segunda-feira, junho 21, 2021

Saab Naval

O P-3 e a FAB

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.naval.com.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

P-3 Orion no PN

O P-3 é uma excelente aeronave de combate ASW, vigilância e patrulha marítima. Porém, é uma aeronave que já está no final de sua carreira nos diversos países em que é operado. Além disso, a versão recebida pela FAB está entre os Orion mais antigos do mundo em operação. Seria esta a melhor solução para a FAB no sentido de retomar as operações ASW por longo prazo? Leia a primeira parte do texto no site do Poder Naval OnLine e tire suas conclusões.

Previous articleDescanso da Patrulha
Next articleMilgem, o LCS turco
- Advertisement -

59 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
59 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco

Me desculpem os que pensam contrário mas de segunda mão nem mulher. Bricadeira. Nada contra as rodadinhas. Mas voltando ao assunto, eu acho que avião nunca deveria ser de segunda mão. Vá lá que navio e tanque de guerra se compre de segunda. E olhe lá. Mas avião. Ora sim senhor! Não esqueçamos que somos a oitavo ou nona ou no máximo a décima economia do mundo, temos 180 milhões de habitantes, mais de 8 mil quilimetros de litoral, não sei quantos milhões de quilômetros quadrados. Ou seja, uma potência em todos os sentidos. Mas na hora de comprar caça,… Read more »

Meirelles

O ideal seria uma versão naval(ASW) do cargueiro C-390 da Embraer(pouco provável),
como já foi dito aqui,mas,se tivermos algumas dessas exelentes plataformas(P-3) modernizadas,seria um avanço pra retomar operações ASW até,quem sabe,os C-390ASW estiverem operacionais.

Baschera

Em vea dos C-390 ASW, melhor seria o EMB P-190 ASW !!
Sds.

GustavoB

Concordo com o Baschera. Porém, se for mesmo para retomar o patrulhamento e a doutrina, que seja. Mas foi salgado e, como disseram, os aviões daqui a pouco vão ter uns 60 anos.

Robson Br

A plataforma é segundária em relação aos sitemas. Não vejo como uma plataforma velha, pois foi toda revitalizada. Os sistemas são de última geração. Não sei o motivo de tantas críticas. Apesar de poucos, a FAB terá um dos melhores aviões de patrulha do mundo. Toda integração, gerenciamento dos novos sistemas terá a participação da Atech, aumentando a capacitação brasileira em mais esta área. Outra coisa é o patrulhamento diário que não deve ser com uma aeronave tão cara e sim com os 19 EMB 111 – Banderulhas, que alías já participaram da guerra das Malvinas. Esses novos vetores são… Read more »

antonio carlos

É incrível a “miopia” de certas pessoas do governo. Em pleno século XXI o Brasil, com o litoral que tem, não dispõe de uma única aeronava de asa fixa capaz de disparar mísseis anti-navio !!! Será que algum dia essa situação vai mudar ?

konner

A FAB e a Marinha são responsáveis, em conjunto, pelas operações de vigilância do mar (Atlântico Sul). Em função de acordos internacionais, a FAB tem a responsabilidade de prestar apoio e socorro (SAR) aos movimentos aéreos e marítimos que trafeguem na área sob sua jurisdição, a qual se estende desde nosso litoral até o meridiano 010º W, no meio do Atlântico Sul. O que ocorre, é que esta escolha da FAB pelos P-3, foi o meio mais rapido e mais em conta de atender a acordos internacionais e é claro, a outros interesses como, ganhar tempo para o desenvolvimento de… Read more »

Edilson

A menosque esteja enganado, não existe esta proposta do E-390 ASW ou P se preferirem, e sim a do E-190 convertido em patrulheiro. o grande problema é que o governo brasileiro dorme no berço explendido. desenvolver um avião destes para compra 8, nem para a minha vó. as oportunidades estariam numa parceria com a india, africa do sul, austrália entre outros países os quais juntos poderiam viabilizar o desenvolvimento deste avião mediante a aquisição de pelo menos 60 aeronaves. com exceção da RSA, os países ai acima enumerados tendem a adiquirir o P_8 Posseidom na auzência de outra alternativa mais… Read more »

Edilson

ps: leia-se ausência…

Leo

Alguém já reparou naqueles ônibus amarelos que levam as crianças americanas à escola. A gente costuma vê-los em filmes… Pois é uma vez eu perguntei por que continuam a usar aquele ônibus que deve ser ser um projeto de 60 ou 70 anos. Ele me disse que eram baratos e seguros e cumpriam perfeitamente a função. Não fazia sentido investir dinheiro para desenvolver outro projeto que seria mais inevitavelmente muito mais caro, para cumprir exatamente a mesma função. O mesmo exemplo se aplica ao P-3. Projeto robusto, barato de comprar e operar, seguro. Cumpre perfeitamente a missão a que se… Read more »

Leo

Corrigindo, Alguém já reparou naqueles ônibus amarelos que levam as crianças americanas à escola. A gente costuma vê-los em filmes… Pois é, uma vez eu perguntei a um americano por que continuavam a usar aquele ônibus que deve ser um projeto de 60 ou 70 anos. Ele me disse que eram baratos e seguros e cumpriam perfeitamente a função. Não fazia sentido investir dinheiro para desenvolver outro projeto, que seria mais inevitavelmente muito mais caro, para cumprir exatamente a mesma função. O mesmo exemplo se aplica ao P-3. Projeto robusto, barato de comprar e operar. Seguro. Cumpre perfeitamente a missão… Read more »

Rogério Loureiro

Bom. Fico feliz por ver nos comentários de que o patriotismo impera entre os comentaristas dessa matéria. Não poderia ser diferente, uma vez que eu também sou brasileiro e defendo o mesmo ponto de vista de todos. Se temos uma indústria forte, detentora de alta tecnologia capaz de desenvolver nossa própria plataforma ASW, seja no novo modelo C-390 ou P-190 de nossa querida Embraer, pq então pagar para os Yankees um dinheirão por algo que não é 100% quando falamos de durabilidade? Assim aconteceu com o tanque Osório, levando a Engesa a falencia. Assim esta acontecendo com a Avibrás em… Read more »

camberiu

O modelo dos onibus escolares dos filmes nao muda porque os estudios nunca precisaram trocar os onibus. Mas aqueles modelos velhos sao raramente vistos nas ruas aqui nos EUA hoje em dia. A foto abaixo e’ do tipico onibus escolar que se ve nas ruas por aqui oje.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/9/9b/Thomas_School_Bus_Bus.jpg

Fábio Max

Quem produz um R-99 com sucesso (exportado para México, Grécia, Índia e Malásia) pode produzir um avião ASW, não há justificativa para a aquisição do P3 Orion. Esses P3 foram aquiridos ainda durante o governo FHC. Provavelmente, foram algum favor prestado a alguém, ou algum tipo de adulação aos EUA, porque além de no fim da vida útil, já vão quase 7 anos para modenizá-los e pô-los operacionais, um acinte não às FA, mas ao país inteiro! Tá certo que o país encomendaria no máximo 12 unidades, o que torna os estudos para uma nova aeronave inviáveis, mas é a… Read more »

McNamara

A verdade, como já falei tantas vezes aqui, é que teremos uma patrulha marítima/ASW para inglês ver. Serão oito aeronaves operacionais, umas duas estarão sempre em manutenção, se tudo correr bem, restam seis, para cobrir todo o mar territorial e águas jurisdicionais brasileiras. Essa vastidão oceânica permanecerá descoberta. Aquela idéia de que os aviões são para treinamento, e que em caso de conflito seremos ajudados imediatamente pelo generoso Tio Sam remonta os anos da Guerra Fria. Isto eu escuto desde criança. A realidade é outra. Em caso de conflito, estamos na mão, isso sim!

pablo

esse P3 serao armados ??? qual o armamento ??? ja tem um tempo que eu li uma reportaem de que as Forcas Armadas Brasileiras iniciaram um estudo junto a Embraer sobre a possibilidade do EMB190 vir a ser o proximo aviao de reconhecimento, em substituicao ao R98 e R99. desculpe a minha ignorancia, mas um EMB190 modificado para ASW nao seria rapido (velocidade) demais na funcao de salvamento ?? tera ele capacidade de lancar botes ou outro equipamento para os “naufragos” ate que um barco de resgate chegue ao local ??? acho muito estranho o papo de que o aviao… Read more »

Fred

Não sei se a compra dos P 3 foi tão ruim assim, acho que a FAB tentou encontrar a maneira de melhor custo/beneficio/prazo de se atender aos compromissos internacionais firmados anteriormente.

E o R99 poderia fazer a vigilância, mas não teria capacidade ASW, salvo engano meu. E não estou nem comparando a autonomia! 😉

pablo

ja que o Brasil esta formando o conselho sul americano, por que o governo brasileiro, junto da Embraer nao oferecem seus avioes e projetos para oa paises com constituem o conselho ???
nao seria uma boa oportunidade ??? a integracao seria perfeita…
sera que o governo vai demorar como esta demorando no caso da Avibras ???????

Paulo Taubaté

Acho que a turma desce a lenha pq o que ocorre em nosso país são sempre as compras de ocasião, de prateleira, principalmente nos supermercados do Tio Sam… A situação só irá mudar quando em nosso país (governo central e militares) mostrarem que a compra dos P-3 tem um significado. Estamos comprando para treinar as tripulações, desenvolvermos uma doutrina e adquirirmos experiência para desenvolvermos nosso próprio equipamento, pq, como pode a FAB solicitar o desenvolvimento de uma aeronave ASW/ASuW se ela nem sabe que equipamentos ela realmente necessita no dia a dia das missões e patrulhamentos? Uma coisa é ter… Read more »

GustavoB

Não quis retrucar, mas já que o Camberiu falou…

Robson Br

Os ganhos com esse patruleiro é muito grande. Primeiro a FAB tem o controle de todo processo desde a escolha das células, sua revitalização e incorporação dos sistemas. A Atech participa da integração. Pensar num patruleiro novo so por causa das células é um grande erro. Os sistemas são de última geração. Uma célula nova seria gastar mais dinheiro e não sei se teríamos uma melhor no mercado. Pensar no futuro, seria fazer parcerias e na América do Sul só o chile é confiável. Temos a África do sul, a índia e por que não a china.

Douglas

Concordo com todos que argumentam que os ganhos com esse patrulheiro serão grandes. E também concordo com os que entendem que seria melhor um projeto baseado no c390 ou no 190/95. contudo, não há verba. Esses avioes são de um lote antigo, provavelmente completarão 50/60 anos em breve. A fadiga será inevitável. Volto à questão do planejamento… porque não planejarmos um projeto de um sucessor nacional para daqui ha 8/10 anos.? Essa é a questão. Sobre os B-52, usados como referencia por muitos aqui, lembro que o projeto é antigo mas os aviões vão sendo renovados constantemente, não existe hoje… Read more »

Douglas

Mas esses P 3 chegaram em boa hora.

Douglas

Sonho com uma encmenda à Embraer de 24/30 avioes novos em substituição a eles pra daqui a 10 anos.

Pedro Rocha

Olá senhores! Essa aquisição simplesmente inviabiliza qualquer projeto da Embraer de uma nova geração de aviões de patrulha marítima, vigilância aérea, comando e inteligência. Explico na ótica de um leigo que acompanha mesmo a distância, as aquisições de nossas Forças Armadas. Dois fatores motivaram a aquisição do P-3: Financiamento e a necessidade urgentíssima de substituir os Búfalos. Tanto o P-99 bem como o futuro P-190 demandam investimentos, pois são apenas conceitos (detalhe nem projeto ainda são) no papel. Essa estória de 2005 era só um “cala boca” para justificar a miopia da FAB em comprar aviões estocados e gastar US$… Read more »

pablo

a Avibras e o exemplo mais atual.

Pedro Rocha

Em tempo: Utilizar os P-3 para busca e resgate seria um retrocesso ao tempo do SC-130, que foi retirado dessa missão em virtude dos custos de operação de um quadrimotor numa missão que é executada com maestria pelos Bandeirantes Patrulha. Vi uma noticia que dois C-295 serão disponibilizados para a missão de busca e resgate.

Rogerio Loureiro

Bom. Muito estão se falando ai de Embraer, A-1, alguns preferem justificar a ideia de que fizemos um bom negócio comprando os aviões P3, outros defendem a indústria nacional. Enfim. inúmeros comentários. Eu defendo o seguinte. BRASIL é BRASIL. Mão de obra, gente trabalhando, desenvolvimento, honrar o que diz em nossa bandeira ORDEM E PROGESSO. Só se consegue isso, trazendo gente ao topo de qualificação profissional, gerar emprego, gerar renda. E isso somente comprando e dando estimulos ás nossas industrias. Agora, prefiro pagar 1 bilhão de dolares em um aviao nosso…ops..falei direito? NOSSSOOOOO….do que dar um centavo pelo aviao DELES.… Read more »

Baschera

Prezado Pedro Rocha, Apenas algumas correções. Os P-3A Orion não são substitutos dos Búfalo, mas dos P-16E (Grumman S-2 Tracker) da FAB. Os C-115 Búfalo (De Havilland/Canadá) operavam primordialmente no TO Amazônico e foram recentemente substituídos pelos C-105A Amazonas (EADS/Casa C-295). Realmente, a FAB irá configurar dois de seus C-105 Amazonas para SAR, mas no teatro terrestre, já que os mesmos não operam sobre aguás continentais. Sob o mar, quem executa esta tarefa SAR são os Hércules C-130 baseados em Florianópolis e se não me falhar a memória em Salvador. O projeto Boeing P-8 Poseidon em nada desmerece o jato… Read more »

McNamara

Eh conversinha de botequim hein seu Rogério Loureiro… Vamos melhorar o nível rapaz…

pablo

o governo diz que vai comprar 50 barcos patrulha pra marinha, ao inves de comprar de empresas brasileiras, boa parte da encomenda sera feita junto ao Chile, isso mesmo, Chile…
falta vergonha na cara dos nossos politicos

konner

[“Pedro Rocha em 30 Jul, 2008 às 14:44 Olá senhores! ( … ) Explico na ótica de um leigo que acompanha mesmo a distância, as aquisições de nossas Forças Armadas. ( … )”] [“( … ) acredito que o C-390 também não vai sair do papel.”] — BOGOTA, 19 Jul 2008 (AFP) – A Colômbia participará como parceira de um projeto militar do Brasil de construção de um avião de “transporte pesado” [Programa C-390], segundo acordo de cooperação em defesa assinado neste sábado em Bogotá pelos presidentes Alvaro Uribe e Luiz Inacio Lula da Silva. [” (…) Essa estória de… Read more »

FD

E o electra mandou lembraças!!!!

Pedro Rocha

Senhor Konner essa informação da participação da Colômbia no C-390 está somente como memorando de entendimentos nada foi assinado ainda. A Embraer mantém entendimentos com o Chile, África do Sul, Índia e Suécia. Porém em nível de sócio de risco, algo que demandará muita negociação por parte da Embraer, pelo simples motivo que o Ministério da Defesa não se comprometeu a investir muito menos adquirir unidades. Sem um cliente lançador o maravilhoso projeto C-390 não sairá do papel. A participação no P-3 pela Embraer também faz parte do “cala a boca”. Nenhuma empresa privada negaria ganhar dinheiro, desde que fosse… Read more »

konner

Senhor Pedro Rocha As qualidades dessa plataforma [P-3], permitem que o projeto de modernização em curso contemple a integração de sensores e armamentos que colocarão os P-3 brasileiros na fronteira tecnológica dessa aviação, com radar SAR/ISAR, FLIR, ESM, sistema acústico e de detecção de anomalias magnéticas, todos de última geração. Soma-se a essa tecnologia, a sua capacidade bélica, com 10 pontos duros nas asas para armamento, incluindo mísseis anti-navio e torpedos, “bomb bay” com mais 8 cabides para torpedos, minas, cargas de profundidade e espaço pra carregamento de 120 sonobóias, configuração que capacita essa plataforma a cumprir todas as missões… Read more »

Bosco

Meu velho e querido pai sempre me dizia (já falecido) que comprar coisas de segunda “desintera” o dinheiro para comprar de primeira. O problema de soluções meia boca é que dão a impressão para os menos avisados (que são a maioria absoluta), e nisso a imprensa tem culpa, de que tudo vai muito bem. Obrigado! Daqui uns dias vamos ter estampado nas páginas dos jornais e das revistas leigas com letras garrafais: “o Brasil adquiriu o melhor avião de patrulha marítima do mundo, igualzinho os usados pelos americanos na Guerra do Iraque”. Aí todo mundo aceita a desculpa das autoridades… Read more »

Mauricio R.

Que é que esse C-390 acrescenta á FAB???? Nada!!! Bem diferente do A-400, que realmente substitui tanto ao C-130 como ao KC-137 e acrescenta maior capacidade de transporte de carga. Tem de deixar de puxar o saco da Embraer, é empresa privada que se vire no mercado, vive querendo empurrar custe o que custar, qq aeronave por ela fabricada, ignorando completamente as necessidades das forças armadas e as características definidas por estas p/ o cumprimento das missões planejadas. Queria mto ver esse “P-190/-195”, patrulheiro da Baia da Guanabara, Baia de Todos os Santos e da Lagoa dos Patos!!! Ah, e… Read more »

Gunter

Ótima escolha, permitirá ao Brasil dar um salto gigantesco na operação de sensores e sistemas no estado-de-arte, montados numa plataforma que apesar da idade, não tem concorentes a altura quanto às características para operação a que se destina.

Gunter

ops… concorrentes!

Robson Br

Tem gente confundindo as coisas. Na época a Embraer não tinha uma plataforma adequada para o tamanho de nosso litoral. O P99 não tem alcance, não comporta armamento, sonoboias, etc… Outra coisa, é apenas uma plataforma. A Embraer não produz os sistemas. A coisa seria o que alguns já citaram: é uma caixa vazia. O que a FAB está fazendo que é o correto: APRENDENDO. Plataforma ela usa o EMB 190, 390…. O mais barato na época foi os P3. Estas células foram todas revisadas e terão suas vidas úteis garantidas. Existe comentários que a própria Embraer estava estudado lançar… Read more »

Nunão

Gente, lendo vários dos comentários acima, só queria lembrar que o trabalho de se instalar / integrar sistemas (fabricados aqui ou acolá) nas tais “caixas vazias” é bastante complexo e que ter o domínio desse conhecimento e dessa prática é algo para não ser desprezado. Isso vem sendo conquistado (o que por si só quer dizer muito pouco) e, principalmente, aplicado (o que quer dizer muita coisa, desde que haja continuidade) – só um lembrete, não é ufanismo meu não. No caso dos P3, esse trabalho está sendo feito na Espanha. Em outros casos, está sendo feito aqui.

Nelson Lima

O Orion é uma plataforma adequada para a missão de patrulha ASW no imenso litoral brasileiro.O coração da aeronave vai ser o sistema FITTS .Acho o P99 insuficiente para a missão e seria também um tapa-buracos como o P95. Os atuais programas de aviões ASW para substiuir o Orion são caríssimos e baseados em jatos. Então provavelmente o futuro substitudo dos P# poderia ser baseado em uma versão do EJet 190 ou do C390.

Baschera

Caro Nelson Lima,
Exatamente, o P-190, que não existe oficialmente, usaria como plataforma o EMB 190, naturalmente com várias modificações.
Sds.

Cesar

Só mais uma informação… o c-295 esta sendo adotado pela Força Aérea Portuguesa, e recebendo muitas críticas dos portugueses, pois eles ja operam o P-3, e segundo os críticos de lá, o dinheiro poderia ser usado na aquisição e reforma outros P-3, pois segundo eles o C-295 mesmo com Sistemas modernos não cumpre as mesmas funções, e vejam que a ZEE deles é bem menor que a nossa.

Beto

Alguem sabe me dizer se a MB vai adquirir a compra de P16 Tracker?? A compra seria para esse ano?? Quantos P16 seriam ?? Teriam funções também de patrulhamento junto c/ P-3 FAB???

Douglas

Mauro, apenas um comentário rápido, a versão H já foi toda retrofitada, e tiveram todas as empenagens, partes móveis e uma parcela de estrutura trocada. Se vc acha que remontam a 1962 Ok… Pesquise sobre esses Orions e vc vai ver que foram afastados porque a fadiga já se apresentou. Alias, o mesmo com o SP…… não tem mistério não.

Mauricio R.

Nossa que maravilha, ofereceram 120% de off sets, mas nos venderam um avião que não carrega nada de nada e ainda está a dar mais manutenção que o previsto!!!
E pensar que a FAB poderia ter comprado o C-27J que carrega caminhão, ou um helo do tipo do Fennec, ou um M-113!!!

Paulo Taubaté

Pra vcs verem como equipamento militar necessita de apoio irrestrito do governo do País em que é desenvolvido. Hoje estamos falando de P-190, P-390, c-390 (e versões de reabastecimento, guerra eletrônica…). Para alguns, insanidade. Outros, delírio. Compulsando meus velhos livros “Aviões de Guerra”, que devem datar lá pelos idos de 1986, quem pude encontrar lá? Aeritalia G-222, que deu origem ao C-27 Spartan. Por isso, para ver um sistema dar frutos, é preciso paciência. Plantar, cultivar, depois colher. Outro exemplo, tbm italiano, o A-129 Mangusta. Foi vendido agora para a Turquia. Temos que acreditar e investir sim. Quanto ao B-52H:… Read more »

Paulo Taubaté

Mauro, tbm foi isso que eu quis dizer. Sei que todos sabem qdo foi fabricado. O que não dá é ficar metendo o pau pq aqui se revitalizam aeronaves e é considerado crime apenado com morte, prisão perpétua, que temos que ter tudo zero quilômetro…. Vamos ser um pouco mais sensatos. Assino embaixo de tudo o que vc disse.
E se fui mal interpretado, me perdoem…

Abs.

Douglas

Mauro, os H foram feitos na década de 60, de mais de 700 B 52 no total só restam uns 80/90 voando, e os que estão voando já passaram por reforma profunda na propria fábrica, inclusive com troca de estrututa. Mesmo assim, estarão todos no chão em menos de 10 anos. Então voltando ao meu primeiro post, acho que os P 3 serão um avanço na nossa capacidade de defesa, pois serão EFETIVOS, não serão de “desfile” como são as inhaumas e o SP. Mas estarão no fim em menos de 10 anos tambem. Temos que planejar um substituto baseado… Read more »

- Publicidade -

Reportagens especiais

Submarinos brasileiros para a Indonésia

Marinha da Indonésia se candidata a ficar com dois Type 209/1400 da Marinha do Brasil Por Roberto Lopes* A Marinha da...
- Advertisement -