Home Estratégia Brasil cria posto avançado de defesa na Ilha da Trindade

Brasil cria posto avançado de defesa na Ilha da Trindade

2616
57

Marinha constrói estação científica a 1.167 km da costa do Brasil, para proteger riquezas naturais

Sidney Martins – Enviado especial

A Marinha do Brasil conquistou um forte aliado tecnológico dentro da Estratégia Nacional de Defesa (END). Com a construção, neste ano, da Estação Científica da Ilha da Trindade (ECIT), a Armada estabelece um novo rumo às atividades científicas na ilha. Por sua localização, próxima às principais bacias petrolíferas e à região de maior desenvolvimento econômico do país, Trindade é um posto avançado vital para a defesa nacional.
A nova Estação Científica faz parte do Programa de Pesquisas Científicas da Ilha da Trindade (Protrindade), criado no âmbito da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), com o objetivo de promover e gerenciar o desenvolvimento de pesquisas na área.
De acordo com a Marinha, o Protrindade atende as diretrizes da Política Nacional para os Recursos do Mar, de Defesa Nacional e Nacional de Meio Ambiente. Localizada a 1.167 quilômetros de Vitória (ES) e a 1.416 quilômetros do Rio de Janeiro, Trindade, além de ser estratégica para a defesa nacional, vai propiciar a obtenção de dados essenciais para a previsão meteorológica.
A Armada conta hoje com 30 militares na ilha, operando uma estação meteorológica para o serviço de previsão do tempo da Marinha. É a única ilha oceânica brasileira com água potável. A estação conta com geração de energia, refeitório, frigorífico, telefone, televisão e acesso à Internet.

A cada dois meses são realizadas viagens de reabastecimento, ocasião em que os militares selecionados embarcam para servir durante quatro meses. De acordo com o capitão-de-mar-e-guerra José Marques Gomes Barbosa, do Comando do 1º Distrito Naval (RJ), a seleção do pessoal leva em conta a capacitação específica e a vocação para a situação peculiar de se ficar longo tempo afastado da família.

Para a construção da estação foram superados diversos desafios, entre eles a dificuldade de acesso à ilha. Não há praias que facilitem o desembarque por superfície, em função da existência de um anel de corais. É necessário cuidado também com a arrebentação e com a mudança repentina do tempo.

Conforme levantamento feito pelo capitão-tenente Felipe Picco Paes Leme, 100 toneladas de material foram embarcadas no navio “Mattoso Maia”, em Vitória com destino à ilha. Após quatro dias de viagem, foram necessários 126 deslocamentos de helicóptero entre o navio e a terra, com duração de mais quatro dias. A concepção do projeto da Estação Científica foi feita por uma equipe da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), com larga experiência em construções em lugares inóspitos.

Assessor da Secretaria da CIRM, o capitão-de-mar-e-guerra Camilo de Lellis de Souza explica que o projeto buscou soluções arquitetônicas para minimizar os impactos ambientai, como ventilação natural e sistema energia solar. O PVC foi usado como material para a construção, por ser mais eficiente para obras em locais de difícil acesso.

A ilha possui uma extensão de 8,2 quilômetros quadrados e é fortemente acidentada, com elevações de até 600 metros. Surgiu há três milhões de anos. Devido a sua origem vulcânica, a presença de lavas, cinzas e areias vulcânicas pode ser constatada, mas a última erupção ocorreu há 50 mil anos.Desde 1700, a ilha foi intermitentemente usada como ponto de apoio marítimo por traficantes escravagistas e piratas ingleses.

Em 1916, foi ocupada pela primeira vez por brasileiros, em função da Primeira Guerra Mundial. Ao término da guerra, foi desguarnecida. Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, foi novamente guarnecida para impedir que submarinos alemães a utilizassem como base de apoio e para garantir a sua posse efetiva pelo Brasil.

FONTE: Hoje em Dia

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Danilo
Danilo
9 anos atrás

Até que emfim resolveram guarnecer a ilha !

Antes que outros o façam, dexa a ilha de bobeira pra voce ver se os ingreis não da uma de louco e finca os pés lá !

Aldo Ghisolfi
Aldo Ghisolfi
9 anos atrás

Exatamente isso que eu vim dizer. Demorou muito para guarnecer a ilha.

Paulo
Paulo
9 anos atrás

A ilha é guarnecida desde a II GM. Apenas está sendo ampliada a presença, que hoje é somente militar.
Logo após nossa Independência os ingleses se apossaram do arquipélago, uma vez que o local pertencia a Portugal. Mas o Brasil agiu rápido e ganhou a soberania, porque Portugal tendo desistido do território sulamericano (Brasil), aquelas ilhas viriam junto. Como vieram. Claro que houve uma arbitragem internacional.

souzat19
souzat19
9 anos atrás

sera q não daria para construir uma pista de uns 1500mt para servir de base aérea. seria uma boa base avançada para os aviões de patrulha da FAB.

MO
MO
9 anos atrás

Não Souza

Sem chance a geografia da ilha nao permite

Invincible
Invincible
9 anos atrás

So se for uma pista de 1500 m e 80° de elevação. hehehehe

Galileu
Galileu
9 anos atrás

Fica numa localização estratégica…..perto das reservas, uma pena mesmo não ter espaço pra uma pista.

Fabio
Fabio
9 anos atrás

Olha, recentemente saiu numa revista militar o processo de reabastecimento de ilha (não lembro se foi Trindade ou S. Pedro e S. Paulo) e cogitavam construir sim uma pista de pouso na dita ilha. Nos moldes de uma pista construída em Portugal sobre “vigas”.

MO
MO
9 anos atrás

mellim – 21/09/2010 às 15:39

Gostaria de saber o tamanho máximo em terra para psita de pouso. 600
Metros? faz um pista com aparador como nos PAs. criatividade por…@

Ativando o modo sem saco (auto phase on)

Cara de boa – quer disacutir defesa, aprenda geografia .. se nao tivesse sido mencionado, mas de duas uma

ou vc eh desatencioso e nao deu a minima para os coments

ou desconheçe o quintal de casa

em ambos os casos, ao inves de sugerir criatividade, verifique livros de geografia …

Andre Luis
Andre Luis
9 anos atrás

Coloca meia dúzia de radares na ilha pra vasculhar céu e mar.
Pearl Harbor só foi atacada pois não contava com radares precisos para a região.
Trindade seria a 1ª linha de defesa em caso de ação marítima e aérea, dando tempo para uma resposta das nossas FAs.

Paulo Costa
Paulo Costa
9 anos atrás

Já nos foi oferecido uma base conjunta com pista de pouso(com verba faz),
a muitos anos atras,não sei como ficou .

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 anos atrás

No caso de uma pista, não precisaria ser muito comprida. Por ser relativamente próxima da costa, aviões pequenos como o Cessna Caravan poderiam alcança-la com facilidade. E sendo um avião pequeno, pode usar pistas curtas. Ele pousa e decola em menos de 700 metros com peso máximo. Se a pista tiver muito vento (o que é bastante provável) a distância pode ser ainda menor.

Se for pra aloprar, um PT-6 Turbo Porter ou um An-2 tem capacidade semelhante e pousa quase em qualquer lugar, com pista mínima.

Invincible
Invincible
9 anos atrás

Gente vamos acordar… É so dar a volta pela ilha! Ela é so um posto de observação e pesquisa científica. Não da para fazer pista lá. A Pista com vigas foi feita na ilha da Madeira que é bem grande e um outro tipo de terreno. Enfim, outra realidade. São Pedro e São Paulo, são dois rochedos que mau tem capacidade de abrigar uma casa. Não da para fazer um pista porque é um arquipélogo com aves endemicas. Sem contar que não haveria segurança nenhuma para o pouso. Não é so construir uma pista ao lado de um paredão de… Read more »

MO
MO
9 anos atrás

Mesmo que fosse possivel, estas aeronaves voam 1000 e trocentos km ?

Gente, nem navio atraca no POIT, ja perdmos navio la tentando reabastecer a ilha e isto ja foi discutido aqui

Alguem conhece a “cabrita” ? .. atentar a maneira que é abastecida a ilha e tirar conclusoes

simplesmente as ideias sao maravilhosas mas nao dá !

Trindade nao é Ascenção nem Diego Garcia nem Tristão de Cunha … uma pena, mas não é

Paulo Silva
Paulo Silva
9 anos atrás

Galera, boa tarde.

Deem uma olhada no Goggle Earth, e poderao notar que realmente nao tem condicoes nem de pista de 200 metro, quanto mais de 600 a 1500 metros.

Abracos a todos!

Paulo

Fabio
Fabio
9 anos atrás
claudio/Itajaí - SC
claudio/Itajaí - SC
9 anos atrás

pista na ilha kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
mais um pouco kkkkkkkkkkkkkkkkkk
Onde vai ficar a torre de controle? kkkkkkkkkk
Onde ficaria o tanque de combustivel para colocar nos aviões?kkkkkkkkkk

Já é de grande admiração ter uma base instalada no local.

Antonio
Antonio
9 anos atrás

1) Creio que quando o Figueiredo era presidente da República foi assinado um convênio com uma empresa estrangeira visando a elaboração de um estudo para a instalação de uma pista em Trindade. Alguém sabe que fim levou aquela história? 2) Um dos problemas em Trindade que dificultaria a operação de aeronaves de asa fixa é a grande quantidade de pássaros que habitam a ilha – a maioria deles iria virar churrasquinho dentro de uma turbina ou picadinho numa hélice. 3) Mas isso não impede que nela sejam operados UAV’s lançados a partir de catapulta, de pequenas pistas ou, até mesmo,… Read more »

Fabio
Fabio
9 anos atrás

Bom, para não falarem que eu estou ficando louco. Não disse que tem que construir e sim que pensaram em construir: “Em maio de 1950, a ilha foi visitada por uma importante expedição científica sob a orientação do então ministro da Coordenação Econômica, João Alberto Lins de Barros e liderada pelo engenheiro Paulo Assis Ribeiro, pois haviam planos de promover uma nova colonização e, possivelmente, a construção de uma base aeronaval. Sete técnicos do Museu Nacional do Rio de Janeiro também fizeram parte da viagem, realizada com o apoio dos contratorpedeiros de escolta Baependi (Be 5) e Beberibe (Be 2)… Read more »

GUPPY
GUPPY
9 anos atrás

amigos,

Quando a minha mãe faleceu, em Recife, um irmão meu encontrava-se nesta Ilha e, por isso, ficou sem ver a nossa mãe naquele momento difícil.

Abraços

MO
MO
9 anos atrás

Ivanildo

Uma das partes duras da carreira

Sentimentos tardios mas sinceros !

MO
MO
9 anos atrás

Ofi Topica Invencible, Jok, Jag, Primo ou quem este la ontem e particpou do papo Gentilza se a Pati aparecer no xat(o) gentileza inofrmar a ela (Pois hoje é aniversario do ostrinha e possivelmente não estarei la hoje a noite). Aqui vai a resposta que fiquei devendo ontem, Skandi Fluminense IMO: 9365582 Flag: Brazil Reg. Owner: Skannor Offshore Ltda Type: Tug/Supply Status: Live Overview Movements AIS Sightings Fixtures Incidents Ownership Hull Risk Vigilance News Vessel MovementsThe vessel’s latest position and movement history combining AIS and Lloyd’s Agency Network data, with all movements back to 1997 Last Position: Forno, Brazil 21-Sep-2010… Read more »

Marcos Andrey
Marcos Andrey
9 anos atrás

Antonio : 21 de setembro de 2010 às 17:20

“Creio que quando o Figueiredo era presidente da República foi assinado um convênio com uma empresa estrangeira visando a elaboração de um estudo para a instalação de uma pista em Trindade. Alguém sabe que fim levou aquela história?”

Me lembro muito bem disso!!! O engenheiro responsavel pela obra seria um tal de JESUS CRISTO mas ele acabou não aceitando é que o pai dele gosta muito da ilha assim do jeitinho que ela é!!!!

GUPPY
GUPPY
9 anos atrás

Caro MO,

Obrigado pelas suas palavras.

Happy Birthday e muitas felicidades ao Ostrinha.

Abraços

felipe alberto
felipe alberto
9 anos atrás

algum de vocês conhece o Aeroporto Internacional de Kansai

MVMB
MVMB
9 anos atrás

Parabéns a Marinha pela ação que contribuirá para a solidifação de nossa soberania

Até que enfim uma ação estrategica de impacto !!!!!

Colt
9 anos atrás

O título da matéria do jornal é TOTALMENTE equivocado. “Brasil cria posto avançado de defesa na Ilha da Trindade” Depois de um título de matéria que traz a idéia de que se trata de um posto avançado armado com finalidade principal de defesa militar, a matéria especifica que se trata de uma instalação científica… “Com a construção, neste ano, da Estação Científica da Ilha da Trindade (ECIT), a Armada estabelece um novo rumo às atividades científicas na ilha. ” Hora, que é isso!? Quer vender jornal tudo bem, mas vamos fazer as chamadas de acordo com o conteúdo. Nesse caso… Read more »

wellington
wellington
9 anos atrás

Sobre a questão da pista de pouso, o estudo que o Figueiredo fez para permitir que aviões da FAB pousassem na ilha, ao que parece, se baseava na série televisiva Thunderbirds. A montanha iria se abrir para dar acesso a uma pista de pouso escondida dentro da rocha. Alguém pode confirmar esse dado? Pessoal,,, agora sério. Não dá para construir pista e mais, ela não seria adequada. Como defendê-la em uma guerra? Na verdade ela serviria, isso sim, para o eventual agressor que, ao tomá-la, poderia ter uma boa base para dominar o pré-sal. Em minha humilde opinião, nossa melhor… Read more »

MO
MO
9 anos atrás

gerson 21/09/2010 às 22:34 Eu acho que poderia haver um helicóptero da marinha bem equipado sempre presente. E com certeza, uns radares bem qualificados. Afinal, cobriria uma área que fica próximo às regiões mais desenvolvidas do país, e que por isso mesmo, devem ser mais bem guarnecidas. Meu, ta dificil de entender ne cara como o hello voa 1 e trocentos KM ate a ilha, pousa e reabastece para patruçhar Cara s assim o fosse o abstecimento da Ilha utilizaria navio x helo e nao navio x cabrita Powets, ja foi falado, quem nao conhece a ilha, para de inventar… Read more »

Robson
Robson
9 anos atrás

claudio/Itajaí – SC disse:
21 de setembro de 2010 às 17:15

Sei que não tem como colocar uma pista na ilha, mais quero te lembrar que nem toda pista tem torre, pelo contrario 99% delas, não tem.

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Eu defendo a construção de uma base permanente, com uma pista capaz de receber aviões de grande porte. Muitos dirão que a geografia da ilha não permite, mas sabemos que existe tecnologia para essa empreitada. Na ilha da madeira, uma parte da pista foi construída sobre pilares. É preciso um porto neste local. Uma estação de radar, não só para aviões, mas para o programa espacial.
A empreitada é grande, mas a nação é capacitada para tal. Haverá ganho. Serão gerados centenas e centenas de empregos por muito tempo.

SCintra
SCintra
9 anos atrás

MO
“Bom, vamos ver o proximo artista com a proxima tentativa fantastica …”

Na boa mano, é só encher de entulho de construção. Na terra do Araribóia é comum efetuarem o alargamento da orla, pedra pedra pedra, entulho, entulho, entulho, ai chama o Niemayer q ele faz uma torreta porreta, o unico problema são os “1 e trocentos KM ate a ilha”. ah!ah!ah!
…proxima tentativa fantastica …

Dalton
Dalton
9 anos atrás

Grande MO…

temos outra coisa em comum… O TB-2 ! Tenho um modelo do mesmo
com o “pod” destacavel e dentro o “Mole” para salvamentos subterraneos…o ideal seria o TB-4 mas não estava mais sendo vendido
ahhh, e também comprei na mesma escala o TB-1!!

F.A.B. nós sabemos que não é apenas Força Aerea Brasileira não !

abraços

Luiz Padilha
Luiz Padilha
Reply to  Dalton
9 anos atrás

Não comecem a falar da minha infância, senão eu vou ter que ver mais uma vez meus DVDs deles.
Os originais é claro!

pedro
pedro
9 anos atrás

O pessoal fala do Exército (treinamento, luta corporal, selva), da aeronautica (a luta de um homem sozinho a déz mil pés, na velocidade do som), mas a Marinha é o lugar mais sofrido do mundo! 4 MESES SEM MULHER! Caramba, a tripulação pode ficar louca “com tudo subindo pra cabeça”! A Marinha deve mandar monges tibetanos pra esses postos. Seríssimo! Aliás, esse caso é pra se pensar desde já, afinal teremos o sub nuc que ficará meses no mar. Ou eles “levam” uma minas no meio dos víveres, entre as batatas e ovos, ou contratam mais monges tibetanos, (pra serem… Read more »

Joker
Joker
9 anos atrás

Qm conhece a ilha ou jah viu pelo menos algumas fotos da mesma, sabe que mesmo com as soluções de engenharia utilizadas na ilha jah citada não são possiveis. Além de serem projetos com objetivos diferente Trindade e a referida ilha(militar outro turistico), seriam aeronaves de portes/categorias diferentes. Em Trindade as ações de impacto ambiental são detalhadas e cumpridas ao extremo, o que mantem a MB com POIT operativo no minimo são os recursos vindos de outros ministerios (que não o MD) que utilizam a MB como facilitadora dos pesquisadores. É caro, como tbm necessario, manter o POIT e amplia… Read more »

MO
MO
9 anos atrás

4 meses sem mulher ?

cara, de que marinha de que planeta vc ta falando ?

MO
MO
9 anos atrás

Boa Cintra, bela ideia
Que tal implantarmos o Metro tbm 🙂 (isso gera emprego)

Gaivota tem carteira assinada ? a CLT cobre isso ?

Boa ideia truta !

MO
MO
9 anos atrás

Ik Don, esqueci de uma complementando o acima, que complementa oum outro mais acima

ah uia esquecendo e pista para AN 124 and A 380, para fazerem a rota Trindade – Acre éça Transbrasil em joint com a VASP

Joker
Joker
9 anos atrás

Luiz Padilha disse:
22 de setembro de 2010 às 11:28

Padilha recordar é viver! rsrsrsrsrsrs

Sem comparança os desenhos e series mais antigas com as de hj, fico imaginando como serão as crianças de hj como adultos no futuro!!! (previsão sombria)

Joker
Joker
9 anos atrás

MO disse:
22 de setembro de 2010 às 11:33

Sem esquecer as idas e vindas a lua pela Panair…

MO
MO
9 anos atrás

Oi Dalton

Tenho os 5, mas sao matchboxm pequenos, tem um careta aqui que tem o TB-2 grandao, mas nunca mais o vi

eh cara, quem tem tem e quem conheceu conheceu ….

pra ficar naval, to paquerando um Gneisenau, o Nasau e o Derflinger 1 /1250

Wilson Figueiredo
Wilson Figueiredo
9 anos atrás

Quando esse papo de contratar uma empresa, para “fazer” uma pista em Trindade, chegou ao público, não teve um militar da MB, conhecedor da ilha, que saltasse umas boas e sonoras gargalhadas. E olhe que estávamos em pleno regime militar e embarcados em navios que abasteciam o POIT (e tome cabrita, marola, rocha com mechilão!). Embora tendo ainda um resquício de “Pra frente Brasil”, prevaleceu o bom censo e, não se falou mais nisso.

Dalton
Dalton
9 anos atrás

MO…

tenho o Scharnhorst naquele tom tropical amarelado e branco…comprei logo depois de ter lido o livro “Coronel and Falklands” mas não fui muito longe nos navios que lutaram na I Guerra Mundial…dei prioridade para os da Segunda Guerra…se pudesse voltava atrás e teria uma coleção meio a meio, Primeira e Segunda Guerra…mas…se um dia retornar a colecionar…estou namorando o SMS “Konig” há tempos !!!!

abraços

MO
MO
9 anos atrás

ahhh o Köning

belo navio Dalton

Tenho um m 1/350, esqueci o fabricante (é Ucraniano), mas é um belissimo navio, adquira de olhos fechados !!!

Paulo Costa
Paulo Costa
9 anos atrás

Os batalhões de engenharia das forças armadas tem condições de fazer um ante projeto de uma base na ilha com pista de pouso,e cais protegido para suprimentos e etc.Se o governo quiser fazer uma licitação visando uma concorrencia para execuçao da obra ,varias construtoras apresentarão projetos em conformidade com o que for pedido pelas FA. No Japão eles desmancham montanhas para criarem areas de aterro no mar para bases,siderurgicas,e industria em geral,devido a terem pouca area plana no pais,alem do espaço exiguo.O plano de exaustão de mina,é criar bancadas de circulação,e exploração,esta bancada já é uma pista de pouso na… Read more »

ditongo
ditongo
9 anos atrás

O jeito mais viável de ter uma pista de pouso naquela ilha
é transitar o NAe São Paulo A-12 pelos arredores do rochedo.

Vinícius D. Cavalcante
Vinícius D. Cavalcante
9 anos atrás

Muitas vezes tendemos a reinventar a roda; mas o ideal é que a nação lucre em sua soberania. Houve um projeto nos anos 80 que envolvia um pequeno aterramento e a construção de uma pista capaz de receber até um C-130. Não haveria possibilidade de hangaragem, mas seriam construídas instalações de reabastecimento e de apoio para que os Bandeirulha pudessem fazer eventuais pousos na ilha. Houve até uma extensa matéria no NOMAR, com esboço da pista e tudo. infelizmente a idéia não foi á vante. O que se comentou na época é que um determinado Ministro, a quem eu particularmente… Read more »

Marco Antonio Lins
9 anos atrás

Grande passo MB do Brasil. Parabens! Acho que poderiamos instalar
uma estação meteorologica, e sistema de radar. Não sei o raio de ação dos novos ET-725( helicopeteros) ou M-17 russo, somente vc poderia me dar esta resposta,caso fosse operacional para os mesmo criariamos uma base.

Raptor
Raptor
9 anos atrás

Senhores, Sem pensar nas questões ambientais envolvidas… Engenharia para se construir uma base aeronaval na ilha é óbvio que existe… Seria uma ultra desafio de engenharia e $$$ (carregar material para um lugar no meio do nada, custa muito, mas muito, caro…) e para quê… Acredito que uma base flutuante, a la, Petrobrás, seja bem mais simples do que construir em Trindade um complexo aeronaval, para se ter a noção da complexidade (a logística se assemelharia a algo parecido entre hades e o inferno) para tal idéia na prática… Até base submarina (embaixo d,água mesmo) é possível se fazer em… Read more »

Wilson Figueiredo
Wilson Figueiredo
9 anos atrás

Quase tudo, falando em tecnologia, é possível. Quanto custa? Vale a pena?