terça-feira, setembro 28, 2021

Saab Naval

IMAGENS: Bombardeiro chinês Xian H-6K com mísseis antinavio supersônicos YJ-12

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Nas imagens, o bombardeiro chinês H-6K equipado com mísseis antinavio supersônicos YJ-12. O Xian H-6 é uma versão licenciada do bombardeiro bimotor soviético Tupolev Tu-16, construído para a Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China (PLAAF).

A entrega do Tu-16 para a China começou em 1958, e um acordo de licença de produção com a URSS foi assinado no final dos anos 1950. A Xi’an Aircraft Industrial Corporation (XAC) fabricou aeronaves em Xi’an como o “H-6”; o primeiro voou em 1959. Em novembro de 2020, a PLAAF tinha até 231 aeronaves do tipo.

A versão mais recente é o H-6N, uma versão totalmente redesenhada capaz de reabastecimento em voo e de transportar mísseis de cruzeiro lançados do ar. De acordo com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, isso dará à PLAAF uma capacidade aérea ofensiva de longo alcance com munições guiadas com precisão.

H-6N com mísseis antinavio e de cruzeiro

A versão H-6K foi projetada para ataques de longo alcance e ataques stand-off. É capaz de atacar grupos de batalha de porta-aviões dos EUA e alvos prioritários na Ásia. Esta aeronave também tem capacidade de ataque nuclear.

Enquanto os modelos anteriores tinham capacidade limitada de mísseis (o H-6G só podia carregar dois mísseis anti-navio YJ-12 e o H-6M dois mísseis de cruzeiro de ataque terrestre KD-20/CJ-10K/CJ-20), o H-6K pode transportar até seis YJ-12 e 6-7 ALCMs; um único regimento de 18 aeronaves H-6K totalmente carregado com YJ-12s pode saturar os navios inimigos com mais de 100 mísseis supersônicos.

A aeronave tem um novo radome do nariz que aloja um radar ar-superfície moderno e também recebeu um sistema de mira eletroóptico foi instalado sob o nariz.

Míssil YJ-12

O YJ-12 é um míssil lançado do ar que se assemelha a um míssil russo Kh-31 alongado.

Um artigo de 2011 no United States Naval War College Review creditou o “YJ-91/YJ-12” com um alcance de 400 km e uma ogiva de alto explosivo de 205 kg, em comparação com o alcance de 130 km (70 milhas náuticas) de um míssil antinavio Harpoon. Além disso, uma aeronave poderia lançar o “YJ-91/YJ-12” muito além do alcance dos mísseis antiaéreos SM-2 e Sparrow, que têm alcance de menos de 170 km.

De acordo com fontes chinesas, o YJ-12 tem uma velocidade em torno de Mach 2 se lançado de baixa altitude e até Mach 3.2 se lançado de grande altitude, com alcance máximo de cerca de 380 km (210 milhas náuticas) dependendo da altitude de lançamento; a altitude de ataque terminal é de 15 metros.

Em um artigo de setembro de 2014 publicado no Joint Forces Quarterly, o míssil foi creditado com um alcance de até 250 km e uma velocidade de Mach 2,5. Em fevereiro de 2015, um especialista militar afirmou que o YJ-12 tem uma ogiva de 400–500 kg e um alcance de 300 km (160 milhas náuticas) ao viajar a Mach 3, ou 400 km a um velocidade de Mach 4. O YJ-12 também pode fazer manobras evasivas para evitar armas antimísseis.

Um ataque de saturação por mísseis YJ-12 disparados de longo alcance representaria uma grave ameaça aos grupos de ataque de porta-aviões americanos; assim que a onda de mísseis sea-skimmer aparecesse no horizonte e fosse detectada pelos sensores dos navios, eles teriam apenas 45 segundos para engajar os mísseis antes do impacto, o que pode sobrecarregar as defesas de curto alcance.

Caças como o Su-30MKK e o J-11B têm um raio de combate de cerca de 1.500 km; equipá-los com o YJ-12 dá a eles um alcance de ataque potencial de 1.900 km (1.000 milhas náuticas).

A contramedida da Marinha dos EUA é usar a capacidade de engajamento cooperativo para detectar e destruir as aeronaves de lançamento do YJ-12 com mísseis SM-6 e caças de longo alcance, antes que os mísseis antinavio possam ser disparados.

Estudou-se a instalação do YJ-12 no caça-bombardeiro Xian JH-7B, mas pelo seu grande tamanho o míssil deverá ser empregado em caças maiores como o J-11 e J-16.

Em navios de guerra, o YJ-12 equipa o destróier Type 051B e o destróier da classe Sovremenny modernizado da Marinha Chinesa.

Segundo informes, a versão de lançamento terrestre do YJ-12B foi implantada nas ilhas Spratly por volta de março de 2018.

Mísseis YJ-12 instalados a meia nau do destróier Type 051B

YJ-12B lançado de terra

Cenário de combate no Mar da China. Observar o alcance do bombardeiro H-6K
Cenário de combate no Mar da China. Observar o alcance do bombardeiro H-6K

- Advertisement -

135 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
135 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Emmanuel

Eu gosto de tirar uma onda com a galera patriótica chinesa e russa, mas uma coisa tem-se que admitir, essa dupla é a ameaça mais séria para qualquer marinha.
Esse bombardeiro, mais esse míssil do capiroto, vão dar muita dor de cabeça no Pacífico.

Antonio Palhares

Falando seriamente, sim.
Ataques de saturação contra porta aviões e suas escoltas.
Da mesma forma que a aviação em porta aviões tornou inviável a vida dos poderosos e grandes encouraçados. A aviação e seus mísseis de longo alcance, junto com os mísseis hipersônicos. Tornarão perigosa e difícil a vida dos porta aviões e suas ecsoltas.
Porém, é briga de cachorro grande.

Inimigo do Estado

E Betinha enfeite de trono querendo mostrar alguma coisa com aquela banheira com meia dúzia de patos. É muita insanidade da ex-potência.

Alison

Queria ver um Brasil que investisse assim (Proporcionalmente é claro) em suas Forças Armadas.

Bosco

“Um ataque de saturação por mísseis YJ-12 disparados de longo alcance representaria uma grave ameaça aos grupos de ataque de porta-aviões americanos; assim que a onda de mísseis sea-skimmer aparecesse no horizonte e fosse detectada pelos sensores dos navios, eles teriam apenas 45 segundos para engajar os mísseis antes do impacto, o que pode sobrecarregar as defesas de curto alcance.” – Esse trecho deixa a entender que um CSG adentrou uma zona quente, em estado de guerra, sem estar em estado de prontidão, totalmente desleixado e desprotegido. Isso não me parece razoável. Um CSG tem sua defesa baseada em camadas… Read more »

Tomcat4,2

Bacana Bosco mas na vida real ,creio eu, neste exercício ai faltaram as escoltas dos lançadores destes YJ-12, creio que ambos sofreriam baixas e ao menos algum ou alguns navios da CSG sofreriam dano sim.

Bosco

Se puser as escoltas aí complica minha simulação. rssss
Vamos deixar como está. rsss

Bosco

Na verdade Tomcat, essa configuração de combate chinesa é uma reedição menos capaz da combinação “Backfire / KH-22” da época da Guerra Fria.

carvalho2008

verdade…..mas tal como o ancião B-52….olha os velhinhos ai…ainda fazendo diferença….bombardeiros puro sangue ainda hoje levam o conflito para outro nivel….

Na “Tempestade do Deserto”, os B-52 fizeram apenas 3% das surtidas aéreas, mas entregaram 30% dos explosivos lançados por todos os elementos aereos….

Tomcat4,2

Bacana Boscopedia, Guella Flia 2.0 !!!rs

Bosco

O pessoal inventa muito pra pegar porta-aviões americanos. São hipersônicos com milhares de quilômetros, mísseis balísticos, etc. Cada dia uma coisa nova. Eu acho a coisa toda simples. É só entrar na bolha defensiva chutando a porta com caças de modo a permitir que aviões de ataque lancem seus mísseis supersônicos de grande alcance (400 km é o ideal). Igual se usava antigamente a “torre de cerco”. Uma hora a defesa abre o bico. Os chineses estão no caminho certo. Se colocarem esses 18 bombardeiros com mais de 100 mísseis sendo escoltados por uns 18 caças e ai a porca… Read more »

Antoniokings

Prezado.

Os EUA estão em uma enrascada.
Não bastasse um, têm dois inimigos utilizando e desenvolvendo armas em um campo que os EUA subestimaram.
Não há muita solução para eles.
Enquanto estão patinando na área, Rússia e China já estão desenvolvendo e lançando outros sistemas.

Carlos Alberto Soares

O que definirá um grande conflito não será o que está no ar, mas o que estará debaixo d’água.

Antonio Palhares

Tambem concordo.

carvalho2008

Acho que alem de todo o inventario de ambas as partes….existiriam centenas ou milhares de engodos…. Eu sempre prefiro imaginar e minimizar a análise de que tudo se resumiria entre a capacidade de elementos lançaveis (caças+Bombardeiros+ misseis+ drones e engodos) de ambos os lados… Parece uma minimização muito grande? Não!!! Não seria!! O volume cubico capaz de ser transportado e lançavel pela frota da US Navy apesar de formidável, é muito pequeno se for comparado num TO no mar do sul da china….ou redondezas….pode ser gigante e superior a tudo o que temos aqui…mas naquela região…o numero de meios são… Read more »

Tomcat4,2

Poisé, mais um motivo pelo qual acho que não veremos treta bélica entre esta turma tão cedo.

Bosco

 “creio que ambos sofreriam baixas e ao menos algum ou alguns navios da CSG sofreriam dano sim.” Você leu a conclusão do meu comentário?  “””*Eu considero boas as chances do CSG.””” Em momento algum eu afirmei que o porta-aviões não seria atingido ou algum navio escolta. O que disse foi que dos 108 mísseis que faziam parte do pacote de ataque cerca de 85% seriam bloqueados na camada mais externa da defesa do CSG que é formada pela ala aérea. Essa é a função dela no controle de área marítima. Restariam cerca de 15% de mísseis que as defesas dos… Read more »

Tomcat4,2

Mas eu tbm não disse que vc afirmou nada meu caro, só fiz minha análise sobre seu comentário, como sempre, rico em detalhes e conhecimento.

Pedro

A escolta tem 1.500km de alcance, logo, esperam os grupos de batalha entrar dentro desse alcance e lançam os ataques escoltados. Nao duvido que derrubem os H-6 pois sao Tu-16 com outro nome, mas eles tem mais chances de atacar o alvo do que serem derrubados. Como o F-35 tem menos alcance, o grupo de ataque naval precisa entrar no campo de ataque chines para depois fazer um ataque. Nesse momento, NO MEU ENTENDIMENTO, o melhor equipamento para derrubar esse ataque é usar ataques com misseis de cruzeiro por submarinos contra as bases desses avioes quando o grupo de ataque… Read more »

Hcosta

O F35 pode não ter menos alcance, faz reabastecimento em voo. E tem cobertura de radar aéreo.

Antoniokings

Vc é um herói.
Continua com essa tese furada de defesa contra os mísseis super/hipersônicos.
E depois vem um poderoso contra-ataque americano com os fantásticos mísseis de cruzeiro sub-sônicos dos EUA?
Faça-me um favor!

Allan Lemos

Só que ai você não está levando em consideração as milhares de variáveis imprevisíveis que ocorrem no campo de batalha. Se essa conta fosse assim tão simplória, o Pentágono não gastaria milhões fazendo incontáveis simulações de guerra.

O fato é que a China já tem capacidade mais do que suficiente para fazer um sea denial em toda a first island chain de modo que nenhum comandante de CSG enviaria seus navios para lá.

carvalho2008

Mas Mestre Bosco….porque apenas 18 Bombardeiros iriam atacar? Por obvio, seria uma miscelânea de aeronaves diferentes e quantidades oriundas do continente em diferentes perfis de voo e direções…estes bombardeios seriam apenas uma diminuta fração de um ataque de saturação…. O resultado? Somente ocorrendo uma situação real para saber… No caso de uma vias de fato, apenas sabemos que no ambiente haveria: interferencia eletronica de ambos os lados; Misseis continentais; todos os misseis navais da US Navy; todos os misseis navais da PLAAF; toda a defesa aeronaval da US Navy; toda a força de ataque da PLAAF + toda a força… Read more »

Bosco

Carvalho, A China não tem recursos ilimitados. Isso é uma ilusão. Se estivesse havendo um conflito temo que sequer ela teria 18 bombardeiros num pacote de ataque disponível num determinado tempo e mais de 100 mísseis YJ-12. Sem falar que a implicação de uma série de armas e recursos como você mesmo citou, inclusive vindas do Japão , Coreia do Sul, etc. A região estaria um caos. Como o Pedro citou acima, muito antes de um CSG entrar no alcance as bases seriam atacadas por Tomahawks a partir de submarinos e pelos bombardeiros, o que no mínimo já degradaria a… Read more »

Carvalho2008

Mestre, de fato, a China não tem recursos ilimitados…. mas todos os recursos da China estão na China e em seu mar…mas todos os recursos americanos não estarão na China…não existe conta de custo beneficio americana que justifique isto…um grupo de batalha na escala atual é ínfimo…dois ou três ainda assim seriam insuficientes…

Bosco

Concordo! Mas quem foca muito em neutralizar os porta-aviões parece que são os chineses e seus apoiadores ocidentais (me refiro mais aos apoiadores na grande mídia americana do que os daqui da Trilogia) , Esse pessoal é que acha que numa situação radical onde os porta-aviões serão alvo é que só estará havendo combate contra o dito porta-aviões (me desculpe pelo termo mas eu não dou conta do termo “navio aeródromo” rsss). Um conflito que já tenha chegado ao ponto de 18 bombardeiros atacarem um porta-aviões americanos em qualquer lugar do mundo é porque a coisa já tá melada há… Read more »

carvalho2008

Não creio….Mestre…. Acredito fortemente que existem algorítimos robustos para compreender os niveis de alerta… O alerta nuclear pode ser iniciado mas não levado a cabo….eu poderia dar um exemplo tosco porém real: Uma unica decolagem de balistico não justificaria a resposta automatica massiva…os satelites iriam captar isto e perceber que não é massivo e sim isolado….e assim, segurar os disparos nucleares até mesmo por sistemas de segurança contra acidentes….e logo na sequencia, seria percebido que trajetória estaria confirmada ao mar da China e redondezas….bastaria um para indicar para onde vão…e após isto os chineses começariam a disparar sequencias maiores…o caso… Read more »

Bosco

Carvalho, Um míssil balístico com veículo de reentrada manobrável (MaRV) apto a levar carga convencional (não nuclear) e atingir alvos em terra com precisão é de domínio americano há mais de 40 anos haja vista o Pershing II) e é muito mais eficiente que um HGV (menos tempo de percurso, maior velocidade, capacidade de implementar ogivas falsas), mas eles não o implementaram em seus submarinos exatamente pelo “medo” de que se fosse usado poderia ser confundido com um ataque nuclear partindo dos Ohio. Houve um programa denominado “Conventional Trident” onde eles fariam exatamente isso mas foi cancelado pelo temor de… Read more »

Bosco

Carvalho,
“porque apenas 18 Bombardeiros iriam atacar”
É o cenário que foi citado no texto acima.
Meu comentário foi claríssimo.
18 bombardeiros H6 cada um com 6 mísseis YJ12, somando 118 mísseis, contra um CSG que basicamente é composto por:
1 porta-aviões
1 cruzador (com cerca de 120 lançadores verticais)
3 destroieres (com cerca de 270 lançadores verticais somados)
cerca de 50 caças (F-18E e F-35C)
5 E-2D AEW
cerca de 400 mísseis ar-ar IM-120
cerca de 500 mísseis sup-ar de pronto uso
11 Phalanx

Bardini

E-2D enxergando longe o que se aproxima, com capacidade de guiar SM-6, CAP contendo Super Hornet e F-35C, no ar para dar embate as aeronaves enquanto outros pacotes podem ser lançados. O que conseguir passar de míssil tem de encarar SM-6, SM-2, ESSM, Phalanx, EW e etc…
.
A gurizada só vai entender que o CVN é um dos pontos mais bem defendidos do planeta se desenhar.

Last edited 1 mês atrás by Bardini
Bosco

Bardini, O pessoal não se contenta em analisar o que foi colocado no post. Eles querem afundar o porta-aviões de qualquer jeito. Aí, sempre complicando pro lado americano e colocando mais variáveis, uma hora ele afunda mesmo. rsss Minha intenção não é afirmar a superioridade americana (da qual estou me lixando) ou que os porta-aviões deles são inafundáveis (fato que não acredito) , mas apenas mostrar como um porta-aviões exerce sua capacidade de controle de área marítima ao seu redor, com ampla capacidade de A2/AD em sua volta. E olha que eu nem disse que ele não seria atingido mas… Read more »

sergio

powww Bosco, Esqueceu o Godzilla!!!! srsrsr

Gil U

O Godzilla iria lutar pelo lado Japonês, são os chineses que deveriam ter medo dele rsrs

Bardini

De fato kkk

Tomcat4,2

“…A gurizada só vai entender que o CVN é um dos pontos mais bem defendidos do planeta se desenhar.”

Tá bom viu dono da verdade e do saber absoluto, só vc não tem humildade pra discutir ,ensinar e aprender , é mais fácil tachar os outros de adjetivos pejorativos do que ,como o Bosco e outros, responder mostrando e ensinando sobre o assunto. Fazer o quê, direito seu né e obrigado pelo guri !!!rs

Bardini

Eu não sou professor de ninguém. Ainda mais de graça. Se tu pensa algo nessa linha, o errado dessa história aí não sou eu.

Emmanuel

Bardini é um dos caras mais entendidos aqui.
Comentário dele já virou matéria.
Baixa tua bola murcha e respeita teu pai.

Tomcat4,2

Baba ovo, não disse que ele não manja ,só mencionei que ele deveria ser mais humilde.

“A humildade precede a honra !!!”

Até dei um like pelo …”respeita seu pai” !!!hauhauhauhauhau

Last edited 1 mês atrás by Tomcat4,2
Emmanuel

Vou dar um like só pelo teu like.
hehehehehehehe.

André Macedo

Acredito que nesse caso deveria levar em conta os navios e subs chineses com SAMs e mísseis anti-navio, que não iam ficar parados se 18 bombardeiros chineses decolassem, é bem provável que a própria movimentação de um CSG em direção à área já deixe as forças chinesas de prontidão pra mostrar presença e força, fora os próprios porta aviões deles. Acho que a maior defesa dos americanos nesse caso foi confiar que os chineses não seriam burros o suficiente para atacá-los e causar uma guerra.

Carlos Alberto Soares

Kkkkk…… valeu Professor.

Wellington Góes

Bosco, tu achas mesmo que os AMRAAM enganariam os YJ-12 depois de lançados e em vôo Sea skimmier?! Desculpa, mas tu estás sendo bem otimista nisso.

Bardini

Pq não engajariam? . O seeker do AMRAAM foi adaptado para ser empregado na versão Block II do ESSM. Capaz deve ser. . No mais, o YJ-12 pode ser supersônico, cópia de Kh-31 e etc, mas se toda sua trajetória for a baixa altitude, ele não vai ter tanto alcance, o que por consequência colocaria os bombardeiros muito dentro da zona de defesa do CSG e totalmente ao alcance dos caças fazendo CAP. Então, para ter alcance no engajamento, o míssil voaria parte do percurso a grande altitude e quando fosse baixar, a velocidade desse míssil não seria mais tão… Read more »

Bosco

Wellington O Amraam é capaz contra mísseis de cruzeiro tanto na função ar-ar quanto sup-ar. Ele por exemplo é o míssil do sistema NASAMS que inclusive defende Washington. Seu seeker (versão C) , como o Bardini citou , é o empregado além do ESSM Block 2 no próprio SM-6, que tem a função antimíssil na defesa naval Aegis e inclusive tem capacidade antibalístico e anti-hipersônico. Foi também escolhido para compor o sistema JLENS que visava a defesa contra mísseis. O engajamento do YJ12 só seria possível num embate frontal numa distância mais curta e não com os caças correndo atrás… Read more »

Zeus

Eis que num confronto naval nestas águas, as esquadras da China só entrarão em combate depois das forças inimigas sofrerem tal gravidade de danos por parte de mísseis como estes, que não terão como serem substituídas, e nem ousarão!
Mesmo os EUA que tem vários strike groups, não retornarão com outros depois de terem um ou dois deles destruídos por uma tempestade saturante e indefensável de mísseis hipersônicos!

Teropode

Fácil fácil 🤔🤔🤔

Antoniokings

Exatamente.
O porta-aviões que ousar se aproximar será afundado.
E outro não virá para ter o mesmo destino.
Já foi publicado que a estratégia da China e não deixar a guerra se aproximar de seu território.
E ela está armando um sistema de defesas em linhas que impossibilitará qualquer aproximação por mar de seu território.

Bosco

“Já foi publicado que a estratégia da China e não deixar a guerra se aproximar de seu território.”
A guerra já estaria às portas da China ou você acha que com um passe de mágica o Japão, a CN, Taiwan, Okinawa… desaparecerão?
Ah! Esses países serão arrasados com “milhares” de mísseis, né?
Tá bom!
*Vocês pelo menos dão uma olhada em alguma fonte séria sobre a quantidade de mísseis que os chineses têm ou só jogam isso na conversa sem mais nem menos?

WSilva

Japão e taiwan não contam, são presas fáceis para a China. Coreia do Sul evitaria o máximo de entrar no meio dessa briga por conta da Coreia do Norte, aliás se a China destruir o Japão, os sul coreanos é capaz de festejar.

Bosco

Como a China destruiria o Japão?

MestreD'Avis

Com centenas de misseis hipersonicos equipados com ogivas nucleares!!
Bosco, Bosco… Porque vc faz essas perguntas óbvias?

Last edited 1 mês atrás by MestreD'Avis
Antoniokings

São países tão pequenos que não precisam de centenas.
Bastam alguns.

sergio

Provavelmente ele vai falar que a China destruiria o japão com milhares de armas nucleares, mais se esquece que por causa da distancia entre eles as explosões serão sobre o japão mais a chuva radioativa vai cair em pequim

Emmanuel

Os Estados unidos, que tinham muito mais poder de fogo, se lascaram na IIGM pra tomar Okinawa, meteram duas bombas nucleares para baixar a bola deles, e vem tu, achar que a China, que não luta uma guerra a eras, vai vencer os japoneses, seus aliados, da noite pro dia.
É vc kings????

Antoniokings

Prezado

Os soviéticos, em onze dias, destroçaram 1 milhão de soldados japoneses na Operação Tempestade de Agosto.
E começaram a invadir o território japonês pelo norte.
Aí, os EUA resolveram jogar as bombas atômicas e acelerar o fim da guerra.
Se isso não ocorresse, hoje, a capital japonesa seria chamada de Tokiovski.

Bosco

Antonio,
Eu juro que já te vi chamando os americanos de covardes por terem jogado as bombas num Japão derrotado e agora você me vem com a Tempestade de Agosto aclamando a capacidade soviética de destroçar um milhão de japoneses.
Eu tento mas é difícil acompanhar seu raciocínio.
Mas foi ótimo. Toda vez que ver um “chapolin colorado” com mimimi por conta de Hiroshima e Nagasaki vou lembrar-lhes dessa “tempestade”.

Antoniokings

Não entendi a sua dúvida. A Operação Tempestade de Agosto se deu em pleno desenvolvimento da guerra, entre militares em terras da Mandchúria. A população civil não foi afetada. O Exército japonês foi destroçado, não houve um milhão de mortes. Na verdade os japoneses tiveram cerca de 50.000 baixas (meio termo entre os números soviéticos e japoneses). Depois, os soviéticos começaram a invadir o norte do Japão em uma guerra convencional. Não houve uma atrocidade contra populações civis indefesas como se deu com o lançamento das bombas atômicas. Acho que vc, antes de retrucar, deveria dar uma pesquisada para saber… Read more »

Carlos Campos

ele chama os EUA de covardes, depois diz que tem mesmo que bater Uigur, é o Direito Humano Seletivo Sinófilo.

Segatto

Antonio, a Operação Tempestade de Agosto se iniciou da madrugada do dia 8 para o 9 de agosto; Little Boy foi lançada em Hiroshima em 6 de agosto e Fat Man em 9 de agosto, dia da invasão; não há relação de causa e consequência entre um e outro, inclusive uma bomba predata a operação. Agora, se disser que isso acelerou a rendição do Japão que ficou com medo perder a imperador, ser dividido como a Alemanha e ficar de prateleiras vazias, ah, isso sim!

Last edited 1 mês atrás by Segatto
Antoniokings

Isso vc tem razão.
Mas, os japoneses não se renderam no dia seguinte ao lançamento das bombas.
Como vc disse, acelerou o processo de rendição.
Talvez os americanos tenham lançado a bomba para evitar uma invasão soviética e a ocupação do Japão pela URSS.
O que eu li era que os japoneses tinham a convicção que poderiam resistir com seu grande exército na Mandchúria.

Segatto

Mas eu não disse que se renderam logo no dia seguinte, com acelerou a rendição, eu estava me referindo a invasão soviética. Já o que eu li foi que depois da derrota japonesa pelas mãos soviéticas nas batalhas de Khalkhin Gol que os japas fizeram um acordo de neutralidade com a URSS de maneira com que ele pudesse lidar com os outros inimigos antes de lidar com a URSS, após o ataque a Pearl Harbor e a guerra com os EUA os japoneses tentavam de toda maneira manter a URSS neutra pois já estavam lutando contra uma grande potência e… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Segatto
Carlos Campos

eles iam ficar com Hokkaido, as projeções mostram que o Japão ainda poderia lutar mais 5 anos, os EUA tinham até um plano para ainvasão do Japão chamado Down Fall

Carlos Campos

Japão vai ligar o AEGIS e THAAD no talo, até mosca voando na costa leste da china eles vão ver, além de que o Japão ia revidar com mísseis de cruzeiro, mandariam seus subs afundar tudo que fosse chinês no mar amarelo e no mar do Japão, porto, fábrica, base militar na costa leste da China ia fazer Xablau, além que a China não atacaria nuclearmente o Japão, pq o risco de der suas cidades com pó de plutonio é grande, já fizeram horrores com chineses no passado, vão jogar agua radiotiva no mar , jogar pó radiotivo em chinês… Read more »

Inimigo do Estado

Japão? Conta a piada do papagaio agora.

Tomcat4,2

Pelo mapa a China salpicou o continente com baterias deste míssil além de navios e , é claro, o lançamento pelo ar como na matéria e este nem é o tal do DF-21 “matador de PA’s”.

Antoniokings

A China pode alvejar qualquer porta-aviões americano disparando mísseis do seu território.
Isto deixará as instalações totalmente imunes ao alcance das armas do inimigo.
A não ser que os EUA queriam lançar mísseis de cruzeiro sub-sônicos para tentar atravessar milhares de quilômetros de território inimigo sem ser localizado e abatido.

Bosco

Toinho,
A Terra não é plana… lembra?
O míssil antinavio hipersônico com 4000 km de alcance e seus lançadores podem se manter seguros dentro do protegidíssimo território chinês, mas como eles sabem onde estão os porta-aviões americanos?

nereu

Geolocalização é a resposta 

Bosco

Nereu,
Explica mais pra gente entender.

Antoniokings

Decerto que a China desenvolveu mísseis balísticos anti-navios sofisticadíssimos para atacar navios onde não sabe onde estão.
Faça-me o favor.

Bosco

Nereu,
Antes de me responder, faça um exercício de imaginação. Vê se a “geolocalização” funciona para o Exocet que a MB utiliza e depois me conta.
Se chegar à conclusão que não funciona para o Exocet muito menos funcionará para o DF-26.

Last edited 1 mês atrás by joseboscojr
Agnelo

kkkk
E ainda tem aquela do código fonte……

sergio

Ele não sabe, alguém vomitou isso pra ele, e ele vomitou isso aqui.

Carlos Campos

kkkkkkk míssil chinês vidente, ou o seeker dele tem 4000Km de alacance, se for o ultimo a china já venceu, temos que entregar o mundo.

Bosco

Talvez nosso amigo Nereu tenha se referido ao termo “geolocalização” se referindo à capacidade de satélites ELINT rastrearem a origem de feixes de RF. Esse é um meio muito comum de se encontrar uma frota no mar e todos o utiliza. Só que a coisa não é tão simples assim. Se for para mandar um avião patrulha investigar (e se possível , atacar) ou um bombardeiro ou um UAV ou um míssil como o LRASM, talvez funcionasse, mas para um míssil hipersônico , guiado por um seeker radar (não diferente do seeker do Exocet ou do Mansup), não funciona. Um… Read more »

Carlos Alberto Soares

Teropode

Este é tipo de combinação que falta para a Marinha da Índia , grande Bombardeiros de patrulha e combate , a Índia possui mísseis igualmente modernos , eles utilizam o eficiente Su30 como vetor mas se pudessem operar grandes Bombardeiros seria mais um fator para dissuadir , a questão é ,; onde arrumar Bombardeiros para comprar ( principalmente flexíveis e de custo baixo como estes chineses ), o Pak- da deverá ser restrito a Rússia , a Índia terá que construir o próprio bombardeiro .

Pedro

Os caras bancam o “tal” quando é contra a Russia que tem um bombardeio de muito mais alcance, projetado nos anos 70 (tu-22m3, nem entro em detalhes com o Tu-160 ou o Mig-31k) mais rapido e mais armado e que vem equipados com um missil de maior alcance e muito mais rapido, mas se borram de medo da China que tem um bombardeio dos anos 50 e com um missel que é uma evoluçao da copia de um missel sovietico do final dos anos 80? Algo esta errado ai….. Se a USN tem receio de entrar no pacifico central/mar da… Read more »

sub urbano

É oq eu sempre falo, a Russia bate na porta da Alemanha em questão de semanas. Tem país ali no Caucaso que dariam até passagem. Depois disso botariam milhares de reservistas e aliados em uma defesa de profundidade debaixo de um guarda chuvas antiaéreo com as melhores tropas na reserva. A Russia só não tem interesse em uma guerra ja que a Europa é a grande cliente do gás deles.

pedraoctba

Se demorar semanas, é devido a Polonia! Hj a Alemanha rende-se para a Russia em uma video-conferencia ou por e-mail!

Hcosta

Sim, como a Alemanha em poucos meses entrou milhares de km na Rússia na 2GM. O problema é o que vem a seguir.
A Rússia já tem grande parte do seu PIB/economia atribuído às despesas militares. Imagine se a França, Alemanha, Itália, RU, Polónia, etc… fizer o mesmo? E sem contar com os EUA.
Quem vai à guerra dá e leva…

MestreD'Avis

No dia que os paises do Caucaso derem passagem aos Russos para chegar á Alemanha o planeta sofreu algo estranho… Sabe onde ficam essas referencias antes de escrever isso?

Hcosta

Não está a perceber? Foram pela Turquia e viraram na primeira à direita.

São os Balcãs, não o Cáucaso onde fica a Geórgia e Azerbaijão.

Agnelo

A Russia tomou pau no Afeganistão, quando ainda era um FFAA “top”.
Em Grosny, levou um sacode contra uma guerrilha….
Ai…. ela vai derrotar a Europa……

MestreD'Avis

Bombardeiros equipados com misseis supersonicos é o que a USN tem preparado para combater nos ultimos 50 anos… Mesmo sem o binómio F-14+Phoenix, o Aegis e os SM-1/2/6 e ESSM foram desenvolvidos para esse tipo de ataque especifico. Se resulta a 100%? Muito provavelmente não, mas não seria o ataque demolidor e fatal que todos esperam.
A não ser que o CSG entrasse em zona contestada sem os E2 e a CAP no ar mas aí mereciam o que lhes acontecesse

Bosco

Exatamente Mestre, E creio eu Mestre que até o binômio F-14+Phoenix foi superado pelo Super Hornet (com radar AESA) + AIM-120D. Em que pese a poderosa ogiva do Phoenix ser muito mais capaz contra mísseis supersônicos. Recentemente a USAF divulgou que o AIM-120D consegui a interceptação ar-ar mais longa já conseguida por um míssil. *Ano que vem o AIM-260 deverá entrar em operação e deve ter pelo menos o dobro do alcance do AIM-120D e se cogita de adaptar o Amraam-ER para lançamento por caças. – Outro fator a ser considerado pela defesa é a capacidade dos radares AESA do… Read more »

Bardini

Se só 18 aeronaves bastassem para passar pelas defesas de uma CSG, chinês não teria desenvolvido o tal “míssil balístico antinavio”…

Matheus S

Um ataque combinado com mísseis D-21D seria devastador para um CSG, seria uma verdadeira saturação dos sistemas de defesa do CSG.

Heinz Guderian

sim, os americanos iam ficar esperando e só se defendendo dos mísseis. Você tem que levar em conta também o poder de reação dos EUA, no mais seria um banho de sangue para os dois lados e também acho que a China seria capaz de nocautear alguns PA, a questão é, eles provavelmente sofriam bastante perdas também.

Matheus S

Mas eu não disse isso. Afirmei que seria um ataque combinado entre vários tipos de mísseis, o que sobrecarregaria um CSG, não há como afirmar que um país como Rússia ou China usará apenas um tipo de míssil para abater um PA, na realidade, a doutrina é justamente abater primeiro as escoltas e depois disso abater o PA, só levando isso em consideração, já não se pode afirmar que usarão apenas um tipo de míssil.

Teropode

Mas o super trunfo é alardeado apenas pelos fãs , a China faz apenas o dever de casa , garantindo um bom leque de opções , os EUA , Rússia , França e Índia agem da mesma forma .

Tomcat4,2

Concordo contigo nesta meu caro!!!

Bosco

Vale salientar que o mapa com as marcações de alcance não levam em consideração o reabastecimento em voo do F-35 pelo F-18. No futuro (2024) com o MQ-25 Stingray um CSG poderá projetar força no dobro da distância ou mais. Na verdade um F-35C pode ter seus tanques completados a 1000 km do porta-aviões, o que lhe daria a mais , pelo menos 2000 km de raio de ataque. Claro que isso não é usual sendo mais provável que um Stingray abastece 3 a 4 caças, o que mesmo assim já aumenta em 1000 km o raio de ataque dos… Read more »

Antoniokings

Não creio que seja prudente reabastecer em voo um avião que deveria ser stealth.
Além do mais, a baixa capacidade de carga de armas do F-35 prejudicaria em muito sua atuação em um cenário de enormes distâncias, como o Pacífico.
Já postei aqui, reportagem mencionando que o militares americanos não fazem simulações no Pacífico utilizando o F-35, por ser ‘inapropriado’ para tal teatro de operações.

Teropode

O abastecedor Stealth já está quase pronto e até lá não vai ocorrer combates , fala prá seus patrões aproveitarem a chance e tentar a sorte , Taiwan está a menos de 120km.

Bosco

Um F-35 leva 8 SDBs/StormBreakers dentro do compartimento de armas. Contra esses lançadores de DF-21 faz um bom estrago.

Antoniokings

Os DF-26 têm mais de 5.000 km de alcance.
Muito fora de alcance até se o reabastecer o F-35.
Os chineses fizeram um teste lançando um deles do Deserto de Gobi (salvo engano) e acertaram um alvo no mar.
Sem chances.
A não ser que vc ache que existe a possibilidade de algum F-35 se aproximar do Deserto de Gobi

https://www.naval.com.br/blog/2021/03/20/o-emprego-de-misseis-balisticos-contra-porta-avioes-dos-eua-no-mar-da-china/

Prezado.
A situação americana naquela região é extremamente preocupante, para não dizer finalizada.
E os americanos sabem disso e buscam criar um contexto de conturbação para ter sobrevida por lá.

Bosco

5000??? Uau! Já tá nisso tudo? Daqui uns anos os chinas vão atingir os porta-aviões americanos no Golfo do México.
*Toinho, você é amigo meu ou amigo da onça???https://www.youtube.com/watch?v=paMX99_gUkg

Bosco

Eu desisto. Contra míssil de 5000 km de alcance e Mach 20 eu não tenho argumento. Tibum! O porta-aviões acaba de ser afundado. Que Deus tenha piedade de 6000 almas americanas.
Não tem como cobrir essa aposta…

Antoniokings

Tem de ter piedade, não
Se o sujeito aceitou o emprego, tem de saber os riscos e perigos que corre.

Fernando C. Vidoto

Hehehe os americanos são tão burros, todo seu equipamento militar são alvos e sempre agem no impulso (nunca planejam seus próximos passos).

Att.

MestreD'Avis

Lá em cima mostra o range do DF-26 com “up to 4000km”
Chega o super kings e diz que tem “mais de 5000Km de alcance”
Já sei, os chineses estão a esconder o jogo.
Mas então avisa ai os editores do blog que estão a publicar factos errados e mentindo aos leitores

Matheus S

Os chineses escondem o jogo mesmo. Isso porque tais mísseis ASBM são lançados do interior 500-1.000 km adentro do território chinês, portanto, o alcance efetivo é maior do que o divulgado pela China. O DF-21D é por exemplo tido como um alcance de 2.000-2.500 km e não apenas 1.500 km, eles não divulgam o alcance efetivo do míssil, mas apenas o alcance a partir da sua costa.

Mas 5.000 km de alcance de fato é uma incoerência.

Bosco

Mestre, E todos as informações que dão conta do DF-26 ter capacidade convencional antinavio vem dos… americanos. Não há nenhuma confirmação oficial chinesa. É tudo baseado em “vozes” na cabeça dos analistas americanos e britânicos baseados em fotos ou vídeo de … desfiles e em “murmurinhos” de algumas tímidas e não comprometedoras notas “oficiais”. Os chineses, espertamente, não afirmam nem desmentem mas com certeza dão boas gargalhadas. rssss O que é de conhecimento amplo e geral é que o DF-26 é um míssil balístico de alcance intermediário dotado de ogiva nuclear. O resto vem das tais “vozes” e aí ,… Read more »

Bosco

O que se diz é que apesar do DF-26 nuclear ter um alcance na faixa de 4000 a 5000 km, sendo portanto um míssil de alcance intermediário, a versão antinavio dotada de um MaRV (veículo de reentrada manobrável) não teria alcance maior que 2500 km. Não se sabe se essa degradação do desempenho seja devido aos meios ISR que não teriam como avançar tanto ou se seria pelo fato da ogiva MaRV ser mais pesada que a nuclear, além dela impor uma redução do alcance pela trajetória mais inclinada e maior arrasto. Ou pela combinação de todos esses fatores. *Em… Read more »

Matheus S

“Um ataque de saturação por mísseis YJ-12 disparados de longo alcance representaria uma grave ameaça aos grupos de ataque de porta-aviões americanos; assim que a onda de mísseis sea-skimmer aparecesse no horizonte e fosse detectada pelos sensores dos navios, eles teriam apenas 45 segundos para engajar os mísseis antes do impacto, o que pode sobrecarregar as defesas de curto alcance.” Essa simulação de batalha é totalmente irrealista. Um CSG americano com sua defesa em camadas e ativos aerotransportados que criam um raio de defesa em volta do CVN em centenas de km de distância, afirmar que um míssil sea-skimming iria… Read more »

Rafael

detectar é uma coisa, engajar o alvo é outra coisa, isso demanda tempo de calculos por onde o missil vai passar, se o missil muda de rota, tem que fazer o calculo tudo de novo, não é simplesmente detectar o alvo e disparar.

Matheus S

Eu acho que fui bem claro no meu comentário. Vou ser mais específico. Aeronaves como E-2 Hawkeye são os olhos de um CSG. A atuação deles é na faixa de 350-400 km em uma área designada em torno do CVN, se um míssil, mesmo ele sendo sea-skimming, seria detectado bem antes do intervalo de 45 segundos que o texto demonstra, e mesmo considerando a velocidade supersônica, o intervalo em que o CSG pode engajar o míssil já aumenta para minutos de tempo, ao invés dos 45 segundos que seria no alcance do horizonte dos navios escoltas do PA. O texto… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Matheus S
Hcosta

O problema são os misseis AA de longo alcance com o objetivo de destruírem o Hawkeye, lançados por caças.
Não sei se devemos considerar uma ataque grande isolado. Talvez começar por ataques mais pequenos sobre as escoltas e/ou aos navios de abastecimento.
Isto sem falar em atacar os satélites que também dão uma grande vantagem em seguir os aviões e, talvez, os misseis.

Matheus S

Cada Hawkeye sempre é escoltado por 2 caças, portanto, eles não ficam atuando isoladamente, todos sabem da condição primordial desse ativo e não deixariam ele sozinho contra os caças inimigos. Além do fato do Hawkeye sempre atuar atrás da primeira linha de defesa que são os caças que atuam mais avançados na linha frente de 700-1000 km do CVN. Uma das doutrinas para detectar o PA é justamente o inimigo usar a rota pela retaguarda para evitar tanto os caças na linha de frente quanto o Hawkeye, isso porque na retaguarda só terão os radares da escolta do PA para… Read more »

MestreD'Avis

Matheus, muitos consideram que em caso de guerra o CSG navega como nas sessões de fotos, a 15 nós, com as aeronaves no convés e com os Arleigh Burke e o Ticonderoga a poucos metros de distância. Claro que nesse caso, seriam facilmente afundados por uma barragem de 50 misseis de cruzeiro a Mach 3 com um aviso de 30 segundos. O que as pessoas preferem esquecer é a distância a que os destroyers estão do PA, precisamente para darem o alerta antecipado e abaterem o máximo de misseis/aviões possiveis antes de eles chegarem no PA. Um Arleigh Burke que… Read more »

Matheus S

O que você disse sobre abater o PA antes de todos é uma tarefa perigosa demais, levando em consideração todas as camadas de defesa que os caças inimigos precisam furar, as chances de sucesso são quase impossíveis. Sim, o fato de abater primeiro as escoltas aéreas e navais pode dar um aviso ao resto do CSG, mas as primeiras camadas de defesas do CSG seriam eliminadas, portanto, dando mais liberdade para os inimigos atuarem em torno do CSG, de nada adiantaria se fossem avisados se sua capacidade de defesa foi eliminada. Sobrando apenas as camadas de defesa de médio-curto alcance,… Read more »

MestreD'Avis

Era por ai que eu queria ir. Os primeiros alvos nunca seriam o CVN, deveria ser o E2, os F-18 em CAP, depois o Burke mais proximo do vector de ataque que iria tomar e só depois o CVN. Logo, não adianta enviar 20/30 bombardeiros. Alguns seriam presa fácil para os F-18, se cada um carregar 6 Aim-120 podem destruir ou danificar provavelmente uma dezena de bombardeiros e os restantes enfrentam uma task force plenamente avisada com mais caças e SM-2 a caminho. Agora, se enviar uma forte escolta de caças para abater os F-18 e o E2 abrindo caminho… Read more »

Matheus S

Justamente isso. São várias equações que podem ter um impacto no resultado final da guerra, por isso não gosto muito de ficar simulando o que aconteceria entre uma eventual intervenção americana com CVN e os chineses empregando todos os seus sistemas de armas, quem faz esse tipo de análise tem grandes chances de ganhar na loteria. Considerando seu comentário, seria mais ou menos assim, de um modo bem simplista. Mais sem dúvida nenhuma, os bombardeiros teriam que ser escoltados por caças abrindo caminho. O meu comentário inicial foi justamente no cenário apresentado do texto, deixando bem claro que a janela… Read more »

Washington luiz de Oliveira

O legal dos comentários, é que todos esquecem que hoje, nada sai do solo sem ter alguém fazendo o monitoramento, no caso específico de China e Rússia,a coisa é mais complicado porque os americanos tem aliados e bases muito perto, ai para acontecer algo de surpresa é quase impossível!!

sub urbano

O mapa desconsidera ainda os submarinos chineses e norte coreanos que estariam espalhados por toda região. “Todo mundo tem um plano até tomar um murro na boca” – Mike Tyson… Na guerra das malvinas, apenas a presença de um submarino argentino mobilizou metade da esquadra britânica. O torpedeamento do Belgrano (um navio velho e podre) por um submarino britânico botou toda a armada argentina nos portos. Almirantes são humanos (primatas falantes), tem sentimentos, sapeca um torpedão na quilha de Supercarrier desses aí perto das Filipinas e o impacto psicológico seria gigante. A guerra moderna não tem espaço para Osawas e… Read more »

Teropode

O mapa desconsidera muita coisa .

Diego

Com exceção do ataque de Doolitle, em 18 de abril de 1942, os EUA não usaram seus porta-aviões em operações contra a ilha principal do Japão durante o auge do conflito na Segunda GM, logo, por que fariam isso agora numa guerra contra a China? Imaginar que o almirantado ianque usaria seus valiosos porta-aviões pra se aproximar do território chinês no início da guerra me parece pouco provável… Ademais, os americanos não precisam derrotar as FFAA da China, basta que impeçam a conquista de Taiwan, somente isso. Ou seja, da mesma forma que os chineses podem afundar os navios americanos… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Diego
PauloOsk

China nao se mete nem com Taiwan a 100km.. vai atacar Porta avioes americano? haha

Antoniokings

Contra os EUA, a China vai passear.

https://oglobo.globo.com/mundo/por-que-os-estados-unidos-nao-vencem-mais-as-guerras-1-25138025

Em tempo.
Parece que os EUA vão anunciar sua retirada do Iraque.
Mais uma para a conta do Tio Sam.

Teropode

Mas o petróleo tá garantido , seus afilhados continuam prosperando no norte e leste Sírio , o óleo tá garantido , o foco agora é o Indico/ pacífico , novo teatro .

Antoniokings

É por isso que eu digo: ‘Os EUA estão sempre atrasados’. Quando eles acham que estão ‘cercando’ a China pelo mar, os chineses se expandem por terra com aliados no Paquistão, Irã, Iraque e Síria (não preciso lembrar que o Líbano está à beira do colapso e, provavelmente, ficará sob influência dos xiitas do Hezbollah). Ou seja, os chineses estão expandindo seu alcance (junto com os russos) até o Mar Mediterrâneo com terras contíguas. Sem contar a miríade de países centro-asiáticos que são amigos de longa data dos chineses. Até o Talibã está querendo entrar nessa lista. É visível que… Read more »

Antoniokings

Em tempo.
Vc não achava que colocar no poder pessoas como Reagan, Bush filho, Trump e outros sairia impune para os EUA, né?

Luiz Trindade

O negócio tá tenso por lá heim?!?

Carvalho2008

Minha analise é: – a economia entre países asiáticos não permitiria uma guerra Sino Japonesa, ou com envolvimento Coreano ou ainda qualquer outro….não levaria a nada… – No entanto, a China irá dentro de 1 a 5 anos, provocar alguma especie dano fisico e real a algum navio de guerra estrangeiro envolvido nestas operações de aguas internacionais em que ela considera sua zona nacional. Poderá ser um abalroamento serio ou mesmo um tiro para danos controlados. – os países deixarão esta reação forte chinesa por isto mesmo no campo militar, abandonarão estas incursões mas promoverão boicotes economicos e patrocinarão a… Read more »

Tomcat4,2

Brasil e principalmente a India .

carvalho2008

Tenho uma opinião que todo este cenario e todo este imenso crescimento Chines será visto não apenas como ameaça em forma de pacote regional…. Melhor explicando, não basta boicotar investimentos e produção chineses, seria necessário inclusive e de forma velada, adicionar uma nova ocidentalização da economia mundial….isto significa que alimentar quem as economias perifericas asiaticas tambem seria um erro e assim, procurariam fortalecer outros competidores com forte preferencia fora da Asia. Um boicote a produção e investimentos na China poderia ser contornado por ela por meio do fortalecimento dos laços economicos regionais…e aí é que estariam as chances brasileiras…. Isto… Read more »

Guizmo

Algumas considerações:

1) Esse binômio H6D e Yj12 é sensacional, queria tê-los no Brasil
2) Nada de novo pros EUA, nos anos 70/80 os Backfire representavam um cenário similar
3) Os EUA podem dar a mesma dor de cabeça aos chineses, com os B-52 e B-1B armados com LRASM
4) Os EUA apostam nos ASM furtivos e subsônicos, enquanto Chineses e Russos, nos hipersônicos. Interessante avaliar qual doutrina seria vencedora num conflito

Abs

Teórico

Uma escolta ocidental possui uns 120 silos verticais. Dizem que é pouco diante da saturação chinesa.

E se a US Navy criar navios especiais só com silos ? Tipo navio tanque ?

Uns 800 silos por navio ? Uns 10 navios seriam 8.000 !!!! nas primeiras rajadas vai ter chino correndo até o tibete.

Hcosta

Conceito de navio arsenal.
Muita coisa num só alvo.
Os EUA têm planeado produzirem 1800 SM-6.

Tomcat4,2

Teórico, em um CSG tem um PA ,um ou dois Cruzadores(com dezenas de celulas verticais com misseis Tomahawk e dois ou três destroieres ,o navio de apoio/abastecimento e um ou dois submarinos de ataque. Só por baixo ai vc já tem mais de 400 celulas(só os Arleigh Burk tem 90 a 96 celulas) verticais de lançamento e se apenas metade delas tiver 2 misseis por celula já teremos mais de 600 misseis.

Hcosta

Deve ter mais VLS em navios do que misseis.

Bosco

Vai é faltar míssil pra tanto de inimigo que a China tá arrumando.
Engraçado que falam a mesma coisa da Coréia do Norte, do Irã e da China. Todos têm milhares e milhares e milhares e milhares de misseis e são capazes de reduzir as cinzas os seus inimigos.
Fonte: vozes na minha cabeça . rssss (essa eu plagiei de alguém).

Pablo Maroka

Estou estarrecido com todo esse mal!

Luiz Floriano alves

Com bases aeronavais ao longo de nossa costa, e dotados destes vetores está assegurada a defesa contra ameaçs vindas do mar. Podemos dispensar submarinoa, porta aviões, fragatas mini, etc….

- Publicidade -

Últimas Notícias

Grécia assina MoU com o Naval Group e MBDA abrindo negociações para o fornecimento de fragatas FDI HN

Em 28 de setembro, Nikólaos Panayotópoulos, o Ministro da Defesa grego, Pierre Eric Pommellet, CEO do Naval Group, e...
- Advertisement -