180115295

De acordo com o chefe de Operações Navais da Marinha russa, almirante Viktor Chirkov mais de 80 navios da Marinha russa estão atualmente de prontidão em diversos ares do mundo. A declaração foi feita à RIA Novosti ontem (01). A duração dos desdobramentos e as atribuições dos meios navais aumentaram consideravelmente nos últimos anos. As áreas de abrangência das missões também cresceram.

O almirante Chirkov citou como exemplo a força-tarefa liderada pelo cruzador Moskva e comporta pelo navio anti-submarino Admiral Kulakov, o rebocador Yevgeny Khorov e o navio de abastecimento Ivan Bubnov está atualmente no Atlântico e realizou visitas não oficiais a Cuba e à Venezuela. Também há outra força-tarefa, formada pelo cruzador Varyag, o navio de abastecimento Boris Butoma e o rebocador SB-522, está a caminho da região sudeste do Pacífico.

De acordo com o comandante, esses desdobramentos de longo alcance funcionam para estabelecer relações de confiança e expandir a colaboração com forças navais estrangeiras.

FONTE: RIA Novosti (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

5 Responses to “Mais de 80 navios da Marinha russa em desdobramentos pelo mundo” Subscribe

  1. MO 3 de setembro de 2013 at 19:55 #

    o Vitze Admiral Kulakov é o mesmo do Kulakov ai do texto, fiquei meio perdido, ele mudou de nome ?

  2. pco-andrade 4 de setembro de 2013 at 0:15 #

    Qual a função dos rebocadores em forças-tarefas como as acima citadas. Raramente ouço FT como na MB e USN entre outras citar a presença de rebocadores. Seria pura e simplesmente falta de meios? Ou não é nada disso.

  3. daltonl 4 de setembro de 2013 at 11:21 #

    MO…

    é o mesmo, apenas “esqueceram” de incluir a palavra “vice” .

    pco-andrade…

    a compreensão que tenho quanto aos rebocadores oceânicos acompanhando os navios de guerra russos é que ao contrário da US Navy os russos não possuem a mesma infraestrutura/bases no exterior para dar apoio a seus navios quando estes estão em comissões longas, então se algo dá errado os russos podem resolver por si o problema rebocando o navio até um porto estrangeiro próximo.

  4. Wagner 4 de setembro de 2013 at 13:24 #

    Tem mais uma força, ao norte, liderada pelo Peter the Great, que está láá no pólo norte.

    Tem vários no mediterrâneo também.

  5. pco-andrade 4 de setembro de 2013 at 23:20 #

    obrigado daltoni.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Visita da Saab e da Embraer ao NAe ‘São Paulo’

No dia 04 de setembro de 2014, um grupo de técnico das empresas SAAB e EMBRAER visitou o Navio-Aeródromo São […]

Terceiro dia de incêndio nas proximidades de Aramar mobiliza helicópteros da Marinha

Focos de incêndio mobilizaram três helicópteros da Marinha neste domingo (14), em área de vegetação pertencente ao Centro Experimental de […]

Programa de submarinos (Prosub) avança com seção de qualificação

ICN recebe a primeira Seção totalmente produzida no Brasil Mais um passo importante no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) […]

Amazul e FDTE assinam acordo para participar do programa do submarino nuclear brasileiro

A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. e a FDTE – Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia […]

Revista Forças de Defesa número 11 em versão digital: para iPad, iPhone e Android

A revista Forças de Defesa também está disponível para download pelo aplicativo O Jornaleiro, disponível para iPad, iPhone e smartphones/tablets […]

Museu Aeroespacial incorpora helicóptero da Marinha ao acervo

Em solenidade, no mês de agosto, o Museu Aeroespacial incorporou ao acervo histórico a aeronave Sikorsky SH-3 Sea King, doado […]