Home Marinha do Brasil Marinha do Brasil desativa o Navio-Tanque ‘Marajó’

Marinha do Brasil desativa o Navio-Tanque ‘Marajó’

10245
91

nt-marajo-g27

Mostra de Desarmamento Navio-Tanque “Marajó”

Em cumprimento ao disposto na Portaria nº 350, de 21 de novembro de 2016, do Comandante da Marinha, realiza-se, na presente data, a Mostra de Desarmamento do
Navio Tanque “Marajó”.

Construído na década de 60, pelo estaleiro Ishkawagima do Brasil, como Petroleiro de Esquadra, teve sua quilha batida em 13 de dezembro de 1965 e foi lançado ao mar em 31 de janeiro de 1968, tendo como madrinha a Sra. Ruth Lair Rademaker Grunewald, esposa do então Ministro da Marinha, Almirante de Esquadra Augusto Rademaker Grunewald. Na ocasião, estavam presentes o Presidente da República, Marechal Arthur da Costa e Silva e diversos Ministros de Estado. Incorporado à Armada em 8 de janeiro de 1969, em mostra de Armamento presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Adalberto de Barros Nunes, foi o terceiro navio da Marinha do Brasil (MB) a ostentar o nome da maior ilha flúvio-marítima do mundo.

A sua incorporação foi considerada um marco da retomada da construção de navios de guerra pela indústria nacional. Foi o primeiro a ser construído através do Programa de Construção Naval, conhecido atualmente como Programa de Reaparelhamento da Marinha (PRM). O Programa de Construção Naval incluía a aquisição e construção de
diversos meios navais, como os Navios-Patrulha Fluviais, Navios-Hospital e as Fragatas Classe Niterói.

Dotado de considerável capacidade de armazenamento, mais de 12 milhões de metros cúbicos de combustível e água potável, tinha como principal missão transportar
e transferir óleo combustível tipo OCMT ou MF-40 a outras unidades navais em operação no mar, a fim de permitir o aumento de suas autonomias. Tais características
permitiam garantir a capacidade estratégica de permanência do Poder Naval em quaisquer áreas de operação. Vale ressaltar que no período compreendido entre 1969 e
1977, atuou em proveito da PETROBRAS, auxiliando no abastecimento de combustível nos mais distantes rincões da Pátria, contribuindo assim para o desenvolvimento do País.

Conhecido como “Elefante da Esquadra”, referência feita aos mangotes do sistema, o “Marajó” realizou 1855 fainas de transferência de óleo no mar em apoio à
Esquadra, tendo participado de quase todas as operações de vulto realizadas ao longo de seus 48 anos de vida operativa, com destaque aos exercícios UNITAS, ÁFRICA,
SPRINGBOARD, DRAGÃO, FRATERNO, VENBRAS, TROPICALEX, TEMPEREX, ASPIRANTEX e muitas outras, tendo visitado inúmeros portos no Brasil e no exterior, dentre eles, Abidjan na Costa do Marfim, Mindelo em Cabo Verde, San Juan em Porto Rico, Cartagena na Colômbia, Willemstad em Curaçao, Luanda em Angola, La Cruz na Venezuela, Estação
Naval de Roosevelt Roads em Porto Rico, Montevidéu no Uruguai e Base Naval de Porto Belgrano na Argentina, perfazendo um total de 2922 dias de mar e 614.656,18 milhas
náuticas navegadas.

É com muito júbilo que nos despedimos desta gloriosa Nau. Agradeço a todos os honrosos marinheiros que aqui navegaram, conduzindo o Pavilhão Nacional por tantos
mares, proporcionando maior autonomia aos meios da nossa Esquadra.

Como justa homenagem pelo cumprimento exitoso de sua missão, receba o distinto

“BRAVO ZULU”.
“MISSÃO CUMPRIDA”

AIRTON TEIXEIRA PINHO FILHO
Almirante de Esquadra
Chefe do Estado-Maior da Armada

FONTE: BOLETIM DE ORDENS E NOTÍCIAS DA MARINHA – Nº 877 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2016

NOTA DO PODER NAVAL: Conheça a história do NT Marajó no site Navios de Guerra BrasileirosNGB, clicando aqui.

91
Deixe um comentário

avatar
83 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
52 Comment authors
Gilberto RezendeXOSpace JockeyCarvalho2008Agnelo Moreia Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo
Visitante
Marcelo

Todos que serviram na armada nos ultimos 40 anos, trabalharam com o “nosso” Elefantinho, este nosso elefantinho vai fazer falta daqui para a frente. Bravo Zulu!!!! Missão Muito bem Cumprida!!!! Elefantinho!!!!

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Agora o SP ficará sem NT.

Fernando
Visitante
Fernando

E quando que vem a baixa do NAe SP? aposto q esses meios estão sendo sacrificados pra manter o orçamento da reforma infinita do NAe SP e do sub nuc.

qboavida
Visitante

Mesmo sem navegar, eu considero o São Paulo importante. Trata-se de manter um corpo de conhecimento. Todo o pessoal ligado às operações de vôo, mesmo sem vôo, vale muito mais do que ele. Toda a parte de engenharia naval ligada à sua manutenção precisa ser preservada. Desafios que parecem simples, como docá-lo, consertá-lo, modernizá-lo, navegar pela costa, conduzí-lo, etc. se perderiam se nos desfizéssemos dele. Na verdade, ele é um quintal de experimentos nessa área; tanto que a China, antes de iniciar suas operações de vôo em porta aviões, cortejou o nosso corpo técnico relacionado. Estou certo que a Marinha… Read more »

João
Visitante
João

3 navios em 2 dias wow

Ádson
Visitante
Ádson

Fernando, o A12 não está em reforma, sua reforma é pretendida, mas ele não está em reforma.

Aldo Ghisolfi
Visitante

A MB vai acabar reativando os navios desativados…

João Augusto
Visitante
João Augusto

O São Paulo está navegando tanto que dá pra dispensar até caminhões tanques e fazer logo um oleoduto pra ele.
hahahahah
Que tristeza.

Ádson
Visitante
Ádson

Qboavida, a China comprou uma sucata de quase quarenta anos oriunda da antiga URSS, reformou e colocou operacional só pelo valor de aprender, criar doutrina, e olha que nem é catobar. Nós termos e muitos ficam pedindo baixa dele. Em profunda análise a Marinha já constatou que o A12 está estruturalmente íntegro. Que fique no Arsenal até que se tenha verba para sua “reforma”.

Rodrigo Ganguilhet Coelho
Visitante
Rodrigo Ganguilhet Coelho

Seria uma notícia normal essas baixas de meios que a MB não os considera mais satisfatórios e/ou estão muito surrados, se acontecem suas substituições de imediato.
Posso estar escrevendo uma grande asneira agora:
Mais o que gastamos com troca de frotas de carros funcionais para STF, Senado.Camara etc… Seriam possíveis meios de compras de meios mais atuais para nossas FA

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Outro Alvo?!

Celso
Visitante
Celso

Fiquei na duvida……..nao foi este NT Marajo q recentemente saiu de uma reforma…..se foi, pqe esta sendo desativado (mostra de desarmamento)…e mais ainda se isso ocorreu, qto foi gasto nesta reforma e ou revisao……acabei de me lembrar daquele outro gasto inutil e ateh agora sem uma resposta ou desculpa adequada, lembram-se….daquele ND……….ufa esqueci ate o nome de tanta raiva.

Pangloss
Visitante
Pangloss

Eu fico imaginando a dificuldade de interpretação de uma pessoa que tenha acessado o Poder Naval pela primeira vez hoje.
De um lado, o adeus a três navios.
De outro, uma reunião entre o CM e o Governador do MA, Flávio Dinossauro (PC do B), tratando da instalação da Segunda Esquadra naquela UF.
Deve ser transtorno bipolar da administração naval.

Skyraider
Visitante
Skyraider

A MB já pode pedir música pro Fantástico.

AL
Visitante
AL

Sim, a marcha fúnebre…

qboavida
Visitante

Ádson, é exatamente isso. Mesmo sem navegar, ele é importante.
Pangloss, esse projeto era viável. A questão é que, embora distante nessa época de crise, temos uma pedra fundamental.

Wilson
Visitante
Wilson

Não são 12 milhões, e sim 12 mil metros cúbicos de carga.
Além, considerando o estado da esquadra, um NT deve ser capaz de suprir a demanda.

Juarez
Visitante
Juarez

O tempo, é ele de novo, avisados foram, mas pouco adiantou, então aguentem que vem mais, tem mais dois na fila até março……se voltarmos no tempo aqui no PA, uns cinco anos pelo menos vocês mais novos por aqui verão eu, vários foristas e alguns marinheiros mais calejados pelo vento que o “Hellmanns Wonderful World “iria terminar mal e todos nós, infelizmente tínhamos razão, por outro lado a baixa do NT Marajó coloca a meu ver ,mais um prego no caixão chamado Nae SP…..

G abraço

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

O Marajó era o único tanque capaz de transportar o combustível utilizado pelo A12, sua baixa é mais um sinal de que o São Paulo não voltará a comandar uma FT.

Boiler
Visitante
Boiler

“Dotado de considerável capacidade de armazenamento, mais de 12 milhões de metros cúbicos de combustível e água potável…SIC”
Creio haver uma imprecisão nesta afirmação…
De qualquer modo mais uma baixa na esquadra, enquanto se fala em uma segunda…

XO
Visitante
XO

Celso, foi o Gastão Motta o NT que passou por reparos…
Pangloss, a baixa fe Navios representa diminuição de gastos e distribuição do pessoal… o outro artigo fala de um planejamento futuro… desculpe, mas não vejo incorência… criticar o atual CM é injusto… releia alguns artigos publicados aqui e verá como ele está gerindo a MB…

Farragut
Visitante

Numa pesquisa no blog e no NGB, o Marajó teria regressado ao setor operativo em outubro de 2012 após período de revitalização iniciado em 2009 (navio imobilizado no final de 2007). Não foi encontrado o tempo de prolongamento da vida operativa esperado após a revitalização. À primeira vista, quatro anos parece pouco.

MadMax
Visitante
MadMax

O Foch parado é importante para manter a doutrina?
Porra essa foi além da minha miserável capacidade de compreensão.

Osvaldo Marcilio Junior
Visitante
Osvaldo Marcilio Junior

O último, fecha a porta e apaga a luz!!!

Satytiricon
Visitante
Satytiricon

Essa conversa de manter doutrina com navio no cais já cansou. Isso não existe. Marinhas muito maiores e efetivas que a MB não possuem NAE. É preciso efetividade, eficiência operacional e, claro, meios que sejam mais do que simples alvos no moderno cenário bélico. Sem ufanismo, sem devaneios. Pé no chão. Entendam: com a grana “prevista” para a reforma daquele casco (pq sem propulsão, o SP hj é só isso mesmo), compra-se uma moderna escolta nova, ZERO. Um NAE não serve de nada sem uma frota de apoio (escoltas ASW, ASuW , AA de área, tanque, Sub, etc), que na… Read more »

Antonio Cançado
Visitante
Antonio Cançado

Do jeito que vai, não demora muito a própria MB será desativada…

Dalton
Visitante
Dalton

Não fiquem muito animados 🙂 necessariamente a baixa do “Marajó” não significa que o fim esteja próximo para o NAeSP, pelo simples motivo de que SE o NAeSP voltar a navegar será depois de vários anos de revitalização quando então outro NT estaria sendo negociado nem que durante algum tempo o NAeSP se fizesse ao mar sem ser acompanhado por um NT para curtas operações de rotina e treinamento.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

E sinceramente não vejo o NAeSP como o vertedouro de gastos que todo mundo aparentemente o vê.
.
Na verdade, eu ainda acredito que ele possa servir durante uns bons anos, mediante revitalização/atualização, até que uma solução nova possa surgir. É duro ter que reinventar a roda.
.
Na pior das hipóteses, ele pode simplesmente não sair do lugar e eventualmente ser vendido como sucata, embora eu preferiria vê-lo como museu.

José Carlos David
Visitante
José Carlos David

É sempre triste ver um navio dando baixa. Servi na Esquadra por vários anos e não foram poucas as vezes em que recebemos combustível do NT “Marajó”. Tenho certeza que os que lá serviram estão vertendo lágrimas de saudades!

Dalton
Visitante
Dalton

MadMax… . muita coisa pode ser feita a bordo de um NAe “parado”…por exemplo, há a bordo um A-4 monoplace que não voa mas é essencial para treinar o pessoal no manuseio de uma aeronave no convés de voo, no hangar, nos elevadores, simulações de reabastecimento, combate à incêndio, etc e a medida que os veteranos vão se retirando repassam seus conhecimentos aos mais jovens. . No mais justificar a baixa de uma corveta é algo bem mais simples do que justificar a baixa de um NAe com potencial para pelo menos 15 anos de serviço após uma revitalização e… Read more »

Gen. Escobar
Visitante
Gen. Escobar

Triste, lamentável e melancólico. A MB se despede das suas atividades aos poucos e por partes. Imaginar uma 2ª esquadra, um NAE SP navegando, esquadrão VF-1 recebendo Gripen Naval, novas fragatas e meios necessários, Prosub, Sub Nuclear e etc, etc e etc….é o mesmo que acreditar que esse país um dia será sério o suficiente! Quem nunca, né?!

marcus
Visitante
marcus

No caso do A12, será que tão dificil remover esse conjunto de propulsão, Vapor,6 caldeiras La Valle , 4 turbinas a vapor acoplados a 2 eixos,queimando óleo combustível pesado MAZUT e colocar em seu dois modernos motores à diesel?
Um desses já resolveria.
Ou dois de 60 mil hps
http://www.nauticurso.com.br/motorzao.html

MO
Membro

ah sim .. Nauticurso … kkkkkkkkkkkk resolvemos … ali so nao expica oconsumo de quase 300 t x 24 h … vai ter que ter um João Candido de AO …. kkkk

Jodreski
Visitante
Jodreski

Vamos combinar uma coisa?
Defendam a manutenção do São Paulo na esquadra SOMENTE após termos a questão das escoltas definidas. Sem escolta o São Paulo não é nada senão o maior alvo da AL, então sem escolta sem Nae, então… bora concentrar discussão nas escoltas!
Obs: e não vale contar com o A-4 como meio embarcado, um caça que sequer tem capacidade BVR em 2016 não merece ser considerado um meio embarcado, pra mim ele desempenha papel de treinador avançado e só isso!

MO
Membro

Jodreski, A4 não é caça e nunca foi, vide por exemplo ralo o proprio A do nome …

horatio nelson T.R.U.M.P
Visitante
horatio nelson T.R.U.M.P

poxa vida 3 navios em 2 dias tá osso….

horatio nelson T.R.U.M.P
Visitante
horatio nelson T.R.U.M.P

talvez estejam baixando para fazerem parte de segunda esquadra baseada no maranhão….(ironia)

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Corretissimo Jodreski, o São Paulo com essa nossa ex-quadra não serve para missão alguma.

Jp
Visitante
Jp

Enquanto isso, chegaram vários Sentras 0km no 1dn para os almirantes.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Claro que serve. Para treinamento. Dependendo da missão serve até para mais do que treinamento. Não se espera que um NAe entre em combate sem escoltas que se prezem, mas se a missão não envolver confronto com forças navais, por que não utilizar uma pista extra, seja para asas rotativas? Precisa de escolta para se fazer ao mar e fazer qualificação de pouso e decolagens à bordo enquanto uma alternativa mais moderna não fica pronta?

Control
Visitante
Control

Srs A MB está dando baixa nos navios porque não é possível recuperá-los ou porque estão muito desgastados ou por falta dinheiro ou ambos. O desgaste deve-se ao tempo de uso e a falta de manutenção realizada adequadamente (no tempo e com os recursos adequados) e a falta de dinheiro deve-se a uma gestão estranha que levou a MB a comprometer cerca de 90% de seu orçamento com pessoal pouco sobrando para a manutenção dos meios navais e para as reposições necessárias. É bom lembrar que a situação da esquadra vem se deteriorando desde os tempos de abundância quando o… Read more »

MO
Membro

Quem critica o NAe em si, duvido que consiga explanar com subisidios embasados a tesse da critica, tambem duvido que tenha noção real do custo de um seco (navio, sem nada mais), corroborando ao que o Control falou no final do post, da para se imaginar, basta ver os coments da 2a frota … e pior ainda, basta ver o FB, onde tem a maior concentração de “Entusiasta” do mundo (quem me conhece sabe o que penso do “entusiasta wikipedigogliano”. A questão era ponderar pq se deixou chegar neste estado, pq se investiu em modernizações de embarcações de valor total… Read more »

MO
Membro
Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Fernando, Concordo que o ideal ao se dar baixa em qualquer meio naval se tenha “outro para repor”. O problema é que, diferentemente do que ocorria no passado, não há meios disponíveis para comprase de oportunidade. A obsolescência em massa dos meios navais da MB não é novidade, pelo contrário, é cíclico. Para exemplificar isso, não vou muito longe para que esse post não fIque longo, no final da década de 80, início da década 90, a MB enfrentava o mesmo dilema. Seria necessário substituir os velhos contratorpedeiros da SGM. Pretendia-se substituir os 10 restantes por 16 corvetas da… Read more »

zeabelardo
Visitante
zeabelardo

Complementando, segue o aumento de efetivo realizado em 2010. Mais de 18.000 vagas criadas. São ao todo 87 oficiais generais. Haja papel pra carimbar. A marinha do brasil tem 60.000 e a marinha australiana, país continental, tem 15.000.

zeabelardo
Visitante
zeabelardo

LEI Nº 12.216, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Basta jogar no google.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados,

Não costumo usar siglas em meus comentários, pois escrevo para que todos entendam. Então, traduzo:

REM = Requisitos de Estado Maior; e

RANS = Requisitos de Alto Nível de Sistemas

Abraços

Franklin Junior
Visitante
Franklin Junior

Sinceramente não entendo esse pessoal que acha que a revitalização/modernização de nosso NAE SP terá grande valia p/ nossa marinha. O cenário de um pseudo conflito na atualidade requer cada vez mais de meios avançados e altamente potentes (s/ contar a sua quantidade). E isso requer muitos anos de preparação, capacidade tecnológica em estado de arte e de altíssimas as doses de dinheiros . Isso não temos no momento e pelas dificuldades financeiras que passamos (e que não vem de agora) e em que passam a maioria dos países do mundo, isso nem a médio prazo vai ser resolvido. Só… Read more »

MO
Membro

Apenas ponderando um detalhe do seu comentario, astronômico é 10 bi em um NAe …

Entre outros, mas prefiro me abster em colocar mais subisidios corraborando com Vosso Comente em relação ao pais …

Lewandowski
Visitante
Lewandowski

Olha, muitos comentários aqui, como o do LM por exemplo, são de pessoas de dentro da MB. Esse último post do LM é que me intriga muito e me causa certa consternação (com todo o respeito que o senhor merece, sem qualquer interesse pessoal). Ora, se é sabido que a MB – assim como as demais forças – sofre com a falta de verba, e isso desde a década de milnovessentoseaintigamente, então por que não se tem uma política de eficiência nas FFAA? Poxa, se é claro e evidente que desde sempre se sofreu com a falta de dinheiro, não… Read more »

Airacobra
Visitante
Airacobra

Prezado Almirante Luiz Monteiro, como sempre sábias palavras, bem que poderiamos ver disponibilizados em um futuro próximo alguns “Asagiris” de preferência logos os 8, apesar de que alguns “Hatsuyukis” já estariam muito bons para a MB, a despeito da propulsão (a mesma da classe greenhalgh) que pode ser um problema, mas mesmo assim seriam muito bem vindos, principalmente porque como frequentemente digo, sou um tarado do ASROc

Airacobra
Visitante
Airacobra

MO, tenta explicar isso pra Briosa, que criou uma nova designação pra ele só pra empurrar um F na marra para o nome, kkk

MO
Membro

ah como la no FB .. a FAB so tem caça, outro dia um ficou ixpantado quandosoube que a FAB tinha Infantaria …. tipo Se joa, é a jato e nao ta escrito VARIGUE ops digo Gol (a molecada não sabe mais o que é Varig) é caça, se voa, é a jato e a turbina é na asa é boeing …

MO
Membro

e asinda tem o “orriveu” termo “Amazonia Azul” .. seguindo e associando, em breve a Briosa poderá se chamar “Acre” (sapq né …)

Ivany Junior
Visitante

Eu ouvi um salve ao scorpene?
Aplausos de pé e mais torcida. Não precisava ser gênio para saber que a coisa ia degringolar. O Juarez foi muito otimista. Eu acredito que toda uma classe de navios vai dar baixa até dezembro. Tempo, ferrugem e falta de manutenção adequada não perdoam.
Logo logo, chegará o tempo que as escoltas mais “temíveis” da esquadra serão as Amazonas.
.
Comprou scorpene? Aguenta. Calado.

Carlos Alberto Soares - Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares - Israel

Control 24 de novembro de 2016 at 21:58 Concordo em grande parte. ________________________________________ MO 10 Bi R$ ou U$$ ? ________________________________________ Qualquer dos dois seria uma festa na Korea e aqui. ________________________________________ Ok CA LM, Dalton, XO e outros poucos. ________________________________________ 1) Quanto foi gasto até hoje na nova Base ? e NÃO ESTÁ PRONTA. 2) e nos Sub’s SHPF ? 3) E na última “reforma” do NAe 12 ? 4) E e quadro de pessoal e O. Generais ? 5) A MB tem um Depto. de Economia, capacidade de projeção é igual a zero ? 6) Etc Etc Etc… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Amigos, vamos por os pingos no”Is”: O Comandante Leal não tem culpa dos fatos que agora estão ocorrendo ele apenas está limpando a sujeira deixada pelo reinado do “Imperador e seu súditos” em oito anos de lambanças. O CM deve estar levando uma pressão daquelas tanto de forças internas representada pelo fator político e e externa representada pelos mercadores da morte, explico> A pressões internas são exercidas por políticos que não querem que determinadas estruturas sejam fechadas, vou citar as ocorrência recentes com a FAB: A BAFL não deverá mais fechar, o sétimo está indo para a BACO e em… Read more »

Carlos Eduardo Oliveira
Visitante

E o Chão Paulo?
Está 11 anos parado.
Já é hora de virar sucata.