Home Noticiário Internacional Reino Unido ‘está reconsiderando a compra do F-35C’

Reino Unido ‘está reconsiderando a compra do F-35C’

309
22

O Reino Unido pode ter que desfazer os planos de comprar a variante embarcada do caça F-35 Joint Strike Fighter e reverter a compra para a variante F-35B de decolagem curta e pouso vertical (STOVL) devido à falta de fundos para reprojetar os conveses dos navios-aeródromo, como tinha sido relatado.

O Ministro da Defesa está atualmente conduzindo estudos para determinar o custo final da conversão dos navios-aeródromo HMS Queen Elizabeth e HMS Prince of Wales para operar o F-35C. Os resultados devem ser divulgados ainda este ano.

As hipóteses de planejamento atual preveem a instalação das catapultas eletromagnéticas EMALS e cabos de retenção no convoo para operar o F-35C.

Quando o projeto original dos navios-aeródromo foi aprovado, assumiu-se que o Reino Unido compraria a versão STOVL F-35B, que não requer um sistema de catapulta para decolagem e é capaz de pousar verticalmente.

Enquanto as células do F-35C são mais baratas e mais efetivas que as do F-35B, estima-se um custo de £1 bilhão para converter os convoos dos navios-aeródromo e comprar as catapultas EMALS, o que pode ser demasiado caro para o Ministério da Defesa pagar, de acordo com reportagem no The Guardian.

Embora tenha um alcance maior e a habilidade de levar uma carga maior, diz-se que o projeto do F-35C sofre com falhas significativas desde o início do programa, que podem  aumentar os seus custos de desenvolvimento. No final do ano passado, um relatório do Pentágono citou preocupações sobre o posicionamento do gancho de cauda do F-35C e sua habilidade de sustentar vibrações, além de outros problemas.

Abandonar o sistema de catapulta e cabos de parada também vai prejudicar a habilidade de interoperar com o navio-aeródromo francês, como foi estabelecido no tratado de cooperação Reino Unido/França, assinado entre o presidente francês e primeiro ministro britânico David Cameron.

Os custos das aeronaves também poderão aumentar como resultado da redução de encomendas dos parceiros internacionais do programa. A Itália cortou suas encomendas de 131 para 90 no início deste ano e o Reino Unido ainda vai definir a escala de sua encomenda. Um anúncio, que pode incluir os números definitivos, é esperado para antes da Páscoa.

O porta-voz do MoD disse: “Estamos atualmente finalizando o orçamento de 2012-13 e equilibrando o plano de equipamento. Como parte do processo, estamos revendo todos os programas, incluindo elementos do programa de navio-aeródromo de ataque, para validar custos e garantir que os riscos sejam devidamente geridos.”

“O Secretário da Defesa espera anunciar o resultado deste processo ao Parlamento antes da Páscoa”.

FONTE: www.defencemanagement.com

22
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
Mauricio R.shipbuildingbrAlmeidawsmdaldaltonl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo
Visitante
Marcelo

a Dassault tem a solução para esse impasse, mas o orgulho inglês nunca permitiria isso.

e segue o enterro da antes gloriosa Fleet Air Arm.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Gosto dos navios de convés corrido que operam aviões STOVL. São chamados de LHD, LHA, cruzador de convés corrido, navio de projeção estratégica ou simplesmente porta-harrier. Normalmente seu custo de construção e operação é menor que um porta-aviões convencional, pois não usam catapultas e ganchos de parada, deixando para a aeronave o custo e peso da capacidade de pouso vertical. Flexíveis, podem realizar várias missões diferentes, de projeção de poder sobre terra a guerra ASW, de ataque em profundidade a controle de área marítima, dependendo das aeronaves embarcadas. É como uma bolsa para tacos de golfe, um para cada tipo… Read more »

Ivan
Membro
Member
Ivan

Para complicar um pouco mais, aparentemente o HMS Queen Elizabeth (R08) será entregue SEM as catapultas eletromagnética EMALS, sendo apenas o maior porta-harrier do mundo.

O segundo navio da classe, o HMS Prince of Wales (R09), deve receber as Electromagnetic Aircraft Launch System (EMALS).
Se for confirmado e tudo der certo, o Prince of Wales será o segundo navio a receber o novíssimo sistema de lançamento, sendo o primeiro instalado no US Carrier USS Gerald R Ford e o terceiro no futuro USS John F Kennedy.

http://www.janes.com/products/janes/defence-security-report.aspx?ID=1065930314

Sds,
Ivan, um infante metido em assuntos de marinheiro.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Marcelo disse:
2 de março de 2012 às 21:12
a Dassault tem a solução para esse impasse”

Não entendi, Marcelo.

O impasse é a Marinha Real estar achando caro gastar 1 bilhão de libras em modificações nos navios para poder usar um caça lançado por catapulta e que pouse enganchado.

Que solução a Dassault teria para esse impasse???

Marcelo
Visitante
Marcelo

ok, vou explicar melhor: os ingleses estão com a pulga atrás da orelha porque não sabem se gastam os tubos ou não, para equipar os navios para operar CATOBAR, certo? Só que o atraso do F-35C e a questão dos americanos da LM não saberem onde colocar o gancho de parada, está forçando a balança para o lado do F-35B de novo, Certo? Se eles aceitassem a proposta de leasing da Dassault por uma quantidade não muito grande de Rafales M, eles poderiam Instalar os equipamentos nós navios sem medo e depois comprar o F-35 C, que será muuuuuuuito mais… Read more »

Grifo
Visitante
Grifo

Caro Marcelo, os ingleses estão com problema de orçamento (i.e. falta de $$$) para fazer as modificações nos navios, e você quer resolver isso colocando Rafale? Confesso que eu também não entendi.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Grifo, quem quer ter uma capacidade decente de aviação embarcada tem que pôr a mão no bolso. Ainda acho ( pessoalmente ) que o melhor para eles seria ir para o CATOBAR, ainda mais em navios desse porte…

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Até aí, se os ingleses tivessem a verba necessária disponível, a solução poderia ser o SH, pois o ac americano tem mto mais disponibilidade.
No mais outro exemplo claro e acabado, de como a SDSR 2010 é um fiasco.

Marcelo
Visitante
Marcelo

agora vou concordar com você Maurício R.

edcreek
Visitante
edcreek

Olá,
Na atual situação a coisa está feia para os Ingleses, não sei qual seria a melhor solução, mas sei que eles devem se arrepender até o ultimo fio de cabelo de ter “brigado” com os Franceses a ponto de dividir o projeto Rafale/Thypoon, o maior motivo da briga foi justamente esse onde os Franceses queriam aviação embarcada e os Ingleses não…Se tivessem continuado juntos hoje os Ingleses teriam um caça com metade do custo de F-35 na versão normal……Se arrependimento matasse os Ingleses estariam cheirado mal….

Abraços,

Marcelo
Visitante
Marcelo

e também concordo com o Edcreek! tinha esquecido Disso! hauahauahhauahauahuah, alguns, os mais inteligentes, devem estar se roendo por dentro até agora! mas como São vassalos dos Eua, a maioria deve estar achando normal.

Daglian
Visitante
Daglian

Não existem nem planos para um Typhoon naval?? Ou falta grana mesmo?

Se os ingleses estão mal porque falta dinheiro para instalarem um CATOBAR em seus dois futuros porta aviões (“porta harriers”), imagine nós rsrsrsrs

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Ed…

Não foram apenas os britanicos que não queriam “aviação embarcada”
os demais parceiros também não queriam, mas, o futuro CVF ainda está muito no futuro, muita coisa poderá mudar até lá e os franceses ainda levarão alguns anos para ter todos os 60 Rafales Ms o que é suficiente
para 3 esquadroes apenas.

Marcelo…

quanto a ser “vassalo” se formos pensar, é irrelevante: franceses e britanicos combinados não foram capazes de lidar sózinhos com a Libia.

Se os britanicos dependem do F-35 , os franceses dependem dos EUA para treinamento básico e o CDG está recheado de tecnologia sensivel americana também.

abs

edcreek
Visitante
edcreek

Ola, Daltonl, nessa nao posso concordar contigo quando você diz que os outros parceiros nao queriam aviacao embarcada. Todos sabemos que na Europa so existem(ou exitiao) dois paises com aviacao embarcada seria e esses paises sao Franca e Inglaterra, a Italia ainda tem alguma coisa mas em escala menor….A Alemanha entao…. A decisao cabia aos Ingleses e como foi dito eles devem se arrepender ate a alma de nao deixar o programa unificado com o do Rafale ja que essa decisao parece ter selado a outrora poderosa aviao Inglesa que definiu a guerra das malvinas… Sobre o numero de Rafales… Read more »

wsmdal
Visitante
wsmdal

Os britânicos nunca pensaram em deixar de ter aviação embarcada. Quando o Rafale e Typhoon (década de 70-80) foram planejados, os Sea Harrier ainda tinham uma longa carreira pela frente, como de fato ocorreu. Quando chegou o momento de planejar o substituto dos Sea Harrier, nada mais natural do que o programa JSF VTOL. Até porque os ingleses estavam envolvidos com os americanos no desenvolvimento conjunto entre a BAe e McDonnell Douglas (depois adquirida pela Boeing) da última versão do Harrier, o AV-8B Harrier II. Atualmente há constantemente grupos de aviadores britânicos operado embarcados em esquadrões da US Navy, voando… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Ed… os britanicos deram fim à aviação embarcada em 1978, quando descomissionaram o HMS Ark Royal IV e crime maior fizeram ainda quando descomissionaram o HMS Eagle anos antes que estava até em melhores condições materiais que o Ark. Não é a toa que os Phantons do Ark Royal IV traziam a letra “Omega” no estabilizador vertical. Os franceses na época da discussão do Eurofighter, já tinham o Charles de Gaulle nos planos, os britanicos espanhois e italianos tinham apenas porta-harriers e a Alemanha nada, portanto o Rafale M ou equivalente não interessava. Veja que o Rafale M é um… Read more »

Almeida
Visitante
Member
Almeida

Sinuca de bico pros britânicos: ou gastam com os navios ou gastam com os aviões, mas terão que gastar mais.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

O T-45 Goshawk, é o Hawk britânico navalizado.

José da Silva
Membro

É importante notar que um piloto da RAF ou da FAA, não lembro agora de cabeça voou o 35 charlie na semana passada.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Dalton,
vassalo é umt ermo forte, mas como não pensar nisso, se venderam os últimos 60 Harriers II operacionais para os EUA??? Transformando o “Vince” como vc gosta de chamá-lo em um mero porta helicópteros? e também em caso de atraso do F-35B/C etc etc, os Harriers II não poderiam operar no HMS Queen Elizabeth? Poderiam ter removido os radares Blue Vixen dos Sea Harriers FRSMk2 e colocado nos Harriers II, sem muita complicação! Isso poderia ter habilitado-os a operar com AIM-120! Mas não, nossos amigos dos EUA, precisamd e peças de reposição!!! a Fleet Air Arm que se dane!

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Marcelo… quem mandou a FAA se danar foram os próprios britanicos e faz muito tempo atrás, veja: Cancelaram o CVA-01 ainda nos anos 60 e nos anos 70 aposentaram seus 2 últimos NAes, o que foi considerado um “crime”, principalmente no caso do HMS Eagle que havia passado por melhorias. Os “Invincibles” foram projetados como navios antisubmarinos com uma limitadissima capacidade de ataque e mesmo nas Falklands, o principal navio da Royal Navy era o velho porém maior HMS Hermes e não o novo em folha “Vince”. Com o tempo, os britanicos descobriram que 3 Invincibles eram demais para o… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Pq a US Navy está tão interessada, na venda de F-35C, p/ a RN:

(http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2012/03/why-is-us-navy-so-desperate-to-sell-f.html)