Home Noticiário Internacional SINKEX na RIMPAC 2010

SINKEX na RIMPAC 2010

299
15

Na foto acima, a fragata australiana HMAS Warramunga da classe “Anzac” dispara um míssil antinavio Harpoon Block II, contra o casco do Ex-USS New Orleans (LPH 11), visto nas fotos abaixo sendo alvejado posteriormente por fogo de artilharia. Uma aeronave AP-3C Orion da RAAF também disparou um Harpoon contra o mesmo alvo.

O exercício RIMPAC 2010 começou no dia 23 de junho, com a participação de 14 nações e 32 navios, 5 submarinos, mais de 170 aeronaves e 20 mil militares, a partir do Havaí.

Participam da edição 2010 as marinhas da Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, França, Indonésia, Japão, Malásia, Holanda, Peru, República da Coreia, Singapura, Tailândia e Estados Unidos .

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ozawa
Ozawa
9 anos atrás

Em que pese a discutível utilidade desses exercícios, tiros reais em um casco inerte…, mais parecendo uma sanha desmedida de marinheiros por realizarem aquilo que treinaram a vida toda e, em “tempos de paz”, acabam passando por ela sem ao menos uma prova real…, é doloroso ver uma belonave ter esse fim… Chega a ser uma profanação com o navio e seus ex-tripulantes, a quem aquele casco é mais que uma simples massa inerte. Foi a casa de muitos por longos anos, em que viram todas as suas experiências de vida… Repito, tenho minhas sinceras dúvidas na utilidade prática desses… Read more »

Ozawa
Ozawa
9 anos atrás

Passada sua vida útil, é mais respeitoso abrir seus lastros e deixá-lo afundar, com as honras de estilo…

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Estes exercicios na verdade são vitais e permitem que o navio já devidamente e honrosamente descomissionado preste um ultimo serviço ao seu país, assegurando aos homens e mulheres que irão tripular novos navios em meio hostil uma melhor compreensão de como lutar.

Penso nestes navios como cadaveres, que terão orgãos removidos
com o intuito de beneficiar outros seres humanos através da doação de orgãos.

Apenas alaga-los e deixa-los afundar é um desperdicio…muitos estão sendo afundados até para criarem recifes artificiais.

Fernando de Noronha
Fernando de Noronha
9 anos atrás

Isso mesmo Dalton ! Tem razão !

Além disso, mais cedo ou tarde a munição tem que ser usado, se não vai ser jogado ao mar como toneladas de munição vencida. Pois sai mais barato do que reciclar ou desmontar por especialistas em terra.

Leandro Requena
Leandro Requena
9 anos atrás

Acho mais nobre ele ser afundado prestando esse tipo de serviço a marinha a qual serviu durante anos, do que ser vendido como sucata.

Mas essa é só minha opinião. Respeito quem pensa o contrário.

Procurando na web achei um site sobre o navio.

Lá tem essas fotos e uma matéria sobre o que eles chamam de EPITÁFIO do navio. Muito interessante.

http://www.lph11.com/

Callia
Callia
9 anos atrás

Osawa.

Concordo plenamente.

O Unico fim digno à um navio é o reposo eterno no leito do mar.

Ricardo Pinto
9 anos atrás

PQP

Nós precisando de um Porta-Helicoptero e eles afundando um em exercicio :/

É f$%#% ser “pobre” viu h ha h ahh a

[ ]´s

MVMB
MVMB
9 anos atrás

R.I.P.

MatheusTS
MatheusTS
9 anos atrás

Bem pelo menos esse não foi sucateado.
Mais como o amigo Ozawa ali em cima eu tambem não gosto que façam isso com um navio desse tipo eu acho que não aguentaria velo afundar desse geito mais faser oque ele que da informações a futuros Navios para maior segurança.
Agora qeria comentar da 2 foto se vocês verem a camera conseguiu pegar a bala do canhão bela foto essa

E outra coisa seria bom a MB estar ai é um otimo exercicio mais ela deve estar se preparando para o do pré-sal….

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Vi uma reportagem onde mergulhadores visitaram navios que afundaram por diversos motivos e que se tornam santuários da vida animal. Abrigam diversos peixes e outras criaturas que protegidos de predadores, pescadores podem procriar e garantir a sobrevivência de várias espécies.

A própria Natureza se encarrega de incorporar aos seus domínios.

Walfredo
Walfredo
9 anos atrás

Acho um absurdo esses exercícios!

Primeiro, porque o mar não é lixeira de ninguém!

Segundo, por respeito a todos que viveram e trabalharam no navio.

Terceiro, porque o casco pode ser reciclado, evitando-se maiores danos ambientais e econômicos.

Quarto, porque o exercício seria melhor se praticado contra um alvo menor e mais rápido, como uma lancha teleguiada.

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Walfredo… os navios afundados em SINKEX são preparados para tal e afundados respeitando-se profundidade e distancia da costa mais proxima, em suma, não prejudicam o ambiente. O numero de navios afundados em SINKEX nos ultimos anos cabe nos dedos de uma mão…do jeito que escrevem aqui parece que toda semana um é afundado…na verdade é uma oportunidade rara ! Quanto ao respeito aos que viveram e trabalharam no navio, é impossivel transformar todos em museus, alguns estão mal das pernas nos EUA hoje em dia , e quanto a recicla-los não seria uma falta de respeito aos tripulantes também então?… Read more »

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Materiais potencialmente tóxicos são retirados dos navios antes de serem afundados. A massa de aço não prejudica o meio ambiente, pelo contrário. Navios são afundados de propósito.
Essa história de todo navio ser preservado em respeito aos marinheiros é bem complicada. Vai faltar espaço nos oceanos.
Já imaginaram se todo prédio não puder ser demolido em memória aos pedreiros, hospitais em respeito aos enfermeiros e médicos, etc.
Menos né pessoal….

Sabre
Sabre
9 anos atrás

Bosco, acabei de dar uma resposta igual a sua em relação ao esmo assunto num poster posterior , que bom temos a mesma visão!

Capitão Ahab
Capitão Ahab
9 anos atrás

Caros Amigos

Concordo plenamente com o Dalton e Fernando de Noronha.

Como última contribuição de sua vida útil, é serem empregados como alvos de exercícios. Além do que foi colocado, estes exercícos servem para avaliar o nível de aprestamento das tripulações, desempenho de armamentos, que de outra forma são avaliados só em ensaios de laboratório, além da tecnologia empregada nas unidades afundadas, quando de sua concepção.