180115295

De acordo com o chefe de Operações Navais da Marinha russa, almirante Viktor Chirkov mais de 80 navios da Marinha russa estão atualmente de prontidão em diversos ares do mundo. A declaração foi feita à RIA Novosti ontem (01). A duração dos desdobramentos e as atribuições dos meios navais aumentaram consideravelmente nos últimos anos. As áreas de abrangência das missões também cresceram.

O almirante Chirkov citou como exemplo a força-tarefa liderada pelo cruzador Moskva e comporta pelo navio anti-submarino Admiral Kulakov, o rebocador Yevgeny Khorov e o navio de abastecimento Ivan Bubnov está atualmente no Atlântico e realizou visitas não oficiais a Cuba e à Venezuela. Também há outra força-tarefa, formada pelo cruzador Varyag, o navio de abastecimento Boris Butoma e o rebocador SB-522, está a caminho da região sudeste do Pacífico.

De acordo com o comandante, esses desdobramentos de longo alcance funcionam para estabelecer relações de confiança e expandir a colaboração com forças navais estrangeiras.

FONTE: RIA Novosti (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

5 Responses to “Mais de 80 navios da Marinha russa em desdobramentos pelo mundo” Subscribe

  1. MO 3 de setembro de 2013 at 19:55 #

    o Vitze Admiral Kulakov é o mesmo do Kulakov ai do texto, fiquei meio perdido, ele mudou de nome ?

  2. pco-andrade 4 de setembro de 2013 at 0:15 #

    Qual a função dos rebocadores em forças-tarefas como as acima citadas. Raramente ouço FT como na MB e USN entre outras citar a presença de rebocadores. Seria pura e simplesmente falta de meios? Ou não é nada disso.

  3. daltonl 4 de setembro de 2013 at 11:21 #

    MO…

    é o mesmo, apenas “esqueceram” de incluir a palavra “vice” .

    pco-andrade…

    a compreensão que tenho quanto aos rebocadores oceânicos acompanhando os navios de guerra russos é que ao contrário da US Navy os russos não possuem a mesma infraestrutura/bases no exterior para dar apoio a seus navios quando estes estão em comissões longas, então se algo dá errado os russos podem resolver por si o problema rebocando o navio até um porto estrangeiro próximo.

  4. Wagner 4 de setembro de 2013 at 13:24 #

    Tem mais uma força, ao norte, liderada pelo Peter the Great, que está láá no pólo norte.

    Tem vários no mediterrâneo também.

  5. pco-andrade 4 de setembro de 2013 at 23:20 #

    obrigado daltoni.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Ministro da Defesa visita a Embraer para conhecer o trabalho de modernização dos jatos AF-1/1A da Marinha

No dia 21 de outubro de 2014, o Ministro da Defesa, Embaixador Celso Amorim, visitou às instalações da Embraer, em […]

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]

Euronaval 2014: características das corvetas ‘Tamandaré’ e do NPaOc-BR

Seguem as informações divulgadas sobre as corvetas da classe “Tamandaré” e sobre o NPaOc-BR: Corvetas Tamandaré: Deslocamento: aproximadamente 2.700 toneladas […]