-puts-new-russian-s-400-air-defence-system
alguns pontos interessantes:
-O alvo se movia a 3km/s mais de 10000 km/h.
-Distância de interceptação de 250 km, o disparo deve ter ocorrido quando o alvo estava muito mais distante.
-Foi o primeiro teste do sistema de um contrato de 3bi.
Só pra deixar claro o míssil da matéria não adota trajetória balística, no mínimo, ainda que fosse possível interceptar com os S-400 o alcance diminuiria drasticamente….

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Vou reproduzir aqui o diálogo que tive com um amigo americanófilo: Eu: a Rússia e a China estão criando mísseis projetados especificamente para a destruição de porta-aviões e capazes de afundar esses navios de uma distância muito além do alcance de suas aeronaves. Segundo estimativas do ex-assistente especial do Chefe de Estado-Maior da Marinha dos EUA, Brian Clark, nas condições mais favoráveis, o grupo de ataque de um porta-aviões é capaz de destruir 450 mísseis. Mas a China, por exemplo, pode atingir 600 mísseis a uma distância de 1.600 quilômetros. No entanto, isso ainda não leva em conta as capacidades… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

“””Os EUA só poderão ameaçar outras nações do mundo com mísseis nucleares, ataques convencionais estão fora de questão até contra países como Venezuela, Irã, etc.”””

Fala sério… Não leu que é preciso muito mais que ter mísseis para acertar o alvo?

Reclama do Americanófilo e só faz comentário de russófilo.

JPC3
Visitante
JPC3

Nem sabe se a Venezuela ou Irã conseguem manter no ar uma aeronaves que possa rastrear um porta aviões pelo tempo necessário.

_RR_
Visitante
_RR_

Primeiro de tudo: um NAe jamais iria aproximar-se do continente para atacar, a menos que houvesse espaço seguro para manobrar. Em um eventual conflito com a China, os americanos manteriam esses preciosos vasos em prontidão e a distância segura, prontos para utiliza-los em algum ponto insular que fosse vital. Duvido muito que arriscassem uma aproximação da costa chinesa. Imaginando um conflito convencional, o primeiro golpe desferido pelos americanos não viria de seus porta-aviões, mas de sua força no ar e dos seus submarinos nucleares. Bombardeiros B-2 e B-1 seriam a ponta de lança, operando virtualmente indetectáveis em um espaço absolutamente… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

O sistema Aegis americano foi pensado para defender a frota de mísseis de cruzeiro subsônicos e supersônicos (ex: Moskit, Oniks, Brahmos, SSN12, Granit, Kh-35, 3M54K, etc.) e mísseis semibalísticos supersônicos (Ex: AS-4, AS-6). Todos “voam” abaixo de 25.000 metros e a menos de Mach 5, e portanto, em tese, podem ser interceptados na fase intermediária. O problema são os novos mísseis (que até agora não provaram que existem) hipersônicos que voam acima de 35.000 metros. Esses ficam além do envelope cinético dos atuais mísseis defensivos e o Aegis não foi pensado para lidar com eles. Também ficam fora do alcance… Read more »

Rodolfo
Visitante
Rodolfo

Bosco, gostaria de te propor um desafio, mas antes disso, algumas considerações, sou leigo, apenas um curioso, em tecnologia militar, e a quantidade de desinformação e viés ideológico em textos pela internet é enorme, o uso de afirmações categóricas, slogans(míssil “matador de navios”) etc é enorme, no caso da tecnologia russa o site Sputinik Brasil é terrivel, acho que eles depõem contra a própria Russia, que pela sua longa tradição em tecnologia militar, merecia um site de divulgação mais serio. Sou leigo, mas apenas pelo bom senso não vejo o Kinzal, por exemplo, afundando um navio, não vi nenhum video… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Rodolfo, Para atacar um hipotético grupo de batalha americano (CSG) composto por 1 porta-aviões (4 E2-CD e pelo menos 48 caças), 2 cruzadores e 3 destróieres , dotados de 21 canais de tiro (iluminadores para mísseis Standard/ESSM), cerca de 1000 mísseis antiaéreos (Amraam, AIM-9, ESSM, RAM, Standard SM-2/3, SM-2/4, SM-6) e 13 CIWS Phalanx, eu faria o arroz com feijão da guerra naval desde a SGM até as Malvinas. Ou seja, empregaria uma força maior possível e atacaria com mísseis os mais rápidos e os que possam ser lançados de mais longe. Tentaria na base da força, chutando o pau… Read more »

Rodolfo
Visitante
Rodolfo

Valeu, Bosco, sua resposta foi uma aula, ou seja, a destruição de um único grupo de batalha americano custaria à Russia muito caro, em termos de forças convencionais, imagino que este único ataque hipotético que você descreveu faria a Russia perder no mínimo uns 30% ou até mais do seu poder aéreo e naval, mas, se não me engano, são dez porta aviões da classe Nimitz, ou seja, os russos não tem forças convencionais o suficiente para questionar o poder naval americano. Li que os primeiros misseis anti navio soviéticos nos anos 70 eram guiados apenas por sistemas inerciais e… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Há algum tempo um almirante brasileiro disse e foi repercutido aqui no Naval que a MB não se interessava por mísseis de alcance muito maior que os atuai Exocet porque lhe faltava condições de descobrir alvos e designá-los a distâncias muito maiores que o alcance dos mísseis, ao redor dos navios. Os americanos na década de 80 aposentaram o Tomahawk antinavio com 450 km de alcance porque alegaram que ele era inútil já que um navio da USN não tinha como prover um ataque tão distante por falta de meios adequados de designar alvos a esses mísseis. Ou seja, os… Read more »

CESAR ANTONIO FERREIRA
Visitante
CESAR ANTONIO FERREIRA

O CM-401 seria uma aquisição e tanto para a nossa artilharia de defesa de costa, mas…
Não adianta nem sonhar, pois duvido que haja intenção governamental de se equipar com armas provenientes da China, ou da Rússia.
O alinhamento ideológico do governo que por agora inicia os trabalhos é bem conhecido e declarado.

Os equipamentos para defesa de costa ficarão restritos as iniciativas nacionais, ou provenientes das nações constituintes da OTAN. Isto se forem encomendados. E caso haja manifesto interesse por tal classe de vetores, ouso dizer que provavelmente uma encomenda do exterior apresentar-se-á mais forte do que uma oferta nacional…

Luiz Floriano Alves
Visitante

Desde que foi criada a primeira blindagem, para proteger os alvos dos disparos de canhão, que a blindagem (proteção) corre um passo atrás da capacidade do canhão. Nos misseis anto navio não é muito diferente. Os técnicos criam armas cada vez mais precisas e velozes. As proteções se organizam para proteção das ameaças conhecidas. Depois que o Eilat foi afundado por misseis egípcios (comprados da Rússia) a evolução segue nesse passo. Os Exocet brilharam nas Malvinas, apesar de alguns não detonarem. Hoje, já não são procurados por forças de primeira linha. As novas gerações estão se aprimorando na velocidade, guioagem… Read more »

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

A questão da localização de um grupo de batalha, com ou sem NAe, no oceano já não é tão complicado assim como já foi, em um estado de guerra moderna declarada. No caso de um conflito, um país com recursos e tecnologia, pode se valer de uma série de medidas para achar esse alvo valioso: 1) Um grade de centenas de drones, de grande duração de voo, com alguns furtivos, deve ser colocada em voo, para busca do GB. 2) Igualmente, deve ocorrer o lançamento de uma grade de milhares de mini sonoboias baratas numa ampla área do oceano para… Read more »

andrepoa2002
Visitante
andrepoa2002

Ainda bem que temos um marinheiro na intempérie segurando um mistral no Atlântico.