Atlântico Sul dominio UK

A imagem acima, que foi mostrada numa apresentação do Ministério da Defesa sobre o programa de submarinos da Marinha do Brasil, mostra as ilhas do Atlântico Sul sob domínio do Reino Unido.

Tags:

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

57 Responses to “Reino Unido ainda domina o Atlântico Sul” Subscribe

  1. Thomas 22 de fevereiro de 2010 at 19:14 #

    Estamos cercados !!!

    Nao ter inimigos e’ tremendamente chato, temos que inventar eles – junto com fictícias ameaças a nossa soberania …

  2. Inquiridor 22 de fevereiro de 2010 at 19:16 #

    Alguem pode decifrar esta imagem?
    O que significa as linhas amarelas?
    Os pontos amarelos é as plataformas da Petrobras?
    O que significam os quadrados vermellhos?
    Agora de uma coisa eu sei; não sabia que a inglaterra tinha tantas ilhas no atlantico sul. Vivendo e aprendendo!!

  3. Roger.T 22 de fevereiro de 2010 at 19:26 #

    interessante notar a influência que uma marinha bem preparada pode causar. No nosso caso, seria apenas suficiente uma marinha preparada para manter a soberania no atlântico sul. No minímo ter um preparo de igual pra igual com a marinha britanica aqui no nosso hemisfério.., Aposto que seria impensável para os britânicos (ou até mesmo para os americanos) a presença de bases da marinha brasileiras no atlântico norte… Se quisermos começar a pensar como potência, acho necessário considerar essas “futilidades”..

  4. Cor Tau 22 de fevereiro de 2010 at 19:33 #

    “o amigo como sempre, foi no ponto chave, o que está em risco não é só o petróleo nas malvinas, mas o pré-sal tb, por isso o aumento da costa maritima não vai para frente.”

    Repito………Tem um grosso do pré sal que encontra-se em aguas internacionais….Eu só quero ver como reagirão quando se instalarem lá…………Quando esse mesmo tipo de problema aparecer aqui…………

    “Amigo Blau Blau…Sera noruegues,argentino até frances……Espera só pra tu vê…Sera como num
    dia de verão carioca….Um arrastão de Trombadinhas……..

    É um absurdo que certos tipos de coisas ainda existam nos dias de hoje…..Só a inglaterra mesmo……………….

    “por isso o aumento da costa maritima não vai para frente.”

    Vc vai vÊ só o que ira “pra frente lá”………….

    “Chavez já disse que a Argentina não vai entrar na guerra sozinha”

    huahuahua…..Nunca vi tanta conversa fiada na minha vida……….D-U-V-I-D-O….Aquele porkinho da india é uma gracinha mesmo……….O que não fazem pra aparecer…..Agora todo mundo apoia aquele pais……Só que apenas na conversa…..Quero sõ ve quando o poblema chegar aqui……

    http://www.youtube.com/watch?v=QvmGbkYDWz4

    Não confundir Capitao de fragata com cafetão de gravata…..

  5. Marine 22 de fevereiro de 2010 at 19:40 #

    Interessante sabermos o que seriam os pontos amarelos na nossa costa e notar que como se defende as linhas maritimas do “nosso Atlantico Sul” com a Marinha que possuimos agora e nos proximos 10 anos?

    Quando vamos acordar que a Marinha e a forca primordial em tempo de paz, garantindo a economia de um pais como nosso ao manter as linhas maritimas abertas.

  6. Wolfpack 22 de fevereiro de 2010 at 20:00 #

    Isso é excelente para mostrar para os idiotas dos Jornalistas que pensam que o Pré-Sal e nossa costa está salva de alguma intervenção econômica. Se os ingleses estão começando a explorar petróleo nas águas ao redor das Malvinas, nada o impedirá de explorar petróleo do pré-sal, uma vez que este se extende além de nossas águas territoriais… Abra o olho Brasilll…
    Por que a Folha de São Paulo não publica tal imagem?????

  7. Wilhelm 22 de fevereiro de 2010 at 20:21 #

    Thomas acertou na mosca!

  8. fullcrum 22 de fevereiro de 2010 at 20:35 #

    O problema da defesa ou a falta dela é como já dito por aqui a cultura de que conosco não vai acontecer nada. O Joelmir Betting falou que o FX custa 1,5 bolsa família e outros jornalistas falam como se investir na defesa fosse desperdício de dinheiro. Os mesmos que falaram que o Brasil não tinha meios para chegar no Haiti. Mas quando surgir a necessidade só haverá tempo para lamentar.

  9. Harry 22 de fevereiro de 2010 at 20:37 #

    Caros

    Para aqueles que acha que o Brasil não tem nada a haver com o caso Malvinas.

    PIMENTA NO CARACU DO OUTRO É REFRESCO

    Abs

  10. jacubao 22 de fevereiro de 2010 at 20:42 #

    Os amigos do blog repararam que a amazônia está separada do Brasil?
    Por que pintaram ela de verde e o restante do brasil não???
    Estranho, né?

  11. Mauricio R. 22 de fevereiro de 2010 at 21:14 #

    Mas é mta paranóia junta, o que é que os britânicos tem de infra em:

    Gough; Tristão da Cunha; Orcadas do Sul; Sanduich do Sul; que possa nos afetar????

    Santa Helena tem porto ou uma base aérea, por acaso???

    Instalações militares reais e importantes somente em Ascenção e nas Falklands propriamente ditas, e estas ultimas graças aos panacas dos nossos “hermanos” argentinos!!!

    Somente aquele mto mau intencionado do Jobim, p/ inventar que os britânicos estão nos cercando…no mar.

    Enquanto os americanos estão fazendo isto em terra.

  12. Harry 22 de fevereiro de 2010 at 21:30 #

    Caro

    Mauricio eu não sabia que a ARgentina tinha parceria na construção das instalações militares inglesas em Ascenção e nas Malvinas, deve ter tido financiamento portenho também. Ha, Ha,

    Abs

  13. Wilhelm 22 de fevereiro de 2010 at 22:11 #

    O que o Maurício quis dizer é que as instalações militares britânicas de Ascencion e Falklands foram incrementadas por causa da Guerra do Atlântico Sul.
    Será que é tão difícil entender isso?
    Precisa apelar para o supremo despolimento da ironia?

  14. Paulo 22 de fevereiro de 2010 at 22:26 #

    Roger.T
    As tais “futilidades” poderiam começar com bases aeronavais em Cuba, Moçambique e Timor Leste, sem falar na base da Namíbia, já em gestação. Para que isto? Para “rastrear” nossos satélites.
    E quem não gostar que se exploda.
    Abraços

  15. Harry 22 de fevereiro de 2010 at 22:29 #

    Caro

    Wilhelm voce me faz lembrar da frase QUEM MANDOU SER..

    Pobre, Negro, P…., Nordestino,

    Quem Mandou as Malvinas ficar defronte da Argentina,

    Senta Argentina,

    Quem sabe assim o Brsil não desperta

    Abraço a todos

  16. AL 22 de fevereiro de 2010 at 22:34 #

    Nessa questão das Malvinas, vcs perceberam que as condições político-econômicas da Argentina são quase as mesmas, hoje e em 82? Claro, tirando que lá era ditadura e agora governo eleito, o resto é a mesma coisa. A diferença é que em 82 a Argentina ainda tinha alguma coisa de FAs, hoje é comédia. Se a Argentina fosse bem mais forte hoje, em termos bélicos, vcs acham que a Inglaterra iria assim explorando petróleo nas Malvinas sem mais nem menos?!? Que isso nos sirva de lição e a nossa MB seja equipada o quanto antes!!!! Abraços.

  17. Felipe Cps 22 de fevereiro de 2010 at 22:45 #

    Mauricio R. em 22 fev, 2010 às 21:14:

    “somente em Ascenção e nas Falklands propriamente ditas, e estas ultimas graças aos panacas dos nossos “hermanos” argentinos!!!”

    HAHAHAHAHAHA, “PANACAS” FOI ÓTIMO, rsrsrsrsrsrs :)

    É bem isso mesmo: perderam uma porcaria de guerrinha por pura burrice e incompetência (além de alguma “trairagem” da “aliada” França) e agora querem meter a nossa cabeça no mesmo baraço em que meteram a deles das guampas ao ombro…

    Meu medo maior é que também temos nossos “panacas” no Planalto e alderredores, louquinhos pra fu. com a gente…

    Corre Bino, que isso é uma cilada! :)

    Sai fora dessa Brasil!

    Sds.

  18. OTV 22 de fevereiro de 2010 at 22:48 #

    Inquiridor em 22 fev, 2010 às 19:16

    “Alguem pode decifrar esta imagem?
    O que significa as linhas amarelas?
    Os pontos amarelos é as plataformas da Petrobras?
    O que significam os quadrados vermellhos?
    Agora de uma coisa eu sei; não sabia que a inglaterra tinha tantas ilhas no atlantico sul. Vivendo e aprendendo!!”

    Faço minhas, as suas palávras, todas sem exceção.

  19. Fábio Mayer 22 de fevereiro de 2010 at 23:01 #

    Isso é paranoia. Se alguém quisesse atacar o Brasil já o teria feito, não ficaria esperando esse rearmamento pifio que estamos experimentando.

    A questão é: Por que o Reino Unido domina o Atlântico sul?

    É simples:

    a) Porque é bem equipado e no estado da arte, suas FFAA tem o que é moderno em meios e equipamentos, e em quantidade compatível com suas necessidades, inclusive as de politica externa. O Brasil, bem, nem preciso escrever muito…

    b) Porque tem uma visão global bem esclarecida, com finalidades pre-determinadas. Eles não mudam todos os critérios de politica externa a cada governo, não ficam a prestar favores para ladrões como Hugo Chaves e o casal K. e não impõem ideologia em suas atuações, ou seja, eles combatem os Marco Aurélio Garcia quando o assunto são os interesses na nação, que são sempre os deles, não os de Cuba!

    c) Eles mantém boas relações militares com a Austrália, a África do Sul ea Nova Zelandia, ex colônias, sendo que o Brasil não é capaz sequer de ter programas militares efetivos com Angola e Cabo Verde, países que têm idioma e raízes comuns conosco.

    Ninguém mantem FFAAs tão respeitosas se não quiser impor seu poder. Os ingleses vão explorar petroleo nas Falklands porque isso é parte dos interesses na nação, razão pela qual se pagam impostos qu são gastos em parte em armamentos e treinamentos militares.

    Quem quiser, ouse enfrentá-los… porque ele não bola para mitificações e paranóias esquerdofrênicas de sindicalistas.

  20. Mauricio R. 22 de fevereiro de 2010 at 23:09 #

    Ué não foi o próprio ministro da Defesa, que levantou essa lebre????
    A do cerco britânico ao Brasil, no Atlântico Sul???
    Então qual a qualidade desse cerco???
    Tem cerco nenhum, tem é uma vontade mto grande de usar isso p/ justificar as compras mto mal ajambradas de material bélico francês, isso sim.

  21. Getulio - São Paulo 22 de fevereiro de 2010 at 23:22 #

    Até que enfim uma abordagem geoestratégica do poder no mundo. Até agora estávamos restritos à nossa costa continental. Estamos engatinhando pelo Atläntico.
    Quem sabe daqui a pouco possamos fazer como os portugueses e dobrar o Cabo das Tormentas ou o Cabo Horn e passamos a pensar no Pacífico e no Globo como fazem estas forças navais a que nos referimos A e B que nos cercam.

  22. André 22 de fevereiro de 2010 at 23:51 #

    Perfeita a sua abordagem sobre o tema, caro Fábio Mayer.
    Sds a todos.

  23. Harry 22 de fevereiro de 2010 at 23:53 #

    Caros

    Só se fica sabendo se o RABO esta preso e aonde ou com quem
    levantando a LEBRE.

    Se é que entendem…..ACORDA BRASIL

  24. Átila 23 de fevereiro de 2010 at 0:06 #

    Galante, parabéns!
    Só tenho isso a dizer.

  25. Icaro 23 de fevereiro de 2010 at 0:31 #

    As linhas amarelas saum as principais rotas de comercio maritimo…

    Os quadrados vermelhos saum pontos onde ha minerios…

    e as bolas amarelas saum as principais plataformas petroliferas ou como foi colocado pelo Sr. NJ, infraestruturas criticas energeticas…

    Eh o q me lembro de ter assistido na apresentação pela tv senado na reprise. Alguem pode confirmar?

  26. Icaro 23 de fevereiro de 2010 at 0:35 #

    Quanto as ilhas se eu naum me engano estaum relacionadas a falha geologica q existente, +- nessa linha pontilhada em vermelho, q eh originada na separação da africa com america do sul…

    falha essa q permitiu o surgimento do “arquipelago de s. pedro e s. paulo”…

    Axo q eh essa a explicação…

  27. caravlhomtts 23 de fevereiro de 2010 at 2:22 #

    Pessoal boa noite,escuto muito o pessoal do governo falar em pré sal,pois eu vou falar uma coisa a petrobras ou outra campanhinha qualquer de petróleo não tem tecnologia para prospecção de petróleo em águas super profundas,o maquinario para esta perfuração nem projetado foi,as plataformas para o pré sal só existem desenhadas em papel,quem trabalha na área de petróleo e gaz sabe disto,a logística para o pré sal é maior que da bacia de campos toda,fora construção de navios de serviço treinamento de pessoal,e alem do mais não é 100% a quantidade de pétroleo que andam floreando aos sete ventos,tem muita coisa a ser feita antes,e nas malvinas cara este lugar é tão longe que vai ficar muito caro a prospecção ali só a logística vai ser um deus nos acuda,agora se for em parceria com os argentinos já melhora um pouco,proximo ao continente já facilita as coisas,esse pessoal do PT não é facil não é como aquele ditado a propaganda é a alma do negocio.
    abarço a todos.

  28. Felipe Cps 23 de fevereiro de 2010 at 7:40 #

    Fábio Mayer em 22 fev, 2010 às 23:01:

    Perfeito! Amigo, seus comentários tem sido uma luz no meio de tanta treva paranóica…

    Sds.

  29. fabio 23 de fevereiro de 2010 at 9:10 #

    Essas ilhas são um monte de rocha no meio do atlantico, nao serve pra nada, somente em Ascenção é q tem uma pista de 3 km e o porto, e nas malvinas com a pista de Mount pleasant q podem se dizer imprtantes, é só dá uma olhada no google earth !!!!!

    acho q alguém q justificar o preço do equipamento Sr. Dassault

  30. Junior 23 de fevereiro de 2010 at 11:33 #

    As guerras de hoje, nao serão como era antigamente, ela será eletronica e economica, se o Reino Unido bater o pé e não recuar, corre risco de ter todas a suas mercadorias boicotadas pela América Latina, o que nao será muito bom para uma economia em constante estagnação. O Brasil, está certo em apoiar a Argentina, fazendo isso estará fortalecendo o poder de liderança e de voz na América Latina.

  31. OTV 23 de fevereiro de 2010 at 11:39 #

    Bom com relação ao “cerco ao Brasil”, concordo não há cerco nenhum, e também não nenhuma nação no mundo que tenha um discurso de “vamos tomar a Amazônia”, ou o pré-sal, mas há dentro do EUA, e de paises aliados a este, grupo econômicos fortes interessados nestas áreas; e estes grupos disfarçando de benfeitores financiam o lobby internacional sobre ecologia, ambientalismo, conservadorismo, direitos humanos, e lá vem as ONGs, e comissões de DH, ambientalistas, etc, dirigindo nossa política interna (demarcação das terras indígenas, ambientalismo impedido a exploração de recursos naturais, e assim vai), e ainda se estabelecendo fisicamente em território nacional, fazendo uma ocupação branca do mesmo, e ainda tentando jogar a população local contra o país, é o que estão fazendo nas terra indígenas, a ideia central deles é fazer com estes grupo se declarem nação independente, e aí terão proteção da ONU.
    Paranoia? Né não. Isto existe, esta em andamento, e o grande entrave será quando representantes políticos daqueles grupo econômicos, chegarem ao poder.
    Por estas e outras devemos conseguir toda a independencia tecnológica que nos for possível, não apenas no setor de defesa.

  32. PAULO SÁ 23 de fevereiro de 2010 at 12:07 #

    Amigos, que sera necessário pra se enxergar?
    Isso não pra agora, mas a longo prazo.
    A Inglaterra esta cercando todo Ataltico Sul e manietando o Brasil.
    Esta ilhas estão sendo preparadas para isso.
    Vejam o que causou a ignorância a Argentina!
    Hoje estão sem ação.

  33. OTV 23 de fevereiro de 2010 at 12:12 #

    “Isso não pra agora, mas a longo prazo.”

    Políticas públicas nunca são para agora, são estratégicas. E em relação a defesa é a mesma coisa. Pode não ser para agora, pode ser até que nunca ocorra, mas os investimentos em FFAA são para ontem, e não depois que acontecer, ou estiver na iminência disto.

  34. Augusto 23 de fevereiro de 2010 at 12:19 #

    Os meios de comunicação e a oposição tem que parar com discurso do apocalipse com relação o Brasil se tornar a Venezuela ou ao PT. Se o Lula e sua trupe quisesse hj já tinham feito e ninguem ia falar nada, esse pessoal do PSDB e PT são tudo da mesma origem, DEM é um deserto de ideias e o resto nem conta. O pessoal tinha que pensar é numa plano para o pais e isso não vi até agora! Não adianta só reclamar ficar falando petralha para lá mensaleiros para cá e ai? Cade o plano para tirar o brasil dessa sinuca? Vão buscar apoio de quem?
    O resto é pura fumaça………….

  35. humberto 23 de fevereiro de 2010 at 12:28 #

    Senhores,
    Concordo com caravlhomtts, a infra estrutura para a prospecção do petróleo é gigantesco, não daria (ou o custo seria proibitivo) se não tiver uma bom suporte em terra.
    Como não vi todos os slides fica uma dúvida, colocaram lá as guianas francesas? Creio que sim para ser mais isento, se não colocaram..
    No mais, os britanicos não dominam o Atlantico Sul, quem tem o título são os satanicos gringos.. Eles sim tem um poderio global.
    []

  36. 2demaio 23 de fevereiro de 2010 at 12:32 #

    Apesar de nós sermos o pais com mais territorio maritimo no Atlantico Sul, tem alguns ilhotas (Grã Bretanha) do Mar do Norte que dominam o Atlantico Sul. Aja saco !
    E agora com mais petroleo no Atlantico Sul (inclusive do lado africano).
    ACOOORDA BRASILLL.

  37. Paulo Costa 23 de fevereiro de 2010 at 13:07 #

    Os pontos amarelos são as plataformas,e as linhas amarelas são as rotas dos navios de porto a porto,as rotas atuais deverão ser mudadas,e os retangulos em vermelho são as jazidas de petroleo,
    e minerais já levantadas anteriormente,a maior delas é a elevação
    do Rio Grande,que os russos se apoderaram,palavras do NJ em um
    encontro das forças armadas.

  38. Paulo Costa 23 de fevereiro de 2010 at 14:02 #

    Este arco de ilhas existe ha mais de duzentos anos,recentemente
    usamos a Tristão da Cunha para entregar um Napaco para a Namibia,
    la tem uma instalação militar pequena,e fizemos a escala por lá.
    A ilha de Trindade,nos foi devolvida pelos Britanicos,inclusive
    com o forte feito por eles,tudo negociado,em volta da ilha existem jazidas de minerais,e etc.Com paises de primeiro mundo
    é arriscado o uso de força,melhor negociar,Ghandi ja dizia isto,
    e teve sucesso na India.

  39. OTV 23 de fevereiro de 2010 at 14:49 #

    Isto chama-se sobrevivência. E o Brasil aqui querendo dar uma de bonzinho…tenho um ditado popular que diz que bonzinho só se da mal.

  40. Getulio - São Paulo 23 de fevereiro de 2010 at 15:24 #

    Eu me lembro bem de uma fala do Bush no início de seu primeiro governo quando a coisa andava mal por aqui no governo FHC, inflação alta,sem perspectiva de solução, estagnação da economia, etc. Na época o Brasil ainda devia muito ao FMI e os arrogantes do Citibank vieram até o governo dar palpite na política econômica brasileira.
    O que disse o Bush nesta ocasião, “se alguém não tem com que pagar, que pague com terra (amazonia)”.

  41. Getulio - São Paulo 23 de fevereiro de 2010 at 15:36 #

    É sabido que os ingleses tradicionalmente dominantes do mundo até o início da II Guerra Mundial detinham territórios por todo o planeta e conhecimento do que existia em cada uma de suas colonias.
    A exploração de petróleo nas Malvinas não é um “achado”, mas prospecção já realizado há muito tempo, só não fizeram antes pela inviabilidade econômica da exploração.
    Os ingleses e americanos já tem todo o planeta Terra mapeado com seus satélites e sondas espaciais, sabendo exatamente onde se encontram os recursos naturais e jazidas, ainda desconhecidos pelos seus proprietários, como nós ou argentinos, peruanos, etc;
    Existem boatos de há muito que o banco que financiou a independência do Brasil, que é inglês, que ainda existe tem levantamento de todas as possíveis jazidas minerais em nosso país.
    Outro dia não saiu uma informação de que a maioria das universidades particulares do país encontram-se nas mãos de investidores americanos? É o controle do conhecimento aqui produzido em favor deles.

  42. Leonardo 23 de fevereiro de 2010 at 16:27 #

    Matéria excelente, parabéns!

  43. evandro 23 de fevereiro de 2010 at 17:13 #

    Bom não concordo que o Reino Unido domina o Atlântico Sul. As ilhas que estão sob domínio Britãnico estão no meio do oceano que não fazem a menor diferença. O problema são as Malvinas na qual o Governo Argentino reclama a sua soberania. Hoje nas malvinas tem caças Typoon e submarino Nuclear e isso incomoda não só os Argentinos como tbm os Brasileiros. Na guerra das malvinas um único submarino inglês pos a Frota argentina nos portos com medo de ser afundada como foi o Belgrano. Os ingleses não vão dar as malvinas para os argentinos de graça não. O Brasil precisa apressar urgente a construção de seu Submarino Nuclear. Não um só não, mas uns 4 submarinos Nuclear para que possamos ter um poder de dissuação nos Mares do Atlantico Sul. Equanto a enquete do site em que os leitores estão votando em ter mais um Navio aeródromo acho loucura pois seria afundado facilmente em uma guerra. O Porta Avião São Paulo em um exercício com os submarinos da Marinha já foi afundado.

  44. GUPPY 23 de fevereiro de 2010 at 18:18 #

    Excelente matéria. Eu sempre achei que o Brasil deveria investir militarmente em Fernando de Noronha e na Ilha da Trindade. Se tivéssemos bases aéreas e/ou navais nessas ilhas oceânicas já não estaríamos tão ausentes assim diante dessa “presença” britânica.
    Acho a Ilha da Trindade subaproveitada militarmente já que a Marinha apenas mantém uma ocupação(Posto Oceanográfico da Ilha da Trindade). Se houver determinação(investimento) dar para criar um cais e uma base. Não sei como é em Martim Vaz, mas…

    Abraços

  45. Alex Nogueira 23 de fevereiro de 2010 at 18:20 #

    Acredito que a única maneira da América do sul, como um todo, conseguir algum respeito mundial, é dando mais valor aos seus respectivos paises, lutando para melhorar em todas as áreas, principalmente na cultura e tecnologia e parando de agir como um povo ignorante, que briga na rua por causa de time de futebol, que joga lixo na rua, que muitas vezes é racista e acha que a vida é feita somente de diversão….. que não sabe nem cantar o hino nacional de seu país e que não investe em poderio militar, poderio que deveria ser desenvolvido no próprio país, não ficar comprando de outro e ficar a mercê de restrições estúpidas como a que os americanos impõem.

    Devemos todos amar nosso país, devemos todos lutar por melhoras; mesmo que estas pareçam insignificantes e devemos deixar de usar a desculpa que o problema brasileiro é somente a podridão da nossa política.

    Façam cada um o seu melhor e ame a seu próximo, pois assim deixaremos de lado coisas banais e focaremos no que realmente interessa.

    Lutemos pela nossa nação assim como os ditos paises desenvolvidos o fazem.

  46. Galileu 23 de fevereiro de 2010 at 18:26 #

    Evandro, o nael São Paulo é um grande caixão só os noobs não sabem disso, no caso do São Paulo então, praticamente não tem defesa própria e nem escolta apropriada.

    Eu juro que eu gostaria de saber se algum tripulante do nael sp sabe que num conflito o caixão dele é o primeiro a ser feito, sei não mas acho que os Gen. da marinha que em sua grande maioria são todos tapados, desconhece que o sp é um caixão

  47. Alex Nogueira 23 de fevereiro de 2010 at 18:27 #

    União dos Paises Sul Americanos já! A américa do Sul alimenta boa parte do mundo, nós já temos um nível técnológico capaz de grandes criações, por que continuar a ser tratados como a “segunda linha” do mundo?

    Assim como os paises do Norte e da Europa, devemos manter alianças estratégicas entre os países da América do Sul e devemos trabalhar em conjunto para expulsar os ingleses do nosso litoral.

  48. Mahan 23 de fevereiro de 2010 at 19:16 #

    Esqueceram o domínio colonial francês logo ali em caiena, bem na foz do amazônas de onde já invadiram e assassinaram dezenas de Brasileiros. Jobim está tão preocupado com os britânicos mas se cala com relação a uma ameaça gaulesa, ainda que fantasiosa como o mapa que ilustrou sua palestra. É ridículo!

  49. Leonardo crestani 23 de fevereiro de 2010 at 20:37 #

    Que isso é verdade todos nos sabemos, mas somente 5 novos submarinos sendo um nuclear servira para projetarmos poder no mar ou sera mais uma vez gasto em vao…

  50. Leonardo Crestani 23 de fevereiro de 2010 at 20:56 #

    Na minha modesta opniao, o Brasil deveria ter frotas espalhadas pelo mundo feito os estadunidenses, isso nos daria real condicoes de projetar poder no mundo inteiro, nao so comprar 36 cacas, 5 submarinos, 50 helicopteros, e outras merrecas de armas, precisamos nos posicionar no mundo, temos que saber pra que viemos ao mundo, se é pra fazer historia ou so passear…
    Em alguns foruns de debate de defesa na internet ja ouvi falar que cada uma das 3 frotas navais brasileiras teria um NAe que pelo menos navegue, nao o A-12 Sao Paulo, navios de proposito multiplos, submarinos nuclear e convenciaonais, e varias outras escoltas. Se isso for verdade, legal, mas nao é suficiente para o Brasil potencia, vejamos o caso do Haiti, se nao fosse os estadunidenses, aquele povo pr demais sofrido, sofreria ainda mais sem comida e agua, se nos tivessemos meios pra apoiar uma operacao daquelas no Haiti, nos nao esariamos aqui debatendo este assunto, mas sim conversando sobre futebol ou mulheres….
    Mas ainda temos governantes que olham apenas 100 metros a frente, e nao o mundo, ainda que este esta otimo com relacao aos anteriores…

  51. evandro 23 de fevereiro de 2010 at 21:11 #

    Quem fala o que quer escuta o que não quer. O Lula foi falar do apoio aos Argentinos e o Governo Inglês respondeu com desprezo e disse que a região falha em dar apoio aos Argentinos. Esse Lula não aprende mesmo!!! Ta ficando mais ridículo que o Chapolin!!!

  52. Korolev 23 de fevereiro de 2010 at 23:45 #

    Essas ilhas são resultados de décadas de colonialismo. Existe uma grande teimosia em criar inimigos externos para justificar negócios estranhamente suspeitos. A maioria dessas ilhas nem abriga infraestrura para qualquer tipo operação. Mas isso que dá num país onde ONG’s picaretas levam fatia do dinheiro público, onde parlamentares vendem seu voto por uma mala de dinheiro, entre outras coisas típicas dos nativos da terra onde se planta tudo dá.

  53. Seal 24 de fevereiro de 2010 at 18:32 #

    Segundo uma nota do MD britãnico,a Grã-Bretanha não está preparada para uma guerra moderna,ainda mais com o apoio do Brasil e de outros países latino-americanos,como a Venezuela de Hugo Chávez.

    A Forças Armadas do Reino Unido não estão preparadas para uma guerra do século XXI, afirmou uma fonte militar anônima do Ministério da Defesa britânico.

    Boa parte dos equipamentos de guerra de tecnologia avançada possuídos pelo país, tanto navios de guerra como caças e tanques, quase não terão “relevância” para eventuais guerras futuras.

    Segundo o militar, seria adequado promover um debate sobre se o Exército poderia realizar hoje em dia com igual êxito uma nova campanha como a de 1982 na guerra contra a Argentina pelas Ilhas Malvinas.

    O debate sobre a futura estrutura das Forças Armadas do Reino Unido se intensificou ultimamente e um em cada quatro dos serviços busca justificar seu orçamento em uma época de crise na qual o Estado deve conter os gastos.

    Mas o Exército foi até agora o maior defensor de reformas pois é o que sempre ocupa a linha de frente em todas as guerras e muitos entre seus membros consideram injustificáveis as despesas em navios de guerra e aviação militar.

    “Estamos preparados para os tipos de guerras menos prováveis. Precisamos nos preparar para as mais prováveis. É preciso se concentrar no que temos de fazer diariamente, e não no que somos obrigados a fazer uma vez a cada dez anos”, disse o militar.

    “Estamos investindo demais em equipamento para as guerras do século XX e não no que nos pedem que façamos diariamente”, criticou o militar.

    Se as Forças Armadas buscarem se preparar para todo tipo de guerras, acabarão não podendo fazer nada direito.

    Aludindo a eventuais intervenções futuras, talvez no Oriente Médio ou no sul da Ásia, a fonte explicou que em um mundo globalizado fica cada vez mais difícil “fazer vista grossa perante os Estados fracassados”.

  54. adriano 26 de fevereiro de 2010 at 14:30 #

    Prezados amigos, Lula em seu discurso no México deu um recado bem direto as potências ocidental apoio a questão argentina nas Maldivas por entender que o pré-sal é brasileiro.
    Como falar é fácil e fazer é dificil será preciso que o Brasil invista e muito em sua defesa especialmente a marinha e a força aerea.

  55. Belo 20 de agosto de 2010 at 16:04 #

    O brasil tem que parar de fazer o social e tomar uma postura mais radical quanto a estas ameaças tacitas.
    A primeira medida deve ser mandar às favas o tratado de tlatelolco e produzir pelo menos 5 ogivas nucleares (EUA, Inglaterra, Argentina, Chile e Venezuela)
    Investir de forma pesada em navios e submarinos, e em misseis terra-ar de longo e médio alcance.
    E o mais importante : Profissionalizar as forças armadas, valorizar a marinha, aeronautica e exercito.

  56. @YuryCassini 19 de setembro de 2010 at 10:37 #

    Gente isso é só o começos os britânicos são dominantes em tudo até na cultura!

  57. Wagner 19 de setembro de 2010 at 12:25 #

    Fábio Mayer disse:
    22 de fevereiro de 2010 às 23:01
    Isso é paranoia. Se alguém quisesse atacar o Brasil já o teria feito, não ficaria esperando esse rearmamento pifio que estamos experimentando.

    Perfeito.

    Olhem só. Eu disse varias vezes que não se pode analisar militarismo só em técnica, vc tem que pegar outras áreas como economia, por exemplo. Se for só pela técnica, eu defendo a idéia de termos 2000 F22 para nos proteger…

    Quem os paranóicos acham que está jogando dinheiro na Petrobrás ?
    Fundos do INSS ? BB ? CEF ?? MST ?? Nãão. Resposta: O GRINGO. E quem vai comprar o petróleo ?? Resposta: O GRINGO.
    Qual o sentido de imaginar os ingleses cercando o Brasil para se apropriarem de nosso petóleo se eles já fazem isso coma BP e demais acionistas ?? Não term sentido mandar o Invincible atacar as nossas plataformas, já que são eles mesmos que investem nelas !!!
    A outra idéia, a de que eles simplesmente vão instalar na marra suas plataformas aqui, é igualmente absurda. O custo político de uma espoliação mercantilista desse tipo, ainda mais vinda dos ingleses que dão tanta importãncia a parte diplomática mundial, seria catastrófico.
    “Sou Inglês. Vou gastar uns 20 bilhões para construir uma platafroma para a BP, mando-a até o Atlantico sul, coloco ela na marra no litoral do pré-sal e mantenho uma frota permanente de destroieres para defendê-la da MB.”
    Com isso gero atrito internacional, rompo contratos, acordos, tratados, gasto mais dinheiro com a Royal Navy sendo que meu país está em recessão. Essa idéia absurda de que temos que nos defender dos Ingleses é paranóia e trapaça de gente da marinha que quer justificar sua inutilidade existencial, e seu fracasso como Instituição efetivamente operacional. No próximo pedido de aumento de salario vão mandar esse mapa para justificar o aumento das verbas… não verbas para os navios, mas , como sempre, apenas verbas salariais.
    O ministério da Defesa quer justificar sua verba salarial e inventou essa , desculpem o termo, babaquice. Ao mesmo tempo negocia a compra de fragatas dos proprios ingleses !!!!!
    Temos mais chances de sermos atacados pela república de Lesoto do que pela Inglaterra.
    Quanto a Argentina, está falida, vilipendiada por governantes incompetentes e com seus militares totalmente desmoralizados. Enquanto os Kirchner continuarem no poder, eles não terão esperanças. Mesmo nossa FAB no RS acabaria com a FAA em questão de dias. Considerar a Argentina como player de estratégia internacional é querer sonhar com revoluções mundiais. Achar que a Argentina vai se levantar para uma guerra de libertação contra o Imperialismo Ingles é viver no passado.
    Eu que não gosto dos ingleses sei muito bem disso !!

    Por fim, achar que devemos ter 5 ou 10 subnarinos nucleares pode ser muito bonito, mas é irrealista, não tem verba para isso. E não vai ter. E não adianta sonhar sem fazer a nossa economia melhorar antes. E depois, repito: NÃO TEM INIMIGO EXTERNO.

    RECADO para a MB: Vcs não tem mais utilidade, se insistem em continuar com a visão politica da Guerra Fria. Aprendam a se modernizar antes de fazer essas teorias absurdas. Encontrem uma estratégia de verdade. Encontrem uma politica de verdade.

    Na próxima palestra do Ministério da Defesa:” O rearmamento de Botsuana e a ameaça ao pré-sal ” ah ah ah !!!!

    ” Cruzador de Batalha Botsuanense destrói a P52 ” ah ah ah !

    :)

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Lançamento do livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’, no dia 19 de dezembro, em São Paulo

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Mensagem do Comandante da Marinha insiste no Prosuper mas é discreta sobre meios navais

Esquadra A12

Roberto Lopes Autor do livro “As Garras do Cisne” Exclusivo para o Poder Naval Os 38 minutos da Mensagem de […]

Amazul assina contrato com a Mectron para projeto do IPMS do submarino de propulsão nuclear

Submarino com propulsão nuclear Álvaro Alberto

No mês de dezembro, a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul) assinou um contrato com a Mectron para o […]

Poder Naval visita navios da MB em Santos-SP, no Dia do Marinheiro

PN no Dia do Marinheiro - Aderex II-2014 - 2

Para comemorar o Dia do Marinheiro no sábado (13 de Dezembro), o Poder Naval visitou os navios que compõem a […]

Inaugurado o prédio principal do Estaleiro de Construção de Submarinos em Itaguaí

Inauguração prédio principal estaleiro submarinos - foto via Blog do Planalto

Nesta sexta-feira, 12 de dezembro, foi inaugurado pela presidente da República, Dilma Rousseff, o prédio principal do Estaleiro de Construção […]