sábado, maio 28, 2022

Saab Naval

Aquecimento global pode levar os EUA a reconhecerem “Amazônia Azul”

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.naval.com.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Oito países e 5,5 milhões de milhas quadradas. Não é apenas isto que está em disputa no extremo norte do planeta. Os mais afoitos afirmam que naquelas gélidas águas e ilhas desabitadas estão 25% das reservas de óleo e gás do planeta. Algo como 20 “Kuwaits”. Tudo isso não estava acessível devido à capa de gelo. Mas com o aumento do preço do barril de petróleo e das temperaturas do Ártico, a briga começou (ver texto abaixo).

Para resolver esta disputa e evitar que ela se torne um conflito armado, sete das oito nações estão discutindo a questão na ONU. Mais precisamente na UNCLOS. Porém, de todas as nações do Ártico, somente os EUA não ratificaram a Convenção e, portanto, não apresentaram a sua proposta como o Brasil fez. Parece que, no apagar das luzes do Governo Bush, a ratificação da Convenção virou uma prioridade. Nas palavras do presidente dos EUA, “a ratificação nos daria um ‘assento na mesa de negociação'”. No Senado, o grupo favorável à ratificação une bancadas das mais diversas como os ‘senadores do petróleo’ e grupos ambientalistas.

Enquanto os EUA discutem a ratificação ou não, a Comissão da ONU que analisa as propostas de alguns países do Ártico já começou. Dentre as pessoas encarregadas em analisar estas propostas está o oficial reformado da Marinha do Brasil Alexandre Albuquerque. O comandante Albuquerque recentemente afirmou que “a reinvidicação de outras nações do Ártico pode ser reconhecida antes mesmo que os EUA ratifiquem a Convenção”.

O mais curioso disso tudo é que o aquecimento global pode levar os EUA a, indiretamente, reconhecerem oficialmente a “Amazônia Azul”.

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jorge

O que os políticos e estrategistas Estadunidenses sabem “de cor e salteado”, que o que realmente vale é o poder militar. A sua diplomacia pode até concordar com a existência do direito Brasileiro à posse da Amazônia Azul, mas se em qualquer momento se sentirem muito prejudicados: IV Frota “no pedaço” e aí “babau”. Prá não perder a viagem, são 25 (vinte e cinco) anos de governos pós-regime militar e 14 (quatorze) anos de governos com presidentes marxistas (FHC e Lula). Tempo suficiente, caso quisessem, de ter organizado as nossas FF.AA., principalmente a MB. Apátridas e internacionalistas, é a única… Read more »

edilson

Pois, tal como o start…

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

‘Top Gun: Maverick’ impulsionará o recrutamento da Marinha dos EUA? A história diz que provavelmente não

Por Heather Mongilio “Top Gun: Maverick” é uma carta de amor à aviação naval americana e acontece quando a Marinha...
- Advertisement -