sexta-feira, maio 27, 2022

Saab Naval

Top Gun – Ases Indomáveis poderá voltar às telonas

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

top-gun.jpg

O ator Tom Cruise poderá voltar a interpretar o piloto de caça naval Pete “Maverick” Mitchell no remake de Top Gun – Ases Indomáveis.

De acordo com o jornal Daily Mail, o longa poderá ganhar as telonas novamente, 22 anos depois que o filme original arrecadou US$ 350 milhões.

Segundo o que fontes disseram ao jornal, o ator já estaria negociando com os estúdios alguns detalhes da produção. O piloto “Maverick” agora seria instrutor de vôo no curso Top Gun da US Navy e teria que lidar com o desafio de conviver com uma jovem piloto.

A outra estrela do primeiro filme, o caça embarcado F-14 Tomcat, está aposentado e imagina-se como será o Top Gun 2 com os F/A-18 Hornet… 😉

- Advertisement -

30 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Beto

No filme TOP GUN tambem utilizaram os A-4 …

Claudio

Se for para utilizar F-5, poderiam utilizar os brasileiros q. estão na RED FLAG.

Nimitz

Os F-5 eram “MiG-28” no filme…rs
Como hoje é fácil alugar uns MiG-29 ou Su-27 e com os recursos atuais em computação gráfica 3D, vai ser mais barato fazer umas tomadas de combate aéreo de tirar o fôlego. E ainda poderiam colocar como pano de fundo algumas missões na Guerra do Golfo de 2003…

Claudio

O legal do fime era ver em algumas cenas F-14s indo para o combate somente com tanques de combustiveis

Pedro Rocha

Olá senhores! Como esse lúdico tópico apareceu por aqui, vou sugerir um roteiro: Um presidente populista, de um país exportador de petróleo, resolve armar seu país até os dentes, como forma de demonstrar sua liderança ao seu pobre povo. Esse presidente, como tantos outros da região, elegeram os EUA como seu inimigo. Num devaneio, considera que a criação da IV Frota seria uma declaração de guerra. Resolve atacar as plataformas de petróleo do golfo do México. Seus poderosos Sukhoi SU-30 (no filme serão os F-15) impõem o terror na região. Porem os poderosos F/A-18 conseguiram vencer. Senhores vejam o mundo… Read more »

Pedro Rocha

Em tempo: Quando o veterano piloto falar manobrabilidade do Su-30, incluindo a famosa manobra cobra, o jovem piloto prontamente dirá que já viu a manobra e que o F/A-18 consegue sobrepujar… Esse filme será uma comedia… Pena que o Top Gang já foi produzido.

max

Puxa vida 22 anos depois

VAi ser muito diferetente..Pq primeiro com os F-18 ?super(?)Hornets……
Navy Fighter Weapons School foi transferida para Nevada …não estando mais em Miramar ,Florida…..
A trilha sonora do primeiro filme era muito boa …..quem seão as bandas escolhidas para a continuação?
o caça agressor quem será?
e só o fato do F-14 estar aposentado……será dídicil essa missão pro primo masi novo do hornet,que na minha opinião não chega aos pés do tom cat…..esse sim era o caça._

Roberto

e no final o Cruise agarra a jovem piloto… hehehehe

acho que vão montar as imagens com os F18 e SU via eletrônica, hoje é possível obter tal efeito tranquilamente.

sergio noronha

ESTE SITE E DE ASSUNTOS NAVAIS OU DE CINEMA

Nimitz

Tudo o que cria mentalidade naval é assunto deste site. Alguém já imaginou quantos jovens foram influenciados por esse filme (e outros) e acabaram entrando para a Marinha? Eu conheci alguns…
A propaganda continua poderosa!

Douglas

É, apesar dos problemas com os motores, o F-14, como sistema de armas, foi revolucionário. belíssimo avião.

Douglas

até o filme entrar em produção, eles vao colocar o F-35 pra voar. hoje qualquer filmeco com a USAF já usa renderização do F-22. Sera o F-35 com certeza. O roteiro partirá de uma derrota de f-18 para os SU-37. ai chegam os F-35 com um sistema de armas arrasador pra detonarem os Sukoi a 200km de distância. rsrsrsrsrsrsrs

André

Verdade Nimitz. Uma vez li uma reportamgem com um aviador naval brasileiro que se tornou mais tarde piloto de caça (A-4). Ele era piloto de asas rotativas. Não me lembro ao certo dos detalhes da reportagem, mas disse que quando viu top gun no cinema o filme “mexeu” com ele, que na época, salvo engano, era aluno do colégio naval. É bem provável que esse filme o tenha influenciado na sua escolha pela aviação naval e, mais tarde, no sonho de se tornar um piloto de caça, o que se tornou possível com a reativação da aviação de asa fixa… Read more »

Paulo Costa

E a motoca do Maverick,qual será?……

Pedro Rocha

A formula de sucesso, no cinema, nos anos 80. Atores bonitos, caças, motos, trilha sonora de primeira. Nenhuma preocupação com a veracidade da estória muito menos as conseqüências (abater caças soviéticos e ficar de graça esse fato). Isso não “cola” mais. Nos dias de hoje isso não vai motivar ninguém, pois todo mundo sabe que a arena ar-ar de hoje é muito além do alcance visual. Muito pouco provável que haja mais “dog fight”. Portanto “Red Flag” e “Top Gun” são hoje desperdiço de tempo e recursos. Nos EUA, bem como aqui as demonstrações áreas são muito mais motivadoras que… Read more »

McNamara

Ao amigo Max, lá em cima, Miramar nunca foi na Flórida, e sim na Califórnia, perto de San Diego. Ao amigo Pedro Rocha, esta história de que o dogfight acabou não é verdadeira, se não não existiriam mísseis de curto alcance em desenvolvimento e fabricação, e nem canhões de elevadíssima cadência de tiro a bordo. Em muitos casos, sobretudo em situação de crise / quase conflito, a identificação visual ainda é requerida antes do combate em si. É a política…

Norberto Pontes

BEM que o Cumpanhero podia filmar o TOPINGUM né??? hehehehe

Pedro Rocha

Senhor McNamara, até pouco tempo ainda acreditava nisso, mas justamente pelo desenvolvimento dos novos mísseis ar-ar de curto alcance e pelo novo conceito de guerra centrada em redes que mudei de opinião. Os novos mísseis ar-ar termo guiados já “travam” em alvos que vem de frente, não necessitam mais focar na exaustão dos motores. O alcance dos mesmos já está aproximando do além visual. Na arena ar-ar atual os mísseis guiados de forma ótica são uma alternativa para ambientes com alta interferência, a famosa guerra eletrônica. Hoje é impossível combater a menos de 40 km Todos os meios estão interligados… Read more »

Tomcat

Sem problemas quanto à transferência de NAS Miramar para Fallon, pois as filmagens dos combates sobre terra no Top Gun foram executadas em Fallon mesmo.
Sobre os possíveis aviões:
Se a USAF usa renderização do F-22, também já houve uma cena muito legal em “Duro de Matar 4” com o F-35, logo, é possível também fazê-lo. As cenas com o F-18 F em “Por trás das Linhas Inimigas” também foram ótimas! Certamente misturas de tomadas aéreas com renderização…
Seria perfeito se ainda houvessem alguns F-14 voando que pudessem ser utilizados nas filmagens, mas não soaria atual…

Douglas

A tese de que o dog fight é coisa do passado, é recorrente desde o Vietnã. Por isso os F-4 Phantom não carregavam canhoes. Quando viram que os Mig eram dificeis de abater com os sidewinders e sparrows, criaram um pod com um gatling 20mm para os phantoms e foi criado na decada de 60 o projeto TOP GUN. Agora, com misseis BVR puxando mais de 50g, mais uma vez se decreta o fim do dog fight. Vamos ver quem tem razão. Pessolamente acho que nem 8 nem 80. O dog fight poderá haver se o inimigo possuir sistemas poderosos… Read more »

Marcelo Ostra

è Nimitz, estava na BAST, quando pasou o filme, apareceu um monte de gente para se alistar e virar piloto de aerobalde, aerovassoura …. Ainda bem que no caso ja estava la e queria ser (e fui) PA MO PS: quanto a discutir naval, engraçado quando tem um asunto naval palpavel, tem 4, 5 comentarios, quando tem um NUKE da vida no ano de 2456 tem 157 respostas … pq sera´eim … e quando algum assunto tem alguma coisa a mais sai Mk 10 canibalizada, Quando chega o Garcia D´Avila, MM 40 em T 22 e por ai vai ….… Read more »

Paulo Costa

Os canhões ao longo do tempo estão a favor do caçador,e contra a
manutenção,e o custo, etc.
No EF 2000,os pilotos pediram para ter um de fogo rapido,antes eram
dois agora um ,de 1800tpm 27 ou 30mm.Em varios caças,quando
os misseis acabam,hora de voltar ,vc se sente seguro com um canhão.
Os projetistas e a manutenção,vem a dizer que os canhões a frente
desestabilizam o avião,o ideal é no centro de gavidade,tambem
certos radares tem mais problemas de manutenção devido à vibração
de disparo do canhão,um pod(caro) acho que vai ser o futuro .

Jorge

Já foi feito e acho que só falta lançar em rede de cinemas, o filme:

http://www.hamartia.com.br/

Bosco

Com certeza a dog-fight clássica, onde uma aeronave tenta se posicionar com vantagem em relação à outra, é coisa do passado. O que teremos será combate de “curto alcance” com os mísseis de “curto” alcance sendo orientados pelo capacete ou pelos sensores de bordo com travamento após o lançamento. O F35 sequer tem mísseis AIM9X e os F22 levam 2 e um canhão. Mas é pouco provável que um F22 de 200 milhões queira entrar em combate de curto alcance contra um caça qualquer armado com mísseis de 5° geração onde sua superioridade é deteriorada, igualando as chances contra um… Read more »

Bosco

correção: “caiu de moda” e não “saiu de modo”

Bosco

A única situação provável do uso de canhões pelos F22 e F35 será no caso de após todos os seus mísseis terem sido usados, o piloto de maneira irresponsável queira continuar lutando (e não usar o supercruzeiro para se escafeder) contra um oponente sabidamente inferiorizado sem mísseis de 5° geração, ou contra um oponente que por coincidência, também terá usado todos os seus mísseis e persista no combate. Ou seja, a menos que um caça de 200 milhões de dólares saia perseguindo monomotores de traficantes e poupe seus caríssimos mísseis optando pelos canhões, os mesmos não servem absolutamente para nada.… Read more »

Bosco

Onde a tecnologia de vetoramento seria muito bem vinda é no F35 C da marinha. Mas sabe-se lá por que a mesma não foi usada embora inicialmente tenha sido cogitada. A mesma, se aplicada para dotar o caça de capacidade SSTOL daria ao F35 a possibilidade de ser lançado de porta-aviões sem a necessidade das catapultas à vapor ou elétromagnéticas. E poderia pousar quase na vertical sem necessidade dos cabos. Seria um conceito revolucionário que misteriosamente não foi colocado em prática embora a tecnologia esteja completamente dominada. Provavelmente os lobistas dos super porta-aviões gigantes e suas geringonças medievais (catapultas) não… Read more »

rODRIGO

vc é um personagem muito bom a minha pergunta é pq vc sempre da sorte no filme?só isso abraços

Amaral

Os motores do F-14 não tinham nenhum problema crítico, as falhas latentes dele eram estruturais, inclusive de trem de pouso

Paulo

Quem sera o CMDR Mike “Viper” Metcalf?

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

IMAGENS: Helicóptero AW159 Wildcat com mísseis antinavio Sea Venom

Nas imagens, um helicóptero Leonardo AW159 Wildcat em testes com uma carga assimétrica de mísseis antinavio Sea Venom, em...
- Advertisement -