Risco em alto-mar

5

O leilão da área de Libra, o primeiro do pré-sal sob o regime de partilha e maior área já licitada no país, com reservas estimadas entre oito e 12 bilhões de barris de petróleo, acontece hoje sem que o governo tenha um plano de contingência aprovado para minimizar o impacto de um possível desastre ecológico em caso de vazamento de petróleo no mar. Há mais de um ano permanece em alguma gaveta do Palácio do Planalto um relatório elaborado com a participação de 16 ministérios carregando os princípios básicos a serem adotados nesses casos, sem que a análise tenha sido concluída e o plano aprovado.

Em abril de 2012, o Ministério de Minas e Energia (MME) apresentou na Câmara dos Deputados um desenho completo de como funcionaria o Plano Nacional de Contingência (PNC), previsto para ser implementado pelo governo desde a sanção da Lei 9.966, em 2000. Isso significa que há 13 anos o governo descumpre a lei federal. A audiência pública ocorreu após os acidentes no campo do Frade, na Bacia de Campos, explorado pela Chevron, em novembro de 2011 e março de 2012, e o mega vazamento no campo de Macondo, no Golfo do México, explorado pela BP, em 2010.

Coordenador da proposta, o MME respondeu ao GLOBO que “os estudos sobre o PNC foram concluídos pelos ministérios responsáveis e estão sob a avaliação da Presidência da República” A Casa Civil informou, porém, que o tema ainda está “em discussão” no governo, mas não soube informar quando ocorreu a última reunião. O último debate no governo sobre o plano de contingência de que se tem notícia ocorreu em 10 de maio de 2012.

O PNC deve definir os papéis de entidades federais como Marinha, Ibama e Agência Nacional do Petróleo (ANP) — que seriam os coordenadores operacionais do PNC — em caso de acidentes de grandes proporções. Depois do vazamento de Frade, o plano foi ampliado para incorporar procedimentos até então não previstos em casos de vazamentos menores.

Encerrada a discussão técnica, entre fevereiro e abril do ano passado, o MME e o Ministério do Planejamento trataram da fonte de recursos para a cobertura de despesas de implementação do plano e decidiram que as despesas do PNC seriam incluídas no Orçamento Geral da União, com dotações específicas e limites anuais de pagamento.

Os custos referem-se a despesas temporárias, uma vez que “as ações de resposta a qualquer incidente de poluição por óleo são sempre repassadas ao agente poluidor” segundo a apresentação da secretaria de Petróleo e Gás do MME na Câmara, de abril do ano passado.

Apesar de o PNC não existir, o governo alega que alguns de seus princípios já foram postos em prática. Por exemplo, os sistemas de interlocução entre Marinha, ANP, Ibama, na forma proposta do PNC, já foram adotados no segundo vazamento de Frade, em março de 2012.

De acordo com o professor Segen Estefen, especialista em engenharia oceânica da Coppe/ UFRJ, falta ao Brasil uma melhor estruturação dos sistemas de proteção ao oceano já existentes, o que inclui o estabelecimento do PNC:

— O Brasil tem a oportunidade de liderar questões ambientais em águas profundas.

Para ele, além da tecnologia de exploração do pré-sal, o Brasil poderia também consolidar e até exportar essas tecnologias de mitigação de riscos que estão espalhadas por empresas, universidades e institutos de pesquisa no país, com equipamentos — de satélites a laboratórios:

— O tempo de exploração de Libra, que vai durar quatro ou cinco anos, é estratégico para estruturarmos o sistema de proteção aos oceanos e exportar essa tecnologia.

FONTE: O Globo via Resenha do Exército

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

2 Comentários para “Risco em alto-mar”

  1. Colombelli 21 de outubro de 2013 at 16:52 #

    governo do PT e planejamento são duas coisas antagônicas e visceralmente incompatíveis

  2. MO 21 de outubro de 2013 at 17:21 #

    Alias aos sapiencias, ao invés de ficar criticando armamento de amazonas, não falando nada de Fragatas sendo usadas em missões SAR e subistituição de IM´s deveriam ler este artigo e se preucupar um pouquinho mais com a parte ral e palpavel em termos de situações de emergencia e salvamento no mar … e veja se se tocam os sapiencias, pois o mundo da wikipedia e google não ensina ou fala sobre tudo naum (Preste atenção sobre como acontece aonde se faz de verdade e como eh por aguas and terras bananicas…) =

    http://www.blogmercante.com/2013/10/errv-vessels-conhecem/

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Marinha dos EUA compra helicópteros usados do Japão

Mh-53E Sea Dragon Port-au-Prince

A Marinha dos Estados Unidos (USN) adquiriu dois helicópteros usados MH-53 Sea Dragon, além de outros sobressalentes, que pertenciam às […]

Crise derruba verbas e cronograma do projeto AF-1B; 2ª aeronave só em 2016…

AF-1M

  Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa As restrições orçamentárias que se abateram sobre a Marinha […]

Reforma do AMRJ: no futuro, Oficina de Submarinos servirá à construção de navios de superfície

NAPAOC Amazonas no AMRJ - foto V Cardoso

A Marinha já traça planos para as áreas do seu Arsenal, no Rio de Janeiro (AMRJ), que ficarão liberadas de […]

Marinha suspende até setembro execução do contrato que rege construção da classe Macaé

Navio-Patrulha Macaé

  A Marinha do Brasil suspendeu, até a terceira semana do mês de setembro, a execução do contrato nº 45000/2008-004/00, […]

Guerra entre China e EUA pode ser inevitável, segundo jornal chinês

bandeira da china

Uma semana depois de a Marinha chinesa ameaçar um avião americano que operava voos de reconhecimento em águas internacionais, o […]