Home Estratégia Poder Naval no Seminário da Amazônia Azul, na Escola Naval

Poder Naval no Seminário da Amazônia Azul, na Escola Naval

1182
45

Estivemos nos dias 14 e 15 de outubro no Seminário da Amazônia Azul, na Escola Naval, que prossegue até amanhã. O evento  reuniu autoridades civis e militares para debater as responsabilidades em proteger os interesses nacionais nas Águas Jurisdicionais brasileiras. O evento credenciou 793 participantes.

O Brasil pleiteia junto à Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) a extensão dos limites de sua Plataforma Continental, além das 200 milhas náuticas (370km), correspondente a uma área de 963 mil km².

Se aceitas as recomendações da CLPC, o espaço marítimo brasileiro poderá atingir 4,5 milhões de km², uma área maior que a Amazônia Verde.

O propósito deste seminário foi divulgar e fortalecer o conceito Amazônia Azul junto a seguimentos de interesse da Sociedade, identificando as potencialidades científicas, econômicas e energéticas das Águas Jurisdicionais Brasileiras e as consequentes demandas por proteção desses interesses no mar, agora e no futuro.

As palestras abrangeram temas relacionados à segurança, às riquezas existentes e aos aspectos político-estratégicos da Amazônia Azul.

Palestras do dia 14/10

Tivemos o prazer de assistir à palestra do Almirante-de-Esquadra Mauro César Rodrigues Pereira (RM), Ex-Ministro da Marinha, que discorreu sobre os aspectos políticos e estratégicos da Amazônia Azul.

O Almirante Mauro Cesar destacou que o mar não é visto pela população, mesmo para aqueles que moram no litoral, por isso não há a devida percepção de sua importância.

Era preciso criar uma imagem para que a Sociedade percebesse essa questão e isso foi conseguido com a criação do conceito da Amazônia Azul.

Ele destacou ainda que a Marinha antecipou-se à descoberta do Pré-Sal, quando participou da Convenção da Jamaica nos anos de 1973, 1982, 1988 e 1994 e realizou o LEPLAC, que garantiu a Zona Econômica Exclusiva de 200 milhas e que hoje contém a maior parte dos poços de petróleo descobertos.

Mauro César disse que a liderança do Brasil no Atlântico Sul surge espontaneamente pela nossa competência, daí o Brasil ter sido procurado pela Namíbia para ajudar na formação da Marinha daquele país africano.

Ele também lembrou a integração da Marinha do Brasil com a Armada Argentina, a despeito da rivalidade histórica dos dois países. A operação conjunta de aeronaves das duas Marinhas na Operação ARAEX, realizada com pleno sucesso a bordo do NAeL Minas Gerais (e depois no NAe São Paulo) dependeu apenas de um acordo verbal entre os comandantes das duas Marinhas: “Qualquer dano ao navio é de minha responsabilidade, qualquer dano nas suas aeronaves é seu” – foi o acordado, disse o almirante.

Política Marítima

Mauro Cesar disse que o Brasil ainda carece de Política Marítima, que depende de sentimento e de atitude e isso não tem a ver apenas com papel, com um documento. Ele deu o exemplo da Marinha Mercante nacional, que compreende apenas 3% dos navios que transportam produtos brasileiros.

Estratégia Naval

O palestrante também detalhou a estratégia naval brasileira, que visa principalmente impedir ataques ao Continente, através da tarefas básicas do Poder Naval: Negação do uso do mar, Projeção de Poder e Controle de Área Marítima.

Esssa estratégia também visa:

  • Assegurar a liberdade de exploração do mar
  • Manter abertas as linhas de navegação
  • Assegurar a preservação ambiental
  • Manter abertas as rotas de acesso à Antártica
  • Procurar unidade de ação naval com os países do entorno do Atlântico Sul

O almirante Mauro Cesar destacou que a negação do uso do mar é geralmente violenta, contra um inimigo declarado e é feita pelos submarinos, por isso não serve para os estágios iniciais de um conflito.

Para estes, é preciso ter a capacidade de controlar área marítima, saber o que ocorre em determinada área de interesse e isso é feito primordialmente com um porta-aviões (navio-aeródromo).

Com o navio-aeródromo é possível, por exemplo atacar uma base de submarinos inimigos, limitando sua operação ou atacando uma base inimiga em território africano por exemplo ou uma ilha oceânica que esteja sendo usada para atacar o Brasil.

Por isso a Marinha do Brasil precisa de navio-aeródromo e de uma força de Fuzileiros Navais.

Mauro César disse ainda que o Brasil precisa de navios de guerra em quantidade e de apoio aéreo aproximado, para realizar plenamente as missões de controle de área marítima, para manter abertas as linhas marítimas e o acesso à Antártica.

O Brasil ainda não possui uma Marinha Mercante própria expressiva, mas quando tiver, necessitará de capacidade para protegê-la em locais distantes, como no Golfo de Áden.

O almirante destacou também a unidade de ação naval com outras Marinhas, para o uso político do Poder Naval, a fim de mostrar que o Brasil tem capacidade de se defender e que também tem capacidade de ajudar países mais fracos, se necessário.

Mauro César encerrou dizendo que o Poder Naval é uma ferramenta para ser usada no jogo político internacional e que apesar de estarmos desabituados a ter ações militares no Atlântico Sul, quanto mais capacitados formos, menos problemas nossos diplomatas terão.

O Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul

O vice-almirante Elis Treidler Öberg, Diretor de Sistemas de Armas da Marinha, apresentou a palestra “O Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz)”.

Antes de entrar no assunto propriamente dito, ele citou o Ciclo OODA de John Boyd, mostrando a aplicação do mesmo em operações navais. O Ciclo de OODA pode ser aplicado para antecipar-se ao inimigo e tomar decisões mais rápidas, que obriguem o inimigo a ter que tomar outras decisões e atrase sua ação.

Segundo o almirante Öberg, o SisGAAz será um conjunto de diversos sistemas que nós já temos hoje e vai possibilitar um total conhecimento sobre o que se passa na superfície, na subsuperfície e no espaço aéreo das águas jurisdicionais brasileiras e em boa parte do Atlântico Sul.

O SisGAAz visa monitorar a Amazônia Azul e prover dados para o comando e controle na defesa das plataforma de petróleo, portos e ilhas e vias marítimas.

Ele vai ser implementado por fases, sendo a primeira o delineio da arquitetura, que já está sendo feito e que será integrar toda uma série de sistemas que a Marinha já opera e, posteriormente, agregará uma série de sensores e veículos aéreos não tripulados.

O SisGAAz será integrado ao SisFron do EB e ao Sisdacta da FAB e integrará com link de dados navios, aeronaves e submarinos. Mais tarde se prevê a instalação de radares costeiros, radares OTH, satélites e UAS.

Luiz Padilha, VA Elis Treidler Öberg e Alexandre Galante no Seminário da Amazônia Azul

Palestras do dia 15/10

Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais Almirante-de-Esquadra (FN) Alvaro Augusto Dias Monteiro e Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães

A primeira palestra da manhã foi proferida pelo Ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães. Ele destacou que se o Brasil não cooperar com os países africanos, sobretudo os da África Ocidental, outros países o farão, como a China, que já está penetrando na África com grande velocidade.

Às 11h30 começou a palestra mais esperada pela equipe do Poder Naval, proferida pelo Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante-de-Esquadra (FN) Alvaro Augusto Dias Monteiro, intitulada “O Emprego do Poder Naval na Defesa da Amazônia Azul”.

O almirante Alvaro Augusto começou citando os versos de Machado de Assis, do “Hino Patriótico” de 1863, que surgiu na Questão Christie, quando o Brasil rompeu relações diplomáticas com a Grã-Bretanha, depois que esta apresou cinco navios-mercantes brasileiros:

Brasileiros! Haja um brado
Nesta terra do Brasil
Antes a morte de honrado
Do que a vida infame e vil

Alvaro Augusto prosseguiu afirmando que o Brasil historicamente sempre teve dificuldade de manter um Poder Naval adequado às suas necessidades e aspirações.

Deu o exemplo do ambicioso Programa Naval Júlio de Noronha de 1904, que depois foi modificado pelo Almirante Alexandrino, para compra dos encouraçados “Dreadnought”, Minas Gerais e São Paulo.

Apesar da aquisição dos poderosos “Dreadnought”, a Marinha não comprou um navio carvoeiro para reabastecê-los, o que limitava seriamente sua autonomia. (Lembramos imediatamente que a Marinha atual tem o mesmo problema, com um navio-tanque apenas em operação).

O almirante chamou a Amazônia Azul de nosso “Mar Patrimonial”, nosso “Território Imerso” e definiu o conceito de Dissuasão: “Dissuadir é estar preparado para combater”. Ele disse também que o Atlântico Sul é o nosso “Mar Presencial”, que o Brasil precisa exercer a presença do Poder Naval em todo o Atlântico Sul.

Isso é necessário porque os países africanos da Costa Ocidental da África possuem instituições fracas e pequeno poder militar, com exceção da África do Sul, cuja Marinha opera em estreita colaboração com a MB. A China avança sobre a África vorazmente e 6% do petróleo mundial sai de Angola.

Além disso, duas Marinhas da OTAN estão presentes no Atlântico Sul, a Royal Navy com suas ilhas oceânicas e a US Navy, que divide a Ilha de Ascensão com o Reino Unido.

Para isso, o Poder Naval precisa apresentar as seguintes características:

  • Credibilidade
  • Meios adequados
  • Capacidade de operar os meios adequadamente
  • Firme determinação de empregá-los

O almirante citou Geoffrey Till e as hipóteses de conflitos marítimos: os decorrentes de recursos do mar, criminalidade marítima, exaustão de recursos do mar e envolvimento inadvertido.

O almirante Alvaro Augusto mostrou os diferentes empregos do Poder Naval e citou a Guerra das Malvinas, que segundo alguns, poderia ter sido evitada se os ingleses tivessem usado a Diplomacia Naval, para inibir a ação militar argentina.

Ele deu o exemplo também da Diplomacia Naval usada pelo Brasil, quando nossa Marinha resolveu enviar uma Força Tarefa com 2 cruzadores e 3 contratorpedeiros à Angola, para apoiar Portugal, em 1967.

Por problemas de manutenção nos navios, só chegaram a Luanda apenas um cruzador e um contratorpedeiro, o que decepcionou a população local. A presença não foi conforme a propaganda. O almirante frisou: “não se blefa com o Poder Naval!”.

Alvaro Augusto também citou a Guerra da Lagosta, quando o Brasil enviou sua Esquadra para o Nordeste em 1963, após a França resolver enviar um destróier para proteger pesqueiros franceses que pescavam Lagosta na plataforma continental brasileira. A presença da Esquadra Brasileira obrigou os franceses a negociar e retirar seus pesqueiros.

Citando o almirante russo Gorshkov, lembrou: “Esquadras evidenciam o real poder de combate do Estado” (The Sea Power of the State).
O almirante também destacou a importância dos Fuzileiros Navais para o estabelecimento do Controle de Áreas Marítimas, para a condução de operações fora da área que se deseja controlar: conquista de áreas terrestres que controlam áreas de trânsito ou onde estão localizadas bases inimigas; ataques às forças inimigas em suas bases; operações de bloqueio; e destruição dos meios navais inimigos em alto-mar. Em boa parte dessas operações, as Forças Anfíbias estariam aptas a desenvolver um papel de fundamental importância.

Ele deu como exemplo que uma unidade anfíbia dos EUA leva 2.200 Marines, enquanto todos os navios anfíbios brasileiros só podem levar no máximo 1.200 homens (1.500 no máximo). Mas fez a seguinte ressalva: “quem embarca fuzileiro como gado, depois não pode cobrar que o gado se comporte como fuzileiro”. E completou: “Também não se pode dar muito conforto para o fuzileiro, senão ele perde a rusticidade”, brincou.

Segurança Marítima

O almirante lembrou que a Estratégia Nacional de Defesa preconiza a intensificação das parcerias estratégicas com os países de Língua Portuguesa (CPLP).

Disse ainda que a o Golfo da Guiné rivaliza com a Somália em termos de pirataria e que existe um movimento de separação da Nigéria no Delta do Níger.

Por essas razões, é necessária a diplomacia naval brasileira na Costa Ocidental Africana, para fazer parecerias com aqueles países.

Quebra de Paradigma

O almirante Alvaro Augusto destacou que a Marinha do Brasil não possui um Poder Naval insignificante no Atlântico Sul, e que temos uma das poucas marinhas que operam aeronaves de asa-fixa em navio-aeródromo. Porém, não estamos conseguindo manter este Poder Naval.

Ele disse que o modelo de manutenção dos navios de guerra brasileiros está exaurido e que a iniciativa privada precisa assumir algumas funções através de parcerias ou concessões para resolver o problema da manutenção. Em pergunta feita pelo Poder Naval depois da palestra, ele disse que descarta a simples “privatização” do AMRJ.

O almirante Alvaro Augusto encerrou dizendo que “não podemos pensar na Marinha do Futuro, anulando a Marinha do Presente”.

Ministro da Defesa

O Ministro da Defesa Nelson Jobim encerrou o seminário com a palestra “Nova Defesa” na qual destacou as mudanças realizadas na estrutura do Ministério e o Reaparelhamento das Forças Armadas. Para baixar a apresentação da palestra, clique aqui.

Jobim repetiu em linhas gerais o que disse em Lisboa, em palestra no Instituto Nacional de Defesa, que vê com reservas, quaisquer iniciativas que procurem, de alguma forma, associar o Norte do Atlântico ao Atlântico Sul – sendo o sul, área geoestratégica de interesse vital para o Brasil. Segundo ele, as questões de segurança das duas metades desse oceano são distintas.

Para Jobim, depois da Guerra Fria, a Otan passou a servir de instrumento de seu membro exponencial, os EUA, e dos aliados europeus. Por meio do novo conceito da aliança, divulgado em 1999, a força pode intervir em qualquer parte do mundo a pretexto de ações antiterror ou humanitárias, e de contenção às ameaças à democracia ou nas agressões ambientais.

45
Deixe um comentário

avatar
44 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
30 Comment authors
FarragutRtadeuRJaguarVadercaipira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ricardo
Visitante

Ta,

Ta bonito no papel, mas e ai governo ? Cadê a verba para tocar isto…

Governantes so sabem o bla bla bla, mas na hora H nada de verba…

Bando de ….

Joker
Visitante
Joker

Excelente post! Explicativo, informativo e com pontos muito interessantes…

“(…)Manter abertas as rotas de acesso à Antártica”

Athos
Visitante
Athos

Ricardo, vamos subir o nível.

A base de subs nucleares esta em construção. 30 engenheiros navais brasileiros estão na França para absorver o aprendizado sobre o assunto.

Isso tudo faz parte de um processo que vai demorar décadas.

PS. Repararam que estamos meio que CERCADOS!

Luiz Padilha
Visitante
Member
Luiz Padilha

Reparei sim.:)

M1
Visitante
M1

Parada dura essa hein…
É bom o Brasil fazer uma boa amizade do outro lado, na África.
É bom o Brasil ajudar alguns países africanos a prosperarem também. Vamos precisar.

Seal
Visitante
Seal

No telão pode tudo.Muito bom o Seminário no retroprojetor,quero ver na prática.Se o Governo não se sensibilizar que o país precisa de instituições fortes para dizer não quando precisar,não adianta. Estranho que em décadas passadas,o Brasil quase entrou em guerra com a França por causa de lagosta,e hoje vemos vários interesses brasileiros(vide caso da Petrobrás invadida por tropas bolivianas,caso Oderbretch,Itaipu e outros) que foram ameaçados por esquerdistas latinos americanos,e o Presidente fala que tá tudo bem. “…Ele deu o exemplo também da Diplomacia Naval usada pelo Brasil, quando nossa Marinha resolveu enviar uma Força Tarefa com 2 cruzadores e 3… Read more »

Mahan
Visitante
Mahan

Que operação foi essa em Angola em 67? Nunca ouvi falar. Poderia o Blog contar como aconteceu?

Cronista
Visitante
Cronista

Parabéns pelo post! Este, sem dúvida, está entre os melhores!

Vinicius Modolo
Visitante
Vinicius Modolo

Caro Alexandre Galante.

Poderia indicar o documento e o local de onde retirou as figuras, principalmente a figura em que mostra a presença inglesa no Atlântico Sul.
Preciso disso para referencia-las em um artigo para a faculdade. Se for de autoria do Poder Naval uso o site como referencia.

Ele é melhor do qeu uma outro mostrada a algum tempo atrás aqui mesmo no blog, retirada de um doc do MD.

Valeu

MN-QS
Visitante
MN-QS

Participei de um Seminário sobre a Amazônia Azul na EGN em 2004 e também me preocupei com esse “cerco” britânico. Teria-mos condições de enfrentar a GB em um possível confronto nos dias atuais, levando em consideração a distância da “ilhar mor” para as pequenas ilhas?

Seal
Visitante
Seal

E para que isso se concretize,nosso Almirante comandante da MB,está apostando na sua fé,como passou no telejornal da RG. O Almirante Moura Neto busca forças no Círio de Nazaré , em devoção a Nossa Senhora de Nazaré, que é a maior manifestação religiosa Católica do Mundo e uma das mais tradicionais também,sendo celebrada desde 1793, na cidade de Belém do Pará. Busca a proteção para que o ambicioso Plano de Articulação e de Equipamento da Marinha do Brasil” (PAEMB), incluindo o do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (PROSUB), não se tornem uma “churumela” (definição do Min. Jobim),… Read more »

muscimol
Visitante
muscimol

” Repararam que estamos meio que CERCADOS!”

putz….se o Brasil esta cercado imaginem como se sentem 90% dos paises no planeta….que começa a ser pequeno para tanto bicho humano.

Fernando Gasparini
Visitante
Fernando Gasparini

E ainda alguns super especialistas do blog vem aki postar que a marinha nao entende nada de estrategia e não sabem oq fazem…
Se nao temos a marinha sonhada hj o unico culpado foi falta de verba!

SCintra
Visitante
SCintra

O comentário do seminário demonstra o quão consciente é nosso comando em termos estratégicos e quão inconsequente foi, e é prover as FA. Mas também tem uma coisa boa, sabem, e tem consciência, da inconsequência. Para amarrar politicos a essas compreensões sómente através de lei, e para isso tem que se apresentarem candidatos com esses conhecimentos, o que infelizmente ainda não ocorre, mas estamos caminhando, lento, lento. Mas “forum’s” desse naipe e blogs desse nos permitam avançar. O tema é profundo mas ainda pouco divulgado! Portugal, Espanha, lnglaterra tinham uma projeção marítima enorme, mas tinham os seus “tratados de Tordesilhas”… Read more »

Raptor
Visitante
Raptor

De fato, isto é inegável, o pensamento estratégico militar brasileiro, esta passando por um verdadeiro renascimento.

Parabéns a todos que vem por colaborar com o Brasil.

E ao Galante pela maravilhosa cobertura jornalística.

Abs.

Raptor
Visitante
Raptor

Concordo plenamente com a questão de rusticidade dos FN. Eles são Guerreiros e não poodles… Tratar Guerreiros como bibelos é tirar sua própria essência, válido tanto hoje, como foi ontem ou ate mesmo na antiguidade. Porém, é necessário investir mais (alouuuu GF) na formação mental dos soldados e equipamentos individuais no estado da arte… Na guerra moderna, é fundamental o domínio pelo soldado das tecnologias inerentes a estes equipamentos e INDISPENSÁVEL o trabalho colaborativo em rede… Fuzileiro sem contato com os demais e coordenação inteligente, é fuzileiro morto… Vai ter que investir mais e principalmente GARANTIR a constância do repasse… Read more »

lucas
Visitante
lucas

Excelente materia a melhor e fatos veridicos entrevista muito esclarecedora. Agora em relação as ilhas britanicas que cercam o brasil isso não é preocupante ate porque essas ilhas não deve ter espaço para operações militares ou estrutura, a não ser as malvinas. Agora os navios ficando pelo caminho uma vegonha para o brasil que infelizmente não da a nescessaria estrutura para as forças. Tinha que ser 3 % do pib fixo para as forças porque no momento que precisar não vai ter disponiveis pra dissuadir possiveis inimigos depois não adianta reclamar. Basta ver o tempo que leva pra se fazer… Read more »

lucas
Visitante
lucas

acho que o brasil tem sim chances de derrotar os britanicos mas que eles não recebam ajuda dos eua. o que é bem dificil, se o brasil for atacado o brasil vence mas se precisar de atacar sem chance

Nick
Visitante
Nick

Parabéns ao Poder Naval pela matéria, muito elucidativa 🙂

Mostra que precisamos de meios para Negar, Controlar e Projetar poder a partir do Mar. Temos tudo isso, mas a nível simbólico.

Concordo com o Ricardo, cadê a verba, o dindin, a bufunfa, o orçamento???

TEM de haver uma LEI a nível Federal que GARANTA um mínimo de Orçamento Operacional e de Investimento, sem possiblidades de TESOURA por parte do Ministério da FAZENDA ou do Ministério do PLANEJAMENTO.

Sem isso, é só planos e mais planos.

[]’s

André
Visitante
André

“O mar não é visto pela população”, que por sua vez não é visto pela classe política do Brasil que os representam. Os próprios debates dos candidatos e a END destacam isso. Nos debates os temas são sempre os mesmos e nunca a defesa nacional; e a END chamou atenção para essa negligência do povo brasileiro para o mar (e não é de hoje). O psdb quer atropelar o ministério da defesa criando o ministério da segurança, desestruturando a END. Isso evidencia a frase de Charles de Gaulle: “o Brasil não é um país sério”; o pior é que ele… Read more »

molleri
Visitante

Tirando a palestra do Jobosta, deve ter sido uma excelente jornada.
Deixem os profissionais trabalharem! Quem dá a missão dá os meios!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Esse papo de “estamos cercados”, está parecendo falta de assunto p/ pressionar o inútil do MD a se mexer.
Exceto pelas Falklands, agradeçam aos hermanos por isso e por Ascensão, o que de infra tem nas demais ilhas que justifique tanto alarde???

Paulo
Visitante
Paulo

Muitos aqui devem lembrar de um navio europeu que começou a vazar ácido na costa do Rio Grande do Sul. Foi levado para o porto de Rio Grande e após muita discussão, a Justiça determinou que ele fosse rebocado até alto mar e afundado.
Quando estava sendo levado para o local do afundamento, o rebocador foi interceptado por um rebocador europeu muito maior e “convencido” a entregar o navio, o que foi feito.
Se não conseguimos nem garantir uma decisão judicial em nossas águas, o que dizer do resto?

Paulo
Visitante
Paulo

O problema é que o País tem carências em todas as áreas e não só em defesa. Saúde, educação, saneamento, transporte, energia e muitas outras disputam os recursos. E como o cobertor é curto, o jeito é encolher as pernas. Mas por que esta crônica falta de verbas? O deputado Wellington Dias (PT-PI), quando era presidente da Comissão de Fiscalização da Câmara, estimou que o Brasil perde em média R$ 100 bilhões por ano devido à corrupção nos três poderes nas esferas federal, estadual e municipal. Como isto foi publicado no Estadão uns 10 anos atrás, hoje pode-se dizer que… Read more »

A7X
Visitante
A7X

Parabéns ao blog por esta excelente matéria. Muita esclarecedora!

Interessante a parte que fala sobre o uso de NAe pela MB. MAs será que essa função não poderia ser exercida por uma outra classe de navio, que seja mais barata e que esteja mais de acordo com a END?

Um outro ponto que chama atenção é sobre o sistema de gerenciamento da Amazônia Azul.

________________________

Athos disse:
16 de outubro de 2010 às 23:06

Podes crer…
Parece até que os ingleses fizeram de sacanagem. hehehe

Abs.

Raptor
Visitante
Raptor

O problema com as ilhas dos ingleses no atlântico sul, não é que vamos entrar em guerra (não é admissível guerra entre os iguais da casa “Grega” – democracias não entram em guerra. Se resolve em tribunais de arbitragem). Adivinha porque a Argentina tomou um tombo em 80 e não consegue se recuperar até hoje… O único problema é a concorrência comercial no continente africano que contará com apoio destas bases. É preciso contornar isto… Eu colocaria algo no futuro distante, como bases flutuantes (de concreto modular mesmo – pelo menos, tecnologias no estado da arte em estruturas de concreto… Read more »

Raptor
Visitante
Raptor

Se não tem cão (territórios) se caça com gato (se cria territórios artificiais)… É o tal jeitinho…kkkkkkk

Raptor
Visitante
Raptor

E para aviação embarcada, não tem jeito de sair dos NAEs sejam dedicados ou multipropósitos (como na END)…

Bases marinhas são alvos e não se movimentam, são rebocadas…

Válido o mesmo para bases aéreas em ilhas pequenas, muda apenas o fato, de serem completamente imóveis….

Abs.

GUPPY
Visitante
GUPPY

Belo post, belo post. Parabéns ao Poder Naval.

Agora, sem querer enveredar pela área da política, começo a achar que as três forças devem planejar uma estratégia para lançar um candidato a presidente que seja ou esteja comprometido, que represente os interesses militares. Alguém tem que ser politicamente simpático e concorrer pra valer. Porque se depender dos dois que estão disputando o segundo turno, os problemas de verbas para tudo continuará. Bom, não seria nenhuma novidade na política brasileira um militar eleito presidente da República. Claro que hoje ó tempo é outro.

Abraços

Raptor
Visitante
Raptor

Valeu Galante!

Não conhecia a alteração…

Abs.

RtadeuR
Visitante
RtadeuR

O Almirante Mauro Cesar destacou que o mar não é visto pela população, mesmo para aqueles que moram no litoral, por isso não há a devida percepção de sua importância. Ele também lembrou a integração da Marinha do Brasil com a Armada Argentina, a despeito da rivalidade histórica dos dois países. Por isso a Marinha do Brasil precisa de navio-aeródromo e de uma força de Fuzileiros Navais. Isso é necessário porque os países africanos da Costa Ocidental da África possuem instituições fracas e pequeno poder militar, com exceção da África do Sul, cuja Marinha opera em estreita colaboração com a… Read more »

RtadeuR
Visitante
RtadeuR

Brasileiros! Haja um brado
Nesta terra do Brasil
Antes a morte de honrado
Do que a vida infame e vil

Lucas
Visitante
Lucas

Espaço aéreo internacional? Acho que não tinha nenhum piloto na confecção desse seminário pois… Não existe espaço aéreo internacional…

Galileu
Visitante
Galileu

Deem uma olhada nesse vídeo, belas imagens do USS Green Bay LPD
http://www.youtube.com/watch?v=wvNFuMNCv3c

Editor acho que não fugi do post, ams caso queira pode apagar!! aha

abraço

caipira
Visitante
caipira

Digamos então que o termo “Amazônia Azul” foi uma sacada de marketing da MB.

rsrs.

Vader
Visitante

Blábláblá, propaganda pra vender uma “nova marinha” (que possivelmente será semi-privatizada), e os ufanismos de Brasil “Super Hiper Thunder Power” de sempre. Os romanos tiveram a maior frota de todo o mundo antigo e não conseguiram controlar sequer o Mar Tirreno. Os piratas chegaram a ameaçar Roma por diversas vezes. Os espanhóis a seu tempo tinham a maior esquadra do mundo e não conseguiam controlar sequer o Caribe (Spanish Main), que pululava de Piratas, Corsários, Bucaneiros e aventureiros diversos. Os pobres portugueses, com toda a projeção que tiveram, não conseguiam controlar sequer a Angra dos Reis e a Baía de… Read more »

Vader
Visitante

Bem, por artes de Gramunhão o comentário que levei uma hora pra redigir caiu na caixa de spam…

Apesar de ser “chato”, dá pra liberar, pls?

Obrigado.

Vader
Visitante

Ah sim, esqueci: O interessante é que na própria estratégia da Marinha para os “primeiros dias de um conflito” o nosso A-12 é nada mais que um ALVO. Uma isca. Um pretexto para usar, aí sim, a força de “negação do uso do mar ao inimigo”. Pobres militares que operam na Força Aeronaval. Deve ser um pouco frustrante, pra dizer o mínimo, você estar embarcado numa isca flutuante, assim considerada pelos próprios comandantes… Absolutamente ridículo. Ou será que estes almirantes acham que uma força que esteja decidida a agredir a esquadra vai permitir ao Opalão se retirar do TO para… Read more »

Farragut
Visitante

Caro Vader,

o debate honesto precisa de comentários “chatos” como os seus.

Gostaria de acrescentar que a gestão de pessoas é fundamental para um projeto de força como o ora apresentado. Não existe aviador naval ou submarinista nuclear em pó nas prateleiras dos supermercados. Como recrutar as quantidades pretendidas? Como retê-las? Isto tratando de atividades onde o voluntariado é premissa inegociável. O que dizer das unidades de superfície, onde pouquíssimos querem servir em detrimento de um “chão” tranquilo com carpete felpudo, portas de vidro e ar condicionado?

Jaguar
Visitante
Jaguar

Excelente Materia

Farragut
Visitante

PM do Reino Unido apresenta revisão da Defesa ao Parlamento neste momento. Livro Branco seguirá.

RtadeuR
Visitante
RtadeuR

Estava lendo na internet que uma determinada prefeitura municipal tinha sido invadida por ladrões durante a madrugada e foram furtados computadores e outros papéis que continham planos e informações para melhorar a administração e a qualidade de vida da cidade e seu povo. Ora, será que nem sequer podemos planejar, será que não podemos sonhar, não podemos trabalhar, nem dar os primeiros passos? Até isso não se pode? O Livro dos Livros diz que o medo não nos permite viver, nos torna vivos mortos, me lembro do filme A Lenda, cuja mensagem ali é exatamente esta. Nem a luz do… Read more »

Farragut
Visitante
Farragut
Visitante

É muito interessante ver o debate no parlamento britânico, ver um chefe de governo por mais de uma hora respondendo todo tipo de perguntas sobre segurança e defesa, discordando sem desqualificar seus oponentes.