Home Noticiário Internacional Índia lança primeiro submarino nuclear construído no país

Índia lança primeiro submarino nuclear construído no país

628
60

A Índia lançou neste domingo o seu primeiro submarino nuclear, o INS Arihand, tornando-se o sexto país do mundo a integrar este seleto clube.

Pesando cerca de 6 mil toneladas e com capacidade de lançar mísseis contra alvos a uma distância de 700 quilômetros, o submarino foi apresentado pelo primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, em uma cerimônia no porto de Visakhapatnam, no sudeste do país.

A embarcação foi construída inteiramente na Índia, mas com ajuda da Rússia, e passará por testes nos próximos anos antes de ser utilizada em operações militares. Um segundo exemplar deve ser terminado em breve.

Em seu discurso, Manmohan Singh disse que a Índia não alimenta ambições de agredir nenhum de seus vizinhos, mas que há cada vez mais “ameaças” no mar da região.

“Temos a incumbência de tomar todas as medidas necessárias para garantir a segurança de nosso país e nos mantermos atualizados com os avanços tecnológicos mundiais”, afirmou.

O repórter da BBC em Nova Déli Sanjoy Majumder disse que o lançamento do Arihant é um sinal claro da tentativa indiana de equilibrar a poderio militar da China, hoje potencia naval na região. Para o repórter, o submarino agregará uma “terceira dimensão” à capacidade defensiva indiana. Até agora, o país só era capaz de lançar mísseis balísticos no ar e na terra. A embarcação indiana poderá levar cem marinheiros e permanecer subaquático por um longo período de tempo, aumentando suas chances de permanecer sob sigilo. Hoje, os submarinos indianos precisam voltar à superfície frequentemente para recarregar as baterias.

Com o anúncio, a Índia entra para o seleto clube dos países com capacidade de construir submarinos nucleares, formado por Estados Unidos, Rússia, França, Grã-Bretanha e China.

No fim do ano passado, o Brasil assinou com a França um acordo que, entre outras cláusulas, prevê cooperação militar com fim de assistir a Marinha brasileira a construir o seu próprio submarino nuclear.

Isto faria com que o Brasil se tornasse o primeiro país da América do Sul a possuir a tecnologia, fato que analistas destacaram como uma grande vantagem militar em comparação com o resto do continente.

advanced_technology_vessel2

FONTE: BBC

SAIBA MAIS:

60
Deixe um comentário

avatar
60 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
34 Comment authors
“Look mom, no reactor”Iuri KorolevAzul&brancoSonic Wingslatino Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos
Visitante
Marcos

Muito boa a matéria.
“Se queremos chegar logo com este barco, precisamos todos remar com afinco no mesmo sentido e direção”.Refiro-me ao nosso Submarino Nuclear.

Felipe Cps
Visitante
Felipe Cps

Bem falar o quê? O nosso submarino nuclear era para estar pronto no final dos anos 90. A Índia nos passou, de novo. E o nosso subnuc ainda vai demorar mais uma década.

Realmente, falar o quê?

antonio
Visitante
antonio

estamos ficando a cada dia mais para trás

Harry
Visitante
Harry

Caros
Agora temos que espera vinte longos anos é tempo demais.

Baschera
Visitante
Baschera

….. e só teremos propulsão nuclear, sem lançamento de nada, a não ser “torpedoes”!!

Really Sorry….

Sds.

Lucas Calabrio
Visitante
Lucas Calabrio

Prezados
Essa briga toda também vale um lugar no conselho de segurança da onu e o Brasil tem que correr contra o tempo, contra tudo e contra o todos.
sds

Alexandre Galante
Visitante

Nesse jogo o Brasil está tomando de goleada…

Vassili
Visitante
Vassili

Baschera, Mesmo eu sendo meio cético quanto à finalização do projeto SNA, e sabendo que a MB mal consegue manter a atual frota em funcionamneto, digo que, se a proposta aliança com a França ande sem percalços, que nossos próximos governos não inventem picuinhas no sentido de anular tudo, podemos prever: – perto de 2030 nosso primeiro SSN saia dos estaleiros, pronto para mostrar se o imenso valor nele investido terá valido; – imagino que ele tenha ampla capacidade de lançar mísseis anti navio, do tipo SM-39 ou outro mais moderno, pois estamos falando do ano de 2030; Portanto, ele… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

Neste time todos os jogadores querem ganhar, mas precisam ter cuidado para não fazer gol contra.

Harry
Visitante
Harry

Caros,
Precisa meter a mão no bolso, gastar, afinal quem ta financiando são os franceses, então tá ai esta porcaria de vinte anos, enquanto isso O congresso toma banho de champanhe.
Se começar a querer demais acho que não teremos bulufas nenhuma
Abs

Ulisses
Visitante
Ulisses

Vassili

2030?Mas segundo a marinha será até 2020.

Sds.

AJS
Visitante
AJS

Há um tratado ou coisa que o valha, que impede o Brasil de lançar mísseis com alcance superior a 300 km.
Algum dos colegas pode comentar a respeito?

Ulisses
Visitante
Ulisses

E sobre a matéria,ta bom até demais para um país que não investe em seu povo…Eu falo da Índia.

Wilson Johann
Visitante
Wilson Johann

E por aquí a imprensa traidora fica temtando “minar” nosso projetos de defesa. E tem gente que apóia.
Agora, para o sub da Índia chovem elogios.
Temos que tomar vergonha na cara e mandarmos para o paredão todos os que são contra nossos projetos de desenvolvimento.
Qual seria a opinião do sr. Jânio de Freitas e do pasquim para o qual trabalha sobre o Sub Nuclear da Índia?

Abraços!

GUPPY
Visitante
GUPPY

Amigos, Eu sei que oficialmente somos uma democracia, mas será que não dar para os militares endurecerem e exigirem o cumprimento do acordo, mesmo que o próximo governo seja contra, questione, etc, alegando que trata-se de um programa, de uma decisão de Estado e não de governo? Não sei mas acho que os militares só não devem é querer dar golpe de estado como fizeram, mas impor seus direitos, suas necessidades materiais para garantirem ao povo brasileiro um mínimo de tranquilidade, de paz, com a dissuação, é mister. Sem endurecimento por parte dos militares, não teremos nenhum submarino nuclear. Vão… Read more »

Harry
Visitante
Harry

Se começar a ser construído em 2015, talvez possa sair do estaleiro em 2022. Sai do estaleiro.
Abs.

Tonelero
Visitante
Tonelero

Para os colegas que estão em dúvida quanto à data que o primeiro submarino nuclear brasileira vai ficar pronto (SE ficar) ser lá pelos idos de 2030, postanto daqui a 20 anos no minimo, vejam só, o LabGeNe (protótipo da planta propulsora nacional) fica pronto só em 2014/2015, daí a data de 2020 que foi divulgada é puro sonho!!

Harry
Visitante
Harry

Caros, é comentario como esse que a impressa obscura precisa para tacar fogo:
” Perguntado a respeito pelo GLOBO, na última terçafeira, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, esquivou-se: — Nós não temos nada a ver com isso. Compramos um pacote pronto. ”
Quebra as pernas de qualquer um.
Nos deixa pequenos.
Abs

Vassili
Visitante
Vassili

Ulisses,

não estou enganado não; é por volta de 2030 mesmo, e olhe lá……..

abraços Comandante em Chefe da Resistance;

AJS,

Realmente esse tratado existe e o Brasil é um dos signatários, ou seja assinou o pedido para próprio enforcamento…………….
Resquícios do Governo FHC meu amigo…………………. sr este que nada fez por nossas FFAA, e por cima ainda teve coragem de assinar uma burrada como esta.

abraços;

Tonelero
Visitante
Tonelero

E, para o conhecimento dos colegas, o mais incrível deste projeto indiano: para 05 (CINCO) submarinos nucleares está previsto um gasto de US$ 2,9 bilhões (algo em torno de R$ 06 bilhões)!!! Espero que o pessoal aqui saiba fazer conta… 🙂

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

Com tanta gente, inclusive neste Blog tentando jogar contra as decisões da MB ficará difícil esta caminhada. Aqueles que ainda acreditam no submarino nuclear como eu, podem estar certo que o primeiro grande passo foi dado com este acorde estratégico entre Brasil e França. Não temos a necessidade imediata deste sub nuclear, pois sua missão será proteger as reservas do pré sal, que não entraram em operação ainda (produção do óleo). Não estamos em um barril de pólvora como a Índia cercada pela China com seus novos sub nukes e o Paquistão com seus mísseis apontados para Bombain. Eles têm… Read more »

Wilson Johann
Visitante
Wilson Johann

Tonelero, Esse pode ser o gasto previsto para a série de cinco subs, mas quanto é que você acha que gastou anteriormente com esse programa, até o lançamento deste primeiro. Podemos dizer o mesmo sobre os Barracudas franceses. Foi amplamente divulgado o custo das seis unidades prevista, só que nunca ninguém revelou o custo de tudo o que foi investido em desenvolvimento e pesquisa até chegarem ao estágio atual. Se estivessemos hoje lançando nosso promeiro submarino nuclear, quantificar o custo de unidades seguintes, que seriam, certamente, imensamente menores que o total dos custos de todo o programa anterior até obtermos… Read more »

Wilson Johann
Visitante
Wilson Johann

Por favor, onde le-se “Se estivessemos hoje lançando nosso promeiro submarino nuclear, quantificar o custo de unidades seguintes”, leiam “Se estivessemos hoje lançando nosso promeiro submarino nuclear, poderíamos quantificar o custo de unidades seguintes”.

Obrigado!

Tonelero
Visitante
Tonelero

Conheço o programa nuclear da MB. Até hoje com o ciclo de enriquecimento já foram gastos algo em torno de US$01 bilhão. Para o LabGeNe um valor perto disto é necessário, prazo para conclusão em 2014, no melhor dos mundos hipotéticos.

Os indianos passaram por etapas parecidas, e contaram com a ajuda dos russos no projeto local do submarino nuclear, vide a semelhança com os classe “Akula”. A hoje pretendita “queimas de etapas” nossa, foi feita por eles sem exigencia de ter que construir submarinos convencionais russos como “pedágio” para a tranferencia de tecnologia. É bom que atentemos para isso!

matheus chaves
Visitante
matheus chaves

Sempre me perguntei se um acordo militar com os russos, não seria mais vantajoso. Vejam os indianos, já tem seus VLS, submarinos nucleares, produzem sobre licença o SU-30, entre outras coisas mais. A nossa parceria com os franceses não sei se é tão produtiva, basta lembrar o valor absurdo pela compra dos submarinos.
Temos de pensar bem se vale a pena essa parceria, basta lembrar que fomos por muitos parceiros dos EUA e não ganhamos muito com isso.

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

AJS,

Existe sim uma restrição, o Brasil é signatário do Missile Technology Control Regime (MTCR), o que impede o desenvolvimento de uma série de armamentos, incluindo armas nucleares, armas de destruição em massa, e mísseis com alcance superior a 300km e com determinada capacidadede carga.

Entramos nessa barca furada desde 1995, por pressão americana, similar a pressão que sofremos hoje sobre a fabricação de bombas de fragmentação.

Quanto a capacidade do nosso futuro subnuc, eu diria que seria uma falha não prever silos verticais para lançamento de mísseis de cruzeiro.

Sds.

Tonelero
Visitante
Tonelero

Gostaria de esclarecer um ponto de vista aqui: não é uma questão de ser contra o desenvolvimento do nosso país e consequentemente de nossas FFAA, mas sim a busca pelos fatos e pela verdade, encarando a realidade como ela é, seja ela boa ou ruim. Argumento ruins e fora de logica não contribuem para o debate coerente e lúcido. Não vivo na constelação de Andrômeda e não acredito em papai-noel. Não estou aqui pregando o “debacle” do país. Só não quero que venham me dizer que tudo como está é correto, pois não é. É só uma questão de tentar… Read more »

Wilson Johann
Visitante
Wilson Johann

Postado em matéria anterior deste, por: Gunter em 26 Jul, 2009 às 21:37 Transcrevo aqui comentario de um leitor do site do jornalista Liz Nassif: “uma parte da imprensa já está colocando areia no nosso desenvolvimento e auto suficiência tecnológica/militar. Logo virão os maus políticos. É uma campanha insidiosa e contrária aos interesses nacionais. A mentira e ilações não podem justificar impunemente tal comportamento. À medida que o Brasil se aproxima um pouco mais da sua independência econômica e tecnológica, vozes que tinham uma conotação, um sotaque, um acento brasileiro passam a ter sua verdadeira linguagem que não é dos… Read more »

Henrique
Visitante
Henrique

Os “miseráveis” atômicos já nos deixaram pra trás há muito tempo em relação à Forças Armadas… em compensação no campo social …. daí sobra mesmo recursos pra investir em armas.
Abraços.

arcalado
Visitante
arcalado

Concordo com o comentário do Baschera, nós temos que desenvolver em paralelo um torpedo nacional, de que adianta um Subnuc se tivermos de esperar que o congresso americano aprove a venda de torpedos, como agora com os Mk-48

Dalton
Visitante
Dalton

Oi Leo…

silos verticais nao sao obrigatorios para lançar misseis de cruzeiro.

Os franceses e ingleses lançam seus misseis de cruzeiro atraves de tubos de torpedos e mesmo os submarinos americanos além dos tomahawks em silos verticais podem levar adicionais as custas de torpedos e lança-los pelos tubos de torpedos.

abraços

bulldog
Visitante
bulldog

Quanto custou???

Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Olá senhores! Realmente existem coisas por aqui que estão tornando-se tediosamente repetitivas! Portanto humildemente vou descrever algumas coisas novas! Começando pelo protocolo de não desenvolvimento de mísseis com alcance superior a 300 km! Senhores, por acaso lembram-se da crise da Rússia em 1995? Se não lembram a Rússia faliu e arrebentou a economia mundial! Nossas pacas reservas internacionais foram perigosamente reduzidas! Empréstimos foram atrelados a salva-guardas! Ora quem está com o pires na mão prioritariamente tem que aplacar a fome do que desenvolver armas! A primeira vista esse protocolo foi ruim para o Brasil, porem através desse protocolo nós conseguimos… Read more »

Hornet
Visitante
Hornet

Não podemos achar que estamos concorrendo com a Ìndia, seja em submarinos nucleares ou seja em que for. Principalmente no quesito CS da ONU. Quem acha que existe “uma vaga” no CS da ONU sendo disputada pelos países do mundo e que ganhará quem chegar na frente (ou construir primeiro seu sub nuc) está redondamente enganado. Não existe corrida alguma ao CS da ONU, e nem tão pouco “vaga” em disputa. O que muitos países do mundo, incluindo Índia e Brasil, estão requerendo é uma reforma do CS da ONU. O entrave para a Índia entrar no CS da ONU… Read more »

AJS
Visitante
AJS

Agradeço aos colegas as respontas a respeito dos mísseis com alcance superior a 300 km.

AJS
Visitante
AJS

Agradeço aos colegas as respos
tas a respeito dos mísseis com alcance superior a 300 km.

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Ok Dalton, Obrigado pelo complemento, estou ciente da possibilidade de lançamento de mísseis de cruzeiro, ou até mesmo de mísseis comuns anti navios, pelos tubos de torpedos. Não me expressei corretamente, em vez de mísseis de cruzeiro eu queria falar em mísseis balísticos de médio alcance, como o AGNI-II, que tem alcance de 3000km, e que os indianos pretendem criar uma versão para lançamento a partir de seus subs. Mesmo que não tenhamos artefatos nucleares. Mas para isso teríamos que rasgar o tratado que assinamos e voltar ao desenvolvimento dos nossos SS da AVIBRAS. Já que vamos ter um sub… Read more »

Primo
Visitante
Primo

Nada a ver com o tópico, mas já que o Sr Pedro falou em giroscópio, e buscando fugir dos assuntos políticos. Uma coisa que sempre leio nos fóruns e não acredito é que o programa do VLS é um ICBM disfarçado. Minhas razões baseiam-se no preço alto do VLS e nas questões técnicas extremamente complexas a serem resolvidas, dentre elas o fato de que o giroscópio (salvo engano) utilizado no VLS inicia o vôo no modo “OPEN LOOP” e depois do terceiro estágio o modo passa a ser “CLOSE LOOP”, isto é, o foguete passa a ser rastreado por radares… Read more »

Primo
Visitante
Primo

Errata – O word modificou tudo que era “GUIAGEM” (acho que este termo está fora de uso no português ou talvez nunca tenha existido) para “GUIASSEM

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Caro Pedro Rocha, Interessantes considerações, entretanto, há forte controvérsia, em primeiro lugar é verdade que conseguimos acesso a tecnologias sensíveis, principalmente para o nosso VLS, graças a assinatura do MTCR, na verdade foi uma barganha, suspendemos o desenvolvimento da linha SS de mísseis para que não sofrêssemos embargos tecnológicos da comunidade internacional e dos EUA principalmente. Não quero pertencer a uma linha belicista radical que quer ter a bomba e etc.,mas essa colocação de que temos que ser bem comportados para sermos respeitados é um pouco duvidosa. Tomemos a Índia mais uma vez como exemplo, ela não ratificou o MTCR,… Read more »

latino
Visitante

Paquistão diz que submarino nuclear indiano ameaça sul da Ásia
Publicidade
da Efe, em Nova Déli

A Marinha paquistanesa afirmou nesta segunda-feira que o novo submarino nuclear indiano é um passo rumo à desestabilização da região e um perigo para a paz e o equilíbrio no sul da Ásia, segundo um porta-voz militar.

latino
Visitante

Paquistão tambem vai querer ter uns subs nucleares em respota a India

Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Olá senhores! Senhor LeoPaiva perdoe se eu não fui claro, mas não defendo submissão e sim inteligência política e estratégica! Esse protocolo pode ser denunciado a qualquer tempo, bastando que haja uma ameaça concreta aos nossos interesses! Já possuímos a tecnologia da fabricação de artefatos nucleares, por sinal qualquer um tem acesso a ela via internet. Já fabricamos o elemento mais importante da bomba que é o combustível, porém só existem dois vetores plausíveis para lançamento desta: Aviões bombardeiros estratégicos e Mísseis balísticos lançados de terra ou submarinos! No meu ponto de vista o único bombardeiro com alguma chance de… Read more »

Sonic Wings
Visitante
Sonic Wings

Engraçado que no vídeo não vemos o POD traseiro representado nas ilustrações deste submarino. O projeto é diferente?

Azul&branco
Visitante
Azul&branco

A restrição existente no tratadon é para mísseis com cabeça de guerra acima de 450 kg. Além do Brasil, vários países assinaram este tratado como: EUA, Espanha e Koreia do Sul, o que não impediu estas nações no desenvolvimento e aquisição de mísseis de cruzeiro, arma que qualquer nação que deseja ser levada a sério está incluindo em seu arsenal. Agora, se os “estrategistas” aqui sugerem que não precisamos delas, teremos um Sub Nuclear para que? Nos defender das traineiras dos hermanos?

Dalton
Visitante
Dalton

Complementando o que o Pedro com muita propriedade expos…o mesmo é valido para o japao.

Há uma lenda de imposiçoes que os EUA criaram na Constituiçao japonesa, que na verdade, partiu dos proprios japoneses de nao terem armas ofensivas e nucleares.

O Japao tem condiçoes de fabricar armas nucleares muito mais rapidamente que nós e já há movimentaçao neste sentido, já que a
Coreia do Norte é uma ameaça.

Ou seja, é só alterar o papel, Constituiçao, assim como nós podemos alterar também, o tratado, caso haja um sentimento de ameaça no futuro.

abraços

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Pedro Rocha, Entendi o raciocínio do colega. Os tratados tem também o seu valor e a sua “boa intenção”, mas existem tratados de não proliferação de armas nucleares, contra mísseis balísticos, contra bombas de fragmentação, contra bombas de fósforo branco, contra armas químicas e biológicas, contra isso e contra aquilo, tudo o que apenas um pequeno grupo de países possui. Com esses tratados os países ricos dizem o seguinte : “Yes, we can” e “No, you can’t”. Na minha modesta opinião os tratados deveriam ser mais radicais, ou todos podem ou ninguém pode, essa de dizer que apenas nós não… Read more »

Henrique
Visitante
Henrique

Senhores,
Concordo com o comentário acima o qual cita que nada adianta construirmos um SN se não o dotarmos de armas modernas e capazes. Construir um SN para apenas lançar torpedos convencionais, na minha opinião, é jogar dinheiro fora. Se é para ter que seja em plena capacidade bélica caso contrário será mais um estorvo para sangrar os parcos recursos da MB.
Abraços.

Iuri Korolev
Visitante

Os almirantes do Brasil devem estar babando…
Mas uma nova guerra fria deve ocorrer no século XXI entre as 2 novas potências : China e India

Cantarelli1
Visitante
Cantarelli1

Alguem vio a ultima do chapolin? Chávez reitera intenção de fortalecer poder militar da Venezuela Fonte: EFE – Via: Ultimo Segundo O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, reiterou hoje a intenção de prosseguir com os planos de fortalecer o poder militar do país, através do aumento das atuais unidades de combate e da formação de outras novas. “O importante é seguir fortalecendo o poder militar da República, fortalecer a doutrina militar bolivariana, seguir fortalecendo as unidades e criando novas”, disse Chávez em um ato oficial transmitido por rádio e TV. Ontem à noite, em seu programa “Alô Presidente Teórico”, Chávez… Read more »