Home Sistemas de Armas ‘Trackers’ da Marinha: acordo sai até o final do ano

‘Trackers’ da Marinha: acordo sai até o final do ano

742
20

A revista Airforces Monthly informou na sua edição mais recente que a Marinha do Brasil vai adquirir 5 e não 6 aeronaves S-2 Traker como anteriormente anunciado. Porém, a matéria da revista confirma a existência de outras 5 opções.

O acordo final deve ser fechado ainda este ano e as aeronaves serão convertidas em alerta aéreo antecipado (AEW) e utilitários (COD).

Nas fotos abaixo, S-2T Tracker da Armada Argentina operando no NAe São Paulo.

S-2T ARA

S-2T ARA 2

LEIA MAIS:

20
Deixe um comentário

avatar
20 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
15 Comment authors
Marcos Eugenio de CastrolaerciobeckerbascheraRicardo PintoDanilo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
flaviodepaula
Visitante
Member
flaviodepaula

que isso!?!?!?!?!?!

Os aviões da embraer não seriam melhores, sendo parecidos com os que a FAB usa???

Alguém sabe um provável motivo para os nacionais serem deixados de lado nesta escolha?

flaviodepaula
Visitante
Member
flaviodepaula

Isso é, se fossem ser operados a partir de bases na costa…. Sei que não da pra pousar ERJ em porta-aviões, rs

Bronco
Visitante
Member
Bronco

Dadas as restrições do São Paulo, achei a decisão acertada.

É claro que ainda existe a opção de copiar a Royal Navy com o uso de helicópteros de alerta aéreo antecipado, mas o uso de um vetor de asas fixas amplia em muito a capacidade de uso, autonomia e de deslocamento rápido do radar embarcado.

Apesar de cumprirem missões diferentes (um de alerta aéreo e outro de patrula e esclarecimento marítimo e submarino) Para uso a partir de bases em terra a FAB já usará os P-3 modernizados.

Gustavo Abrantes
Visitante
Gustavo Abrantes

Os Trackers vão ser atualizados para guerra eletrônica ? Ou capazes para uso de armas de ataque? Pergunta, galera, por que, não modificamos os super tucanos para atuar no ambiente marítimo? Sendo uma aeronave de grande versatilidade, fácil operação, baixo consumo e de alta tecnologia, não seria um ótimo vetor para ser embarcado no A-12?

pcostrj
Visitante
pcostrj

Estarão de volta novamente !!!

Vai dar uma qualidade melhor a Força.

Abs.

diegodcard
Visitante
diegodcard

Bem, até que se pensando no atual estado da MB não seria uma má idéia uma versão naval ST (algo como Sea Tucano), onde poderiam suprir a carência de treinamento dos pilotos quando os AF-1 não estevessem disponiveis (o que é bem comum)….agora uma pergunta para os mais entendidos aqui do blog: Sabendo que o ST já é preparado para operar em pistas curtas, seria necessário tantas modificações assim para ele operar no A-12?

Ivan
Visitante
Ivan

Gostaria muito de saber a opnião dos especialistas. – Não seria melhor investir em um bom lote de S-3 Vicking, que a USNavy está doando para os aliados? – As turbinas dos S-3 Vicking são semelhantes aos Embraer da série ERJ? Os S-3 Vicking são excelentes plataformas ASW, na verdade são também plataformas ASuW, na medida que podem incorporar mísseis Harpoon externos (dois) e mísseis Maverick internos (aparentemente até quatro). Possuem grande autonomia e poderiam desempenhar também a funcão de reabastecedores, talvez 3 (três) KS-3, que desempenhassem também a função COD. Possivelmente são mais caros de manter, mas seriam muito… Read more »

affcl
Visitante
affcl

O nobre colega assim a tocou no mesmo ponto que eu pretendia, porque nao o S-3 Viking.
Seria isso algum tudo de conservadorismo estúpido, comprando aeronaves que nós já operamos em detrimento de vetores mais eficazes?

corsario01
Visitante
Member
corsario01

O S3 Viking não pode operar no SP.
Só por este ponto, já estaria a duvida sanada.
O estados dos aviões oferecidos a MB e a outras da America do Sul era muito ruim.
Se optassemos, teriamos que bancar todo o retrofit deles( carissimo) e ainda inserir neles todos os equipamentos eletrônicos para que atassem como a MB deseja, ou seja, inviável financeiramente até o teto.
Vejam que nem o Chile que ama comprar dos EUA, recusou quando viram que seria uma furada.

Espero ter ajudado.

Yluss
Visitante
Yluss

Sendo o Tracker uma plataforma projetada para AS Warfare, imagino que tenha uma boa capacidade real para alguns torpedos e cargas de profundidade, não? Deve dar um bom burro de carga quando convertido para transporte de cargas e pessoal 🙂

Tomara que em breve possamos vê-los operando do SP.

Saudações

Ivan
Visitante
Ivan

Corsário,
Ajudou.
Jogou um balde de água fria, ‘tipo polo sul’, na minha cabeça, mas ajudou.
Para enterrar o assunto S-3 Vicking (que eu tanto admiro) vc poderia especificar melhor os impedimentos de operar no Opalão, que dizer, no São Paulo?
Os equipamentos eletrônicos deles estão muito defasados?
Eu vejo no futuro próximo (10 anos) um TO no Atlântico Sul cheio de submarinos, e poucos serão brasileiros. O que vc pensa sobre isto?
Abç,
Ivan.

corsario01
Visitante
Member
corsario01

Eu penso que vc está enganado. No futuro teremos um numero de subs brazucas suficiente no Atlantico Sul. Quanto ao S3, eles viriam sem equipamentos, ou seja, quem comprasse, teria que rechea-lo. Ele não opera no SP por que o peso operacional dele é acima da capacidade do SP. Sem contar nos custos de manutenção dele. Só um motor sai na faixa de uns U$ 4 a 5 milhões e ele tem 2. rsrsrsrsrs Neste momento, o S2 é o melhor caminho, apesar de querer dizer a vcs que esta noticia acima da jane´s é velha e surpresas poderão surgir… Read more »

pedrolfurtado
Visitante
pedrolfurtado

Alguém teria idéia de qual o radar a MB escolheu para ser instalado? E alguém sabe qual o real papel da EMBRAER?

Ivan
Visitante
Ivan

Corsário,
É uma pena, sou um inconsolável fã do S-3 Vicking.
Acredito entretanto que eles poderiam vir com os “recheios” atuais, até por que são úteis ainda para nossos cenários e já estão ultrapassados para o padrão norte-americano.

Quanto aos Subs, tenho minha dúvidas.
O Brasil terá sua meia dúzia operaçional, mas acredito que veremos muitas bandeiras no Atlântico, principalmente na costa da África, mesmo que “de passagem”.

Abç,Ivan.

Danilo
Visitante
Danilo

Relembrando a pergunta do amigo la do inicio da discussão, seria viavel operar um super tucano naval abordo do Nae A-12 São Paulo, por que seu custo não é tão elevado a própria Embraer não poderia fazer modificações para esta finalidade, o que acham disso ?

Sds.

Ricardo Pinto
Visitante

Imagine o custo para desenvolver um Tucano Naval agora… A curto prazo ? Não da… Nem temos escala de produção para isto, o Jeito é o S-2 Tracker mesmo.

[ ]´s

Danilo
Visitante
Danilo

A história do tucano naval não era para substituir o S-2 Tracker e sim para compor a ala aerea de ataque do Nae, digo para servir de reserva para os A-4 Skyhawk e Amx A-1, quando estes não estivessem disponiveis para voo os “Super Tucano Naval” entrariam em operação para não deixar desguarnecido o São Paulo.

Abs.

baschera
Visitante
Member
baschera

O Esdras nem vai dormir de felicidade….rsssss.

Danilo em 30 out, 2009 às 21:18

Caro colega, o problema de um hipotético Super Tucano NAVAL, como já foi longamente discutido (não só aqui) é que vc precisaria fazer um NOVO avião. A estrutura teria que ser navalizada, a eletrônoca de bordo também, teria que ter mais espaço para combustível, gancho de parada, asas dobráveis, etc..etc.. e um projeto teria que ter comprador inicial, assim como a FAB garantiu uma encomenda mínima de 99 aparelhos. Veja quantos países tem um PA e se interessariam por um ST navalizado e terás a resposta……

Um Abraço.

laerciobecker
Visitante
laerciobecker

Essa aquisição de S-2 Tracker pela MB é uma idéia que tem mais de 10 anos. Vejam só esse trecho de: LUCCHESI, Cláudio. Skyhawk: o jato da Marinha. Air & Sport by Skydive, ano 5, nº 30, 1998, p. 44: “… recentemente foi apresentada pela Embraer uma opção bastante interessante (e bem mais econômica), segundo a qual a empresa, como contratada principal, reformaria aeronaves Grumman S-2 Tracker, adquiridas de estoques da US Navy, remotorizando-as como turboélices, e instalando um sistema AEW com domo ventral (possivelmente com parceria dos suecos da Ericsson, cujo radar Erieye será usado nos EMB-145 do SIVAM)… Read more »

Marcos Eugenio de Castro
Visitante

Enteressante, vejo que a MARINHABR, está adiquirindo por etapas, louvável, uma boa escolha. Vejamos o que será escolhido para a plataforma AEW. abs