Home Marinhas de Guerra Cheia de lacunas, Armada Argentina pode receber sem custo cargueiro de grande...

Cheia de lacunas, Armada Argentina pode receber sem custo cargueiro de grande porte

7841
46
ARA Bahía San Blas (B-4), classe Costa Sur

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

O governo argentino examina a possibilidade de, em troca da liberação das obras de duas usinas hidrelétricas no Rio Santa Cruz, situado na Província do mesmo nome, receber por doação para a sua Marinha um cargueiro de grande porte, apto a ser incorporado como navio logístico ao Comando Anfíbio y Logístico (ex-Comando de Transportes Navales).

A embarcação seria cedida pela companhia chinesa China Gezhouba Group Corporation, que aguarda a autorização da Casa Rosada (sede do Executivo Argentino) para iniciar as obras no Rio Santa Cruz, líder da terceira maior bacia hidrográfica argentina.

Pela proposta feita à Administração Mauricio Macri, o cargueiro servirá, pelo período de sete anos, ao transporte dos materiais necessários à construção das usinas. Findo esse período passará imediatamente à Força Naval.

As primeiras informações não identificaram a embarcação alvo das tratativas. Rumores que circulam entre os militares argentinos falam que ela teria proteções no casco para atuar em águas da Antártida, estaria equipada com duas gruas, e plenamente habilitada a atuar em missões de apoio, carregando contêineres militares, viaturas e carga geral (inclusive combustível).

Atualmente, o Comando Anfíbio e Logístico enquadra três antiquados cargueiros das classe Costa Sur, de pouco menos de 11.000 toneladas, construídos no fim da década de 1970. O navio oferecido pelos chineses deslocaria mais de 15.000 toneladas.

A doação ajudaria a modernizar o componente de transporte da Armada Argentina, mas os chefes navais têm muitos outros setores com os quais se preocupar.

ARA Salta, ARA Santa cruz e ARA San Juan em foto de arquivo

Rússia – Com a perda do ARA San Juan, e a temporária indisponibilidade dos submarinos ARA Santa Cruz (gêmeo do San Juan, que não tem prazo para regressar ao mar) e ARA Salta (um modelo alemão com 45 anos de uso, que ainda se estuda se voltará a navegar), o Comando da Força de Submarinos tem disponível em Mar del Plata apenas um rebocador, o ARA Bahia Agradable, que funciona como navio-mãe de submarinos.

A imprensa especializada argentina especula que os chefes navais argentinos poderiam se interessar pelos chamados “mini-submarinos” produzidos pela indústria naval da Rússia, comercializados pela agência estatal de armamentos Rosoboronexport.

Os russos desenvolveram uma linha de pequenos submersíveis com até 1.000 toneladas de deslocamento, aptos, inclusive, a disparar mísseis pelos tubos lança-torpedos.

A Marinha colombiana opera, desde 2016, submarinos costeiros Type 206 de 450 toneladas, comprados da Marinha Alemã. Concebidos para operar no Mar Báltico, esses barcos tiveram os seus sistemas de filtragem de impurezas e circulação do ar “tropicalizados”, com o objetivo de que eles possam suportar as águas de temperatura muito mais quente e a biodiversidade marinha específica do Mar do Caribe.

ARA King

King – O patrulhamento dos rios argentinos também é precário.

A pequena Escuadrilla de Ríos local aguarda receber o patrulheiro ARA King, de pouco mais de mil toneladas – sua principal embarcação –, que se encontra há mais de dois anos em reparos gerais no Estaleiro Río Santiago, da periferia de Buenos Aires.

Construído na metade inicial da década de 1940, o navio vem sendo modernizado, por meio (entre outras) das seguintes intervenções:

  • Substituição de chapas nas obras vivas e mortas, nas cobertas exteriores e interiores, e em divisórias internas que asseguram ao navio condições ideais de estanqueidade;
  • Reprojeto e instalação de um novo sistema de governo (timão) para o navio;
  • Reconstrução e ampliação da ponte de comando;
  • Modernização dos diferentes espaços reservados à habitabilidade da tripulação; e
  • Instalação de sistema de alarme e de paradas de emergência nos motores principais e geradores da propulsão.
Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Andrew Martins
2 anos atrás

Antes de iniciar meu questionamento, deixo claro que sou leigo no assunto. Dito isso
Qual seria as dificuldades e empecilhos na transferência do G28 NDCC Mattoso Maia pra Armada Argentina?
Acredito eu que com o NDCC Almirante Saboia (G-25), NDCC Garcia D’Avila (G-29), NDM Bahia (G-40) e o Ocean a Marinha do brasil está bem servida. Se ‘livrar’ do G-28 pouparia custos e distribuiria militares pra outras embarcações, acho eu. Além de fortalecer ainda mais as relações entre as marinhas.
Eu sei que envolve custos com o Governo Americano, mas até que ponto esses custos tornam essa ideia inviável?

camargoer
camargoer
Reply to  Andrew Martins
2 anos atrás

Ola Andrew. Acredito que a dificuldade para o reaparelhamento da Armada Argentina se chame Macri.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  camargoer
2 anos atrás

não, a dificuldade se chama dinheiro. Engraçado como o Macri já pegou tudo totalmente sucateado e querem jogar a culpa nas costas dele.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  SmokingSnake 🐍
2 anos atrás

O Macri não tem o minimo compromisso com defesa Argentina. Ele nem sabe o que é isto. Tem as pressões externas e ele não tem coragem de tratar com Russos e Chineses. Suas únicas alternativas. Do contrário fica como está.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Antonio Palhares
2 anos atrás

única alternativa por quê? Eles podem muito bem fazer negócios com a França como sempre ou comprar dos EUA (duvido que o Trump não iria vender armas), já faz tempo que tem até um rumor da Argentina em adquirir F-16 mas estão sempre reclamando dos custos de tudo.

Alejandro Perez
Alejandro Perez
Reply to  Antonio Palhares
2 anos atrás

Nem ele nem TODOS os governos desde Alfonsin (1983).

camargoer
camargoer
Reply to  SmokingSnake 🐍
2 anos atrás

O orçamento militar da Argentina é da ordem de US$ 6 bilhões por ano, similar ao orçamento chileno. Geralmente, 10% do orçamento é para investimento, 65 para pessoal e 20% para custeio (valores médios considerando países que não estão em conflito). O militares definem as prioridades e o presidente autoriza ou veta.

Marcos Paulo
Marcos Paulo
2 anos atrás

E porque deveria ser transferido para a Argentina? O problema é deles e certamente não seria apenas por estarem “defasados” não implica a simples transferências de meios…não sei porque a elocubração.

MARCELO
MARCELO
2 anos atrás

Do que adianta transferir o Mattoso mais para a Argentina, sendo que ele é um navio velho que não funciona?!

Bardini
Bardini
Reply to  MARCELO
2 anos atrás

Pq Argentino na cabeça de alguns, deve ser suficientemente otário pra aceitar uma coisa dessas…

Sérgio Araujo
Sérgio Araujo
2 anos atrás

Olá, eu gostaria que a Revista fizesse uma reportagem especial á respeito das Marinhas da América Latina. Listando o seu Estado, Tipos de embarcações. Seria interessante. Toda a equipe do Poder Naval está de parabéns.

Nilson
Nilson
2 anos atrás

Quanto ao patrulhamento dos rios, relembro que foi a única área com algum investimento real na Argentina, compra de 4 Shaldag feitas em Israel, 70/80 toneladas, rápidas e bem armadas, para combate ao contrabando na hidrovia. E com reclamação dos astilleros portenhos, que afirmaram ter capacidade de construir navios iguais por menor preço.

Adler Medrado
2 anos atrás

É legal ver os argentinos, orgulhosos como o cão, receberem esmolas chinesas.

Mk48
Mk48
Reply to  Adler Medrado
2 anos atrás

Eu não vejo nada de legal nisso. Acho que muito melhor seria uma Argentina forte, porque assim diminuiria a influência de países exatamente como a China aqui no Cone Sul.

Alejandro Perez
Alejandro Perez
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Exatamente…

ODST
ODST
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Mk48

Não diminuiria influência alguma da China por aqui, pois a região continuaria precisando do investimento dos chineses, principalmente na Argentina, que está pior do que nós, e entregando o país todo nas mãos dos chinas, então nada mudaria com relação a essa questão. Já existem áreas por lá inclusive em que nem os argentinos podem entrar, só chineses! Parecido com o antigo e ridículo acordo entre Brasil e Estados Unidos em Alcântara.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  Adler Medrado
2 anos atrás

Quanto mais desmanteladas, melhor as Forças Argentinas.Tem gente quê não sabe o quê era essa gente, até derrota nas Malvinas. Ou o que seria se eles levassem a melhor na guerra.

Mk48
Mk48
Reply to  Renato de Mello Machado
2 anos atrás

Também tem gente aqui que continua pensando como nos anos 70 e 80 sobre os argentinos, gente que não evolui.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Prefiro não evoluir,mas eu e as Forças armadas dormimos tranquilo pois sabemos não ter nada lá.

colombelli
colombelli
Reply to  Renato de Mello Machado
2 anos atrás

Concordo plenamente contigo. Quem não conhece os argentinos de verdade, que os compre. E influência chinesa ia ocorrer com eles bem ou mal.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
Reply to  Adler Medrado
2 anos atrás

Isso passa longe de ser “legal”. Seu comentário é preconceituoso e desprovido de nenhuma base, você está “parado” na década de 1970…

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  Helio Eduardo
2 anos atrás

Já não basta a guerra no front interno,você ainda quer vizinho forte?.Deixa eu com meu preconceito.

XO
XO
2 anos atrás

Até onde sei, os navios adquiridos junto à US Navy não podem ser transferidos para outros “usuários”… regras de “End User”… abraço a todos…

Angelo Chaves
Angelo Chaves
2 anos atrás

Esse ARA King é contemporâneo do nosso monitor Parnayba. 70-80 anos de uso.

Ronaldo de souza gonçalves
Ronaldo de souza gonçalves
2 anos atrás

Macri,falem para ele que não adianta tentar aproximar do EUA,pois não vai receber nada do EUA,através do FMS pois sempre terá a rainha para dizer não.Eles já perderão as forças de caças,agora vão perder a força de submarinos(que comprem esses submarinos russos,pélo menos vão ter algo para operar)Eles deveriam contratar a Embraer para reformar os a-4 deles que eles tem dezenas é assim evitam ficar sem força aeronaval também pois esses 5 miragem que receberão da frança não adiantará de muita coisa. É alarmante as condições das forças armadas argentinas,já estão operando abaixo do mínimo.

Flanker
Flanker
2 anos atrás

Os A-4 argentinos não são da Força Aeronaval da Armada Argentina. Os A-4 argentinos são da Fuerza Aerea Argentina. E eles não vão receber 5 MIRAGE…..a Armada Argentina receberá 5 Super Etendard modernizados (SEM). Se for para moderinzar os A-4 argentinos, eles deveriam procurar a empresa que os modernizou inicialmente, ou seja, a Lockheed-Martin. Qual a experiência da Embraer na modernização desse vetor, além dos poucos A-4 da MB? Fora isso, optando pelo modelo de modernização da MB, seria trocar tudo, radares, HUD, etc….os argentinos deveriam, se tivessem dinheiro, repotencializar/revisar as células de uns 18 A-4 que possuem, atualizando seus… Read more »

Rennany Gomes
Rennany Gomes
2 anos atrás

O desmantelamento das forças armadas argentinas merece um estudo!

Glasquis7
2 anos atrás

De que adianta ter mais um, dois, três navios, se na realidade o problema está na forma em que as FFAA encaram os seus desafios? Depois das Falklands, as FFAA Argentinas tem passado por um longo e lento processo de descrédito pela própria população argentina e os seus militares jamais fizeram nada pra tentar deter este processo. Até ajudaram. O orçamento militar da Argentina é similar ao do Chile e mesmo assim são forças completamente dissimiles. O que explica isto? Simples, nem mesmo as próprias FFAA da Argentina ligam pro acontece com eles. Enquanto estiverem recebendo seus honorários, está tudo… Read more »

camargoer
camargoer
Reply to  Glasquis7
2 anos atrás

Olá Glasquis. Concordo com muitos pontos levantados por você. Já faz algum tempo que eu menciono aqui no blog que o orçamento militar da Argentina e do Chile são próximos. Portanto, não é razoável considerar que os problemas das forças armadas argentinas seja falta de dinheiro. O Cel Nery recomendou uma vez lermos o relatório Rattenbach. Existe um documentário que pode ser assistido no youtube sobre este relatório e impressiona saber que as forças armadas não estavam articuladas. Parece que isso não mudou. Por outro lado, se os comandantes é que definem as prioridades, é evidente que Macri não tem… Read more »

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

Eu entendi certo? Estão legalizando corrupção para os chineses em troca desse navio velho? O que acontece com a América do Sul?

GEN. Escobar
GEN. Escobar
2 anos atrás

Nunca pensei em falar isso mas…está dando até “dó” das FAA em geral! Cobre a cara mas descobre os pés! Eles tem tantas coisas que arrumar que nem sabem direito por onde começar! Reforço o que sempre digo, precisamos das FAA fortes para manter equilíbrio, fomentar parceria e principalmente gerar competitividade militar na região!

marrua113
2 anos atrás

Na verdade se tivessemos as Marinhas do Brasil, Argentina e Uruguai , bem armadas e com recursos suficientes para realizar seus trabalhos, teríamos um cone sul mais forte contra investidas de chineses que roubam nossos recursos pesqueiros entre outros problemas, é uma pena que governos incapazes administrativamente e com pouco noção de patriotismo expoe nossos valorosos militares a esta situação.

Mk48
Mk48
Reply to  marrua113
2 anos atrás

Penso da mesma forma.

Mk48
Mk48
Reply to  marrua113
2 anos atrás

Basicamente o meu comentário acima foi o que você escreveu agora.

FRITZ PILSEN
FRITZ PILSEN
2 anos atrás

Reclamavam da Cristina Kichner e agora se decepcionaram com o Mauricinho Macri; que chegou com um belo discurso de salvador da pátria.

Prometeu mundos e fundos e agora? Nada…
Espero que isso sirva de exemplo para os brasileiros: não ter falsas ilusões.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  FRITZ PILSEN
2 anos atrás

Reclamavam com muita razão da famigerada Senhora K pois seu governo trouxe para os argentinos caos e corrupção generalizada. Não é à toa que antigos integrantes do seu governo vêm sido sistematicamente presos (alguns pegos literalmente enterrando dinheiro) e ela própria teve que se candidatar ao Senado para escapar da cadeia. E não custa lembrar que a FAA perdeu mais aviões por acidentes durante os anos negros de kichnerismo do que em combate na Guerra das Falklands. Nesse quadro de caos é impossível que em apenas 2 anos e pouco de governo Macri consiga reverter 13 anos de desmandos de… Read more »

Mk48
Mk48
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Exatamente.

Ivan BC
Ivan BC
Reply to  FRITZ PILSEN
2 anos atrás

Só uma observação, ele não promoteu mágica, não prometeu soluções milagrosas. Bem pelo contrário, os argentinos sabem que a situação da Argentina é terrível, o país vem falido há 2 décadas. É simplesmente impossível recuperar um país cheio de problemas em 3 anos, impossível recuperar em 1 década. As falhas do macri jamais devem servir de alicerce para passar a mão na cabeça da família Kirchner. Uma cisa não está atrelada a outra…os kirchner ajudaram a quebrar o país, sequer conseguiram recuperar a economia e pagar as dividas da Argentina, mesmo o mundo tendo passado pelo maior crescimento econômico desde… Read more »

João Adaime
João Adaime
2 anos atrás

Uma vez li uma entrevista de um militar brasileiro sobre o período dos governos militares no Brasil e na Argentina. Segundo ele, referindo-se a conversas com colegas argentinos, eles os argentinos tinham medo que o Brasil os atacasse. Então, a ideia difundida de que se não fossem as Malvinas seria o Sul do Brasil, é puro boato da internet. Se havia algum planejamento de lado a lado, era defensivo e jamais ofensivo. Hoje podemos dizer que aqui no Cone Sul as chances de um conflito são abaixo de zero. E as forças armadas argentinas enfraquecidas tornam a região igualmente enfraquecida.… Read more »

colombelli
colombelli
Reply to  João Adaime
2 anos atrás

João, pesquisa o Almirante Anaya e o “Operativo Rosario” completo. Beagle, Malvinas e uma área em SC que foi deferida no fim do século XIX por um tribunal internacional ao Brasil. Este era o real planejamento deles a médio prazo. Ofensivo. Pesquisa e depois faz o contraponto com esta entrevista.

PS isso existe bem antes da internet.

João Adaime
João Adaime
Reply to  colombelli
2 anos atrás

Colombeli, você só conseguiu me deixar mais curioso do que eu já sou. Revirei o Google de várias formas, mas não encontrei nada sobre o tal Plano Rosário, que previa invadir o Brasil. A única coisa que encontrei foram os planos de antes da II Guerra Mundial. Mas aí o Anaya deveria ser guarda-marinha.

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

É certo que a Marinha do Brasil está em uma unidade semi-intensiva, em um estado clínico naval que inspira cuidados, mas estável e sem necessidade de monitoramento permanente. A depender da abrangência, assistência, cadência, competência, consistência, consciência, diligência, essência, experiência, inteligência e persistência da terapia náutica-gerencial aplicada, possuirá chances de retorno capaz ao mar, a médio prazo, até mesmo para atividades moderadas e caminhadas firmes e autônomas ao redor da sua própria vizinhança … A Armada Argentina é um paciente terminal, em coma induzido na unidade de tratamento intensivo, cujos parentes e amigos próximos já deveriam ser avisados de seu… Read more »

Parabellum
Parabellum
2 anos atrás

Realmente um negócio da China (para os chineses). É incrível como estes orientais entendem como funcionam os mecanismos na américa latina. Parece que estão tecendo uma nova rota da seda.

Ivan BC
Ivan BC
Reply to  Parabellum
2 anos atrás

Chineses são muito espertos…o povão do Brasil e Argentina, graças a classe política corrupta e movimentos financiados, atacam os EUA e países Europeus (nossas origens) há décadas. Na outra ponta aparece a China e todo o seu poder econômico, sem resistência dos grupos citados anteriores. O Brasil criou um ambiente perfeito para levar um belo chute na bunda em um futuro bem próximo. Não é em vão que no governo Dilma eles venciam concessões com a maior facilidade, só na gestão Dilma as cocnessões passam dos 50 bilhoes de dólares. Depois havia churrasco em Brasília, dirigentes chineses e politicos brasileiros… Read more »

José Carlos David
José Carlos David
2 anos atrás

Desejar o mal para os argentinos é um tiro no pé. Como já foi dito por alguns colegas, o ideal seria uma América do Sul forte e coesa, a fim de inibir aventuras externas. Os chineses não estão chegando…já chegaram. Quando eles dominarem o mundo, sentiremos saudades dos americanos. Tenho 67 anos e não estarei aqui para ver!!!

Gabriel P
Gabriel P
2 anos atrás

Nem adianta colocar a culpa no Macri, simplesmente não há grana, menos ainda para investimento militar. Como exemplo vejam o caso dos Texan II, Argenina orçou por 24, fechou por 12 e pagou 4, que estão no chão pois não há dinheiro para combustível. E os SEM franceses ? Conseguiram fechar o lote a preço de banana. Queriam usar para o G20, mas os aviões não embarcaram pois ainda não pagaram.