Home Aviação Naval Bons tempos da Aviação Naval na Austrália

Bons tempos da Aviação Naval na Austrália

257
23

Nas fotos, o HMAS Melbourne, antes e depois da modernização, com diferentes grupos aéreos.

A Austrália não opera mais navios-aeródromo e decidiu operar apenas aviões de ataque baseados em terra. O navio de 20.000t, da classe “Majestic” (irmã da “Colossus”, do nosso NAeL Minas Gerais), operou de 1955 a 1982.

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros temas navais no ‘Xat’ do Poder Naval, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

O Tracker da foto é um dos que a MB adquiriu na “operação cata bagulho”???

Fábio
Fábio
9 anos atrás

Quase 30 anos depois nossa Marinha viverá um momento parecido com nossos A-4 e os recém comprados C-1 Tracers. Isso mostra o quão atrasada está nossa força.

Dunga
Dunga
9 anos atrás

Mais uma epoca perdida!!!

O brasil perdeu tempo com brigas entre governo federal, aeronautica e outros que queriam mandar na Marinha o tempo todo…
Tinhamos um porta avioes iqual…
Poderiamos ter tido uma situação assim o A 11 – “Minas Gerais” com caças A 4, S2 Trackers, avioes de treinamento e ate avioes de alarme antecipado com os da foto…

Ja estamos perdendo tempo com o A12 – Sao Paulo tambem, mas desta vez com os recursos negados pelo governo federal para a Marinha…

Galileu
Galileu
9 anos atrás

A Marinha Australiana caiu na “real” e optou por aeronaves sediadas em terra, não cometeu o mesmo erro da nossa, que está pagando caro por isso.

Estamos defasados uns 30 anos, uma imagem vale mais que mil palavras!

Fábio
Fábio
9 anos atrás

Está mais do que provado que nossa Marinha não tem condições de manter um porta-aviões, temos um só por estatus.
A Marinha do Brasil devia investir mais em navios pequenos e furtivos para defesa de costa e em submarinos.
Quem puder leia ou veja vídeos sobre o patrulha finlandês “Hamina” e a corveta sueca “Visby”.

Antonio
Antonio
9 anos atrás

Alguém poderia informar, por gentileza, que avião é aquele pousando no NAe (terceirta foto).

Grato.

Vinicius Kober
Vinicius Kober
9 anos atrás

Antonio disse:
14 de agosto de 2010 às 16:36

Alguém poderia informar, por gentileza, que avião é aquele pousando no NAe (terceirta foto).

É o Fairey Gannet.

http://en.wikipedia.org/wiki/Fairey_Gannet

MVMB
MVMB
9 anos atrás

Isso pq os australianos são “burros” e tb não contam com o apradinhamento, facilidades e recursos do Reino Unido.

Nós. Brazucas “IXPERTOS” fingimos ter aviação embarcada para gastar muito mal os poucos recursos que temos – financeiros e humanos.

Marcelo
Marcelo
9 anos atrás

Visby para litoral do Brasil??? Só se forem umas 1000 ! Eu hein…

Fábio
Fábio
9 anos atrás

Marcelo, não me referi a Visby como navio que a marinha deveria adquirir, mesmo porque essa arma nao nos é acessível.
Me referi a Visby como exemplo de navio que a marinha deveria investir, pequeno e furtivo. E quanto mais navios melhor, claro.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“Quem puder leia ou veja vídeos sobre o patrulha finlandês “Hamina” e a corveta sueca “Visby”.”

Não podem, não são franceses.
Somente pode aquela sucata de navio patrulha de 500 ton., que a própria “Marine Nationale” está relegando ao maçarico.
A ferramenta de corte, não o pássaro, bem entendido.

Ricardo
9 anos atrás

Criticas e mais criticas,

O Povo so é feliz criticando ou metendo o pau e com ideias que tambem não atendem a MB…

Até quando ?

“Façam melhor”

Porque ai povo que critica não se candidata a um posto de governo que tenha poder de decisão e não muda tudo ? Não é mais facil ? Ou não querem ter trabalho ?

Duvida cruel nê.

Cesar
Cesar
9 anos atrás

Caros, saudações Concordo com os que entendem que perdemos muito tempo sim, e continuamos perdendo, em grande parte, por rivalidades internas inaceitáveis, e, como sempre, por falta de visão e responsabilidade dos políticos. Sem falar que a entrada da MB na era dos NAes, dizem, teria sido compensação por desgaste político nos anos 50… Mas há que se colocar uns pingos nos ‘i’s” quanto a meios. Brasil e Austrália, por mais que sejam diferentes – e como são!, têm similaridades muito interessantes quanto a tamanho, aspirações e maritimidade. No meu humilde entender, a melhor resposta para os que criticam a… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“…mais os 6 subs pesados Collins.”

Cuidado c/ esse exemplo, esses submarinos são uma fonte recorrente de problemas p/ a RAN.
De falta de contingente p/ a tripulação, a dificuldades c/ a manutenção, já aconteceu de tdo.

Problemas da classe Collins:

(http://www.defenseindustrydaily.com/Australias-Submarine-Program-In-the-Dock-06127/)

O projeto dos sucessores:

(http://www.defenseindustrydaily.com/Australias-Next-Generation-Submarines-05917/)

Fernando Sinzato
Fernando Sinzato
9 anos atrás

Uma idéia que me facisna e muito, é a de porta aviões ligeiros, menores mais fáceis e baratos de se manter, porém, com adição de novas tecnologias e conceitos. Gosto do conceito do Cavour italiano, e imaginaria com adição de catapulta magnética e operação com caças leves (tipo Tejas) e turbohélices para operações tipo COIN e Trackers, para marinhas de baixo orçamento e grande extensão de mar territorial como o da Austrália. O P.A. de “entrada”. Ou com Harriers modernizados + caça naval leve ou médio + Trackers ou seu substituto, para marinhas com orçamento mais equilibrado (Índia, Brasil, Rússia)… Read more »

Fernando Sinzato
Fernando Sinzato
9 anos atrás

“orçamento mais equilibrado” = se espera

celso
celso
9 anos atrás

Colegas ,pelo andar da carroagen ,dificilmente saira esse Fx ,da Fab acredito mais em na compra do Tejas ,para as duas Forças,Mb e Fab,e mais barato de manter e novo e as duas Naçoes ja estam com bem familiarizadas ,para o mesmo proposito

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Mais uma nação que joga fora seu futuro…tudo o que ela investiu, perdeu…políticos que nunca subiram num navio(exceto para cruzeiros de festas…) decidiram o rumo da Força…
A Australia é uma ilha. Isso todo mundo sabe. Bloqueia-a e terás derrotada. A Australia é o típico exemplo de nação que não pode se privar da projeção de Poder sobre o mar…
mas…burros lá…burros aqui…

“carroagen” é dose…

Tomcat
Tomcat
9 anos atrás

É impressão minha ou o HMAS Melbourne não tinha convés em ângulo?

Challenger
Challenger
9 anos atrás

Aproveitando o topico, os amigos do blog poderiam mandar mais noticias sobre o NAe São Paulo e os VF-1 Falcões.

João
João
9 anos atrás

De semelhantes, Brasil e Austrália só tem o tamanho de seus territórios.. Embora o Brasil tenha um “PIB per capita” bem menor do que o australiano( em torno 10.000 u$) e a Austrália de, mais ou menos, 35.000 u$. , o PIB total do Brasil; é 138% maior do que o Australiano. -PIB Brasil 2009: 1794 bilhões. -PIB Austrália 2009: 752,2 bilhões. -Brasil tem uma população de 198 milhões. -Austrália tem uma população de 21 milhões. Em 1982, o porta-aviões que operava desde 1955, foi desativado, provavelmente pela idade…. com estes números, quero chegar ao ponto que: provavelmente, o governo… Read more »

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Caro Tomcat,

O HMAS Melbourne teve um convés de voo em angulo sim, mas o angulo era menor, 5 graus e meio enquanto que o do Minas Gerais por exemplo era de 8 graus e meio, por isso dando a impressao que não
existia.

Abs

Cesar
Cesar
9 anos atrás

Caros Maurício, Fernando Shinzato e João Maurício – Na minha opinião, concordo com você, mas existe um fator importante a considerar se vale ou não a pena assumir. Os subs Collins foram um salto para a frente que os australianos deram que tinha seus riscos. Foram um projeto ambicioso dos suecos, que nunca tinham feito subs daquele tamanho, e de fato, tiveram muitos problemas. Mas, pressionando com base nos contratos (e chamando os americanos para consertar o pior), resolveram. Os Collins estão aí. Aliás, pensar nisso faz lembrar o Tp2000 e um candidato ao FX2 até promissor, mas, deixa prá… Read more »