Home Noticiário Internacional Enquanto isso, em outro BRIC…

Enquanto isso, em outro BRIC…

208
27

 

INS Kochi

A segunda de três escoltas “stealth” indianas do Project 15-A foi lançada ao mar no dia 18 de setembro. O navio de 6.800t, batizado INS Kochi, foi construído nos estaleiros Mazagon em Mumbai. Projetado pelo Directorate of Naval Design, o navio é uma evolução da classe “Delhi”.

O navio, cujo design stealth o fará menos vulnerável ao ataque de mísseis, será equipado com sistemas se armas no estado-da-arte, incluindo o míssil supersônico BrahMos, o míssil LRSAM (Long Range Surface-to-Air Missile) e um sistema de radar 3D phased array MFStar.

O INS Kochi será equipado com sistemas CIWS AK-630 com canhões de tiro rápido e um canhão de médio calibre. O navio também será equipado com lançadores de torpedos e foguetes anti-submarino, um sonar de casco NPOL indiano Humsa-NG e vai operar dois helicópteros anti-submarino.

Complexidade de projeto

P-15A_Kolkata_class_construction

O progresso na construção da classe “Kolkata” Project 15A de destróieres de mísseis guiados (DDG) tem sido lento e o custo dos três navios gira em torno de Rs84,59 bilhões. O projeto foi aprovado em 2000 e o primeiro navio de 6.800t só deverá entrar em serviço em 2012. Mais três navios deverão ser construídos com a designação Project 15B e sete fragatas (FFG) do Project 17A.

O trabalho nos Project 15A foi atrasado por causa da demora na finalização do projeto e na entrega dos sensores e armas russos. O estaleiro russo Baltisky Zavod Shipyard também demorou na entrega dos eixos e dos propulsores (ao custo de US$ 20 milhões para cada navio).

A primeira entrega ocorreu em 2005, a segunda será em 2009 e a terceira em 2010. Além disso, foi necessário refazer parte do projeto com os navios já em construção por causa de mudanças de vários itens.

Também houve atraso na entrega de motores diesel para os navios, porque os fabricantes Wartsila, SEMT Pielstick, Caterpillar, MTU e MAN estão com sua produção comprometida até 2013.

Cada Project 15 será equipado com propulsão COGAG, com quatro turbinas a gás DT-59 da Ukrainian Zorya Production Association produzindo 64.000hp, para dois propulsores de passo controlável com duas caixas de engrenagens redutoras.

Também serão instalados dois motores diesel Bergen/Garden Reach Shipbuilding & Engineering-built KVM de 9,900hp. A energia a bordo é produzida por quatro geradores Wartsila WCM-1000 de 1mWe, com motores Cummins KTA50G3 e geradores Kirloskar 1MV AC.

Os DDG Project 15A têm comprimento de 163m e boca de 17,4m. O armamento será composto de duas células verticais para 48 mísseis Barak-2 com alcance de 70km, duas células para 32 mísseis Barak-1, 16 mísseis BrahMos lançados verticalmente e um canhão Arsenal A-190E de 100mm.

Os principais sensores serão o sonar de casco panorâmico Humsa-NG desenvolvido locamente pela DRDO e BEL e um sonar rebocado de baixa-frequência ainda a ser selecionado entre o EDO ALOFTS, THALES’ Captas-Nano, ATLAS Elektronik’s ACTAS e o L-3 Ocean Systems LFTAS.

Os DDGs serão equipados com um radar 3D active phased-array ELTA EL/M-2248 MF-STAR multifunção e um radar EL/M-2238 L-band STAR para busca em baixas e médias altitudes. Haverá uma sistema de contramedidades ELBIT Systems Deseaver.

A integração e controle dos sistemas de armas e sensores será feita pelo (IPMS – integrated platform management system) L-3 MAPPS canadense, enquanto o sistema de combate será o Electronic Modular Command & Control Applications (EMCCA Mk4), o sistema de comunicações CCS Mk4 e um sistema de banda larga de integração de dados baseado em ATM.

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Elizabeth
Elizabeth
10 anos atrás

Ola Bruno, Eu discordo no que diz respeito a Embraer, ao chamá-la de “meramente uma montadora privada”. Ela é uma empresa de classe mundial, com uma capacidade única de enxergar nichos de mercado e posicionar seus produtos de maneira vantajosa. Domina todo o ciclo de analise de mercado, pré projeto, projeto, desenvolvimento, construção, homologação e comercialização e pós venda de aeronaves nos segmentos em que atua. Desenvolve modelos de negócios e gerencia cadeias de fornecimento que a torna viável em P&D mesmo com faturamento significativamente menor do que as maiores industrias mundiais de construção aeronáutica. Obviamente a Embraer não tem… Read more »

corsario01
corsario01
10 anos atrás

Só sei que tá brabo torcer pra time de 2ª divisão!Affff!

CorsarioDF
CorsarioDF
10 anos atrás

Muito bom esse projeto, apesar das dificuldades encontradas, vai proporcionar um grande salto tecnológico a marinha indiana.
URUTAU, você está corretíssimo.

Sds.

URUTAU
URUTAU
10 anos atrás

Carissima Elizabeth

Se me permite a brincadeira menina és uma verdadeira enciclopédia naval travestida em menina rsrsrsrsrs
Espero que não a tenha ofendido de alguma forma menina caso o tenha as minhas ja antecipadas escusas
Mas que realmente deleite e admiração o seu conhecimento sobre o assunto ahhh isto causa rsrsrsrs

Forte abraço menina

URUTAU
URUTAU
10 anos atrás

Elizabeth

Onde se lê realmente deleite leia-se realmente causa deleite
Foi a emoção entende rsrsrs ???

Forte abraço menina

URUTAU
URUTAU
10 anos atrás

Carissima Elizabeth E outra coisinha mais relacionada com aquilo que ambos ressaltamos sobre contas bancarias em paraisos fiscais Essa matéria deve estar saindo hoje nos jornais tupiniquins Três convênios no valor de R$ 26 milhões da Petrobras com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), celebrados entre 2004 e 2007, estão sob suspeita, segundo relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) concluído anteontem. A auditoria levanta ainda problemas graves em mais 26 contratos com outras entidades. Gerentes: escolha de patrocínio da estatal é transparente A documentação já chegou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga a estatal.… Read more »

Henrique Sousa
Henrique Sousa
10 anos atrás

Aparentemente e provavelmente um poderoso navio. Mas….fico um pouco cabreiro com as comparações: a China tem e o Brasil não tem, a Índia consegue e o Brasil não, a Rússia pode e o Brasil não, todos os BRICs tem menos o Brasil. Um tempo atrás uma frase em voga era: Nem tudo que é bom para os EUA é bom para o Brasil. Estava certa, e acho que se aplica para este caso tb: Nem tudo que é bom para os BRICs e bom para o Brasil. Não precisamos nem devemos reinventar a roda, mas o Brasil tem suas particularidades.… Read more »

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
10 anos atrás

Ficou uma embarcação um tanto longa, né não. Isto não vai ser custoso de operar?

Celio Andrade
Celio Andrade
10 anos atrás

Alguem viu o JN de ontem?
a fome e doença dos indioos? se tivessemos uma politica seria nas forças armadas, com equipamentos e recursos, um helicoptero do exercito ia nesse local com medicos, medicamentos e comida e salvava os indios..mas o que eles querem e projetos milionários da FUNASA e da FUNAI para roubarem os 10 %.
Enqunato o Brasil não se der conta que tem que ter forças armadas não só para combate militar , mas sim tb para combater a desigualdade e a anarquia não sairemos do lugar.

Jonas Rafael
Jonas Rafael
10 anos atrás

Mas que colcha de retalhos juntar ess emonte de equipamentos de tudo que é nacionalidade! Agora que o poder de fogo do navio impressiona…

eduardo
eduardo
10 anos atrás

Elizabeth,
Muito obrigado pelos esclarecimentos. Li a notícia com mais cuidado e vi que esses navios terão quatro turbinas a gás, modelos DT-59 da Ukrainian Zorya Production Association e dois motores diesel, modelos Bergen/Garden Reach Shipbuilding & Engineering-built KVM.

Nesse caso o modelo de propulsão adotado será CODOG ou CODAG, correto?

Um abraço

Bruno Rocha
Bruno Rocha
10 anos atrás

camberiu em 22 Set, 2009 às 20:31

Você citou a Índia meu caro.
Agora vamos ao Brasil.

Um país que está desde os tempos de Moises construindo um subnuc com um “motor” suspeito.
Com um porta aviões de lascar
Com caças com mais de 40 anos.
Com uma empresa que é a terceira “fabricantes” de jatos no mundo, a Embraer (que é meramente uma montadora privada).
Em fim, qualquer coisa que venha de lá, é melhor do que é feito aqui.

gaspar
gaspar
10 anos atrás

la eles vivem em clima de tensao com o Pakistao…
aqui vivemos clima de tensao com os bandidos, politicos… e nao com paises vizinhos…

ARC
ARC
10 anos atrás

A Índia sofre de problemas parecidos com o Brasil, mas como o Urutau falou os políticos lá, mesmo com corrupção sabem da necessidade de ter politicas de estado, enquanto no Brasil os nossos políticos estão preocupados com a (re)eleição

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
10 anos atrás

Vejam o filme “QUEM QUER SER UM MILIONÁRIO” para conhecer a Índia verdadeira. Eu não tenho nenhuma inveja daquilo lá. Tudo bem que eles investem muito em defesa, até porque o paquistão também, mas é desproporcional os gastos em relação à miséria do povo ou das castas, tá maluco!!!

Enquanto isso, a MB quer dar um salto mas os nosso parlamentares estão mais preocupados em “quanto eu vou levar neste tal de PROSUB?”

Sds,

lucas lasota
lucas lasota
10 anos atrás

Esse navio é tudo de bom!

Luciano
Luciano
10 anos atrás

é, só que o povão lá não deve tá em ótimas condições

Flavio
Flavio
10 anos atrás

Luciano, os daqui, tbm não.

vide favelas rio, sao paulo…periferia das capitas…sertao do nordeste…

URUTAU
URUTAU
10 anos atrás

Senhor camberiu

Sim este é outro BRIC alias BRIC este que caso fossemos vizinhos e novamente caso houvesse entre nós um coflito armado não teriamos quase nenhuma chance de vencermos este outro BRIC caro amigo

Obs e como bem colocou a amiga Elizabeth e eu tambem ja o fiz por diversas e inumeras vezes em outros posts enquanto isto na Sala de Justiça opa erro enquanto isto nos paraisos fiscais determinadas contas de origem sulamericanas crescem crescem crescem crescem sem parar

Forte abraço a todos

Forte abraço

Baschera
Baschera
10 anos atrás

É este que está pagando mesmo, a Índia. Problema deles.

Já outro BRIC…… sem comentários. Mas o $$$$$$ do políticos está garantido. Mas, sol, chuva, enchente, seca, tufão, alagamento, crime na favela, na orla, no centro, no condomínio, no metrô, no sinal de trânsito, na pt que par…… não importa, nem se morre índio, índia, criança, velho….. o que importa é suas verbas de apadrinhamento que ninguém além deles sabem aonde vão parar e seus “salários”. O poder está podre…..

Sds.

Elizabeth
Elizabeth
10 anos atrás

Ola Eduardo A idéia por de trás de sistemas COGAG ou COGOG é baseada em 2 regras de engenharia. A primeira é que a potencia necessária para levar um navio (ou automóvel ou aeronave) de uma velocidade X para Y não é linear e sim cúbica. Em outros termos para se dobrar a velocidade é necessário aumentar em 8 vezes a potencia. Assim um navio a 30 nós como uma Type-22 vai precisar de “Full Power” (54.000 Shp) de suas turbinas principais. Já para navegar a 15 nós (metade da velocidade) vai precisar de apenas 1/8 da sua potencia ou… Read more »

camberiu
camberiu
10 anos atrás

So’ para confirmar, esse e’ o mesmou “outro BRIC” que colocou um submarino nucklear no mar sem o reator? O mesmo que esta pagando bilhoes de dolares por um porta-avioes russo usado? O mesmo que esta sem avioes para o porta-avies Viraat? O mesmo que perdeu quase todos os seus Sea Harriers devido a acidentes?

Ah ta’ bom, so’ queria ter certeza mesmo.

URUTAU
URUTAU
10 anos atrás

Caros senhores

A grande diferença é que la existe algo denominado POLITICA DE ESTADO enquanto aqui existe algo denominado POLITICO SAFADO entenderam a diferença senhores ???

SDS Senhores

Marcos T.
Marcos T.
10 anos atrás

Elizabeth
To realmente impressionado pelo seu nivel de conhecimento, não só sobre meios navais, como aéreos também.
Mais impressionado pelo fato de você ser mulher. Não me interprete mal, más até então esse blog aqui tem sido um verdadeiro clube do bolinha…
Parabéns e continue postando, gosto muito de ler seus posts de altissimo nivel.

Elizabeth
Elizabeth
10 anos atrás

Navios belíssimos. A Índia coloca em seus navios turbinas ucranianas, radares e misseis de Israel, sonar americano, sistema de controle de dados táticos canadense, CIWS e misseis anti submarinos russos. Coloca também parte de tecnologia russa em misseis anti navio e constrói um navio “made in world”. Não há alternativa para nenhum pais que não EUA hoje construir um navio totalmente local, até a Rússia já esta reconhecendo que um navio totalmente russo hoje seria um navio alguns anos defasado. Agora existe uma coisa, na alma deste projeto, que é “Made in Índia” e isto é que conta no final.… Read more »

eduardo
eduardo
10 anos atrás

Alguém podia me explicar. Se a propulsão é COGAG (Combined Gas and Gas) porque houve problemas com os fornecedores de motores a diesel? Esse modelo de propulsão não é baseado apenas em turbinas?

Lerner
Lerner
10 anos atrás

Tem uns iludidos aí que acham que na ìndia os projetos de defesa saem as mil maravilhas, e que não geram nenhum tipo de depósito em paraísos fiscais. É muita fé na classe política estrangeira. De qualquer forma, se a Índia se destaca nesse quesito, é porque a defesa lá é prioridade não por se tratar de “projeto de Estado”, e sim “projeto de sobrevivência”, pois enfrenta a tensão com o Paquistão, e está na parte do mundo que não é lembrada exatamente pela estabilida da paz, cheia de questões mal resolvidas desde os tempos de moisés, já que estamos… Read more »