Home Marinhas de Guerra Alto oficial da Marinha dos EUA visita a China em meio a...

Alto oficial da Marinha dos EUA visita a China em meio a tensões elevadas

3607
10

  • O chefe de Operações Navais, almirante John Richardson, se encontrará com seu homólogo, vice-almirante Shen Jinlong, e os líderes da Comissão Militar Central da China durante sua visita a Pequim e Nanjing, informou a Marinha dos EUA
  • O objetivo da visita é “continuar um diálogo focado em redução de risco e orientado para resultados” entre as duas Forças Armadas.

O oficial-chefe da Marinha dos EUA visita a China a partir deste domingo, em meio a fricções crescentes no Mar da China Meridional e outras tensões que ressaltam sua rivalidade pelo domínio na Ásia.

O chefe de Operações Navais, almirante John Richardson, se encontrará com seu homólogo, Shen Jinlong, e líderes da Comissão Militar Central da China durante sua visita a Pequim e a cidade de Nanquim, até quarta-feira.

O objetivo da visita, segundo de Richardson como chefe de operações, é “continuar um diálogo focado em redução de riscos e orientado para resultados” entre as duas Forças Armadas, disse a Marinha.

“Uma troca de pontos de vista de rotina é essencial, especialmente em tempos de fricção, a fim de reduzir o risco e evitar erros de cálculo”, disse Richardson. “Um diálogo honesto e franco pode melhorar o relacionamento de maneira construtiva, ajudar a explorar áreas em que compartilhamos interesses comuns e reduzir o risco enquanto trabalhamos com nossas diferenças.”

Richardson e Shen se encontraram anteriormente no Simpósio Internacional Seapower 2018 nos EUA e realizaram três discussões por videoconferência, a mais recente em dezembro, segundo o comunicado.

A China há muito se queixa da presença naval robusta dos EUA em sua região, vendo isso como um componente-chave de uma estratégia para conter seu desenvolvimento.

Nos últimos anos, o Mar do Sul da China tornou-se a principal área de contenção, lar de ilhas, áreas de pesca ricas, depósitos minerais submarinos e rotas de navegação por onde passam cerca de US$ 5 trilhões em mercadorias anualmente. A China reivindica virtualmente toda a hidrovia com motivos históricos e reforçou seu domínio através da fortificação de suas propriedades nas ilhas e da construção de postos avançados, empilhando areia e concreto sobre os recifes de corais.

Cinco outros governos também exercem reivindicações sobrepostas na área e, embora os EUA não assumam posição formal sobre soberania, ele insiste no direito de navegação e sobrevoo, inclusive sobre e nas águas dentro dos limites territoriais que cercam as propriedades da China.

Tais liberdades de operações de navegação destinadas a afirmar tais direitos enfureceram a China, que prometeu tomar as medidas necessárias para frustrá-las.

A "linha de nove traços" que descreve as reivindicações chinesas no mar do sul da China
A “linha de nove traços” que descreve as reivindicações chinesas no mar do sul da China

Enquanto esses geralmente envolvem o despacho de navios e aeronaves para alertar navios americanos, no final de setembro, um destróier chinês chegou perigosamente perto do destróier USS Decatur no Mar da China Meridional, no que a Marinha dos EUA chamou de “manobra insegura e não profissional”. Os oficiais da Marinha minimizaram o incidente, chamando-o de infeliz, raro e algo que eles gostariam de evitar no futuro.

Richardson disse que tais patrulhas destacam a posição dos EUA contra “alegações marítimas ilegítimas”.

O capitão-chefe da academia de treinamento da Marinha chinesa, Zhang Junshe, disse na quarta-feira que Pequim pode fortalecer ainda mais os postos avançados dependendo das ameaças.

Embora os lados tenham procurado aumentar a compreensão e firmaram acordos para lidar com confrontos inesperados no ar e no mar, a profunda desconfiança perdura.

No verão passado, Washington desconvidou a China de um grande exercício naval patrocinado pelos EUA, no que chamou de “uma resposta inicial” à militarização do Mar da China Meridional na China.

O Pentágono citou fortes evidências de que a China implantou mísseis antinavio, sistemas de mísseis superfície-ar e bloqueadores eletrônicos em áreas de conflito nas Ilhas Spratly e convocou a China a remover esses sistemas. Apesar das fortes suspeitas mútuas, os EUA incluíram a China nas duas últimas versões do exercício naval conhecido como Rim of the Pacific, ou RimPac, em 2014 e 2016.

A China também alertou os EUA contra a melhoria dos laços militares com Taiwan. A China ameaça usar a força contra a ilha autogovernada para afirmar sua reivindicação de soberania. Sob o comando do presidente Donald Trump, os EUA adotaram medidas adicionais para reforçar os laços com a ilha, incluindo vendas renovadas de armas e contatos aprimorados entre as autoridades.

O presidente chinês, Xi Jinping, que também lidera a Comissão Militar Central, disse em um discurso de 2 de janeiro que os comunistas “não fizeram promessas de abandonar o uso da força”, mas acrescentou que foi dirigido aos defensores da independência formal da ilha que se separaram do continente em meio à guerra civil em 1949, juntamente com quaisquer forças estrangeiras que pudessem intervir.

Somando-se às tensões, a China e os EUA estão presos em uma disputa tarifária que mostra poucos sinais de dissipação e Washington acusou repetidamente Pequim de realizar uma campanha de ciberespionagem para capturar segredos comerciais e governamentais.

FONTE: CNBC

10
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
7 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
Antonio PalharesGilson MourabalbinoBascheraEderson Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Tá certíssimo!! Vamos nos encontrar para acertar as coisas antes que algum comandante faça besteira nesse jogo de xadrez aí!!!

As coisas estão caminhando para um momento que não terá mais volta e ninguém será vencedor!!

Melhor voltarmos ao assunto comercial né? Você tem 2 bilhões de consumidores e eu tb quero comprar de você né?

igortepe
Visitante
igortepe

Tá certo, tem que resolver isso aí, tem que parar isso aí.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Os EUA que tomem cuidado …

Eu não confio nem um segundo naquele sonso ditador da china e nunca confiarei … e do tipo que fala uma coisa, faz promessas, assina acordos e as escondidas faz tudo ao contrario

ALEX ROCHA
Visitante

Uma pessoa quando não almeja paz, não há nada que possa mudar sua visão de guerra. Paulo me lembrou Hitler que agia da mesma forma. Fazia acordos, mas por baixo dos panos planejava a mesma coisa que este ditador. Dominar o mundo.

Ederson
Visitante
Ederson

Os chineses só querem o que os americanos já fazem, nada de diferente…

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Paulo Costa.
Qual dos dois países cumprem acordos e tratados, e respeitam as leis internacionais ?

Baschera
Visitante
Baschera

A China se tornou o MST do pacífico.
Depois que deixa invadir e por sua barraquinha lá é difícil tirar.

Sds.

balbino
Visitante
balbino

blablabla….
Eles estão se garantindo. E estão certissimo.
A China sempre foi alvo de saqueadores imperialista que usuparam seu territorio. Por isso nada mais justo do botar um limite nisso. Lide com isso

Gilson Moura
Visitante
Gilson Moura

Deixe-me ver se eu entendi!
A China quer ter a mesma atitude dos saqueadores imperialistas para acabar com futuras pretensões imperialistas de seus inimigos?
E mais, está todo mundo errado e a China certa? Filipinos, japoneses, indianos… todo mundo errado, mas os chineses estão certíssimo?

Puro besteirol ideológico.

Gilson Moura
Visitante
Gilson Moura

Vai tomar um deslike meu só por conta deste comentário ideológico.