As Type 21 “novas” do Paquistão.

    352
    7

    Em 1985 o Paquistão negociava com a Vosper Thornycroft a construção de três novas fragatas Type 21 de uma versão modificada segundo suas especificações. As Type 21 originais, construídas para Royal Navy, foram entregues entre 1974 e 1978. Em abril de 1987 as negociações foram encerradas em parte porque o Governo Britânico não garantia mais o preço nem o prazo de entrega dos navios, já que o controle da Vosper passou da British Shipbuilders para o VT Group.

    Em junho de 1987, o pessoal da Yarrow Shipbuilders chegou ao país para oferecer as novas Fragatas Type 23 que estavam começando a ser construídas para a Royal Navy. Mesmo tendo iniciado a requisição de propostas de outros países, as Type 23 atraíram a atenção dos paquistaneses, pois eram navios pelo menos 20 anos mais modernos do que os que estavam então em serviço na sua marinha.

    Depois de três anos perdidos em negociações com a Vosper eles estavam ansiosos pelos novos navios. Sabendo disso, o ‘Defence Sales Organisation’, aparentemente sem o conhecimento do comando da Royal Navy, ofereceu a HMS Argyll (Type 23) e mais uma outra unidade que já estava em construção para acelerar as entregas. Junto com essa proposta estava um pacote que incluía o treinamento de engenheiros e técnicos para a construção de uma terceira unidade da classe em um estaleiro em Karachi. Todo o pacote na época sairia por £350 milhões e aumentaria o numero de navios em carteira da Yarrow, incluindo as duas unidades em substituição às originais da Royal Navy, ajudando a diluir os custos unitários. Tanto as Type 23 como as Type 21 Mod., se fossem construídas seriam equipadas com o Sistema de Dados Táticos Navais CACS 4.

    Esse projeto acabou não indo adiante e, em 1988/89, ao mesmo tempo em que o Brasil recebia os classe Pará (Garcia) da U.S. Navy, o Paquistão recebia quatro unidades da classe Garcia e quatro da classe Brooke por empréstimo. Anos depois os EUA pediram a devolução das fragatas como parte das retaliações contra o Paquistão, que insistia no desenvolvimento de armas nucleares. A perda dessas oito fragatas foi compensada finalmente com a aquisição das seis unidades remanescentes das Type 21 originais inglesas.

    Em maio de 2005, o Chefe do Estado-Maior da Marinha do Paquistão Almirante Shahid Karimullah, disse ao jornal paquistanês Daily Times que a Inglaterra havia oferecido três unidades usadas do Type 23 ao Paquistão. O Almirante Karimullah chegou a conversar com o Almirante Alam West (‘First Sea Lord’), demonstrando o interesse em obter esses navios, ficando a questão a partir daí relacionada a obtenção de recursos e treinamento das tripulações. Esses navios acabaram indo para a Marinha do Chile onde viraram o Almirante Cochrane (FF 05), Almirante Condell (FF 06) e Almirante Lynch (FF 07).

    quase_pak1.jpg quase_pak2.jpg quase_pak3.jpg

    Fontes: Warship World e Daily Times
    Fotos: Ambuscade docada (Ambuscade Association), ex-HMS Norfolk, atual CS Almirante Cochrane (FF 05) da Marinha Chilena (Shipspotting.com) e PNS Tariq (F 181), ex-HMS Ambuscade (Pakistan Navy).

    NOTA DO BLOG: O Almirante Alam West, citado no post também comandou uma Fragata Type 21. Em 21 de maio de 1982, o então Capitão-de-Fragata, era o Oficial Comandante da Fragata HMS Ardent (F 184), que foi atingida e afundada por bombas lancadas por aeronaves A-4 argentinas.

    7
    Deixe um comentário

    avatar
    7 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    5 Comment authors
    Marcelo OstraJSilvaVassily ZaitsevGuilherme PoggioNunão Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Nunão
    Visitante
    Nunão

    Zé, interessante como nessa época vários dos caminhos de Brasil e Paquistão se cruzavam nas aquisições de usados. Depois foi a mesma coisa com as Knox, não?

    Teria sido interessante se as Brooke, mesmo limitadas, tivessem vindo pra cá em vez do Paquistão, ou mesmo que, depois de “devolvidas”, isso tivesse acontecido. Lembro de ter lido que à época isso era de interessa da MB. Logística praticamente igual, mudando parte do sistema de armas. E poder lançar SM-1, mesmo sendo um alvo por vez, já era grande coisa pra quem usava Sea Cat…

    Guilherme Poggio
    Visitante

    … e as Tipo 23 acabaram indo para o Chile de uma forma que nem eles esperavam. Compras de oportunidade são assim mesmo.

    O (agora) Almirante West deu várias entrevistas depois das Malvinas. Numa delas, muito intressante, foi colocada a opinião dele com a opinião do capitão de corveta Philip, lider do ataque do CANA. Philip, logo após lançar as bombas, teve seu A-4 atingido por AIM-9L de um Sea Harrier.

    Vassily Zaitsev
    Visitante
    Vassily Zaitsev

    Perdeu todas as 8 fragatas ( Garcia e Knox) de uma só vez???? acho que a Marinha do Paquistão praticamente “parou”…

    JSilva
    Visitante

    Na verdade foram Garcia e Brooke, as Knox assim como os Charles F. Adams foram apenas namoro, tanto para o Brasil como para os Paquistaneses. As Brooke sempre foram um navio de Defesa de Area de $1.99, mas estava otimo para começar. Na época que o Paquistão pegou as 4 Garcias e as 4 Brookes, tambem vieram duas Leanders ex-Royal Navy. Depois que as oito Fragatas ex-USN foram devolvidades para os EUA elas acabaram arrematando todas as Type 21 (Amazon) da RN. Agora legal mesmo, foi na segunda metade da decada de 80 ter existido a possibilidade de tem sido… Read more »

    Marcelo Ostra
    Visitante
    Marcelo Ostra

    na época eles ainda tinham o Gearing (Babr) ao me me engano, sem contar a historia das tipo 23 que quase foram …. ainda bem que os chilecos apareceram …. jah pensou use nma tipo 23 paquistanelica ……..

    MO

    Marcelo Ostra
    Visitante
    Marcelo Ostra

    Quem nunca teve (que eu saiba) cotaação de ir para inguem foram os Forrest Shermans

    Zeh te lembras de algo/alguem para eles ?

    MO

    JSilva
    Visitante

    Não MO, os Forrest Shermann nunca foram cotados seriamente para ir para alguma marinha aliada. Mas lembro de ter lido ou ouvido falar que em meados dos anos 80 foram oferecidos ao Brasil, mais ou menos quando mostramos interesse pelos C.F.Adams.

    Lembrando que boa parte disso é boato. Não vai ninguem aqui me pedir copia autenticada e tudo o mais.