Porto de Santos - foto Nunão

vinheta-clipping-naval O porto de Santos, a 72 km de São Paulo, bateu mais um recorde de movimentação de cargas em maio, mas poderia ter movimentado 19% a mais, não fossem os gargalos existentes. O cálculo é da estatal federal que administra o complexo portuário santista, a Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo).

Para chegar a esse resultado, a Codesp usou como parâmetro o melhor mês da história do porto: agosto de 2012, quando houve recorde de volume de carga para um único mês (10,5 milhões de toneladas), sem ocorrência de paralisações de trabalhadores ou filas de caminhões nas estradas que dão acesso ao porto.

Se todos os meses de 2013 fossem como agosto do ano passado, o porto de Santos poderia movimentar 126,6 milhões de toneladas ao longo deste ano. Na verdade, nos cinco primeiros meses deste ano, o movimento foi de 44,5 milhões de toneladas. Nesse ritmo, o maior porto do Brasil conseguirá fechar o ano, no máximo, com 106,7 milhões de toneladas –18,6% menos do que poderia.

Segundo a Codesp, o resultado seria maior com uma melhor logística para o transporte de cargas e mais investimentos em ferrovias e navegação de cabotagem (de um porto a outro).

“A questão está na infraestrutura dos acessos externos ao porto e no equacionamento da chegada das cargas”, afirmou a Codesp, por meio de sua assessoria.
Trocar caminhões por trens e navios

Atualmente, aproximadamente dois terços das cargas chegam e saem de Santos em caminhões, ante 24% por trens, e de 5% a 10% por dutos. De acordo com a autoridade portuária, a troca da forma de transporte traria maior eficiência ao porto.

Outra questão consiste no agendamento da entrega de mercadorias desde a origem, como os grãos oriundos de fazendas do Centro-Oeste. Quando os produtores enviam cargas de forma massiva e além da capacidade de armazenamento dos terminais portuários, há congestionamentos em rodovias, e no trânsito urbano de Santos e cidades vizinhas.
Maio: novo recorde

O porto de Santos teve o melhor mês de maio em seus 121 anos de história, com 9,9 milhões de toneladas movimentadas.

De janeiro a maio, os 44,4 milhões de toneladas movimentadas superaram em 15% o total do mesmo período do ano passado. Também na comparação com os primeiros cinco meses de 2012, as exportações aumentaram 22%, e as importações, 0,7%.

Os produtos mais movimentados no ano foram soja (10,1 milhões de toneladas), com alta de 4,3%; açúcar (6,5 milhões), com crescimento de 77,5%; e milho (1,6 milhão), em um salto de 558,3% em relação ao mesmo período do anterior.

FONTE: UOL

Tags:

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

28 Responses to “Sem gargalos, porto de Santos poderia movimentar 19% mais carga” Subscribe

  1. MAD DOG 7 de julho de 2013 at 16:45 #

    Há mais de 25 anos, escuto e aprendi na escola, que se fazia necessário uma continuidade em infraestrutura logística em nosso País.

    Me recordo que era feita uma comparação por exemplo, da malha ferroviária brasileira com a dos EUA, o quanto economizava-se em custos de transporte, capacidade de carga e economia em custos comparados há uma estradas pavimentadas, caminhões, combustível e por aí vai.

    Em relação aos nossos aeroportos, estaleiros, PORTOS, sistemas energéticos e de comunicações, enfim, tudo aquilo referente a infraestrutura que um país necessita. Inclusive uma indústria bélica sólida, (Não considerando somente a produção de artefatos bélicos para exportação ou aparelhamento de nossas FAAs, mas principalmente o desenvolvimento, tecnologia e pesquisa, que essa fomenta trazendo importante aquisição tecnológica que é usada nas demais indústrias, sistemas de produção e segmentos de uma Nação, criando assim maior independência tecnologia e consequentemente maior desenvolvimento para o país), é a mesma situação, há muito já sabemos da necessidade de investimentos e execução nesses setores, além da IMPORTÂNCIA VITAL DESSES PARA A NAÇÃO.

    O BRASIL já é uma grande NAÇÃO e poderia ser ainda maior, o que falta é um PLANO NORTEADOR DIRETOR, para ser cumprido e executado, seja lá por qual político da vez esteja sentado na cadeira. Inclusive com penalidade de perder o cargo, caso não o cumpra.

    É por isso que algumas Nações são hoje superpotências, por que possuem um plano a ser seguido e executado continuamente, independente de vaidades e firulas de seus políticos.

    Desde de 1988, com a nova Constituição e a chamada nova democracia, o que se vê em nosso país é uma total falta de comprometimento, patriotismo e responsabilidade de nossos políticos para com a Nação e o seu futuro, onde cada casta política aparece com suas receitas e planos mirabolantes para em “seu governo”, num passe de mágica transformar o país em grande nação, sem contar em suas vaidades pessoais e corrupção solta.

    Enfim esse tipo de notícia muitas vezes parece hipocrisia e um atestado de burrice à toda Nação, tudo o que é dito já estamos carecas de saber e vou além é BÁSICO.

    O que falta é parar de tanta conversa e firula e começar a EXECUTAR AQUILO QUE JÁ SABEMOS HÁ MUITO TEMPO.

    SOMOS UMA NAÇÃO SÉRIA, o que não é sério por aqui são os nossos POLÍTICOS.

  2. MAD DOG 7 de julho de 2013 at 17:08 #

    Desculpem os vários erros de concordância e pontuação, fui escrevendo e não revisei!!!

  3. nunes neto 8 de julho de 2013 at 0:53 #

    Já está na hora desse país pensar e executar portos mais ao norte do país ,como o sonhado porto do espadarte em Curuça -PA, 25m de calado natural, mais próximo dos mercados da Europa e EUA, desculpem mas Santos já deu o que tinha que dar, vamos mudar a musica esse litoral é imenso, com várias possibilidades, joguem ai na NET Porto do Espadarte .Abçs

  4. MO 8 de julho de 2013 at 15:07 #

    e exportar o que por espadarte NN, produtos acreenses ??? … rssssss

  5. Observador 8 de julho de 2013 at 19:44 #

    nunes neto disse:
    8 de julho de 2013 às 0:53

    MO disse:
    8 de julho de 2013 às 15:07

    O Porto de Espadarte seria ótimo para exportar os produtos de todo o Brasil SE a ferrovia Norte-Sul, que ligará o Pará ao Rio Grande do Sul, estivesse pronta (está em obras desde 1987), e SE houvesse houvesse ligação ferroviária entre o porto e a dita ferrovia.

    E isto não é nada: existe o projeto definido e aprovado da Ferrovia D. Pedro I, ligando Porto Alegre a Florianópolis. O projeto foi aprovado através do Decreto 4.689 de 10 de fevereiro de 1871 – a data é mesmo esta: 1871! – e jamais foi levado a cabo.

    Agora, quase 150 anos depois e incontáveis vidas ceifadas nos últimos 45 anos na máquina de moer carne humana chamada BR-101, se fala em fazer algo semelhante a tal projeto.

    Como o Colega Mad Dog falou acima, bons planos já existem e em quantidade; só falta os imbecis no Poder abandonarem a cegueira ideológica e permitirem a iniciativa privada construir este país.

  6. nunes neto 8 de julho de 2013 at 20:35 #

    Muito me admira sua observação caro MO, os portos do Norte ficam muito mais próximos para a exportação dos produtos agrícolas do centro-oeste que os do Sudeste, quando vc coloca a proximidade dos mesmos com as regiões compradoras do hemisfério norte isso fica evidente, fora a exportação de minérios, o porto da ponta da madeira ,não vai dar conta do aumento da produção de minérios , e a descoberta de uma província mineral maior que a de carajás no Tocantins.Observador a Norte -Sul vai até o Porto Barcarena na região metropolitana de Belém (projeto) no Porto da Alubras-Alunorte de lá para Espadarte são apenas 140km. MO deixa de bairrismo existe vida e economia fora da região sudeste, sei que és morador de Santos, mas admita a situação já está insuportável, temos que criar outras alternativas, larga o osso,kkkkkk.Abçs

  7. nunes neto 8 de julho de 2013 at 20:38 #

    MO , fora brincadeira vc já foi ao Acre?

  8. nunes neto 8 de julho de 2013 at 20:45 #

    Exportação de produtos agrícolas via BR163/ Porto de Santarém, e via Norte-Sul /Hidrovia Araguaia Tocantins/Porto de Barcarena/Espardate, só olhar no mapa, só não sai por interesse de alguns …..Abçs

  9. Colombelli 8 de julho de 2013 at 21:49 #

    Enquanto isso, há um grande projeto do atual governo em andamento, o único allás: reeleição

  10. Observador 9 de julho de 2013 at 0:56 #

    nunes neto disse:
    8 de julho de 2013 às 20:35

    …a Norte -Sul vai até o Porto Barcarena na região metropolitana de Belém (projeto)…

    …são apenas 140km…

    Caro Nunes, pela velocidade da implantação das ferrovias Norte – Sul e Transnordestina, o norte ainda vai demorar décadas para receber as mercadorias do Sul e Sudeste.

    Como bem frizou o Colombelli, o único projeto deste governinho de m…rda é a reeleição da “Presidenta Incompetenta”.

    Tem muita incompetência e má-fé na (des)organização logística brasileira, mas a má-fé não é só de quem está no Sul e Sudeste não.

    Há alguns anos, acompanhei a tentativa de uma empresa aqui do Sul em levar seus produtos para um cliente no Pará através da navegação de cabotagem. O problema foi que a mercadoria teria que ir direto até Manaus, fazer uma baldeação e retornar de balsa até Belém. Não há lógica nenhuma nisto, a não ser a defesa dos interesses de Manaus e das balsas de transporte entre Manaus e Belém.

    Como resultado era mais barato e mais rápido mandar a mercadoria por caminhão do que por navio! E foi o que a empresa escolheu.

    Por causa destes obstáculos para transportar qualquer coisa do Sul/Sudeste para o Pará, dou razão ao que o MO falou, só para os produtos “Made in Acre” e de outros estados do Norte compensa a exportação pelo Pará.

  11. Vader 9 de julho de 2013 at 11:56 #

    nunes neto disse:
    8 de julho de 2013 às 20:38

    “MO , fora brincadeira vc já foi ao Acre?”

    Cuma?

    Alguém já foi ao Acre? :)

  12. MO 9 de julho de 2013 at 13:08 #

    Nein, nunca

  13. MO 9 de julho de 2013 at 13:13 #

    Não a situ não esta insuportavel, o que está são as condições, aqui tudo é levado na brincadeira, qqr coisa principalmentea infraestrutura para se realizar os serviço de deste jeito capenga bate recorde atras de recorde, imagina se fosse levado a ´serio. alguns portos do N, tipo itacoatiara exportam soja de MT, utilizando este sistema, genericamente falando, o que mais …

    quanto a ser bairrista, isso eh caracteristica de todo santista natural, tanto que pra mim da conselheriro nebias pra lá é São Visselva … kkkk

  14. nunes neto 9 de julho de 2013 at 18:54 #

    Observador, desculpa a ignorância, mas existe alguma ligação via rio entre o Sul e o Amazonas?Eu nunca ouvi falar;se for via marítima chegasse em Belém, não tem porque gastar uma semana para ir a Manaus e mais alguns dias para voltar a Belém e deixar a mercadoria, já de vc já passou por Belém! Vader, kkkk sempre vou lá, e gosto de lá,kkkk

  15. nunes neto 9 de julho de 2013 at 18:56 #

    Quando se olha no mapa o projeto Norte-Sul fica na cara que o objetivo da construção dessa ferrovia é o escoamento de produtos pelos portos do Pará e Maranhão (neste caso via EFV).Abçs

  16. nunes neto 9 de julho de 2013 at 19:01 #

    A Cuiabá – Santarém está sendo asfaltada no Pará (MT já estava toda asfaltada), logo ,logo a soja do MT vai sair por lá (já sai, mas em pouca quantidade)

  17. Observador 9 de julho de 2013 at 20:54 #

    nunes neto disse:
    9 de julho de 2013 às 18:54

    Pois é. Parece piada.

    Mas não é.

    Não sei se o negócio mudou mas, na época, o navio passava direto por Belém, ia até Manaus, a mercadoria era desembarcada e colocada em uma balsa para fazer a viagem de volta até Belém.

    Um deslocamento INÚTIL, somando ida e volta, de mais de 3200 km.

  18. MO 10 de julho de 2013 at 0:01 #

    Se nao me engano boa parte ou uma boa quantidade de soja do MT vai pelo porto de Itacoatiara/AM

  19. nunes neto 10 de julho de 2013 at 18:22 #

    MO sei não,olha no mapa a localização do município do amazonas,seria um deslocamento inútil ,subir o amazonas, para depois descer, Santarém fica na reta da BR163, o deslocamento desta carga para Itacoatiara, para depois descer o amazonas, passando por Santarém e depois Belém, é meio dispendiosa, jogar dinheiro fora, o mais lógico saida por Santarém e Belém , como já cansamos de falar com o valor gasto com os elefantes brancos da copa, vc implementava essa “nova velha via de escoação” reduzindo em uns 30 o valor com o transporte.Abçs

  20. nunes neto 10 de julho de 2013 at 18:25 #

    30%

  21. MO 10 de julho de 2013 at 18:39 #

    ah sim, mas que sai soja por itacoatiara sai, so nao sei dereito de onde, pode ser transhigienica alienigena feita em Cruzeiro do Sul , 4a dimesão er digo Acre. POr um acaso, vc ja verificou se Santarem opera um Supramax, Panamax, Kamsarmax ou Post Panamax ?, os principais tipos que carregam soja no Brasil (eu nao verfiquei, estou perguntando mesmo)

  22. nunes neto 11 de julho de 2013 at 21:47 #

    MO , “Os navios para exportação são do tipo PANAMAX, com 60 mil toneladas de capacidade bruta. Movimentação do porto de Santarém …… ”
    Dê uma lida achei bem legal
    http://www.sema.pa.gov.br/download/RIMA%20CARGILL_2010.pdf

  23. nunes neto 11 de julho de 2013 at 21:51 #

    Inclusive lá tem uma mapa dos caminhos da soja no Brasil e realmente sai pelo Porto 4º dimensão de Itacoatiara, kkkk.Abçs

  24. MO 11 de julho de 2013 at 22:17 #

    ih… rss como imaginei .. eles escreveram errado um panamax eh de 75.000 dwt alguns 72 .. outros 76 … rsss vou ler respondi antes de ler o link = mas pelo jeito algum santarenico buneco escrevendo sobre navio … rsss

  25. nunes neto 12 de julho de 2013 at 21:33 #

    KKKKK, MO, tu és flórida , deixo com o especialista, sou buneku nesse assunto, mas não sou santarenico, mas realmente só estava discutindo a questão logística, mas já li um estudo de um professor do MT, que diz que Santarém não é viável , que deveria sair através de Santana -AP. Abç cumpanheiro,kkkk

  26. nunes neto 12 de julho de 2013 at 21:37 #

    Cumpanheiro me dá um feeback sobre o link, se a povo viajou!Abçs

  27. MO 13 de julho de 2013 at 20:56 #

    NN, eh mais bla bla bla quye algo pratico, quero achar uma coisa que tenho e te mandar, eh bem mais pratico ee direto ao assunto

  28. nunes neto 14 de julho de 2013 at 17:59 #

    Deve ser mais propaganda da Cargill que outra coisa,kkk,mas o cerne da questão fica, sei que com organização e investimento, o porto de Santos, pode receber bem mais navios, e escoar melhor os nossos produtos, e receber o que comprar-mos, sem atropelos , mas não podemos ficar refém de 2 ou 3 grandes portos no país, se os portuários de Santos resolverem fazer uma greve estamos f….dos, então, não vamos colocar todos os ovos numa unica cesta. Abçs,não volto mais para esse tópico!

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Navios de guerra estão abertos para visitação neste final de semana, em Santos-SP

José Claudio Pimentel Três navios de guerra e um submarino da Marinha do Brasil estão atracados, neste fim de semana, […]

Atleta do Programa Olímpico da Marinha é campeã mundial de Judô na Rússia

No dia 29 de agosto, a integrante do Programa Olímpico da Marinha (PROLIM), Terceiro-Sargento (RM2-EP) Mayra Aguiar da Silva, sagrou-se […]

Livro ‘As Garras do Cisne’ desvenda segredo da Marinha brasileira

Com base em documentos produzidos pela corporação, Roberto Lopes revela o objetivo da Marinha brasileira de se tornar a nona […]

Navios da Marinha do Brasil visitam o porto de Santos-SP neste final de semana

Está prevista a chegada e atracação no período da manhã de sexta-feira (29.08 – 7h) de um GT (Grupo-Tarefa) composto pelos […]

Futuros tripulantes indianos de Scorpene treinam em equipamentos fabricados na Índia

Sessões de treinamento da DCNS, referentes ao console dos sistemas de gerenciamento da plataforma e de manobras do submarino, foram […]

Marinha do Brasil e Armada da República Argentina concluem a Operação ‘Fraterno-XXXII’

De 15 a 25 de agosto, a Fragata “Greenhalgh” participou da Operação bilateral “Fraterno-XXXII”, que se realiza há 32 anos, […]