Home Estratégia Cortes podem deixar navios-aeródromo britânicos sem jatos Harrier

Cortes podem deixar navios-aeródromo britânicos sem jatos Harrier

276
36

Dois ex-comandantes da Royal Navy alertaram o Governo Britânico sobre o risco de cortar a frota de Harriers GR7, antes da chegada dos jatos F-35 Joint Strike Fighters.

Os Harriers estão entre os cortes prováveis, juntamente com os jatos Tornado e vários navios da Royal Navy.

Os ex-First Sea Lords West e Sir Jonathon Band alertaram que se o Reino Unido ficar sem jatos que possam operar a partir de navio-aeródromo até a chegada dos F-35 em 2018, estará incapaz de empreender missões como a realizada em 1982 na retomada das Malvinas.

O Primeiro Ministro David Cameron interveio pessoalmente para manter os cortes do MoD abaixo de 10% e garantir que a Royal Navy receba seus dois novos navios-aeródromos da classe “Queen Elisabeth”, de 60.000t. Mas a frota de F-35 prevista deverá sofrer cortes, de 138 aeronaves para apenas 40.

Informes dizem que os cortes obrigarão o British Army a perder 7.000 homens, a RAF deverá fechar bases e a Royal Navy terá de reduzir suas escoltas de 24 para 16 navios. Fontes também sugerem que £750 milhões serão cortadas nos próximos 4 anos do orçamento para a substituição da frota estratégica de submarinos com mísseis Trident.

O chanceler George Osborne ordenou que o MoD corte pelo menos 10% do seu orçamento anual de £37 bilhões como parte do esforço para eliminar o déficit estrutural do Reino Unido, até o final do Parlamento. O secreatário da Defesa Liam Fox lutou contra os cortes e fontes do MoD dizem que um acordo foi alcançado e que ele pode funcionar.

FONTE: The Press Association

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
M1
M1
9 anos atrás

Vamos às compras!

Eduardo
9 anos atrás

Concordo, vamos as compras!!

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Como sempre, nossos queridos representantes eletivos e seus amigos, preferem torrar dinheiro em propaganda estatal de cunho eleitoral (sinto cheirinho de técnica de um senhor alemão) para controle da “massa”. Leva a problemas sérios de industrialização, devido a inibição da criatividade e inovação do povo no passar do tempo. Robozinhos apenas produzem bem e barato, mas não inovam. A China copia para superar esta limitação. Os EUA se viraram com a importação de cérebros alemães, japoneses, indianos, etc… O Estado tem por objetivo informar a população de suas realizações… Propaganda é coisa da iniciativa privada ou de aspirante a ditador… Read more »

Ixtli
Ixtli
9 anos atrás

Realmente, essa eh a verdadeira compra de oportunidade, navios ainda com uma boa vida util pela frente seriam excelentes para nos, acostumados a pegar os ‘restos’.
Quais seriam as possibilidades e pros/contras de trazer alguns desses Harriers pra nossa MB? Ja Tornados creio que nao seja uma boa, caros e limitados demais…

Ixtli
Ixtli
9 anos atrás

Raptor – realmente, UK tem sido um aliado bastante confiavel, muito mais que a alardeada Franca, mas a moda do anti-americanismo cega muita gente hoje em dia…
Se deixarem passar essa compra e o projeto das Type 26 vamos presenciar uma das maiores burradas da historia das FAA, sob meu ponto de vista.

Dalton
Dalton
9 anos atrás

“Quais seriam as possibilidades e pros/contras de trazer alguns desses Harriers pra nossa MB?”

O Sea Harrier foi retirado de serviço em 2006…os da foto são Harriers GR-9 da RAF agora operados pela Royal Navy, otimizados para ataque ao solo, não são equipados com o radar blue vixen e não operam com misseis ar ar de médio alcance.

Há poucos disponiveis e estão no fim de sua vida útil, não compensa moderniza-los, além do que para operarem com máxima eficiencia necessitam uma ski jump e o São Paulo A-12 possui catapultas.

abs

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Valeu Dalton pela informação sobre os Harrier’s… Desconhecia o estado das células…

Abs.

Danilo
Danilo
9 anos atrás

é hora de aproveitar as oportunidades alguns Tornado , fragatas type 23, quem sabe até mesmo o tão comentado HMS Ocean, agora quanto aos caças tornado eles seriam uma boa para complementar o trabalho dos f-5 até que um tal FX-2 saia ou não kkkk !

Ixtli
Ixtli
9 anos atrás

Essa eu nao sabia tb, valeu Dalton.
Entao a Royal Navy tah numa situacao quase desesperadora com esses atrasos do F-35…
Claro que pouquissima gente teria coragem de encarar essa marinha, mas se olhar apenas pelo que seria ideal, eles estao em seria falta de defesa aerea, nao?

raul
raul
9 anos atrás

se isso realmente acontecer os hermanos vao tormar as malvinas em uma bela e sanguinaria guerra

raul
raul
9 anos atrás

nao deixa o jobim ler essa reportagemmmmmmmmmmm

Almeida
Almeida
9 anos atrás

De 138 F-35B para apenas 40?!

Acho que a RAF ficará sem F-35B e vai de F-35A mesmo! Ou nem isso.

Agora, 40 aeronaves não é muito pouco pra capacidade dos dois Queen Elizabeth? Por que operar dois NAes de 60.000t com capacidade para 65 aeronaves cada, se eles vão ter apenas dois esquadrões de caça? Poderiam estar produzindo navios menores e mais baratos…

Ixtli
Ixtli
9 anos atrás

Ate onde me consta os cortes no F-35 foram decididos depois do inicio da construcao dos Queen Elizabeth.

Carlos Augusto
Carlos Augusto
9 anos atrás

Se a MB pretende ter uma 2ª Frota, esse é o momento de se comprar as 4 Type 23 e o HMS Ocean, para iniciar bem antes que essa quantidade imensa de dólar estocado vire papel higiênico.

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Se eu fosse o tio Jobim, eu pensava muito bem, no comentário acima… Antes de 11..OK.

Abs.

Edu Nicácio
9 anos atrás

Compras para hoje (próximos 2 anos): – o HMS Ocean – 4 Type 23 Compras para o futuro: – 4 novos LHD’s (2016-2018-2020-2022) – 2 ou 3 Queen Elizabeth BR(2020-2026-2032) – 12 novas Type 26 (primeira em 2020, última em 2032) – 18 novas corvetas de 3.000 toneladas – 30 navios patrulha de 1.800/2.000 toneladas – 60 navios patrulha de 500 a 1.000 toneladas – 6 SN-BR (primeiro em 2021, último em 2047!) – já contratados – 15 S-BR (primeiro em 2016, último em 2037!) – já contratados Esses prazos para os submarinos estão muito dilatados… Serão 26 anos para… Read more »

Dalton
Dalton
9 anos atrás

“Agora, 40 aeronaves não é muito pouco pra capacidade dos dois Queen Elizabeth? Por que operar dois NAes de 60.000t com capacidade para 65 aeronaves cada, se eles vão ter apenas dois esquadrões de caça? Poderiam estar produzindo navios menores e mais baratos” Almeida, pertinente sua pergunta… mas em primeiro lugar a capacidade dos QE não será de 65 aeronaves cada e sim no máximo 50, sendo que 40 será o máximo mais provavel. em segundo lugar, eles precisam ser enormes, justamente por não serem nucleares, pois precisarão levar combustivel para si, além de combustivel para as aeronaves para manter-se… Read more »

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Caro Edu… conheço pessoas otimistas, mas vc superou-se…nem a US Navy consegue receber tantos navios em curto prazo. Mas quanto ao seu cálculo do subnuc, há algo estranho realmente. vc considerou um espaço de 27 anos para construir 6 submarinos, de 2020 a 2047, mas esqueceu que para o primeiro estar pronto em 2020, precisa ser iniciado em 2014 mais ou menos, ou seja, seriam 27 anos + 6 anos = 33 anos. A classe Rubis, francesa, de 6 unidades foi iniciada em fins de 1976 e o ultimo foi comissionado em 1993, portanto cerca de 16 anos e meio.… Read more »

Andy
Andy
9 anos atrás

Again, apologies for typing in English – it was always intended for there to be only one air wing which would transfer to the carrier in service and wouldn’t expect to see more than 16 F-35 at a time of peace.(as well as Navalised apache, Merlin etc) Ark Royal & Illustrious have hardly had an air wing anyway these last 7 years so the Harrier is no loss and is hardly a strike aircraft anyway (they have been operating in Afghanistan) The big news on Tuesday will be that the carriers will be converted to CATOBAR and F-35B dropped. Queen… Read more »

Luiz Padilha
Luiz Padilha
Reply to  Andy
9 anos atrás

Andy disse:( By Google Tradutor)- Mais uma vez, desculpas para escrever em Inglês – que sempre foi destinado para que haja apenas uma asa do ar, que seriam transferidos para a transportadora no serviço e não esperar para ver mais de 16 F-35 em um momento de paz (bem. navalizada como o apache, etc Merlin) Ark Royal & ilustres que mal tinha um esquadrão de qualquer forma nestes últimos sete anos para que o Harrier é sem perda e dificilmente é uma aeronave de ataque de qualquer maneira (que têm estado a operar no Afeganistão) A grande novidade nesta terça-feira… Read more »

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Enquanto isso ching-ling se arma…
E pra variar, os hermanos não estão acompanhando as notícias com o devido interesse…a história sempre se repetindo…

Edu Nicácio
9 anos atrás

Grande Dalton… Hehehe, otimista é pouco… Porém, não estou sendo nem um pouco realista. Essa é a Marinha de Guerra que nosso país merece e que gostaria de ver operando em 2030… Só o tempo dirá o que teremos até lá… Quanto aos prazos dos subs, são esses mesmos de acordo com esse PDF (na página 30 há o cronograma inicial para o S-BR e o SN-BR): http://www.ecnsoft.net/wp-content/plugins/downloads-manager/upload/Apresentacao-Prosub2.pdf Tem também esse outro documento que vale a pena ser lido: http://www.ecnsoft.net/wp-content/plugins/downloads-manager/upload/PAEMB.pdf O que precisamos é definir orçamentos para que as três forças se reaparelhem e cresçam, para a defesa dos nossos… Read more »

Colt
9 anos atrás

É o fim do mundo!
A Royal Navy sem os Harriers!
Num pode!
Vai que os vizinhos resolvem invadir de novo as Ilhas Falklands!
Tem que ter os Harriers para poder proteger as ilhas.

Ixtli
Ixtli
9 anos atrás

Eu diria que os Typhoons estacionados la dao conta do recado hehehe

ABULDOG74
ABULDOG74
9 anos atrás

Os SEA HARRIERS , seriam ótimos para Operações Anfíbias; principalmente em futuros navios anfíbios multimissões; tudo parece “CONSPIRAR A FAVOR”, da criação de um BATALHÃO DE AVIAÇÃO DE FUZILEIROS NAVAIS, ou dois; pois pela END serão duas Divisões Anfíbias
; composto por Hariers, Helicópteros de Ataque e transporte de tropas armados;
Uma Força Expedicionária não pode viver no improviso, não devemos mais sobrecarregar os esquadrões de helicópteros de emprego geral; desembarque de tropas e apoio armado precisa de características e treinamento específico, afinal Operações Anfíbias são as operações mais complexas de todas as forças militares.
ADSUMUS.

General
General
9 anos atrás

A crise tá feia pros ingleses!

Paulo Silva
Paulo Silva
9 anos atrás

Caro General, se esta feia para eles, você imagina para nós!Os meios de navegacão deles, em époda de aposentadoria, serveriam para nós,, em comparacão a nossa penúria, em que estão passando nossas fragatas.

Abracos

Paulo

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Grande Edu… obrigado pelos links. Não conhecia o primeiro e após le-lo encontrei um pequeno erro quanto ao deslocamento do Escorpene, 800 toneladas, e achei curioso a comparação que fizeram com os submarinos americanos no que tange a submersão por tempo indeterminado… 6 meses para os da marinha americana. Na verdade estes 6 meses se deve ao fato da necessidade do transito de ida e volta para áreas longinquas mais o tempo de permanencia no local, mas eles não ficam imersos todo o tempo, inclusive visitam algumas bases inclusive de outros países onde são reabastecidos de provisões. No caso do… Read more »

Nelson Lima
Nelson Lima
9 anos atrás

Ao contrário dos catastrofistas,não acredito que haja qualquer risco britânico nas Falklands/Malvinas pela via militar, pois, a Argentina não está fazendo nenhum reequipamento.O perigo atual, com esse corte no orçamento britânico é para o caríssimo programa F35, que pode gerarum prejuízo mais retumbante para Os estados Unidos, do que o rafale está gerando para a França.Como já dise antes, é um brinquedinho muito caro!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
9 anos atrás

Penso eu que o F-35B pode dançar e em seu lugar vâo entrar o F/A-18E/F e/ou o F-35C

Pedro Mota
Pedro Mota
9 anos atrás

Caramba, mais que nunca estamos vivendo a nova ordem mundial, quem dera a antiga potÊncia e maior marinha do mundo, agora está se disfazendo de tudo… certo que está adquirindo novas armas, mas acho que eles estão abrindo mão de sua hegemonia a muito perdida, para deixar o atual cenário para os novos dobermans do mundo(EUA, CHINA, RÚSSIA, ÍNDIA e quem sabe um país tropical abençoado por Deus…) e vai ficar só na venda e manutenção dos meios que este países e outros venha a querer e a comprar claro.

Abraços.

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

Para quem diz que só a França anda mal…
Engraçado que se fosse a França a fazer estes cortes todos, seria pq ela está quebrada!
Mas se é o UK é para sanar e evitar ficar mal… rsrsrs

cadê o ZE? rsrsrsrs

Sds!

Almeida
Almeida
9 anos atrás

Chicão, ambos, franceses e ingleses, estão bem mal das pernas. Não à toa estão começando a planejar o futuro em conjunto, sabem que sozinhos não aguentam mais.

Fabio ASC
Fabio ASC
9 anos atrás

Acredito que serão 2 passos para trás afim de tomar impulso e saltarem mais longe…….

Acredito ainda que manterão os 2 QE “completos”, mas CATOBAR, os F18´s seriam tampões, mas não acho viável, pois a GB ganha $$$ com o F35, já npo casodos F18´s…..

Eles, GB, França, EUA, Rússia, etc, não “cortam” simplesmente gastos / investimentos, sem os devidos estudos. Se acham que dá para cortar, é porque já pesquisaram e MUITO.

@wagner
@wagner
9 anos atrás

Hora de cair, ingleses…
E daí ? contratem uma frota norte americana para proteger as Falklands ! Nao tem mais inimigo para a Inglaterra…
Não conseguejm sequer manter os Harrier, eu nao sabia que eles eram tão caros…
Mas realmente uns dez para a MB seriam excelentes…..