Home Estratégia Submarinos com preço no céu

Submarinos com preço no céu

290
92

José Meirelles Passos

vinheta-clipping-navalDesfeito o mistério que vinha sendo mantido pelo próprio Ministério da Defesa, desde fins do ano passado, sobre o preço que pretende pagar por quatro submarinos convencionais (diesel-elétricos) Skorpène, da estatal francesa DCNS, mais um casco que – daqui a 20 anos – viria a receber um reator nuclear desenvolvido pelo Brasil. Nota publicada no Diário Oficial da União (DO), na última quarta-feira, revela que cada embarcação custará um bilhão de euros (ou cerca de R$2,7 bilhões), pouco mais de duas vezes mais o valor da oferta feita anteriormente por uma empresa da Alemanha.

De acordo com a nota assinada por Alexandre Meira da Rosa, secretário-executivo da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), o pacote oferecido pelo presidente Nicolas Sarkozy custará 6,8 bilhões de euros – cerca de R$20 bilhões ou o equivalente a cerca de dois anos do programa Bolsa Família.

Daquele total, 1,8 bilhão de euros representa o custo da construção de um estaleiro e de uma base naval no litoral fluminense exigida pelo governo francês. Os restantes cinco bilhões de euros pagam as embarcações. Tratou-se de uma “operação casada” apresentada pela França: para levar os submarinos, o Brasil teria também de aceitar aquelas duas obras.

O governo do Brasil teve de concordar ainda com o fato de que elas fossem realizadas pela Odebrecht Engenharia. O que, na prática, significa que não haverá licitação a respeito, como confirmou ao GLOBO, semanas atrás, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, justificando:

– Não temos nada a ver com isso (a escolha da Odebrecht). Trata-se de um acordo entre a França e essa empresa. O pacote veio pronto.

Marinha preferia outros submarinos

Indagada a respeito dessa parceria, a empresa nada informou. Na prática, a escolha dos Skorpène significou uma repentina mudança de rumo do governo brasileiro, uma vez que o Brasil já vinha produzindo submarinos – no Arsenal da Marinha, no Rio de Janeiro – em parceria com a empresa alemã HDW. O primeiro deles foi feito na Alemanha. Outros quatro, no Brasil.

Curiosamente, aquela mesma firma apresentara, em outubro de 2007, uma proposta mais barata que a francesa: fabricar mais cinco submarinos no Brasil, além de modernizar os cinco já existentes, por um total de 2,1 bilhões de euros, sem a necessidade de se construir um novo estaleiro.

O pacote previa que apenas 53 milhões de euros fossem utilizados para expandir o estaleiro do Arsenal de Marinha. Uma carta de 25 páginas enviada pela HDW à Marinha, em 2008, detalhava a transferência de tecnologia para o Brasil. A Cofiex havia, inclusive, aprovado o financiamento de um bilhão de euros para tal operação.

Cada embarcação, portanto, sairia por cerca de 437 milhões de euros – pouco mais de duas vezes mais barata que os Skorpène que, curiosamente, o próprio governo da França e nenhum país da Organização do Tratado do Atlântico Norte utilizam.

A escolha surpreendeu inclusive a própria Marinha do Brasil que, no seu Boletim de Ordens e Notícias, número 806, de dezembro de 2006, assinado pelo então comandante daquela força, almirante Roberto de Guimarães Carvalho, se declarava “satisfeita com o desempenho dos atuais submarinos”, e com “as indiscutíveis vantagens decorrentes da manutenção de uma linha logística já existente, tanto na parte relativa ao material (construção e manutenção), como na concernente à formação do nosso pessoal”.

Segundo aquele almirante, os atuais submarinos construídos no Brasil com ajuda alemã “em diversos exercícios realizados, inclusive com marinhas da Organização do Tratado do Atlântico Norte, mostraram-se bastante eficazes”. O documento contém um trecho ainda mais significativo: “A escolha de um outro submarino, além da drástica alteração na linha logística, faria com que a nossa Força de Submarinos passasse a conviver e operar com dois tipos diferentes de meios, experiência pela qual ela já passou, e que não foi boa”.

Congresso terá de aprovar compra

A Comissão de Defesa da Câmara programou, para a próxima terça-feira, uma audiência pública em Brasília para solicitar explicações ao ministro Jobim. A presença dele, no entanto, não está garantida – embora ele tenha sido comunicado a respeito há mais de um mês. Um de seus membros, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), diz acreditar que Jobim estaria tratando de evitar dar explicações:

– Fizemos vários contatos com o Ministério da Defesa, sugerindo datas para a audiência, e assessores de Jobim sempre alegavam que ele estaria fora da cidade. Na última vez disseram que seria muito difícil ele estar disponível em agosto, e provavelmente só poderia a partir de setembro – disse Delgado, lembrando que o presidente da França, Nicolas Sarkozy, virá ao Brasil no dia 7 de setembro, com a expectativa de assinar o contrato de venda.

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, endossou a recomendação da Cofiex para que se autorize a preparação dos documentos para a compra dos submarinos, informando que, do total de 6,8 bilhões de euros, o governo poderia financiar no exterior até 4,3 bilhões de euros.

Isso significa que a carta proposta do Ministério de Defesa já foi submetida à Cofiex, que, por sua vez, verificou as informações contidas nela e deu sinal verde para que o assunto vá para o Tesouro – e, em seguida, seja encaminhado ao Congresso Nacional para aprovação.

– Uma vez aprovado ali, o contrato já poderá ser assinado – disse ontem à noite um porta-voz do Ministério do Planejamento.

Os aspectos financeiros do pacote estão sendo coordenados pelo grupo francês BNP Paribas. O empréstimo teria uma taxa de juros de 5,5% ao ano e se estenderia por 22 anos. O primeiro submarino seria entregue apenas sete anos depois da assinatura do contrato.

FONTE
: O Globo

92
Deixe um comentário

avatar
92 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
47 Comment authors
JoséAzul&brancoPapagaioalanRAF Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Don D
Visitante
Don D

De novo a mesma ladainha???

Don D
Visitante
Don D

Parece que o pessoal do Globo copiou a mesma história da folha, que falta de profissionalismo e foco, jornalistas absolutamente desinformados…

U-Boot
Visitante
U-Boot

Caros,

No mínimo estranha essa política de aquisição de submarinos e “transferência de tecnologia” do MD/MB! Entre outras coisas o pacote já vir com empreiteira pré-determinada, sem concorrência?! Um submarino com tantas suspeitas como o Scorpene sob a justificativa de adaptar um reator nuclear brasileiro em 20 anos! Sem falar no custo mais do que o dobro oferecido pela proposta alemã… e sem nenhum comentários no blog ainda?!… Vamos lá pessoal, esse negócio todo parece assutador!

Abraços

josé greff
Visitante
josé greff

Novamente as prestigiosas e “entreguistas” ORGANIZAÇÕES GLOBO chutando o pau da barraca.
Se o Brasil continuar seguindo a cartilha desta imprensa totalmente PARCIAL logo, logo, estaremos como a Argentina, no fundo do poço.

JP
Visitante
JP

parei aqui:

“…cerca de R$20 bilhões ou o equivalente a cerca de dois anos do programa Bolsa Família.”

o que os Subs tem a ver com o bolsa familia?

lixo de notícia.

Fabio Bett
Visitante
Fabio Bett

BLÁ BLÁ BLÁ DA IMPRENSA DESINFORMADA…ATÉ PARECE PRESSÃO AMERICANA PARA NÃO SEREM COMPRADOS MATERIAIS FRANCES NÉ?…DAQUI A POUCO SERÃO CONTRA MATERIAIS ISRAELENSES…

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Mto simples, ou o Executivo (Lula/Jobim) se explica ao Congresso ou veta-se a operação.
Improvável, mas necessário enquanto esses contratos não forem mto bem explicados.

jota
Visitante
jota

Acho que ficou mais caro devido à transferencia de tecnologia, eles nao vao ensinar de graça ne?

catraca
Visitante
catraca

Eu entendo do seguinte modo : 1- Se eu acompanho sites, blogs e Foruns sobre assunto de natureza militar não deveria de modo algum estranhar certos editoriais da imprensa nacional sobre determinados assuntos. 2- Quaisquer manifestação dos principais jornais do País, tipo O Globo, O Estado de São Paulo, A Folha, etc etc etc, visam unicamente obter um extra sobre tais assuntos, estes EXTRAS podem se traduzir em propaganda ou em espécie, para o próprio jornalista que transforma essas benesses, em viagens e/ou hospedagens em hoteis nas principais capitais do mundo civilizado. 3- Primeiro fere-se para só depois então procurar… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Aqui preferem malhar a imprensa livre, por levantar a “lebre”.

“…o que os Subs tem a ver com o bolsa familia?”

A noticia diz a titulo de comparação, que o custo orçado dos submarinos, equivele ao montante gasto em 2 anos do “Bolsa-Familia”.

Lixo é como isto está sendo conduzido.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…DAQUI A POUCO SERÃO CONTRA MATERIAIS ISRAELENSES…”

Se os americanos assim o fossem, vários programas da FAB já estariam parados.
Lembra do contrato israelense c/ o Chávez, p/ retrofitar os F-16 da FAV??? É bem por aí!!!

latino
Visitante

A posibilidade ainda do congresso vetar a compra ?

sobre a proposta alemã a alguma possibilidade de um casco maior para nosso sub nuclear ?

e por ultimo por que a FRANÇA não utiliza oos scorpene ?

agradesso a quem me tirar essa duvida

Edson
Visitante
Edson

Não vou entrar no mérito do valor pois esta incluido ai transferencia de tecnologia (algo não muito fácil de avaliar, pelo menos com as informações que eu disponho). Vou listar apenas 2 pontos que considero graves: 1 – Imposição de construção de bases (que não queremos) por um governo estrangeiro. Não se mantem soberano assim. 2 – O fato deste modelo não ser usado nem pela França é um péssimo sinal. No projeto FX-2 pelo menos a França utiliza os Rafales. Então estamos comprando o que? Que produto é este que nem quem vende usa? Vc compraria um carro da… Read more »

AJS
Visitante
AJS

Desde 1973, inicio do programa nuclear da Marinha, que a mesma estabelecera que o estaleiro e base para SN não ficariam na baia da Guanabará, devido segurança da população e insuficiência de calado para os SN.
Mas é pegar ou largar.

Gunter
Visitante
Gunter

JORNALISMO DE ESGOTO!

MB
Visitante
MB

Materia requentada. Dúvidas:
1) em qual DOU foi publicada a recomendação da COFIEX do sub alemâo.
2) submarinos= 2 bolsas familia = errado. O programa será desenvolvido em + de 20 anos e o bolsa familia é ANUAL!!!!.
3)Sugiro ao reporter ler as respostas da marinha que estão nesse blog.
Fui…

Joel
Visitante
Joel

1ª mentira a base naval não é exigida pelo governo frances é projeto da marinha, A Marinha ja disse isso em nota oficial, mas o jornalista não se deu ao trabalho de procurar 2ª mentira a Odebrechet é uma empresa nacional que construira estaleiro, é uma exigencia nossa que a base seja construida por uma empresa nacional. 3ª mentira os alemães NÃO TRANSFERIAM TECNOLOGIA,montavam aqui o submarno,não eram nossos parceiros tanto é que a modernização dos 209 é feita por empresa americana. Bolsa Familia é Bolsa Familia defesa é defesa, não existe base de comparação entre coisas tão distintas, se… Read more »

Patriota
Visitante
Patriota

Como se não bastasse o Janio de Freitas
Simplesmente não tem como comparar a proposta alemã com a proposta francesa , o acordo com os franceses é muito mais abrangente e envolve maior trasferencia de tecnologia , os alemães não tem experiencia na construção de submarinos nucleares alem disso podemos falar que o Brasil pode até ter MONTADO submarinos alemães no estaleiro do Arsenal de Marinha porem NÃO OS CONSTRUIU .
Segundo notas divulgadas pela MB a imprensa (lembrando que algumas destas notas foram colocadas aqui no blog)um acordo com os franceses trará muito mais vantagem para o Brasil

Don D
Visitante
Don D

Na minha opinião, creio que foi ruim a matéria mesmo. Porquê? Eu explico, eu se, no papel de um jornalista, teria que no mínimo pesquisar sobre o assunto, a fonte de informações é enorme nessa área, inclusive sem puxa saquismo, até deste blog, que procura sempre abrir as portas para esclarecer dúvidas, e me baseando nisso, pode-se achar aqui mesmo no blog a resposta para o questionamento do jornalista. Pessoal, admiro muito a capacidade industrial alemã, creio que no que se refere a submarinos convencionais, armamento leve e blindados, não tem pra ninguém, eles são os melhores. Mas eles NÂO… Read more »

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Francamente!!! não podemos nos dar o luxo de jogar dinheiro fora,vejo com preocupação quando leio que com o dinheiro gasto nos 51 helicópteros comprados da frança, poderíamos ter comprado 180 de outro fornecedor, que pelo preço de 4 submarinos poderíamos ter comprado 12 de outro fornecedor,isso é dinheiro do povo e tem que ser usado com responsabilidade, agora que a M,esta feita só nos resta é cobrar, que a “tecnologia” recebida gere frutos, como produtos nacionais, e não vire somente uma nova palavra para definir lavagem de dinheiro.

angelo
Visitante
angelo

Amigos: É melhor uma imprensa livre, do que uma amordaçada como a da Coréia do Norte, Irã e da Venezuela, mesmo dizendo bobagens. Temos de nos acostumar no Brasil a discussão, e não a imposição de idèias de iluminados. Fico a pensar, se realmente temos necessidade deste investimento, em razão de mantermos a muito esta diplomacia de avestruz. Ou seja, quando aperta a situação, nos enfiamos no buraco. Não patrulhamos os mares, não fazemos longos vôos de patrulha, e parece que esta, ao contrario de que muitos aqui pregam, não parece ser interesse de nossos governos, que por nós foram… Read more »

angelo
Visitante
angelo

Só queria esclarecer, que gostaria de ter forças armadas modernas, eficientes e com poder de ação global. Respeitada pela eficiência. Mas por ser brasileiro, fico muito desconfiado de toda a ação dos políticos.

jose carlos
Visitante

Só uma duvida o Escorpene não tem versão nuclear certo? o Brasil vai comprar e construir 04 Submarinos Escorpene e 01 Nuclear certo? esse Subnuclear seria uma versão Nuclear do ESCORPENE a ser criada?, por gentileza algum companheiro poderia me tirar essa duvida obrigado

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…é uma exigencia nossa que a base seja construida por uma empresa nacional…”

-A empresa brasileira não foi selecionada em uma concorrência, mas sim escolhida aleatóriamente pelos franceses.

“…modernização dos 209 é feita por empresa americana.”

-A modernização em questão é limitada ao sistema de controle de tiro e a introdução de um novo modelo de torpedo.
-Uma empresa alemã, tb participou desta concorrência e perdeu.

“…montavam aqui o submarno,não eram nossos parceiros…”

-Com os franceses não será diferente, somente 17% das partes e peças podem ser fornacidas pela industria nacional.

konner
Visitante
konner

É um desseviço a população.

PR
Visitante
PR

Pelo que acompanho no Blog e sites de noticiario Militar, gostaria de dizer que : Os SUB da Alemanha foram descartados pq não possuem tecnologia Nuclear, assim não ia acrescentar em nada a MB. Em relação ao Scorpene pelo que sei a India está em produção 2 desses modelos no seu estaleiro. O Chile tb comprou 2 Scorpenes. Não vejo problema algum emrelação aos SUB Francês, aki não temos a estrutura para fazer e dar manutenção aoa SUB, então acho normal construir uma nova base para os navios, além do mas quando queremos tecnologia e investimento nada sai de graça,… Read more »

Joel
Visitante
Joel

Rodrigo

Esses 180 helicopteros do outro “bondoso” fornecedor possuem capacidade para cumprir todas as atribuições distintas que a Marinha Exercito e Aeronaautica requerem.

No requerimento da Marinha, por exemplo, o helicoptero tem que ser capaz de lançar misseis AM 39 exocet, Existe transferecia de tecnologia? Geração de empregos no Brasil?

Foi o tempo que queriamos apenas compras de prateleria ou trocar equipamento militar por algodão. De que adianta termos 180 helicopteros e 12 submarinos e todos estarem nos portos/Hangares precisando de manutenção.

Abraços.

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

Não de novo não a mesma história… Vamos fazer uma vaquinha e mandar pra HDW, os coitadinhos, probres coitados. Assim como os Americanos por anos tiveram a chance de reverter sua condição de fornecedor de material bélico ao Brasil para parceiro estratégico e nada fizeram e agora qdo. tudo parece estar mudando, não reconhecem isso e choram e como choram. É obviu, claro, que temos que acompanhar de perto estes gastos, contratos, e efitivação do que se proprõe, mas pessoal o Brasil queira a Alemanha ou os Estados Unidos está mudando, mudando seu papel Mundial, entendam isso por favor. Não… Read more »

Joel
Visitante
Joel

Mauricio R.

Realmente é muito estranho que a maior empreiteira do brasil tenha sido escolhida para contruir o estaleiro,e não a empresa fantasma de algum senador, isso deve significar que o projeto tem condições de sair do papel.

Quanto a construção a trasnferencia de tecnologia vem depois de aprendermos não antes,se ja possuissemos capacidade de montar mais do que 17% do submarino creio que NÃO HAVERIA NECESSIDADE de transferir tecnologia, alias isso prova que com os alemães como parceiros não aprendemos muita coisa.

Abraços

Iuri Korolev
Visitante

Pessoal
Parem de falar mal da imprensa ; em um país democrático ela é livre e veicula o que quiser. Temos ainda um ranço da ditadura, pois fomos criados durante ela.
O que devemos fazer é ficar atentos contra falcatruas com dinheiro público, coisa “pouco” comum neste país…
Abs

AJS
Visitante
AJS

A opinião do ex-comandante da MB, certamente estava inserida num contexto, e hoje, talvez, fosse outra.
Em todas as áreas, não só na militar, são observadas constantemente opiniões divergentes, isso, é comum ao ser humano.
Dentro do contexto mais recente, o comandante da MB, avaliou diferentemente, não vejo nade de errado nisso.
Vejo sim, uma tentativa concreta de acelerar o programa do SN, objetivando chegar à sua conclusão.
Certamente, após o primeiro produzido, virão outros.
Abs.

Capitão
Visitante
Capitão

Lobby puro.
A MB já expalhou respostas a todas as indagações feitas nesta reportagem. Isso é pressão alemã e norte-americana. Fomos avisados de que existira.
O governo tem maioria. Aprova.
Abs!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Qnto aos helos franceses:

“Existe transferecia de tecnologia?”

-Não, pois será somente montado no Brasil, c/ kits previamente industrializados na França.
-Aliás como de costume no modelo de negócios da Eurocopter no Brasil.

“Geração de empregos no Brasil?”

-Mínima, pois continuaremos a montar kits CKD.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…que a maior empreiteira do brasil tenha sido escolhida para contruir o estaleiro…” -Se é a maior ou a melhor, não tem nada a ver, o que está em discussão é que a DCNS não é nada e nem ninguem, p/ decidir isto no lugar da legislação brasileira. -Alem do que essa dita “maior empreiteira do Brasil”, não fica nada a dever “a empresa fantasma de algum senador”, no quesito escandalos e maracutaias. “Quanto a construção a trasnferencia de tecnologia vem depois de aprendermos não antes…” -Vem antes, senão qual a serventia, criar e manter empregos na França???? “…alias isso… Read more »

Alexandre Galante
Visitante

Os Scorpène que estão sendo propostos não terão índice de nacionalização superior ao que alcançamos com os IKL-209, também serão montados aqui com kits que virão da França. No final, trocaremos 6 por meia dúzia, duplicando as necessidades logísticas a de treinamento a longo prazo. Até os Scorpène entrarem em serviço, os IKL-209 serão tudo o que temos em matéria de submarinos. E detalhe: nada no Scorpène ajudará na tecnicamente na questão do submarino nuclear. Como já dissemos aqui e mostramos em corte seccional, o Scorpène não tem nada a ver internamente com um submarino nuclear. Sua semelhança está somente… Read more »

Edson
Visitante
Edson

Quem quer dominar tecnologia não compra, ou ele Rouba ou Desenvolve.
Ninguem vai realmente vender o pulo do gato.
Nem a Russia, nem os EUA, nem A frança e nem ninguem…
Conhecimento é poder.
Podemos comprar algumas tecnologias para queimar etapas mas o filé sempre terá que ser desenvolvido pelo próprio pais.

É a vida…gostemos ou não.

Abraços,

Edson

Alexandre Galante
Visitante

Só para concluir: muitos esquecem o atual estado da nossa Esquadra quando se pretende gastar bilhões de euros sem questionar.

Somos nós os contribuintes que pagaremos, esses submarinos serão de todos os brasileiros, por isso devemos cobrar.

A Esquadra hoje sofre de obsolecência em bloco, temos um NAe sem aviões, escoltas velhas e sem armamento e sensores no estado-da-arte. Nossa Marinha sofre todo o tipo de restrições orçamentárias há anos, que afetam a disponibilidade dos navios e aeronaves.

E tem gente que acha normal e natural gastar-se 6,7 bilhões de euros em submarinos, alegando-se que no final teremos nosso primeiro submarino nuclear…

Robson Br
Visitante
Robson Br

“interessante é sempre o foco do blog sobre esse assunto”

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…e no pacote temos os Scorpénes, que não podemos dizer que não são bons só pq a OTAN não os utiliza,…” -Até aí a própria França não os opera e a diminuta participação de seus construtores no mercado, não encoraja tal empreitada. -O uso e a operação de um sistema de armas pelo seu pais de origem, sancionam seu desempenho, manutenção e desenvolvímento. “…para exmplo a OTAN não utiliza o MERKAVA, e nem por isso ele deixa de ser uma excelente máquina, certo?” -Não necessariamente, pois o Merkava é resultado de condições e necessidades particulares ao Exécito de Israel e… Read more »

RAF
Visitante
RAF

Acho que a França está dando um golpe ao Brasil e nos lesando, com seus equipamentos carissimos e não tão comprovados. Mas claro temos um ministro “apaixonado”, fazer o quê?

Rinaldo
Visitante
Rinaldo

Droga de sub alemão, que venha a tecnologia francesa.

CHEGA DE COMPRA DE PRATELEIRA!!!!!!!!

Se tem algum alemão postando aki xauuu

Pampa
Visitante
Pampa

Pois é, a mesma tática de sempre.
Vamos misturar butiás e bergamotas e meter o pau, apenas por meter.
E o site, com uma tendência clara pró alemanha, e contra os franceses.
Nem vale a pena comentar…. me retiro.
[]s

Azul&branco
Visitante
Azul&branco

Pois é, venda casada, imposição de empresas, preços astronômicos e ninguém reclama dos nossos amigos franceses. Ainda, o Sr jobim embroma em se apresentar ao congresso para explicar estas e outras possíveis imposições dos nada confiáveis “gauleses”.

joel
Visitante
joel

Realmente os scorpene não terão um indicie de nacionalização superior mas GRAÇAS A ELES poderemos criar a massa critica necessaria à construção de submarinos brasileiros, coisa que NÃO OCORREU COM os alemães, não adianta, os fatos demonstram que os Alemães não TRANSFERIRAM tecnologia.

Não vi nenhuma ação por parte de outra empreiteira alegando que foi alijada do processo é uma parceiria entre 2 empresas privadas o que há de errado com isso? Alias nunca ocorreu licitação fraudulenta por aqui.

Abraços.

Jonas Rafael
Visitante
Jonas Rafael

De novo essa história? Depois dos comunicados oficiais da Marinha os caras continuam a propagar mentiras ao seu bel prazer? Se querem questionar a preferência pela Oderbrecht tudo bem, mas continuar a insistir que a criação da nova base foi imposição dos franceses? mesmo depois de ter recebido um anota oficial da Marinha sobre o assunto? Ou será que o Globo não circula essas notas entre seus jornalistas? Longe de mim querer um imprensa amarrada, mas não é quase um caso pra processo isso?

Flavio
Visitante
Flavio

Bom, se o indice de nacionalização é de apenas 17º, fica difícil aceitar. Que tecnologias os franceses transferirão?? Sistema de controle de tiro? Usinagem dos cascos?? Quais sistemas?? Quais sensores?? Acho que temos que nos preocupar sim, com esta compra. Ta certo que a reportagem ta cheia de erros, como por exemplo, a suposta imposição com relação as bases. Ora, todos estamos carecas de saber que as bases são necessidades da MB, e não imposição. Outra coisa, comparar defesa nacional com assistencialismo barato e eleitoreiro do bolsa familia é dose. Temos que controlar bem os gastos com estes submarinos. Acho… Read more »

joel
Visitante
joel

Concordo plenamente seria muito mais util se a materia fosse à respeito da proposta de transferecia de tecnologia, quais empresas absorverão, tal qual ocorreu com a dassault que liberou a informação no processo do FX 2

link http://www.alide.com.br/joomla/index.php/component/content/article/36-noticias/512-dassault-abre-detalhes-de-sua-proposta-de-transferencia-de-tecnologia

O resto é choro de perdedor na imprensa marrom.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Alias nunca ocorreu licitação fraudulenta por aqui.”

-Não é por isso que tem que continuar ocorrendo.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…comparar defesa nacional com assistencialismo barato e eleitoreiro do bolsa familia é dose.”

O que está sendo comparado, são os montantes dos valores envolvídos.

Marco Antonio Lins
Visitante

Srs.( pela primeira vez perdi a paciencia) Alguem esta mentindo! No ultimo pronunciamento feito pela MB foi favoravel ao Scorpene devido o sua configuração que se adaptava ao Reator contruido por nossa marinha. Falou que o Chile esta satisfeita com o Scorpene.A transferencia tecnologica que a França nos dar é superior a qualquer outra. E não venha estes politicos e jornalista ,que nada sabe desta area, por influencias e quem não querem que este pais seja um pais . E que falaram tanto da Bolsa Familia, agora venha fazer comparações!E como foi feliz o Sr. Joel, Defesa é Defesa,Bolsa familia… Read more »