sábado, novembro 27, 2021

Saab Naval

Índia será o primeiro operador internacional do P-8 Poseidon

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

p-8i

O Governo da Índia selecionou a Boeing para fornecer oito jatos P-8I de patrulha marítima, reconhecimento marítimo e guerra anti-submarino, para a Marinha Indiana. O P-8I é uma variante do P-8A Poseidon que a Boeing está  desenvolvendo para a US Navy.
A Índia será o primeiro cliente internacional para o P-8. A Boeing pretende entregar o primeiro P-8I dentro de 48 meses, a contar da assinatura do contrato, e os sete restantes, até 2015. Cada aeronave vai sair por cerca de US$220 milhões, com o contrato atingindo o valor total de US$2,1 bilhões.
A compra do P-8I será o maior contrato de defesa feito até hoje entre a Índia e os EUA e a primeira venda da Boeing naquele país. Os aviões vão substituir os velhos Tupolev Tu-142.

p-8a-poseidon

A Boeing ressaltou, em nota sobre a aquisição, que a capacidade de crescimento da aeronave, com sua arquitetura aberta e com uma base mundial de fornecedores e de suporte, deverá satisfazer os requerimentos indianos atuais e futuros.

Fonte e imagem: Boeing

- Advertisement -

17 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nelson Lima

Uma pergunta não quer calar. Adquiriremos o Harpoon, block II, de preferência?

Nelson Lima

Quanto às críticas infundadas baseadas em dados errados, os franceses chamariam de spirit d’couchon!

Nelson Lima

Espirit d’couchon!

Roberto camarada

Será que os P-3Br da FAB terão este leque de armas também? Armado com torpedos, cargas de profundidade e mísseis anti-navio Harpoon, o P-8I estará capacitado para as guerras anti submarino e anti superfície. Eles substituirão oito antigos, e antieconômicos, turboélices russos Tupolev-142M atualmente em uso pela Marinha. Os aviões P-8I ajudarão a cobrir os vazios existentes na capacidade de espionagem da Marinha, devido ao seu alcance de mais de 600 milhas náuticas(nm) operando cerca de `cinco horas e meia na área de patrulha’. Desenvolvido sob medida para a Índia e baseado na fuselagem do avião comercial Boeing 737, O… Read more »

Mauricio R.

A FAB olhou o P-99, não gostou nada do que viu e fechou c/ o P-3AM.

JACUBÃO

A FAB poderia montar um conjunto que seria bem eficiente e não ia dever em nada ao P-8, ou seja P-3BR/P-99. Seria difícil segurar essa dupla.

Mauricio R.

A Austrália, já não havia selecionado esta mesma aeronave???
Pessoalmente eu não vejo o dito C-390 indo a lugar algum, vejam que mesmo bancando o desenvolvímento do próprio bolso a Lockheed não está vendendo tanto C-130J assim, e do lado europeu mesmo c/ 192 encomendas firmes o A-400M é uma encrenca atrás da outra.
E a aeronave adquirida pelo Chile, versão do CASA C-295 está limitada a somente escleracimento, apesar de tb equipada c/ o FITS.

RL

Robson. Apenas fazendo um adendo ao seu comentário, ainda existe uma forte possibilidade em a EMBRAER firmar contratos com os governos Chileno e Argentino para o C390 no que diz respeito a componentes, uma vez que os mesmos já demonstraram interesse tanto na parceria de risco como na áeronave propriamente. Ou seja, o mercado é enorme para o Brasil. Quanto a India, não vejo que tenha sido um mal negócio, apenas penso que em questões de logistica pulverizar demaziadamente as fontes de fornecedores pode ser um tiro na culatra, por outro lado, em necessidade de conflito existem mais opções para… Read more »

Robson Br

RODRIGO RAUTA, Segundo o artigo “P3 ORION” na capa do “Poder Navsl – 3ª parte” (www.naval.com.br), cada P3 brasileiro custará menos de US$45 milhões cada unidade e na época o P8-A ainda era projeto. Não foi um mal negócio para a FAB que contará com o melhor patrulheiro da América do Sul e compatível com todas as ameaças atuais. Daqui a 15 anos os sistemas já estão desatualizados e a FAB terá uma nova plataforma o C390. Nos temos tantas coisas para fazer e talvez o Brasil e o Chile são os únicos dos países da AS que terão sondições… Read more »

edilson

Meu sonho de uma parceria com ìndia no desenvolvimento do P-195 foi por água abaixo…

Gabriel

Isso não e tudo o Chile deverá gastar mais 3 bilhões na modernização
das forças armadas nestes proximos um ou dois anos devido a Lei
do Cobre

andre

Caro Gabriel

Confio muito no nosso poder economico e politico industrial etc..
Mas o Chile tem as tres forças mais bem preparadas da America do sul!

Gabriel

E por isso que paises como a Suiça não gastam com modernização
pois quase sempre isso não não vale a pena, podendo em certos casos
sair até mais caro, mas é claro, que não podemos generalizar.

Rodrigo Rauta

Qnt nos custaram os mesmos 8 P-3 Orion???
Foi por volta de 200 milhoes cada aeronnave, ja mordenizada neh?…..
mais uma vez fizemos um belo negocio, ….

Gabriel

vai ser um grande passo para a India no que se diz a luta anti-submarina, em breve terão capacidade para ter uma das marinhas com maior capacidade operacional do mundo algo importante pois a India se localiza em uma região onde exite uma corrida armamentista com o Paquistão China e alguns tambem falam em Coreia do Sul. Mas tambem e importante lembrar que nossos vizinhos estão começando a adquir navios mais modernos para suas marinhas este e o caso da venezuela com seus mais recentes navios patrulha adquiridos a Espanha e submarinos adquiridos da Russia. O chile tem adquirido fragatas… Read more »

[…] janeiro deste ano a Índia escolheu o P-8 para substituir sua frota de Tu-146, tornando-se o primeiro cliente externo da […]

[…] Índia será o primeiro operador internacional do P-8 Poseidon […]

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

CoNavOpEsp da Marinha do Brasil realiza o primeiro Adestramento Conjunto de Planejamento de Operações Especiais

Sob coordenação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp), no período de 22 a 26 novembro, foi realizado, nas...
- Advertisement -